Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

27 de jul de 2006

O.M. AÏVANHOV – 27 de julho de 2006

DO SITE AUTRES DIMENSIONS

Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

(OS VÍRUS E O MEDO - MENTAL X SUBIDA VIBRATÓRIA - DESAPEGO DE APEGOS ANTIGOS).


Bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los, para alguns de vocês, certamente, é a primeira vez que os vejo, então, eu lhes apresento, inicialmente, as minhas saudações e trago-lhes, já, todo o meu amor e a minha bênção, e vamos começar as entrevistas, tal como eu gosto particularmente e, sobretudo, as questões-respostas que me são caras.

Então, cara amiga, se quer começar a lançar as questões, serei todo ouvidos do que me dirá, para tentar responder.

Questão: Por que há tantos problemas de vírus?

Posso re-situar, cara amiga, a noção de vírus com relação à origem.
O vírus é uma origem tipicamente astral, ou seja, ligada ao mundo emocional.

Eles são criações não de origem Divina, mas criações diretamente inspiradas da criação da terceira dimensão e, portanto, a conjunção junto ao ser humano de certo número de medos e de pavores, eu diria, que produziram esses vírus, progressivamente, desde milhares de anos, desde a criação desta terceira dimensão, ou seja, desde cinquenta mil anos.

Então, os vírus não são, inexoravelmente, ligados a uma agressividade.

A teoria a mais adequada corresponde a imaginar, como o dizem os homeopatas, que a coisa a mais importante é o terreno e que o vírus não é absolutamente nada.

Então, juntamos-nos, se quer, cara amiga, à origem desse vírus.
O vírus nasceu no mundo astral, no mundo emocional, mundo de divisão, mundo de separação, do ego, da personalidade.

É evidente que uma pessoa que tem um nível vibratório suficiente é capaz de eliminar todos os vírus, porque os vírus não têm tomada sobre ela. O que quer dizer que, se o vírus tem uma tomada (qualquer que seja o vírus), isso corresponde a uma problemática profundamente emocional que é escondida e repelida, certamente, no interior desses casulos de Luz.

Então, efetivamente, quanto mais se sobe na vibração e na consciência, mais se apercebe que o vírus não é absolutamente nada com relação à interioridade do homem e que são os defeitos ao nível dessa interioridade astral (e não espiritual) que faz a virulência, eu diria, dos vírus e a possibilidade, para eles, de encontrar um terreno propício para seu florescimento.

Então, uma vez que o vírus penetrou, efetivamente, é importante tratar não o vírus como tal, mas, antes, apoiar o corpo, para que o corpo astral e o corpo etéreo possam, assim, fazer desaparecer e limitar a influência desse vírus.

Mas não se esqueça de que a origem situa-se ao nível da personalidade e, em particular, em algo de fundamental, que é um medo repelido e um medo que está inscrito muito profundamente, eis que isso pode ir até ao nível genético que está ligado à vivência da pessoa.

Então, poder-se-ia dizer que é preciso tentar encontrar a origem precisa do medo, o porquê e como esse medo chegou a cristalizar-se.

O importante é subir o nível vibratório porque, a partir do momento em que o nível vibratório sobe, a partir do momento em que a serenidade interior ou o controle começa a aparecer, naquele momento, o medo não pode mais existir.
A única verdadeira solução situa-se nesse nível.

Quer dizer que a solução não está na luta contra o vírus.
Num primeiro tempo, poder-se-ia dizer que se pode aumentar o terreno, efetivamente, mas o mais importante não está nesse nível, porque aumentar o terreno jamais fez desaparecer um vírus (quer seja um vírus de hepatite, por exemplo, crônica).

Em nenhum caso ele poderá desaparecer com medicamentos, tanto químicos como os que visam destruir o vírus, ou vacinas ou com produtos naturais que elevarão, de maneira temporária, o sistema imunológico, por exemplo, para lutar contra o vírus.
A solução situa-se ao nível da eliminação do medo, não com relação a encontrar a origem precisa desse medo, mas, sim, com relação a uma subida vibratória, com relação à vibração do coração, obviamente.
A solução está, unicamente, nesse nível.

Questão: Por que há pessoas que não são atingidas por vírus, apesar do fato de não apresentarem, aparentemente, uma taxa vibratória muito «elevada»?

Obviamente, cara amiga, porque elas não têm medo, elas estão no ego de força e de poder, elas não ficarão, jamais, doentes, porque desenvolveram estratégias de luta e de privatização, eu diria, do ego, que faz com que estejam no poder e os seres de poder não estão, jamais, doentes.

Uma vez que a doença está aí, em contrapartida, não é questão, obviamente, de recair na tentativa de encontrar um poder, mas, antes, subir o nível vibratório, porque a doença é, realmente, um sinal que é enviado.

Em contrapartida, os seres que estruturaram, enrijeceram seu ego (ou seja, que subiram no poder e num falso controle que nada tem a ver com a evolução espiritual e a subida na vibração), desenvolveram estratégias de defesa que são muito eficazes.

Mas, infelizmente, quando eles forem privados de seus corpos, eles se aperceberão de que tomaram a falsa estrada.

Não se deve julgar, unicamente, na aparência da doença ou da boa saúde.
Houve santos que estiveram extremamente doentes, houve personagens que eram verdadeiros algozes que jamais estiveram doentes em suas vidas.

A doença não faz referência à evolução espiritual, a doença faz, simplesmente, referência a um sinal que é dado à alma.
Em contrapartida, alguns seres conseguiram cortar-se de sua alma, e eles não estarão, jamais, doentes, porque desenvolveram estratégias de poder, mas não evoluirão, jamais, ao menos nesta vida, ao nível espiritual.

Questão: Como aumentar a taxa vibratória para si mesmo?

A subida vibratória pode fazer-se de milhares e milhares maneiras, há técnicas inumeráveis para subir a taxa vibratória.

Há seres que lhes dirão que não há técnica, como o fez, por exemplo, o grande Krishnamurti; outros lhes dirão que há técnicas, e outros lhes dirão que são necessárias técnicas, mas que não se devem realizar técnicas.

O importante é desviar o mental, porque o obstáculo o mais importante à subida vibratória não é o medo ou as emoções, é, obviamente, o mental, é ele que é o obstáculo essencial na subida vibratória.

A partir do momento em que vocês se colocam a questão “eu quero subir na vibração”, obviamente, é o mental que diz isso, não é a alma.
A alma não diria, jamais, esse gênero de coisa, a alma os faz estremecer e subir na vibração, diretamente.

A partir do momento em que um pensamento é emitido, ele apenas pode vir do lugar da dissociação, da separatividade, ou seja, do lugar do mental.
Ora, o mental, como diziam alguns Mestres, mente sempre.

Não pode ali haver subida vibratória real que os conduza à imortalidade (não do ser físico que vocês são, mas ao reencontro de sua Divindade), isso não pode fazer-se sem que o mental esteja perfeitamente silencioso e perfeitamente na calma.

Para isso, alguns seres terão necessidade de técnicas, alguns vão meditar, alguns vão pedir, alguns vão fazer gestos, outros terão cristais, que sei eu ainda..., e outros vão aceder, diretamente, a esse estado de transcendência.

Então, retenham, entretanto que, mesmo uma técnica, mesmo válida (e em minha vida havia a panaritmia, por exemplo, que era um exercício excelente, havia, também, a saudação e a adoração do Sol da manhã que levanta, isso também é uma técnica que permitia colocar o mental em repouso), o importante é, para a subida vibratória, impedir o mental de trabalhar.
Porque, a partir do momento em que você quer trabalhar, por exemplo, sobre o vírus que está ligado ao medo ao nível do corpo astral, você se serve do corpo mental.

Você toma falsa estrada e comete erro, porque não pode haver subida vibratória nesse caso.
É preciso fazer calar o mundo emocional, é preciso fazer calar o mundo mental, para aceder ao supramental e aceder à dimensão espiritual do ser.

A subida vibratória produzir-se-á quando você sentir, num primeiro tempo, os chacras que se ativam (em particular o chacra da coroa), mas você não deve permanecer ao nível da coroa.

Obviamente, essa subida vibratória (que está ligada à ativação do triângulo Sefirótico superior) deve conduzir à iluminação do coração, e o coração apenas pode preencher-se se a cabeça está vazia, isso é extremamente importante, vazia de pensamento, mas, também, vazia da energia que é recebida dos planos espirituais para reconduzir ao coração.

A única subida vibratória autêntica corresponde a essa e a nenhuma outra.

Agora, vocês podem utilizar as técnicas que quiserem ou nenhuma técnica, isso é secundário.

Questão: Como se pode chegar ao desapego desses apegos antigos?

O desapego do antigo apego, aí está uma bela expressão, corresponde, efetivamente, a uma palavra que é importante.

Conseguir soltar quer dizer abandonar os apegos, é algo que faz parte da evolução espiritual que é solicitada, hoje, a toda a raça humana, para aqueles que o puderem, para aceder a novas vibrações e a novas dimensões.

É extremamente importante não permanecer fixado nos apegos, quaisquer que sejam e os apegos os mais importantes que vocês têm, todos, como ser humano (mas que nós superamos em nossa vida, aqueles que atingiram o estado de soberania) são, obviamente, os apegos familiares que são a ferida, eu diria, de suas vidas e de suas encarnações desde milhares de anos.

Então, é preciso decidir confiar.
Não há que ser julgado pelos membros da família ou da ex-família, não há, tampouco, que sofrer com relação a algo que pertence ao passado porque, dessa maneira, você mantém, em si, fantasmas, e você cristaliza, nos casulos de Luz, coisas que podem tornar-se muito desagradáveis e desencadear certo número de sintomas, ou doenças que, desta vez, podem ser muito graves, unicamente com relação a esse apego de natureza familiar.

Há, também, os que são apegados a outra coisa, por exemplo, a objetos, também, a lugares, por que não?

Tudo o que é forma de apego é algo que vai remetê-los ao que se chama o passado.

Ora, o acesso à dimensão nova corresponde a uma liberação total do passado, e é preciso fazer abstração desse passado, desapegar-se desses apegos do passado, dirigir sua consciência e, mesmo, seu mental, sobre coisas a vir.

O ideal é, evidentemente, estar centrado, totalmente, no presente, mas a maior parte dos seres humanos, em todo caso os ocidentais, quando se fala de presente, entrar no presente, define o presente com relação às experiências vividas no passado, então, não é, realmente, o presente.

Quando um oriental lhe diz estar centrado no instante presente, é o acesso a um instante de transcendência, onde não há mais poluição do instante presente por uma memória do passado.

Então, efetivamente, há, hoje, uns e outros em encarnação, a superar processos de apego extremamente diversificados, mas cada um encontra-se confrontado aos apegos que lhe são os mais dolorosos a superar.
Porque, quando não se está apegado a algo, eu diria que é muito fácil desapegar-se, eis que se é, já, desapegado, é uma banalidade, como dizem.

Em contrapartida, quanto aos apegos profundos, é preciso refletir sobre a natureza desses apegos.
Um apego é um apego, não se tem necessidade de saber qual é a natureza do apego e porque ele é assim e porque ele é de outro modo, se é cármico, se vem de uma vida passada, se vem de algo que não foi compreendido.
Necessariamente, sim, é isso.

Então, convém, antes, trabalhar sobre o instante presente e sobre a Divindade interior, sobre o ser interior, porque há apenas esta dimensão, e não diria, jamais, o bastante, que é capaz de desembaraçá-los de todos os apegos.
Ou seja, encontrar a própria dimensão espiritual, ela não conhece os apegos.
Encontrar sua própria Divindade, a Divindade interior dos seres de Luz que vocês são.
Quando retomarem consciência do que vocês são e esquecerem todas as sombras do passado, vocês voltarão a tornar-se, totalmente, vocês mesmos, isso se faz progressivamente.

Afirmem sua unidade, afirmem todas as manhãs:
“eu sou Um”,
“eu sou um comigo mesmo”,
“eu sou um com meu instante presente”.

Mas eu não sou o resultado de meu passado, ainda que o jogo da encarnação tenha feito crer nisso e que meu corpo ainda creia nisso, isso é uma heresia que durou suficientemente longo tempo.

Tanto mais que não se deve esquecer que o sacrifício de Cristo foi relacionado a essa liberação do passado.
Isso é extremamente importante a compreender, também.

Então, não há técnica para liberar-se, assim, de um golpe de varinha mágica, mas há uma técnica para dizer “eu estou em meu presente” e “eu sou um” e “eu estou na busca de minha Divindade interior” e não nas lamentações dos problemas do passado que pertencem ao passado e que não são mais seu presente ou, em todo caso, que não deveriam ser.

Então, recebam todo o meu amor, toda a minha bênção e digo-lhes, certamente, até breve, em uma próxima vez.
Até breve, caros amigos.



_______________________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.
Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

19 de jul de 2006

O.M. AÏVANHOV – 19 de julho de 2006


DO SITE AUTRES DIMENSIONS.


Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

(VIDA EM CASAL - DIFICULDADES COM O DINHEIRO - AFASTAR ENTIDADES -
CANSAÇO DO TERAPEUTA).


Caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.
Dá-me alegria estar, novamente, entre vocês e, obviamente, como de hábito, responderei às questões que vocês têm a intenção de colocar-me.
Então, eu os escuto.

Questão: a vida em casal é, ainda, correta?

Caro amigo, ser feito para viver só é algo que sobrevém, unicamente, quando se chega ao estágio da mestria, bem após o despertar, bem após a transcendência.
Então, não se pode dizer que os seres humanos sejam feitos para viver em casal, quando se vê como isso acontece hoje, mas, efetivamente, é preferível viver a dois.
É mais fácil a levar, mesmo se, por vezes, isso pareça muito difícil viver, sobretudo, nesses tempos nos quais há um que puxa para o alto e o outro que não puxa, de modo algum, na mesma direção, o que é o caso de muitos casais.

Questão: por que se encontram, por vezes, dificuldades com o dinheiro?

A grande lição é que, hoje, mais do que nunca, quando se tem a vocação ou a pretensão – ou o desejo, pouco importa – de aceder à quinta dimensão, é evidente que para nada serve comprar, no sentido em que vocês entendem.
Ser proprietário de algo, estritamente, para nada serve, é totalmente ao oposto, eu diria, da evolução para a quinta dimensão.

Então, não se pode pregar, aconselhar a liberação da quinta dimensão e querer, a todo custo, possuir, comprar um investimento tão catastrófico, por exemplo, como o automóvel.
Há outros modos de ter um automóvel.
Isso não quer dizer, com isso, que seja preciso privar-se e pedalar uma bicicleta durante todo o ano. 
É contrário ao nível de evolução de todo mundo.

A partir do momento em que vocês têm uma orientação para a quinta dimensão, é preciso aprender a liberar-se de muitas coisas.
Liberar-se, também, do automóvel não quer dizer não ter automóvel, mas, simplesmente, encontrar outros modos de proceder, para ter um automóvel e não comprar.
Mesmo se se dê um automóvel, torna-se proprietário, de qualquer forma, não é, finalmente, a boa solução.

Questão: como afastar uma entidade que põe no desconforto?

É muito simples, cara amiga: basta deixar a terceira dimensão, o que é, matematicamente, impossível de momento, você bem sabe.
É preciso subir o nível vibratório, ou seja, abandonar a terceira dimensão, mas lembre-se de que algumas falhas, onde quer que elas estejam situadas nos seres humanos, são falhas e portas de acesso, de entrada, de entidades nem sempre benevolentes, obviamente.

Enquanto algumas irregularidades, eu diria, falhas, existem em algumas partes dos casulos, isso deixa a porta de entrada aberta para algumas entidades.

Então, enquanto você pertence à terceira dimensão, não há facilidade evidente para suprimir isso.
É preciso enfrentar, subir na vibração, para fazer desaparecer.

Questão: por que, como terapeuta, eu me sinto cansado, após alguns tratamentos?

A origem, nesse caso, caro amigo, pode ser múltipla.
Ou você caiu no que se chamam os vampiros energéticos, ou seja, as pessoas que bombeiam, que bombeiam, que bombeiam, ou há um defeito, em alguns momentos, de canalização de ligação à energia que vem de outros planos para tratar através de você.

Então, os dois são possíveis, mas, geralmente, são bombeamentos e, por vezes, há uma dificuldade para religar-se à sua fonte e religar-se à fonte das terapias em relação à energia que desce.
Os dois são possíveis.

Basta encontrar um ritual que lhe convenha.
Você pode traçar sinais de cruz ao nível de sua fronte, ao nível de seu peito, ao nível de seu ventre.
Você pode, também, pôr dentes de alho (risos), mas você pode, também, por exemplo, decidir religar-se ao céu e à Terra, e chamar os irmãos desencarnados.
Se você faz isso antes de cada tratamento, isso deveria bastar para evitar que os bombeamentos bombeiem.
Você pode portar, também, uma pedra de proteção.

Eu lhes agradeço.
Caros amigos, eu lhes aporto todo o meu amor, a minha bênção, todos os meus encorajamentos para preservar cada um em seu caminho, e eu lhes digo, a todos, até muito em breve.
_______________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

16 de jul de 2006

O.M. AÏVANHOV – 16 de julho de 2006


DO SITE AUTRES DIMENSIONS.

Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

(TRABALHO COM A ÁGUA - SUPERAÇÃO DA DÚVIDA - DESCIDA DA ENERGIA DA 5D -
O DINHEIRO - ESPIRITUALIZAR O QUOTIDIANO - VIBRAÇÃO CELULAR).


Bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.
Então, estou entre vocês para tentar caminharmos um pouco juntos, como de hábito, sobretudo, em relação à sua evolução espiritual e em relação ao que se convencionou chamar o desenvolvimento para a quinta dimensão.

Questão: é interessante fazer passar frequências «colocadas» na água sobre os outros?

Cara amiga, eu lhe responderei que, para agir na água, é preciso, você mesma, controlar a água em si.
A água é o elemento que corresponde a certa forma de feminilidade, é um elemento feminino em relação com o mundo lunar, ou seja, também, com o mundo astral.
Convém, nisso, controlar sua própria água, antes de querer controlar a água dos outros porque, transferir uma frequência na água é algo perfeitamente possível, mas controlar a água das pessoas é algo que me parece muito profundo e controlar a água das pessoas é controlar a vida.
Ora, para controlar a água dos outros é preciso controlar sua própria água, isso eu já disse, mas, também, é preciso pedir a permissão ao Mestre da água.
Não basta querer ou decidir para agir.

Trata-se de gênios que presidiram a criação dos elementos.
O Mestre da água, ao nível o mais elevado, é, já, o que eu chamei o Hayot Ha Kodesh, ou seja, aquele que vai conferir a possibilidade de tornar-se o Mestre da água.
Ser o Mestre da água é, também, ser o Mestre dos Agni Devas.
Isso necessita de um nível de consciência extremamente elevado, que se traduz por certo número, eu diria, de sinais do nível do corpo, como o despertar do Kundalini, como a revelação de todos os sidhis.
Será que é seu caso?

Resposta: «médio».

Não sei bem o que isso quer dizer, esse termo.
É sim ou não?

Resposta: mais não.

Então, é extremamente perigoso trabalhar com a água, porque a frequência que é emitida na água, por si mesma, eu digo, efetivamente, por si mesma, é extremamente poluída pela própria água interior.
Em contrapartida, se você toma um apoio exterior a si, ou seja, vibratório, como uma planta, como um cristal que você coloca na vibração da água, não há mais problema.

Questão: como superar o sentimento de dúvida?

Então, cara amiga, a dúvida é algo de extremamente importante, porque é, ao mesmo tempo, um guard-rail, mas, por vezes, torna-se, de algum modo, invasora e vai, eu diria, opor-se ao desabrochar do ser.
Então, desenvolve-se o oposto da dúvida, que não é a confiança, que é a fé, e a fé torna-se grande, muito grande.
A fé em sua própria Divindade, eu falo, a fé no Pai, a fé na Luz e, naquele momento, os episódios de dúvidas serão apagados pela Luz.

Então, isso pode tomar muito tempo, e é um trabalho, eu diria, permanente.

Questão: por que a descida da energia de quinta dimensão coloca tanto problema à humanidade?

Caro amigo, não são muitos problemas, é um problema essencial.
É preciso, efetivamente, compreender que, quando você diz que a humanidade não está pronta, é que ela não está pronta de tudo, há, unicamente, eu diria, no máximo, dois a três por cento da humanidade que está pronta para aceder a esse estado de consciência novo.
Então, obviamente, como vocês já sabem, aqueles que não poderão ascensionar (como vocês dizem, eu creio), aceder a esse novo nível de consciência, serão profundamente atingidos, porque esse nível de consciência não conhece a sombra, não conhece o sofrimento, não conhece a divisão e não conhece a falta de harmonia.

Ora, todos os seres humanos que não estiverem suficientemente preparados e que acederem a essa passagem específica estarão em estados de divisões extremas.
Eles serão, necessariamente, desconectados, se se pode dizer, ou seja, serão diretamente transferidos a outro mundo de terceira dimensão ou passarão pela etapa da morte.

Então, obviamente, noventa e sete a noventa e oito por cento da humanidade é aterrorizada muito mais, entretanto, em cada ciclo, aliás, que vê a purificação da terceira à quinta dimensão – quando a terceira dimensão existe – isso se traduz, sempre, por uma espécie de desnatação importante, na qual mais de noventa por cento das humanidades em curso devem voltar a partir em um novo ciclo.
É uma constante, eu diria, quase universal.
Não há que eternizar-se nisso ou ter remorsos, há, unicamente, que tentar subir mais o nível vibratório de si mesmo e daqueles que estão ao redor de nós.

Questão: por que as pessoas perderam o significado do privilégio que é a encarnação?

É uma verdade essencial, mas é ligado à organização de sua sociedade e do que vocês chamam a rede social e a rede afetiva que vocês construíram no curso de milênios e que se afastou dos modelos sinárquicos e dos modelos teocráticos e dos modelos da Luz.
Progressivamente, essa sociedade que vocês chamam «em seu apogeu» entrou, de fato, em uma decadência.

Desde a época de Cristo, cada geração viu afundar-se, ou seja, afastar-se do polo de Luz, cada vez mais, a sociedade e os indivíduos, a tal ponto que, hoje, noventa por cento da humanidade atingiu um ponto de não retorno, ou seja, realmente, seres totalmente, quase totalmente cortados da Divindade.
Eles permanecem na vida apenas pelo fragmento de Luz que os anima ainda, e que vem de planos superiores.
Tudo é feito ao nível social, ao nível afetivo, para impedi-los de encontrar essa verdade essencial.

Questão: o dinheiro está ao serviço da sombra?

Primeiro, não se pode dizer que o dinheiro esteja ao serviço da sombra, o dinheiro é uma energia neutra; em contrapartida, a sombra lançou sua posse sobre o dinheiro, como energia de manipulação de multidões e de controle e de poder, isso é evidente, obviamente.
Tudo foi feito de forma, já há mais de duzentos a trezentos anos, para que vocês tenham chegado aí, onde vocês estão.

Efetivamente, o dinheiro, nesse mundo, é o fator o mais corrompido e o mais corruptor em relação à Divindade e à espiritualidade.
O que não quer dizer que o dinheiro seja sujo, mas a utilização que é feita dele, mas a tradução que é feita dele, ao nível social, corresponde a algo de profundamente negro, como você diz.

Questão: como espiritualizar o que se faz todos os dias?

Eis um problema que coloca um cruel dilema, caro amigo, porque, quanto mais você vai subir na vibração, mais a vida quotidiana, como você diz, vai parecer-lhe pesada e difícil.

Obviamente, o dinheiro não existe na quinta dimensão, os laços afetivos – tais como vocês os conhecem – não existem, tampouco, na quinta dimensão e, obviamente, os problemas quotidianos – tais como vocês falam disso – não existem, absolutamente, na quinta dimensão.

Então, efetivamente, quanto mais a quinta dimensão aproxima-se, e mais vocês estão prontos para serem aspirados nessa quinta dimensão, mais vocês acham o quotidiano muito afastado da Divindade e de seu ser autêntico.
Não pode ser de outro modo porque, se vocês estivessem na aceitação total de seu quotidiano com o nível de vibração que é o seu, isso seria mais inquietante.

Obviamente, em minha vida – e numerosos Mestres, também, disseram isso, antes de mim – era preciso fazer cada coisa a cada instante de sua vida com amor e ser feliz no quotidiano.
Mas isso era outra época, era antes que o dinheiro tivesse se tornado o servidor da sombra, era antes dessa escuridão na qual vocês vivem.

Então, efetivamente, sim, a vida é bela, sim, o quotidiano, em contrapartida, é cada vez mais duro e sê-lo-á.
Não creiam que, quanto mais vocês subirem na vibração, mais será fácil viver a vida que vocês vivem.
É, infelizmente, perfeitamente lógico e é um dilema que não pode ser resolvido, mas é uma constatação que irá amplificando-se, a tal ponto, eu diria, que, se a efusão da quinta dimensão atingisse-os, totalmente, a título individual, quem quer que vocês sejam, vocês não poderiam mais, de modo algum, viver nas condições nas quais vocês vivem.

Questão: é exato que não há mais emoção na quinta dimensão?

Felizmente.
E, efetivamente, aqueles que estiverem desestabilizados, de qualquer forma, serão obrigados a deixar o corpo, para entrar na morte.
Obviamente, a quinta dimensão não é um mundo de emoção, é um mundo de alegria, mas de alegria no sentido do coração e não, absolutamente, de prazer, a alegria é bem mais elevada do que o prazer.
Em contrapartida, efetivamente, a noção de medo é totalmente ausente, uma vez que, naquele momento, a relação à Divindade é onipresente.

Na relação à Divindade não pode haver medo, não pode haver aborrecimento, não pode haver tristeza (a tristeza é, sempre, ligada à reminiscência de um passado), não pode haver, tampouco, buscas ilusórias de alguns prazeres, porque a alegria permanente, imanente, é instalada, de maneira definitiva.

Os modos de vida na quinta, estritamente, nada têm a ver com o que vocês conhecem aqui.
Vocês serão os mesmos, em sua essência, mas não serão mais, de modo algum, os mesmos ao nível do que farão, em especial o que vocês chamam o papel social de que os ocidentais são tão orgulhosos (suas profissões, seus status, casamentos, filhos, seus papeis de relação de ajuda), através do status, não existirão, absolutamente, mais.

Questão: a quinta dimensão corresponde à realização do não si?

Perfeitamente, caro amigo, mas a realização do não si a título individual – como o viveram alguns Mestres e como eu o vivi em minha vida – nada mais tem a ver com a realização do não si do planeta, uma vez que aí, os campos vibratórios não são aqueles de um indivíduo, mas do conjunto de sistemas solares.
As modificações são diferentemente mais extensíveis, importantes do que na realização do não si de um ser que desperta porque, aí, é todo um Sistema Solar que desperta.
Mas a analogia é lógica e concebível.

Questão: por que se sente uma defasagem entre o que se vive à noite e de dia?

Meu caro amigo, é preciso saber que a quinta dimensão não conhece o tempo passado, presente, futuro – tal como vocês o conhecem na terceira dimensão – o que quer dizer que, quando vocês acederem à quinta dimensão (quando do processo coletivo da ascensão ou de diferentes ondas de ascensão), naquele momento, vocês vão se encontrar confrontados a algo de importante.
Independentemente da vibração e do estado de alegria, é que vocês vão se aperceber que acreditavam – quando estavam na terceira dimensão – vir de um passado e ir para um futuro.
O problema é que, quando penetram a quinta dimensão – como você o faz em algumas viagens noturnas – você tem a impressão, voltando a viver coisas, porque, simplesmente, quando de processos de expansão temporária, na quinta dimensão, você é confrontado à noção de que seu futuro, de fato, é seu passado.

Eu me explico: dado que a quinta dimensão não tem tempo dimensional, o que é vivido ali é vivido de modo instantâneo.
Mas, tendo acesso, também, a uma vida comum na terceira dimensão, acontece que a consciência guarda a impressão de déjà vu, de já vivido, em relação à própria vida, simplesmente, porque você se aperceberá – quando passar, totalmente, à quinta dimensão – que, de fato, você não vinha de seu passado, mas de seu futuro.
É, de fato, o futuro que vem a você, ao ponto de reencontro que se chama a ascensão.

Questão: como manter consciência mais nitidamente, no dia, do que se vive à noite?

Melhor não porque, senão, o processo de dissociação entre a terceira e a quinta seria, ainda, um maior dilema.
Quanto mais imersão houver na quinta dimensão, mais a vida na terceira dimensão – tanto ao nível social, profissional, afetivo, relacional – será, eu diria, difícil.
Tornar o mais perfeito possível cada instante de sua vida é o melhor modo, efetivamente, de não desprender.
Não permitir ao que acontece à noite, de momento, tomar demasiada importância na vida consciente.

Em função do grau de desabrochar de sua Divindade, tudo é possível.
Pode-se chegar, em função do grau de Luz que nos inunda, totalmente, a rejeitar tudo o que fez a vida até o presente e, isso, em todos os domínios, mas, isso, é algo que você sozinho decide, com sua Luz que você é.

É preciso, efetivamente, compreender que a imersão total na quinta dimensão é a revelação total da Divindade.
O que você chamava, há pouco, a realização do não si corresponde a um desaparecimento total das máscaras da personalidade.

Questão: como fazer para ter mais sentir ao nível celular?

Basta subir a vibração.
Há milhares de técnicas, mas não há técnica.
Basta, simplesmente, entrar em sincronização, em sincronia com o corpo, pela respiração, por exemplo, e, naquele momento, pedir às estruturas celulares para vibrarem, até sentir a vibração ao nível do corpo físico.
Depois, essa vibração vai subir e invadir os diferentes casulos (isso é uma subida em vibração).

A própria consciência intervém em sua própria subida na vibração.
Isso corresponde, totalmente, ao que vocês vivem (nem sempre quando de minhas canalizações, isso depende do público), sobretudo, no momento em que vocês trabalham nas curas espirituais e em que se faz esse trabalho vibratório que vocês chamam «coluna».
Aí, eu tenho visto, efetivamente, que, por internédio de meu canal e, também, do canal de outras entidades, há uma subida vibratória à quinta dimensão.
É isso a vibração: essa espécie de peso que invade, de repente, todo o corpo e que, após, faz como um reforço de energia ao redor de si.
Isso é a subida na vibração.

Questão: como defender-se contra uma espécie de «ingenuidade» da qual as pessoas, por vezes, aproveitam?

Mas, absolutamente, não é preciso defender-se disso, é o objetivo da transformação.
Lembrem-se das palavras de seu maior neófito: «ninguém pode penetrar o reino dos céus se não volta a tornar-se como uma criança».
Então, a ingenuidade faz parte da quinta dimensão, obviamente.

Questão: o que você pensa de máquinas utilizadas em algumas práticas de despertar espiritual?

Caro amigo, no tempo da Atlântida, não se colocava a questão de saber se uma máquina era responsável pela cura.
Sim, as máquinas podem curar, as máquinas não são robôs, as máquinas não são forças demoníacas, a máquina pode servir à Luz, obviamente.
Então, as tecnologias da Luz são perfeitamente capazes de realizar o que você chama o despertar espiritual.
Obviamente, o despertar não é a realização, mas é uma primeira etapa, e esse gênero de máquina é perfeitamente capaz de realizar isso.
O instrumento de música que emite um som, que desperta o kundalini é, também, uma máquina.

Bem, caros amigos, eu lhes agradeço, a todos aqui presentes, e eu lhes aporto toda a minha bênção, todo o meu amor e espero reencontrá-los muito em breve.
Até muito em breve.
_______________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

13 de jul de 2006

O.M. AÏVANHOV – 13 de julho de 2006



DO SITE AUTRES DIMENSIONS.

Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

(CRISTAIS - FERRAMENTAS TERAPÊUTICAS - TRABALHOS DO INTRA E EXTRATERRESTRE - FADIGA CRÔNICA - TERAPIA DE CORAÇÃO A CORAÇÃO - ENTUSIASMO E FOGO SAGRADO).

Bem, caros amigos, caros novatos, porque há muitas cabeças aqui que eu jamais vi, então, estou extremamente contente por reencontrá-los e, sobretudo, apresentar-me a vocês.
Mas, primeiramente, gostaria de dar um pouquinho minha opinião sobre o que vocês chamam os cristais e que fazem o objeto do ensinamento que vocês têm durante esse estágio, por intermédio de minha cabeça de caboche [o canal Jean-Luc].

Então, primeiramente, saibam que os cristais, para mim, são os sais da Terra.
O sal da Terra representa, na alquimia, o que se chama a quintessência espiritualizada de um elemento, que é o elemento Terra.
Cada elemento possui uma quintessência específica, que é extremamente importante, porque ela vai permitir o desenvolvimento de algumas facetas, eu diria, da vida, mas, sobretudo, algumas transformações da vida, um pouco como na alquimia.

De fato, o cristal é o sal da Terra, ou seja, esse elemento vai conduzir-nos, de algum modo, à espiritualização da matéria.
Os cristais pertencem ao reino de Malkouth que corresponde, se querem, ao nível o mais encarnado da árvore Sefirótica, que é o reflexo autêntico de Kether, ou seja, a coroa.

Ora, o cristal é a quintessência, ou seja, o nível energético o mais sutil, que vai permitir-lhes, através de Tiferet, ou seja, através da beleza, juntar-se aos mundos de Kether e, portanto, aos mundos espirituais.
Há, de fato, através desses cristais tão bonitos, que vocês podem utilizar, manusear, um elemento refinado, extremamente ordenado, extremamente belo, é claro, que é o reflexo da Sefiroth, superior Kether, mas, também, Shokmah e Binah, ou seja, a Sefiroth superior, que se reflete na Sefiroth inferior como uma imagem no espelho.

Há, no cristal, a potencialidade exprimida, totalmente, do Divino e, portanto, a possibilidade, através da utilização dessa ferramenta, de fazê-los descobrir sua Divindade interior, mas, também, o acesso a outros mundos dimensionais, ou seja, fazê-los passar do mundo Atziluthique (o mundo da encarnação o mais denso) ao nível Briahatique (o mundo da essência).
Nisso, o cristal, sendo o sal da Terra, ele é uma ferramenta, entre tantas outras, efetivamente, que vai permitir-lhes conduzir o conjunto de seu corpo, o conjunto de sua humanidade através da evolução, para um novo estado de consciência.

Então, obviamente, o cristal é onipresente neste planeta, e servem-se dele, creio, de diferentes modos, mas é preciso, também, saber que o cristal foi utilizado em todas as civilizações Intraterrestres, Extraterrestres, que pertencem tanto a esse esquema evolutivo no qual vocês vivem como em outros esquemas evolutivos.
Quer dizer que o cristal não deve ser, eu diria, uma ferramenta polarizada para o bem ou para o mal; é, simplesmente, uma ferramenta que desserve e serve a vontade daquele que a anima, em todos os sentidos do termo.
Nisso é importante compreender ele vai dobrar-se, de algum modo, à sua vontade, mas sua vontade deve ser animada de uma vontade de bem e não de uma vontade pessoal.
Isso é extremamente importante a compreender através dos cristais.

Então, o cristal é-lhes apresentado como uma ferramenta de cura, efetivamente, é uma ferramenta que é capaz, eu diria, de agir na saúde, na forma, mas, além disso, o cristal é um ativador, através do que ele é, através da imagem que o reflete do cristal Sefiroth superior, um elemento que vi permitir-lhes subir ao longo de um plano vibratório, até o mundo Briahatico, ou seja, o mundo das emanações, em especial ligadas ao triângulo Sefirótico superior.
Há uma forte capacidade, no cristal, de purificação, mas, também, de subida vibratória extremamente profunda, que é tornada possível pela existência desse cristal.

Caros amigos, eu lhes deixo a palavra.

Questão: qual é a ferramenta que seria a mais adaptada em minha abordagem de terapeuta?

Cara amiga, a ferramenta que você deve pôr à frente, eu diria, para ajudar aos outros é, obviamente, a ferramenta que lhe evoque mais sinceridade possível e mais transparência em relação ao que você utiliza, é aquela que vai tocar, diretamente, o outro, no coração dele e, isso, você é capaz de sabê-lo muito melhor do que eu.
Isso quer dizer que, em tudo o que você pode propor como ajuda aos outros há algumas coisas que você propõe que desencadeiam uma reação, eu diria, muito mais espontânea, muito mais lúcida e muito mais transparente no outro.

O impacto deve fazer-se através da transparência e da lucidez, ou seja, o outro deve estar perfeitamente na fase e na compreensão em relação ao que é dito.
Naquele momento, você poderá induzir e provocar uma transformação nos níveis os mais íntimos do ser.

Questão: o que é do risco de tsunami nos Estados Unidos, de que alguns falam?

Cara amiga, eu tive a ocasião de exprimir-me, talvez, não com você, mas em muito numerosas reprises, sobre esse evento.
Eu sempre disse que, mesmo o próprio Cristo, não pode conhecer a data.
Obviamente, certo número de transformações extremamente profundas, extremamente traumáticas, talvez, está em curso sobre este planeta, mas ninguém conhece a data precisa.

Efetivamente, inúmeras pessoas captaram, eu diria, a imagem dessa devastação, ao nível do povo americano, com razão, porque está inscrito no éter, eu diria.
Mas, exceto se me interroguem vinte e quatro horas antes, talvez, em seu tempo terrestre, eu sou, efetivamente, incapaz de dizer que algo vá acontecer amanhã, depois de amanhã ou em dez dias ou em um ano; entretanto, isso é inscrito em um futuro extremamente próximo.

Inúmeras transformações já começaram, um desencadear de uma transformação extremamente importante deve chegar da quinta dimensão e, portanto, o desaparecimento da terceira dimensão, através de processos que levam a efeito os elementos – água, ar, fogo, terra – de maneira extremamente importante, ao nível deste planeta.

Agora, ninguém, absolutamente ninguém, mesmo nos planos de onde eu venho ou ainda mais alto, é capaz de determinar o impacto, extremamente preciso, do dia preciso, da hora precisa de tal evento.
Entretanto, a coisa que é absolutamente certa é que a passagem de um cometa corresponde, sempre, a um sinal dado pelo Arcanjo Miguel, em relação a eventos que se produzem sobre a Terra.
Isso é absolutamente inegável.
Os últimos cometas que passaram há uma dezena de anos provocaram certo número de repercussões importantes ao nível dos elementos.
Novamente, esse cometa, que passou ao nível do mês de maio, na periferia, no que eu chamei a orbe do planeta, teve uma influência extremamente importante ao nível da alma humana, mas, também, ao nível do conjunto de povos e de habitantes deste planeta.

Agora, eu diria, a concretização dos eventos de natureza catastrófica não é perfeitamente estabelecida ao nível temporal, mesmo se seja perfeitamente estabelecida ao nível geográfico.

Questão: em que diferem os trabalhos do intraterra e de Kryeon nas redes magnéticas?
 
Não é uma questão de diferença, é uma questão de tempo e de sincronia.
Há muitos povos intraterrestres, mas, também, extraterrestres, que intervêm, já, há mais de trinta anos nas redes magnéticas terrestres, de maneira a tentar evitar as catástrofes ligadas às ações dos humanos.
É o mesmo tipo de trabalho.

Questão: como explicar minha fadiga crônica?

Cara amiga, a fadiga crônica que você sente é ligada a certa forma, eu diria, de inadequação entre as aspirações profundas e o que você realiza em sua vida, ou seja, há, de algum modo, um ideal de vida que não é atingido em relação ao que você deseja e em relação ao que você é obrigada a viver.
Isso provoca um fenômeno de atrito importante e, por vezes, ao invés de afundar em um estado depressivo, o que não é seu gênero, isso se traduz por uma fadiga extremamente intensa.

Realize seus sonhos e mude de vida.
Não é uma questão de caminho ou da chave a encontrar para aceder à nova vida, é questão de afirmar, alto e forte, seu ideal de vida e de concretizá-lo e, para isso, é necessário depositar, também, alguns fardos que pertencem ao passado e aceitar perder, eu diria, algumas vantagens, para consagrar-se, inteiramente, ao seu ideal de vida.

Toda mudança de vida necessita de alguns reajustes ao nível do modo de viver.
O ideal de vida que você considera ou que deseja implica, necessariamente, certo número de abandonos em relação a uma situação, em relação ao trabalho, em relação à sua família, eu diria, também.
Então, é preciso, também, ousar abandonar, ou seja, o que se chama soltar.

Não se pode querer, na cabeça, algo e, materialmente, não fazer o necessário para atualizar o que se quer.
Não cabe a mim dizer o que é preciso abandonar para que as coisas realizem-se, é preciso que a decisão venha de você mesma, cara amiga.

Questão: por que, como terapeuta, meu corpo reage tanto, durante os tratamentos?

Cara amiga, a explicação é muito simples: o fenômeno de arrotos, de desmaios, de inchaços do abdômen é ligado ao lugar por onde passa a captação dos males dos outros, ou seja, ao invés de estar no sentir empático, você passa pelo estado vibratório ligado ao terceiro chacra, ou seja, às manifestações astrais, e você capta, portanto, as emoções, as vibrações dos outros por esse plexo, ao invés de captá-las pelos chacras do coração (o que provocaria nenhum desconforto).
Então, efetivamente, a percepção astral dá, por vezes, uma visão, eu diria, muito mais precisa do que acontece ao nível do chacra do coração, mas não há qualquer comparação entre passar pelo plexo solar e passar pelo plexo cardíaco.

Quando você passa pelo plexo solar, pode haver desgastes extremamente importantes em si mesma.
Há, efetivamente, um processo não empático, mas de simpatia, que se produz, que faz com que você arrote, em ressonância com a pessoa que está em face de você e isso lhe permite sentir (um pouquinho, como eu diria, um visionário que passaria pelas manifestações astrais e não pela clarividência do sexto chacra, o terceiro olho, é exatamente o mesmo processo).
Convém, simplesmente, que sua consciência porte-se no chacra do coração, no momento em que você tem as manifestações que chegam, em relação à pessoa que está em face de você.

Se, contudo, você se põe a sentir essa espécie de arroto, de inchaço, ou mesmo de mal-estar, você corta, imediatamente, isso significa que você estabelece uma relação não de coração a coração, mas de plexo solar a plexo solar, o que jamais é bom.
Basta, simplesmente, despolarizar a consciência e pedir a ela para subir ao nível do coração, e você verá que tudo irá bem.

Questão: como reencontrar o entusiasmo, o fogo sagrado na vida?

Então, o entusiasmo é uma forma exacerbada, eu diria, de motivação, mas isso nada tem a ver com o fogo sagrado, o fogo sagrado é algo que é ligado a uma aspiração espiritual extremamente intensa, que nada tem a ver com a motivação e o entusiasmo.

O entusiasmo é uma forma de energia exacerbada que pode ir para a exaltação.
O fogo sagrado é o que anima o aspirante espiritual, o Mestre espiritual, que vai guiá-lo durante toda a vida dele e que será um motor, por vezes, exacerbado, por vezes, não exacerbado, que vai aquecer, permanentemente, toda sua vida para conduzi-lo à realização de seu ideal espiritual.

Então, agora, o entusiasmo é em função de muitos fatores interiores.
O problema do ser humano é que ele procura, sempre, a motivação, o entusiasmo, a exaltação em relação a eventos exteriores, um novo reencontro amoroso, um novo aprendizado de algo, um novo conhecimento, um novo trabalho que vai entusiasmá-lo.
E depois, como as crianças, no fim de certo tempo, esse entusiasmo desaparece e, enquanto o entusiasmo for função de circunstâncias exteriores, não poderá haver fogo sagrado, porque o fogo sagrado é ligado, diretamente, a algo que nada tem a ver com uma motivação exterior ou um entusiasmo exterior.

Então, enquanto vocês procurarem um evento exterior ou uma tendência exterior ou uma pessoa exterior que seja a fonte de seu entusiasmo, isso será apenas algo que não durará muito tempo.
Sem parar, vocês procuram novas razões para entusiasmar-se, isso pode ser, por exemplo, a descoberta de cristais e, depois, será a descoberta de outra coisa e, depois vocês se aperceberão, no fim de certo tempo, exceto caso excepcional, que o entusiasmo diminui.

Então, isso não é o fogo sagrado; o entusiasmo é ligado a algo que é uma derivação exterior.
O verdadeiro fogo sagrado não depende de circunstâncias exteriores, é um estado de ser interior, que nada tem a ver, tampouco, com a motivação interior, mas que tem, diretamente, a ver com a fixação, eu diria, do objetivo ao nível espiritual.

Questão: vocês são alegres onde estão?

A palavra alegre não é a palavra adequada, cara amiga, quando nós não estamos mais na encarnação.
A palavra que corresponderia mais ao que vocês podem apreender corresponde a uma felicidade, é, certamente, a palavra a mais próxima da realidade que descreve nosso estado.

Todo ser humano, ao final de sua evolução, tem direito a esse estado de consciência de maneira definitiva.
Não é o mesmo que, por exemplo, o que vocês chamam as pessoas que fizeram uma experiência EQM [experiência de quase morte] que veem essa Luz, vivem a experiência, eu diria, no espaço de alguns bilionésimos de segundos até alguns segundos.
Nós, na quinta dimensão e na nona dimensão de onde eu venho, banhamo-nos, permanentemente, nesse estado.

Questão: vocês vão voltar a encarnar ou não?

Certamente não, caros amigos.

Bem, caros amigos, eu lhes agradeço por terem me escutado; eu lhes aporto toda a minha bênção, todo o meu amor e eu lhes digo, talvez, até um dia desses.
Eu os saúdo e digo-lhes, talvez, até breve.
_______________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.