Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

31 de mai de 2011

SANTA TERESA DE LISIEUX – 31 de maio de 2011

Mensagem publicada em 2 de junho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Irmãos e Irmãs na humanidade, que o Amor preencha-os de suas Graças.

Eu sou Estrela PROFUNDIDADE, aquela que se nomeava, em sua vida, Santa Teresa, chamada assim pelos organismos oficiais.

Hoje, eu venho completar o que lhes dei há algumas semanas, concernente à Vibração de que fui encarregada: a Profundidade.
Profundidade que concorre para estabelecer, em vocês, a Inocência.

A Inocência, aquela da criança, em que todos os argumentos existentes para o adulto calaram-se, a fim de deixar lugar para a espontaneidade, a fim de deixar lugar para a ausência de julgamento.

O que é a Profundidade?
A Profundidade está diretamente religada à qualidade, ou à Vibração da alma, aquela que se exprime quando o silêncio da personalidade chega a fazer-se.

Então, a influência e a importância da alma desvendam-se, concorrendo para estabelecer a Revelação, a Revelação do Espírito, onde se encontra Cristo, onde se encontra a Luz Vibral.

De qualquer forma, pode-se dizer que a Profundidade é uma etapa preliminar, permitindo reencontrar a Inocência da criança e a espontaneidade da criança, as quais vêm revelar, então, a Luz e a Verdade.

Isso necessita, é claro, de certa forma de renúncia, não uma renúncia à vida, é claro, mas uma renúncia à pequena pessoa, à identidade, à sua própria história, uma renúncia a toda vontade, a toda veleidade de monopolizar o que quer que seja.
Dar-se inteiramente a algo que não é conhecido e que, no entanto, progressivamente e à medida que isso é realizado, permite viver o que é esse Abandono, essa doação de Si, permitindo encontrar, para além do nada da personalidade, o Tudo da expressão da alma, conduzindo ao Espírito e à Verdade.

É claro, na hora em que, sobre esta Terra, muitas coisas se produzem e em que muitas coisas se criaram para impedir o ser humano de aproximar-se da Verdade, é preciso, efetivamente, voltar a tornar-se como uma criança.
É preciso, efetivamente, aceitar (não crer, bem ao contrário) nada mais ser nesse mundo, ao mesmo tempo ali estando presente e vivendo, a fim de que se revele, em si, a imensidade da alma e do Espírito.

Somente naquele momento o Coração se abre inteiramente e, então, revela-se e desvenda a Luz Autêntica, preparando, então, o Coração e o Templo para receber o Cristo.

Esses elementos de Profundidade concorrem também para permitir ao humano aproximar-se da Paz e, depois, manifestar a Alegria, quaisquer que sejam as oposições do corpo da pessoa, a fim de não mais ser afetado de maneira alguma.

Isso, é claro, não é uma indiferença nem, ainda menos, uma retirada da vida, mas a descoberta da verdadeira Vida, que se pode fazer apenas quando tudo o que é ligado à pessoa, ela mesma, não existe mais.

Ao meu modo, eu diria que não há mais necessidade de se crer ser tal pessoa.
Isso necessita dessa doação de si mesmo, total, conduzindo, pela Profundidade, a reencontrar o Cristo e o Espírito, e ali viver a Verdade, aquela que não se importa com as circunstâncias do mundo, com as contingências do mundo e que não se importa com as leis desse mundo.

O Espírito, seguramente, não é desse mundo e, no entanto, é nesse mundo que se deve encontrá-lo, é nesse mundo que se deve realizá-lo, permitindo, pelo mecanismo chamado Ascensão, superar e transcender a condição limitada do humano confinado.

Isso vocês foram todos convidados a viver, a manifestar, de diferentes modos.

Toda a humanidade viveu um apelo.
É claro, nem toda a humanidade respondeu do modo adequado.

A preparação, para muitos de vocês, durou longo tempo, estendendo-se para além do tempo dessa vida, permitindo estruturar, pouco a pouco, o veículo tomado e a própria alma, para o reencontro com o Espírito.

Hoje, viver a Profundidade desemboca, portanto, na Clareza do Espírito, mas engajar-se na Profundidade necessita não mais manifestar qualquer superficialidade ou, se preferem, qualquer atração por esse mundo, seus desejos e seus prazeres e, efetivamente, voltar-se, inteiramente, para o Espírito, para o Cristo.

Vocês não podem estar voltados para a Luz e voltados para a Sombra.
É um ou o outro.

O que se produz, doravante, sobre esta Terra, agora, engaja-os a penetrar nos últimos Tempos de sua própria Revelação e de sua própria Ascensão.
Isso deve ser vivido agora, nessa carne, a cada instante, a cada minuto, a cada sopro, ajudado pelos impulsos Vibratórios da Luz ao nível das Estrelas, revelando, em vocês, sua dimensão de Semente de Estrela e de Ser de Amor, de Filho Ardente do Sol.

Tudo isso, para ser vivido e realizado, tem necessidade, efetivamente, de uma última Reversão.
Essa última Reversão, eu poderia chamá-la renúncia, mas isso, os Arcanjos explicarão muito melhor do que eu.

Viver a Renúncia, eu repito, não é aquilo que foi pedido pelas religiões.
A renúncia de que falo é, antes de tudo, uma renúncia interior e um mecanismo íntimo, onde tudo o que é superficial, tudo o que é acessório, tudo o que não é da Luz é rejeitado à distância, não por uma negação, mas, justamente, por essa íntima convicção profunda que voltar-se para a Luz pode apenas realizar-se, em definitivo, desviando-se inteiramente da Sombra, não para rejeitá-la, mas para mudar de direção.
Ir à Profundidade é isso.

E isso se pode fazer apenas se há Inocência.
Isso se pode fazer apenas se vocês aceitam nada mais ser.
É o único modo de ser tudo, não há outro.

É a porta do Coração, isso vocês sabem, mas resta, ainda, cruzar esse limiar e penetrar, inteiramente, na dimensão do Espírito, a fim de transmutar a carne.

O trabalho, a Revelação, o desvendamento, chamem como quiserem, realiza-se, aqui, para vocês, nesse corpo.

Isso não é por acaso, porque há necessidade desse corpo e dessa carne, que é a sua, para permitir a elevação do corpo da Terra.

Numerosos seres humanos abriram-se para a Verdade do Espírito e da alma.
Isso não se faz sem dificuldade porque existe, como vocês sabem, certo número de apegos extremamente presentes em toda a vida humana, qualquer que seja, cujas causas são múltiplas e são redundantes: elas voltam sem parar, a cada circunstância de suas vidas.

Não é fácil, efetivamente, para um ser humano que se dá à Luz, renunciar: renunciar aos prazeres, renunciar às alegrias ditas habituais desse mundo, às relações, aos apegos, a tudo o que faz a vida comum da pessoa que não está na Luz e que crê ali estar.

A Luz não é desse mundo, então, como vocês podem encontrá-la nesse mundo?
Ela deve, em contrapartida, manifestar-se nesse mundo.
É sua responsabilidade, seu dever e sua capacidade para retornar, inteiramente, para a Luz.
É uma aquiescência.

Essa doação de si se faz pela Profundidade.
A Profundidade é, efetivamente, a porta de entrada que torna maleável a alma e torna-a sensível à influência de sua própria doação à Luz.

Então, pouco a pouco ou brutalmente, desvenda-se o Espírito, acompanhando-se de Cantos, acompanhando-se de Alegria, Alegria de seus reencontros, Alegria da Ressurreição e da Ascensão.

Como nós todos dissemos e como os Anciões, também, disseram: «ninguém pode fazer essa Reversão em seu lugar».
São vocês sozinhos, e unicamente sozinhos que o fazem, quando aceitam renunciar. Renunciar não para deixar o que quer que seja (isso é a personalidade que vai fazê-los crer), mas a renúncia é, de algum modo, uma mudança de olhar, uma mudança de ponto de vista, uma mudança de comportamento.

Não mais estar interessado pelo aspecto superficial e, eu diria, comum da vida, para ali buscar apenas o extraordinário, porque a Luz é extraordinária, de maneira definitiva.
Mas, para isso, é preciso aceitar não mais ser seduzido pelas luzes desse mundo, que são apenas a falsa luz.
É preciso aceitar não mais ser seduzido pelos condicionamentos onipresentes: aqueles da educação, aqueles das religiões, aqueles dos pais, aqueles da sociedade e, no entanto, é nesses diferentes ambientes que convém renunciar.

De fato, é muito fácil renunciar tornando-se o que as religiões chamaram um abnegado [o que renuncia]: aquele que vai fechar-se em algum lugar para não ver e não ser confrontado às ilusões desse mundo.
E, no entanto, é sendo confrontado às ilusões desse mundo que vocês têm as melhores chances, hoje, de renunciar.
Esse ato de Abandono é um mecanismo íntimo e profundo.
Vocês não podem realizar a Profundidade sem isso.

A Profundidade é a revelação da alma, é escutar a voz da alma, perceber, para além da algazarra do mundo, para além dos desejos da personalidade, da pessoa, sentir o que a alma impulsiona e o que ela lhes pede.
Então, naquele momento, o impulso espiritual surge, ele lhes propicia momentos e instantes de Paz, momentos de plenitude, que não são função de qualquer satisfação da pessoa, bem ao contrário.

É claro, isso foi frequentemente mal compreendido e mal aplicado, como uma busca de um sofrimento, como uma busca de uma renúncia artificial.
A renúncia de que falo é uma renúncia, é claro, da Consciência, antes de qualquer coisa.
E isso não se encontra numa caverna, mas na vida de todos os dias, quaisquer que sejam suas atividades, quaisquer que sejam suas idades, quaisquer que sejam os próprios fundamentos de suas vidas.

É através disso que vocês poderão dirigir-se para sua Profundidade e para sua Verdade.
E, então, perceber o Canto da alma chamando-os para o Espírito e para a Verdade.
É também compreender que nada há a empreender no exterior de si, que nada há a dizer, que nada há a escutar, que nada há a fazer porque, justamente, é preciso ser capaz de fazer qualquer tarefa, habitual e quotidiana, ao mesmo tempo tendo a lucidez de nela compreender a ilusão.

Naquele momento, o Fazer torna-se o Ser, porque o que se torna importante é a Profundidade, que desemboca no Ser, mesmo no Fazer.

Ser não quer dizer nada fazer.
Ser não quer dizer não mais frequentar, não mais sair, não mais amar, bem ao contrário, é exatamente o inverso.
Mas, simplesmente, ser lúcido sobre o objetivo.

O objetivo é a alma?
O objetivo é a pessoa?

Então, uma vez que, de diferentes modos possíveis (pelo pensamento, pela intuição, pelo instinto, pelo reflexo) apreendeu-se isso, então, a Profundidade pode revelar-se.
Ela torna, de algum modo, a alma e a pessoa maleáveis à influência do Espírito.

Mesmo o que é vivido de modo intenso permite, naquele momento, não mais ser identificado ao que é vivido (seja um traumatismo, um choque, uma alegria).

Pouco a pouco, a alma, revelando-se, chama a compreender e a viver que não se é esse choque, que não se é essa alegria, mas que se é outra coisa, mesmo se essa outra coisa não foi ainda acedida.
Mas essa outra coisa torna-se uma certeza.
Daí nasce a Profundidade e também a necessidade de viver o Caminho da Inocência, da infância, que permite não mais tomar-se por um adulto condicionado pelos quadros, condicionado pelas regras, sejam elas as mais elevadas ao nível da moralidade.

O impulso da alma, então, revela-se e vai permitir experimentar a Paz, que vai conduzir ao Espírito, de maneira segura e certa.

Pode-se dizer, esquematicamente, que o conjunto da humanidade, hoje, vai, de algum modo, viver, de maneira global, o impulso da alma.
Esse impulso da alma, cada um a ele responderá, é claro, em função de seu ponto de vista, de sua Vibração, mas também de seu objetivo, e ele será profundamente diferente para cada um.
E, aí também, aqueles que se dirigem para a própria Profundidade e o Espírito deverão não fazer um esforço, mas tomar consciência de que nada pode mudar o destino e o caminho de ninguém.

É claro, haverá tentativas (tentativas lógicas e normais) da fraternidade humana para querer ajudar, para querer conduzir os parentes ou aqueles que reencontramos no mesmo caminho que nós.
Mas isso é impossível.
Vocês não podem levar ninguém.
Vocês não podem nem mesmo levar-se como pessoa.
Vocês podem apenas acolher a Luz, seguir o impulso de sua alma, o Canto da alma e, então, ir, num passo resolvido, para o Espírito que está aí, de toda a eternidade, mas que, hoje, vai revelar-se, dentro de algumas horas, nessa humanidade.

Muita lucidez vai surgir, muitas tomadas de consciência terão lugar, mas essas tomadas de consciência podem concernir à pessoa, como à alma ou ao Espírito.
O resultado não será, de modo algum, o mesmo, porque a tomada de consciência da pessoa traduzir-se-á sempre por reações sem fim, conduzindo a formas de revolta, a formas de revolução e de rebelião.
E isso afastará, então, essas pessoas da própria Profundidade.

Aí também nada haverá a julgar, nada a criticar, porque cada coisa estará muito exatamente em seu lugar.

Tudo isso vai revelar-se em vocês, é claro, como no exterior de vocês.

O ponto Profundidade, vocês compreenderam (e a Vibração de que sou encarregada), é diretamente religado à Vibração da alma, à Vibração desse centro de energia presente em seu peito, que concorre para acender o ponto chamado ER, a Alegria Interior, o Samadhi.

Vocês não podem viver isso sem Profundidade.
Essa Profundidade é também um movimento da Consciência e da energia da Luz, chamando-os a absorver essa Luz, para fazê-la sua, para deixá-la agir, em sua Inteligência e em sua revelação.
Isso consiste, também, em compreender e viver a humildade a mais nobre, aquela que os faz aceitar que, quaisquer que sejam seus saberes, quaisquer que sejam suas experiências, tudo isso nada é em relação à experiência e ao saber da própria Luz.

É também depor as armas da pessoa, é tornar-se doce e humilde como uma criança, voltar a tornar-se a Inocência, encarná-la, inteiramente.

Então, naquele momento, o Caminho do Espírito é-lhes aberto, o Caminho do Coração revela-se, permitindo viver o que vocês chamam o Fogo do Coração, a Revelação do Espírito em vocês.
É para isso que os chama o Céu, é para isso que os chama o conjunto das Confederações Intergalácticas dos Mundos Livres, de seus habitantes, em todas as Dimensões.

Mas eu repito: apenas vocês, e vocês sozinhos é que podem decidir responder a esse último apelo.

O Caminho da Inocência, a última Reversão, é verdadeiramente a chance final de juntar-se à Unidade, em perfeita lucidez e em perfeita Consciência e em perfeita liberdade.
Disso vocês vão conscientizar-se, bem além das palavras que eu pronuncio.
Vocês vão perceber, em vocês, esse apelo, claramente.
Ele se manifesta, como lhes foi dito, tanto pelos impulsos rápidos, que ocorrem pela manhã, ou de modo imprevisto, de algum modo, em seus dias.

Então, coloquem-se calmamente, entrem na Profundidade e nesse Caminho da Inocência e percebam nele, então, a Clareza.

Naquele momento, o apelo tornar-se-á, para vocês, um apelo potente da Luz, traduzindo-se por uma facilitação do conjunto de circunstâncias de suas vidas; então, nada mais virá aflorar à sua Consciência; mais nenhuma dúvida poderá existir; a certeza interior vai aparecer e revelar-se, permitindo-lhes entrar, cada vez mais profundamente, na Paz.
E conduzir à Alegria, transcendendo e apagando todas as feridas, todas as suas vivências, todos os seus afetos e tornando-os livres.
Tornando-os livres e vivendo, portanto, as relações, os laços (se existem), de modo lúcido e consciente, e não ser determinado e sujeito a esses afetos, a esses laços, a essas obrigações (sejam elas morais, sociais ou familiares).
Tudo isso pode ser vivido.

Não existe qualquer obstáculo exterior para o Caminho da Profundidade, da Inocência e da Infância.
É um olhar diferente, um olhar no qual predomina a simplicidade, um olhar no qual predomina o que é simples e o que é evidente.

A Luz será sempre simples, bem mais simples do que a pessoa.
O Caminho da Luz é um Caminho de evidência e de simplicidade, na condição de que a pessoa não se atrapalhe.
Isso participa da doação de si e do Abandono à Luz, permitindo, então, abrir o Coração num ato de fé absoluta no Espírito, mesmo se vocês não tenham tido ainda essa chance de penetrar o Espírito inteiramente.

Lembrem-se de que a primeira experiência, qualquer que seja sua duração, bastará para fazê-los aderir ao Espírito e a vivê-lo.
Mas, é claro, o ego vai tudo fazer para dizer-lhes que isso está distante, para dizer-lhes que isso é impossível, que existem obstáculos, que existem feridas, que existem impossibilidades.
É falso, nada é mais falso.

A Luz pode tudo, na condição de que vocês a aceitem.

Ir à Profundidade é despertar o Caminho da Inocência, da Infância, que desemboca na Clareza e que desemboca, portanto, na Profundidade do Espírito, ele mesmo, onde tudo se esclarece então.

Mas eu deixarei, então, minha irmã Snow explicar-se sobre isso.

Aí está, quanto a mim, as algumas palavras complementares que tinha a dar-lhes, que prefiguram, de algum modo, o período que se abre a vocês, em algumas horas.

Se existem em vocês, meus Irmãos e minhas Irmãs, questionamentos em relação ao que acabo de dizer, e unicamente ao que acabo de dizer, então, se temos tempo, vamos interagir juntos.

Questão: como seguir o impulso da alma, se a alma é uma criação da matriz?

Meu Irmão, inteiramente, a alma é uma criação da matriz.
Mas a alma é, antes de tudo, e, sobretudo, uma ponte entre o corpo e o Espírito.
Como tal, a alma é, portanto, a intermediária que o conduz ao Espírito.
Não é preciso parar na alma, é claro.
Mas você não pode aceder ao Espírito sem passar pela alma.

Questão: que se entende por escolha da alma e qual é a relação com essa Passagem?

A escolha da alma é condicionante, na medida em que, se a alma está voltada para a matriz ou para a matéria ou para a pessoa, então, não há acesso ao Espírito ou o acesso ao Espírito é incompleto, não total.

Naquele momento, a alma terá necessidade de reencarnar-se nos mundos liberados, certamente, mas haverá uma forma de reaprendizado ou de re-semeamento do Espírito, permitindo pôr fim à alma assim que o Espírito seja revelado inteiramente.

A escolha da alma é muito simples, ela se resume em duas opções: a pessoa ou o Espírito, e não pode ser ambos.

Questão: onde nos situamos em relação à alma e ao Espírito, se a alma é uma Ponte para o Espírito?
 
Meu irmão, você se situa, indiscutivelmente, na pessoa, uma vez que está na carne.
A alma, quando ela se revela, e o Espírito, quando se revela, vão produzir certo número de efeitos dos quais eu falei, mas são também caracterizados por certo número de sinais.
Esses sinais foram-lhes dados: a Coroa Radiante da cabeça, a Coroa Radiante do Coração, as Estrelas, mas, o mais frequentemente, é a pessoa que se exprime.

Para isso, é preciso que a pessoa desapareça, para deixar florescer a alma e essa alma que floresce abre a ponte para o Espírito.

O Som da alma é disso o testemunho, o Som do Espírito é disso outro testemunho.

A Paz é o testemunho da alma.
A Alegria é o testemunho do Espírito. 
O Espírito não conhece o sofrimento, porque ele não conhece a encarnação.
A alma conhece o sofrimento, ela é sensível, porque conhece a encarnação, através do que lhe dizem o corpo e a pessoa.

Questão: qual é a relação entre o contrato de alma (o que já está inscrito em nós) e a escolha de alma (o que se pode fazer agora)?

Meu Irmão, nada está inscrito.
É a pessoa que crê nisso, e a própria alma.

Enquanto a alma está sujeita à pessoa, ela fala de contrato de alma ou de escolha de alma.
Isso se chama o livre arbítrio.

Agora, assim que a alma se revela e está voltada para o Espírito, o livre arbítrio não existe mais.
Existirá apenas a Liberdade e a Graça.
São dois mundos diferentes e duas leis diferentes, não evoluindo segundo as mesmas regras e nas mesmas Dimensões.

Assim, crer-se sujeito a um contrato de alma ou a uma escolha de alma traduz a adesão ao livre arbítrio e absolutamente não à Graça nem à Liberdade.

A Liberdade do Espírito, a Graça do Espírito não se importa com o contrato de alma ou com a escolha de alma, uma vez que o contrato de alma é um contrato que pertence, de maneira irremediável, à matriz e à ilusão.

A alma de que falo é o desenvolvimento, como ponte, para o Espírito e não um objetivo.
Agora, a alma pode conduzir ao Espírito, já quando ela é ouvida e percebida de diferentes modos.

Mas não se deve parar na alma.
A alma está sujeita às leis da matriz, ao que é chamada a encarnação, à lei de Carma, que absolutamente não existe nos mundos do Espírito, onde tudo é Graça e Liberdade.

É a pessoa que tem tendência a querer tudo reconduzir para si mesma, nas leis gerais observáveis nesse mundo, que crê que em outros lugares isso acontece do mesmo modo.
Nada há de mais falso.

Questão: poderia precisar a dimensão do Ser no Fazer?

A Dimensão do Ser no Fazer traduz-se por ser capaz de fazer o que quer que seja, mesmo a atividade a mais detestável, na Alegria.
Enquanto vocês não são capazes disso, vocês não estão na Alegria.

É preciso, de algum modo, uma dissociação entre a pessoa e o Espírito, ao mesmo tempo tendo consciência do Espírito.

A pessoa pode estar ocupada em fazer uma tarefa ingrata (e eu o fiz, em minha curta vida) e, ao mesmo tempo, estando nessa tarefa ingrata, considerar e viver o fato de que não se é essa tarefa que se faz, ainda menos esse sofrimento que se vive quando o corpo é tocado e, naquele momento, manter-se na Paz e na Alegria, independentemente do que faça a pessoa.
Naquele momento pode-se Fazer, ao mesmo tempo estando no Ser.

Questão: como distinguir a Alegria profunda ligada ao Ser da Alegria ligada à pessoa?
 
A diferença é muito simples: a Alegria da pessoa é sempre efêmera, ela depende sempre de uma circunstância exterior e é ligada ao prazer, em vez da Alegria.

Qualquer Alegria vivida na pessoa apaga-se após ter sido exaltada.

A Alegria do Espírito é permanente e não é afetada por nada vindo da pessoa, quaisquer que sejam as circunstâncias (agradáveis ou desagradáveis) que vive a pessoa.

O Espírito que toca a Alegria e a Paz, que vive o Samadhi, sabe-o instantaneamente.

Não há, portanto, questão que se possa colocar em relação a diferenciar as duas.
Porque são duas coisas totalmente diferentes: uma, pertencente à pessoa, é uma emoção que nasce, em reação a algo que permanece em um tempo muito curto e que desaparece.
Toda satisfação da pessoa está ligada a isso, seja alimentar, sexual, social, afetiva.
Ela não pode ser estabelecida na durabilidade, porque é função de circunstâncias, justamente, da pessoa.

Enquanto a Alegria é totalmente independente da pessoa e, sobretudo, totalmente independente das circunstâncias, quaisquer que sejam.

A Alegria, a Paz, o Samadhi acompanham-se de Vibrações específicas, vividas no peito.
O que não é absolutamente o caso do prazer ou da Alegria da pessoa, se se pode chamar assim, que traduz sempre uma satisfação do ego, chamando a outras satisfações.

Nós todos conhecemos isso na encarnação, seja através de vícios (chamados álcool, tabaco, outros), mas também, mesmo, em relação a prazeres, mesmo espirituais.

Assim, quando eu era jovem, eu esperava com impaciência o domingo, para reencontrar-me em meu lugar preferido: numa igreja.
Isso não era a Alegria e, no entanto, permitiu, talvez, mais tarde, compreender a diferença entre a Alegria, a Felicidade e a Alegria da pessoa que é feita apenas de esperanças e de necessidade de satisfação.

O que não é absolutamente o caso da Alegria Interior ou da Alegria do Coração, que é a mesma, que se estabelece espontaneamente, que não tem necessidade de esperar o que quer que seja do exterior (seja o dia da missa, seja um parceiro, seja o retorno do marido ou da esposa), mas que se estabelece por si.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Irmãos e Irmãs na carne, eu rendo Graças por seu acolhimento.

Que o Amor e a Graça os acompanhem.

Eu lhes digo, talvez até um próximo dia, com todo o amor possível.

___________________________

Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

SNOW – 31 de maio de 2011

Mensagem publicada em 2 de junho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Eu sou SNOW.
Irmãos e Irmãs, aqui e em outros lugares, que a Paz do Grande Espírito esteja em vocês.

Eu venho prosseguir o que lhes dei há algum tempo, concernente à Vibração da CLAREZA.

Vamos, se efetivamente quiserem, juntos, avançar de maneira talvez mais aguçada sobre o que é essa CLAREZA, o que ela não é e no que ela desemboca, completando, assim, o que lhes deu minha Irmã Teresa.

A CLAREZA de que falo é, é claro, a CLAREZA espiritual, a CLAREZA do Espírito, que desemboca, aí também, numa certa forma de Inocência, que os faz, de algum modo, escapar e superar as imposições das Crenças e da Ilusão desse mundo, ao mesmo tempo mantendo-se nesse mundo, a fim de nele perceber a beleza, e isso eu exprimi, por exemplo, em relação à Natureza.

A CLAREZA é do domínio do Espírito.
Ela é ligada à PROFUNDIDADE, isso vocês sabem; à capacidade para ver claramente e, portanto, para obter uma clara Visão, justamente, do que é o Espírito e do que ele não é.

A CLAREZA, Vibração desse ponto, não é a clareza que aporta uma iluminação sobre as circunstâncias da vida comum, mas, efetivamente, a iluminação da própria Luz, do Espírito, da Verdade, permitindo saturar de Luz o que não era a Luz.

Então, essa CLAREZA, essa Profundidade e essa Inocência não são atributos da pessoa, que vão permitir iluminar a pessoa, mas, bem mais, fazer transcender e apagar a pessoa em proveito do que alguns Anciões chamam o Si ou a Unidade.

Quanto a mim, vocês sabem que prefiro a expressão «fundir-se no Grande Espírito».

O Grande Espírito não tem cor, porque ele é todas as cores ao mesmo tempo.
O Espírito não tem as cores da alma, o Espírito não tem as cores da pessoa, o Espírito é o que vai diretamente conduzi-los ao Espírito e, portanto, fazê-los superar, fazê-los elevar-se de tudo o que é coloração da alma ou da pessoa, elevando-se, de algum modo, da compreensão linear e habitual, presente nesse mundo.

A CLAREZA vai, portanto, dar uma Profundidade, mas, sobretudo, vai dar-lhes ainda mais Inocência e ainda mais Infância.
Criança que não pode discernir, nem ver, o mínimo mal, seja por seus olhos ou por seus pensamentos.

É claro, na condição de que essa Infância seja ideal e não seja afetada pelas vicissitudes do adulto ou das privações.

A CLAREZA vai permitir-lhes ver claramente, não para iluminar causas ou consequências de suas vidas, mas, efetivamente, para superar tudo isso e estabelecê-los numa nova cor, numa nova polaridade, se se pode dizer, um estado novo, onde tudo aparece como branco, onde tudo aparece como profundo e inocente e, portanto, sem mancha e puro.

Pode-se dizer que o mundo é perfeito, isso vocês sabem, nos elementos da natureza que não foram alterados pela falsificação do homem.
É para essa CLAREZA que vocês são chamados e é nesse sentido que, em minhas modestas intervenções, eu lhes falei da natureza como um elemento que pode permitir-lhes aproximar-se do que não foi alterado.

A CLAREZA de que vou falar-lhes agora tem mais característica da CLAREZA do Espírito.

O Espírito é ilimitado, ele não se importa com os limites.
O corpo que vocês habitam, e que nós habitamos, é limitado, limitado em seus mecanismos, limitado em suas possibilidades, limitado, também, em tudo o que ele pode conceber e exprimir, limitado em sua visão, como limitado em suas percepções, quaisquer que sejam, enquanto o Espírito é exatamente o oposto de tudo isso, dado que ele é ilimitado, inteiramente.

Então, a CLAREZA do Espírito não é destinada a aportar qualquer clareza nessa densidade de vida, mas é, efetivamente, destinada, antes, a transcender a opacidade e a densidade dessa vida, pondo fim, de algum modo, à ilusão e ao próprio princípio da Falsificação.

A CLAREZA desemboca nessa Inocência que os conduz à Liberação e faz com que a Consciência vá experimentar e viver estados que nada mais têm a ver com a consciência comum, que é sempre construída segundo os modos e os mecanismos da ação, da reação, dos sentimentos, dos impulsos.
A CLAREZA é ilesa de tudo isso.

Então, viver a CLAREZA desemboca na clara Visão, não de suas vidas, não dessa vida, não dos problemas, mas numa clara Visão do que é a Luz, do que é o Ilimitado e do que não é.

Essa CLAREZA não pode exprimir-se em termos intelectuais ou mentais.
Ela não está sujeita aos condicionamentos, aos confinamentos, às limitações presentes nesse mundo.
Mesmo se existam analogias de onde vocês podem extrair, como alguns seres o fizeram, um elemento que vai impulsioná-los, de algum modo, para o Espírito, por exemplo, como o dia que se levanta, a CLAREZA que surge no fim da noite, e o sol levantando, que vão chamá-los, por ressonância, a elevarem-se acima das condições habituais da densidade, da ilusão.

A CLAREZA é o momento em que lhes aparece como essencial e como evidente, mas também claramente, no qual vocês compreenderão e viverão a Verdade da Luz, não mais como um objetivo, não mais como uma suposição, mas, efetivamente, como um estabelecimento na Vibração da Luz, do Espírito, revelando sua própria CLAREZA, pondo fim à opacidade e à ilusão da pessoa na qual vocês estão.

Isso desemboca, necessariamente, na clara Visão, para além da Visão e para além da falsificação dos olhos e permite experimentar, sobretudo, um estado de tranquilidade, de Paz, nada mais tendo a ver com as pazes efêmeras da pessoa, resultantes de satisfações, quaisquer que sejam.

Penetrar a CLAREZA, efetivamente, vai permitir, num primeiro tempo, ver claro em sua própria vida.
Aceitar ver claro em sua própria vida é aceitar ver o que se é, ver as próprias falhas e as próprias Sombras.
Não para lutar contra algo, mas, bem mais, para simplesmente ter a clara Visão, a clara Consciência, permitindo superar o julgamento de si mesmo ou dos outros e desembocando na aceitação, permitindo, pelo simples fato de aceitar, colocar a CLAREZA no que era opaco.
Isso vocês sabem, é a ação da Luz e não a ação do ego ou da personalidade, que é chamada, permanentemente, a lutar contra isso ou contra aquilo.

A CLAREZA de que falo é, portanto, uma iluminação da opacidade da pessoa, concorrendo para estabelecê-los, de maneira lúcida e autônoma, em sua própria Liberdade, em seu próprio Espírito.

A CLAREZA é também ver através da iluminação do Espírito o fato de que tudo é UM, e de que tudo é independente e de que tudo está ligado, nessa independência, à Luz Una.

É ver, portanto, para além da visão fragmentada, ver para além do que dá a ver o olho e o que dão a ver as emoções e os sentimentos, para penetrar, enfim, um estado diferente, onde tudo toma lugar, onde tudo se articula, onde tudo se explica, para além da própria explicação das ilusões do mundo, mas na Verdade do Espírito.

Essa CLAREZA não é feita para permitir-lhes unicamente discriminar, fazer escolhas, mas, bem mais, ver pela clara Visão, pela Visão Profunda, chamada também Visão do Coração, o que é a Luz e o que não é.

A CLARESA Unifica.
A CLAREZA, portanto, permite transcender as Sombras, não negando-as, não rejeitando-as, mas iluminando-as, sem nada fazer além disso, sobretudo não uma ação da pessoa sobre a pessoa, mas, efetivamente compreender e viver a ação da própria Luz, nessa iluminação e, em seguida, nessa transparência e nessa transcendência que vai manifestar-se.

A CLAREZA é ligada ao Espírito.
Ela está em ressonância, mesmo, diretamente com o Espírito, porque o Espírito é Claro.
No Espírito não existe Sombra alguma, o Espírito é Ilimitado e Livre.
O Espírito não pertence à pessoa, porque ele é de todos.

O Espírito não é nem confinamento, nem possibilidade de confinamento, nem mesmo possibilidade de descrição ou de definição, porque é, antes de tudo, um estado da Consciência, uma Vibração específica da Luz estabelecendo-se em vocês, no momento em que vocês a vivem.

A CLAREZA, quando está em ressonância com a PROFUNDIDADE, na Infância e na Inocência, dá acesso à Fusão, ou à Penetração, se preferem, da alma pelo Espírito, estabelecendo uma nova Unidade, chamada nova Tri-Unidade, cujo ponto de junção é o Coração, a Unidade e o que vocês chamam o ponto ER.

Então, naquele momento, um novo centro e um novo impulso estabelecem-se no ser, nada mais tendo a ver com a pessoa, nem mesmo com a alma.

O Sopro do Espírito estabelece-se e esse Sopro é um Fogo, vivido como tal, um Fogo que não queima.

Assim é a CLAREZA, porque o Fogo, ele também, participa da CLAREZA e ele é claro.
O Fogo não pode ser portador de Sombra.
O Fogo não pode ser portador de qualquer peso, porque ele se eleva.
Assim é a CLAREZA, assim é o Espírito.

Tornar-se claro é também tornar-se transparente.
Tornar-se transparente quer dizer não mais ser alterado ou perturbado por tudo o que pode vir da pessoa.
Há uma compreensão e uma vivência exata do que acontece na pessoa, sem ser afetado de maneira alguma, sem ser perturbado de maneira alguma, porque a CLAREZA é o Sopro do Espírito que dá a Paz, que nada pode vir perturbar ou nada pode vir alterar.

O Sopro do Espírito torna-se o Fogo que vem forjar, de algum modo, a transparência e a Clareza do Ser, estabelecendo-se em sua nova Consciência dita Unificada, chamada, eu creio, Turiya ou quarto estado da Consciência.

Em meu povo, chama-se a isso fundir ou tornar-se o Grande Espírito.
Terminologias extremamente diferentes, mas que recobrem, de fato, a mesma e única Verdade e realidade, que é o domínio do Espírito.

O mundo da ilusão é, para o humano, um mundo de Sombra, um jogo de Sombras e de Luz alterada, porque transformada.

O mundo do Espírito é total transparência, ele não tem necessidade de qualquer Sombra e de qualquer densidade desse mundo para existir, para interpenetrar-se em todas as Dimensões e em todos os Universos.
Isso é muito difícil a conceber, mesmo a imaginar para o humano, enquanto ele não penetrou o Sopro do Espírito.

A CLAREZA, enfim, propicia a Paz.
Por que ela propicia a Paz?
Simplesmente por uma noção de apaziguamento.

Do mesmo modo que a neve pode, certamente, enervar algumas pessoas, mas, antes de tudo, a neve dá um eco, uma reverberação, uma brancura, uma profundidade, onde tudo o que não é branco como ela aparece com um contraste arrebatador.

Assim age a CLAREZA, ao nível espiritual, da Luz Vibral, estabelecendo-se na Unidade da Luz branca.

Ela vem iluminar, ela vem transfigurar e ela torna claro, tornando transparente.

O ser que se estabelece na CLAREZA e no Espírito torna-se, progressivamente e à medida de seu estabelecimento nessa Vibração, um ser transparente, que não pode ser afetado de maneira alguma pelo que é sua própria pessoa ou o que são as outras pessoas.

Então, em outros povos, isso foi chamado a Realização da Unidade, do Si, do Despertar, a Realização.

Inúmeros espíritos encarnados no Oriente descreveram isso de maneira extremamente exata.
Eles eram, de algum modo, observadores conscientes e lúcidos da própria Consciência.
A CLAREZA permite tudo isso.

Associada à PRECISÃO, ela dará o que eu chamaria uma Visão, desta vez, exata e direta do que é a Verdade e do que não é.

A iluminação da Vibração da CLAREZA permite-lhes, efetivamente, viver o apaziguamento, a Paz e a Alegria, porque a CLAREZA é também, como eu disse, uma forma de leveza, manifestando-se tanto na Consciência como na própria percepção do que vocês chamam a energia do corpo, qualquer que seja o peso desse corpo, qualquer que seja a idade desse corpo.

A CLAREZA é um elemento que faz parte do que foram chamadas as Cruzes Mutáveis e os Eixos.
A CLAREZA, portanto, contribui para elevar o ponto ER, numa parte específica do Tubo de Cristal, indo de ER a ER, do Coração à cabeça, conectando, de algum modo, de maneira mais direta, a alma, o Espírito e o corpo, permitindo Unificar, então, esses três princípios, permitindo alquimizar a matéria e alquimizar a alma, transcendê-las, a fim de viver a Verdade do Espírito.
Sem CLAREZA isso não é possível.

Essa CLAREZA é, primeiro, e antes de tudo, também, uma transparência no que diz respeito a si mesmo e uma honestidade vis-a-vis de si mesmo.
Eu creio que vocês chamam a isso Ética e Integridade.

Mas essa Ética não é uma ética moral ou social, é uma Ética e uma Integridade, antes de tudo, em relação a si mesmo, permitindo-lhes estar alinhados e em acordo e, portanto, na clareza consigo mesmos.
São espaços de Consciência onde não pode existir qualquer alteração da Verdade, ligada à pessoa, ligada a apropriações e, portanto, aos pesos e às opacidades.
O peso e a opacidade ocasionam sofrimento.

E aquele que viveu a CLAREZA e o Samadhi uma vez, sabe, pertinentemente, quando desencadeia uma Vibração oposta à CLAREZA, revivendo, então, ou relembrando, então, por sofrimentos diversos e variados, esse afastamento mesmo da CLAREZA.

A CLAREZA é, portanto, um barômetro de seu estado de impressão de leveza ou, ao contrário, de peso, ilustrando, perfeitamente, seu próprio estado de CLAREZA.

A CLAREZA se vê, é claro, no olhar, onde não existe nem bem nem mal, mas apenas a Luz.
A CLAREZA se vê, enfim, na transparência do ser, onde tudo aparece, primeiramente, como não transformado, não alterado, não mascarado, não escondido.
De fato, aquele que se aproximou e viveu a Unidade, o Samadhi e a CLAREZA do Espírito, torna-se transparente.

Essa transparência é, portanto, Interiormente como exteriormente, vista do Interior ou vista do exterior, como uma prova patente da realidade do que é vivido no Espírito.

A CLAREZA, como eu já disse, pode encontrar-se também na Unidade dos vegetais e, em particular, das árvores que, eu os lembro, permaneceram, elas, alinhadas à Dimensão de Eternidade, à Unidade.
Elas podem ser, para vocês, um apoio, como eu disse, essencial para a manifestação de sua própria CLAREZA.

A CLAREZA também é leveza, quer dizer que ela não pode deixar manifestar-se, quando ela está estabelecida, qualquer peso da alma (uma vez que ela está transfigurada no Espírito), quaisquer nódoas da alma ou sofrimentos da alma.

A CLAREZA permite ver claramente, eu repito, as últimas zonas de Sombra e iluminá-las, sem qualquer culpa, porque a CLAREZA permite desembocar no próprio fato de que o Espírito não é desse mundo e que, portanto, tudo o que pertence à pessoa ou à alma é compreendido e assimilado como um jogo e uma ilusão.

Essa CLAREZA vai corresponder, também (além do que foi chamada a Fusão dos Éteres, o aparecimento da Luz azul), ao aparecimento da Luz branca, não mais sob forma separada, tal como alguns de vocês a veem já, chamadas Partículas Adamantinas, mas como um arranjo dessas Partículas Adamantinas, até aqui fragmentadas, tornando-se Unificadas, elas também, reunificando-se, naquele momento, dando uma Clareza branca, não mais constituída de partículas isoladas, mas tão densas que parecem formar, e é a Verdade, apenas uma única densidade, apenas uma única Vibração de Luz uniforme, branca, onde as Partículas Adamantinas reuniram-se para formar um tecido, isento de buracos, e isento de qualquer perfuração.
É assim que se estabelecerá o retorno à Unidade da Luz branca, pela ação de diversas forças que lhes foram desenvolvidas.

Essa Clareza de que falo, Interior, será, portanto, visível, também, como uma Clareza exterior, invadindo o mundo e implicando no desaparecimento total de toda zona de Sombra e de todo jogo de Sombra e de Luz, ou seja, o desaparecimento total do que é chamada a Dimensão Terceira.
E, portanto, o aparecimento da Luz branca permitir-lhes-á estabelecerem-se na nova Dimensão de Vida, em seu corpo transfigurado, este, ou então o corpo de Existência, diretamente re-sintetizado, tal um holograma.

Observem.
Observem o céu, a noite, a noite que cai e vocês verão, muito, muito proximamente, a partir de amanhã, a arquitetura da Luz branca constituída de Partículas Adamantinas transformar-se numa substância branca, viva e uniforme, onde as Partículas Adamantinas, pouco a pouco, não lhes aparecerão mesmo mais.

Pode-se comparar isso, guardadas todas as proporções, à bruma matinal que se levanta do solo ou que desce do céu, vindo apagar os contornos da maneira, das árvores, da natureza, dos animais, para dar, de algum modo, uma nuvem.
A única diferença é que essa nuvem não será uma nuvem constituída de vapor de água, mas de Partículas Adamantinas, de Luz, de Ultravioleta, de Luz azul e do Espírito Santo e, em resumo, essa será a nova densidade de Vida.

É assim que isso se manifestará, fazendo, então, desaparecer tudo o que era da ordem dos jogos de Sombra e de Luz.

Esse processo, vocês o viverão.
Vocês o começaram no Interior de vocês, aqueles que descobrem o Espírito e vivem-no, vocês o descobrirão também nesse mundo que se transforma.

É claro, e como os Anciões sempre disseram, ser-lhes-á feito segundo sua fé e segundo sua Vibração.
Se vocês mesmos tornam-se a Clareza, vocês penetrarão a CLAREZA.
Se vocês mesmos aceitam não mais nutrir as Sombras, quaisquer que sejam, as suas como as outras, naquele momento vocês penetrarão, sem qualquer obstrução, a nova densidade.
Esse processo foi chamado Ascensão.
Ele foi também chamado, pelo Comandante dos Anciões, o Planeta-Grelha, porque essa nuvem não é uma nuvem de água, mas uma nuvem de Fogo, de Luz do Espírito, à imagem da Fonte, constituída exclusivamente dessa Clareza.

É uma Tripla Irradiação, como vocês sabem (Espírito Santo, Fonte, Ultravioleta), que constitui a totalidade e a integridade da Luz revelando-se sobre esse mundo.

Assim, se vocês mesmos tornaram-se claros consigo mesmos, transparentes, vocês penetrarão essa densidade sem problema algum, ali estabelecendo-se de modo completamente natural e espontâneo.
É esse processo que estará em curso de instalação a uma velocidade que, como vocês sabem, não lhes pertence e não nos pertence, mas que é decidida pelos imperativos astronômicos e, sobretudo, pela resposta da própria Terra, para viver em sua nova vestimenta.

Tudo isso, é claro, acompanha-se, para a Sombra e as zonas que recusam essa iluminação, por convulsões, cada vez mais importantes, sobre as quais não voltarei, porque foram o objeto de profecias muito antigas e mais recentes, tanto no Oriente como no Ocidente, como entre meu povo.

Tudo isso lhes aparecerá cada vez mais claramente, é o caso e a ocasião de dizer, aos seus olhos e ao seu Coração, perplexos e surpresos.
A Inteligência da Luz tornar-se-á estrutura e aparência real da Luz e não mais, simplesmente, uma agitação de Partículas Adamantinas que aparecem em seu mundo.
Estas se estruturarão na autonomia e na liberdade, reunindo-se na Liberdade do UM, na qual vocês serão convidados a penetrar.

Isso se tornou possível, justamente, pela última Reversão, revelando a Energia Metatrônica ou a Consciência Metatrônica nesse corpo, nesse Templo e nesse Coração.
Tudo isso sua carne vai viver, sua Consciência vai viver e nós o viveremos com vocês, ao seu lado.

Muitos seres humanos que estão ainda vendados não terão dificuldade alguma para perceber o que é essa Luz.
Outros seres humanos, em número muito mais importante, estarão na resistência a essa Luz que representa, de fato, para eles, o fim de toda a vida e não um novo nascimento.

Lembrem-se de que é a Vibração e a Consciência que decidem, e nenhum ser exterior.
E de que cada um é totalmente livre para tornar-se o que ele Vibra.

O melhor modo de servir, e isso o Comandante disse, há muito tempo, é irradiar essa Luz, a Alegria e a Transparência.
Isso passa de qualquer palavra, isso passa de qualquer conselho, isso passa de qualquer interferência na Liberdade do outro.

Vocês são, portanto, chamados a tornarem-se livres, uns e outros, quaisquer que sejam os caminhos comuns.
Vocês são chamados a viver essa CLAREZA, agora, correspondendo ao estabelecimento do reino de METATRON e da Nova Tri-Unidade, reunificada, agora.

Essa reunificação da Nova Tri-Unidade ilustra-se também pelo que o Arcanjo Miguel chamou a Tripla Irradiação da Luz.

Lembrem-se, e eu insisto nisso, sobre o papel da natureza, sobre o papel das árvores.

Essa nova Consciência porá fim à antiga eletricidade, inteiramente.
O corpo humano transforma-se nessa Luz.
Os mecanismos elétricos do homem antigo não terão mais lugar de ser.

Olhem o céu, olhem a natureza, olhem a difusão da Luz branca, olhem seu aparecimento como Inteligência Suprema e vocês terão um bom vislumbre, além de suas percepções de Paz e de Vibração, do que está desenrolando-se sobre esta Terra e em seu estado de avanço que, como uns e outros disseram, tanto entre os Anciões como entre as Estrelas, irá, doravante, cada vez mais rapidamente, segundo sua escala de tempo.

Aí estão os alguns elementos que me foram solicitados comunicar-lhes, concernentes à CLAREZA e à interação do Espírito, da Luz, em relação à CLAREZA.

Se nos resta tempo antes do alinhamento, então, eu responderei às questões concernentes a isso, e unicamente isso, se nos resta tempo.

Questão: há uma relação entre a CLAREZA e a rede que se pode ver pela manhã, ao acordar?

Inteiramente.
Isso é chamado a Trama Etérea de Luz Vibral, que se constrói, na qual virão depositar-se as Partículas Adamantinas.
O que vocês veem chama-se a Trama do Éter.

Questão: qual é o marcador da fusão do corpo físico e do corpo de Existência?

A capacidade para manifestar a Alegria; a capacidade para entrar, mais ou menos espontaneamente, no estado de Samadhi ou de Alegria e, enfim, o desaparecimento do corpo físico.

Quando vocês tiverem a chance de perceber, aqueles que ainda não percebem, essas nuvens brancas, geralmente à noite, em seu leito ou fora, e vocês estendem a mão para essa nuvem branca, qualquer que seja sua forma, vocês constatarão que sua mão desaparece inteiramente.
É claro, retirando a mão dessa nuvem branca, sua mão reaparecerá.

Mas é assim que se viverá a Ascensão, para uma grande parte de vocês que despertaram as Coroas Radiantes da cabeça e do Coração.

Questão: se essa Luz substitui a eletricidade, todo o mundo a verá?

Alguns, com grande alegria.
Muitos, com muito temor.

Não temos mais perguntas. Agradecemos.

Irmãos e Irmãs em Espírito, que o Grande Espírito os acompanhe.

Olhem e vivam o que vem.

Talvez, até breve.
Certamente, com Amor e com Fraternidade.

___________________________

Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

ANAEL – 31 de maio de 2011

Mensagem publicada em 1º de junho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.

Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui


Eu sou Anael, Arcanjo.
Bem amados Filhos da Luz e bem amadas Sementes de Estrelas, o quadro de minha intervenção desta noite está em ressonância direta com o que o Conclave Arcangélico pediu-me para dar-lhes, no que concerne ao que chamamos, com vocês, a última Reversão.

Eu retomaria, para isso, certo número de elementos que lhes foram comunicados na última parte do Yoga da Verdade, da Unidade, Yoga Integrativo, comunicados por UM AMIGO (ndr: na rubrica «protocolos» de nosso site).

Vou, portanto, falar-lhes da estrutura Vibratória que permite manifestar e viver a última Reversão, preliminar à Ascensão.
Isso concerne às estruturas incluídas em dois eixos: o eixo da falsificação, chamado ATRAÇÃO-VISÃO e um segundo eixo, ligado a KI-RIS-TI-REPULSÃO, movimentando, centrados pelo AL-OD, o Fogo e a Terra, pondo em ressonância, em vocês, o Alfa e o Ômega, religados diretamente àquele que o anunciou.
«Eu sou o Alfa e o Ômega».

Assim falava o Cristo, em linguagem codificada, quando de sua vinda.
Ele era, assim como dizia, o Caminho, a Verdade e a Vida, a fim de que vocês se tornassem, vocês também, por sua vez, o Caminho, a Verdade e a Vida.

Assim, através desse duplo eixo, estabelece-se em vocês o último basculamento, a última Reversão, efetuada pela sincronia da ação do Arcanjo Uriel e do Arcanjo Metatron, permitindo estabelecerem-se na Verdade final da Unidade, pondo fim à Ilusão de sua Dimensão falsificada.

Esses tempos são aqueles nos quais vocês entram agora.
Eles se inscrevem pela possibilidade de seu retorno à Unidade, Ascensão vivida por e para o Cristo em sua Dimensão Cristo, chamado, em outros termos, KI-RIS-TI, Filho Ardente do Sol, permitindo o desvendamento, em seu Éter, pelo aparecimento da visão etérea do Cristo, vindo tal como ele partiu e tal como ele havia dito, pelos Céus.
Isso se realiza agora, não tanto porque esteja ligado às festas do calendário, mas, efetivamente, porque os tempos chegaram de revelar, em seus Céus, a Presença do Cristo na Luz Branca.

Isso se estabelece num futuro extremamente próximo, iniciando em algumas horas, permitindo, então, ao conjunto da humanidade compreender e viver, mesmo desviando-se disso, a segunda vinda da Vibração Crística, da Presença Crística em vocês, em seu Templo Interior, assim como em seus Céus e sobre esta Terra.

Os tempos estão cumpridos, assim como o Comandante informou-lhes, já agora há mais de dois meses.
Os tempos do fim são agora.
Esse fim é um novo nascimento, ele não corresponde a nada de trágico, não corresponde a nada que possa alterar, bem ao contrário, sua Consciência e sua continuidade.

Vocês são chamados, por um último apelo, a despertar no Fogo do Coração, Fogo do Espírito, conduzindo-os a manifestar em vocês a Alegria, a Paz, a Verdade, a fim de voltarem a tornar-se o Alfa e o Ômega, inscrito entre o Fogo do Céu e o Fogo da Terra, permitindo-lhes juntar-se ao seu Templo Interior.

A Vibração do ER-ER estabelecendo-os, pela Lemniscate Sagrada, na Verdade da Presença.

Filhos da Luz, Filhos da Eternidade, eis que veio o dia tão esperado e tão temido.
Isso se inscreve no firmamento de seus Céus, como em seu Templo Interior.
Dia da Ressurreição, dia da Ascensão, dia de Pentecostes, permitindo festejar e realizar a Nova Eucaristia na Nova Tri-Unidade, na Verdade, em seu novo Nascimento em novos Céus e em uma Nova Terra.

Isso se desenrola sob seus olhos, vocês, que trabalharam e que trabalharão na Luz Unificada da Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres.

Esses instantes são para gravar.
O mês da Graça termina pela promessa de sua Ressurreição, pela promessa de seu despertar na Unidade, nas Moradas de Paz Suprema.

Assim, a partir de hoje, dentro de algumas horas, vocês começarão, cada um ao seu ritmo, a perceber a descida do Cristo na Unidade e na Verdade em seu Templo Interior, pela Presença da Luz Branca e pela Vibração da Luz Branca, estabelecendo, em vocês, seu reino e seu retorno, e o retorno d’Ele.

Bem amados Filhos da Luz, bem amados Filhos da Unidade, a hora chegou de fazer ressoar o canto da Ressurreição.
A hora chegou de terminar, de maneira definitiva, com a Ilusão matricial.
O fim da falsificação chegou.
O trabalho está terminado.

Assim, nós, Arcanjos, agradecemos ao conjunto de seres que trabalharam no que é comumente chamada: «equipe de solo».

Vocês, Sementes de Estrelas, reveladas e despertadas a si mesmas, que percebem as Vibrações da Unidade em suas Coroas Radiantes, o tempo do despertar do Kundalini chegou, o tempo chegou de juntar-se ao Alfa e ao Ômega, o tempo de seu retorno.

Isso se estabelece pelas Vibrações que aparecem em sua coluna vertebral, árvore da vida, partindo de seu sacrum e partindo de sua cabeça, reunificando-se atrás de suas costas, permitindo o vôo, pelo aparecimento das asas etéreas.

Esse momento, tão esperado, corresponde ao momento final da falsificação, momento em que o conjunto do que havia sido escondido em vocês revela-se, momento em que o conjunto do que havia sido falsificado, no plano histórico, revela-se em vocês, ao olhar de seus olhos e ao olhar de seu Coração.
Isso é agora.
Esse é o anúncio formal, preparando a vinda nova do Senhor Metatron em seu Coração, revelando-se, revelando a armadura de Luz, permitindo ao Cristo ali estabelecer-se.

Isso se desenrola durante o período que resta a cobrir entre agora e o fim anunciado de 28 de outubro do ano de 2011.

Obviamente, nesse lapso de tempo, inúmeras coisas devem ainda revelar-se em vocês, como ao redor de vocês, a fim de que o reino da Luz não sofra qualquer discussão nem qualquer disparidade em sua distribuição, a partir do instante em que a Consciência humana volte-se, de maneira definitiva, para sua Eternidade.

A passagem do Alfa ao Ômega, a reunião do Bem e do Mal em sua Unidade, realizadas pela Visão de Ki-Ris-Ti, permite a Reversão ao centro do ponto ER, revelando, então, a Luz Vibral, revelando, então, a realidade da Unidade em seu quotidiano.

Bem amados Filhos da Lei de Um, bem amadas Sementes de Estrelas, o apelo que lhes é feito é um apelo para juntarem-se às esferas da Unidade pela Vibração de sua Presença, pela Vibração de sua Unidade, pela Vibração de sua Alegria.

Nada mais deve alterar a revelação de sua Unidade, se não é a própria Unidade.
Nisso, vocês são solenemente chamados a revelar sua Eternidade, a revelar sua Dimensão Unificada, mesmo nessa Matriz.
Isso se realizará em vocês, além do despertar do Kundalini, para aqueles que ainda não o viveram, pela reunião da Tripla Lareira de Amor, de Paz e de Alegria, permitindo às suas Coroas Radiantes revelar-se inteiramente.

A hora e o instante são os tempos de sua Ressurreição, chamando-os para a Alegria e a Eternidade, chamando-os para superar e transcender os limites dessa encarnação, ao mesmo tempo mantendo esse corpo, vocês que estão em alguns países e que trabalham para a Liberação da Terra, para permanecerem como Ancoradores de Luz, a fim de perfazer a evolução e o futuro desta Terra nessa Nova Dimensão.

O conjunto de seus Irmãos, situados nos mundos carbonados Unificados, chamados por uns «Anjos do Senhor» e, por outros, «Técnicos do Senhor», revelam-se doravante em seus Céus, aparecendo em número cada vez maior em seus Céus, em suas cidades, no conjunto dos países da Terra, a fim de que sua presença não possa ser ignorada pelo conjunto da humanidade, permitindo, então, a revelação do retorno do Cristo, em Unidade e em Verdade, tal como ele partiu, ou seja, pelos Céus.

Bem amadas Sementes de Estrelas, bem amados Filhos da Lei de Um, vocês são chamados a manifestar sua Paz e a estabelecê-la nesse mundo, a fim de serem os apoios da Vibração de Cristo, a fim de serem os Filhos que acolhem o retorno do Filho pródigo, permitindo ao conjunto da humanidade, criada na Unidade, voltar a juntar-se à sua Dimensão de Eternidade.

Seu papel vai revelar-se agora, para além de toda missão e de toda função, que é simplesmente um papel de Mensageiro de Luz, pela qualidade de sua Vibração, pela qualidade de sua Essência, pela qualidade de sua Presença.

A cada espaço em que vocês revelarem sua própria Unidade, um conjunto de Vibrações que percorre a Lemniscata Sagrada, como sua coluna vertebral e como suas Coroas Radiantes permitirá, então, manifestar a Paz, manifestar a Luz, densificá-la, encarná-la e ancorá-la.
Aí está seu único papel, que tomará todo lugar, progressivamente e à medida dos dias que vão revelar-se.

Lembrem-se de que, durante este período, inúmeros de seus Irmãos ainda adormecidos e que não desejam viver qualquer despertar, devido aos hábitos de dependência aos quais eles estão submetidos, devem herdar apenas sua Luz, apenas seu Amor, apenas sua Paz.
É o melhor modo que vocês terão de ajudar a Ascensão da Terra e a Liberação de seus Irmãos ainda adormecidos.

Nós contamos com vocês, como de hábito, a cada noite, em seus momentos de alinhamento às 19 horas, hora francesa, a fim de manter a Vibração, a fim de manter a ativação da Lemniscata Sagrada, superando a Vibração das Coroas estabelecidas em sua cabeça, conectando, assim, os pontos do Coração e os pontos da cabeça.

Não procurem compreender a lógica, nem os trajetos.
Estes se estabelecerão por si, em vocês, a partir do instante em que vocês formularem, de maneira clara e consciente, a reunião de suas Coroas.

Assim, simplesmente ali pensando, vocês permitirão a fusão dessas duas Coroas, fusão dos Éteres da Terra e do Céu, recordando à Unidade a manifestação da Vida, recordando à Unidade a manifestação dos Éteres reunidos, Etereação do planeta, chamada Ascensão, na qual vocês entraram, agora, de maneira final.

Não há mais data, exceto o tempo que se desenrola a cada dia e que vai conduzi-los a aproximarem-se, a cada instante e a cada minuto, de sua vida, de sua Unidade.
Isso é agora.

O canto da Terra, que ressoou em diversos lugares, vai doravante generalizar-se, respondendo, assim, ao canto do Céu e do Sol, chamando-os a viver sua reunião.

Bem amados Filhos do Um, bem amados Filhos da Luz, eis o que o Conclave Arcangélico pediu-me formalmente para dizer-lhes esta noite, preparando assim a vinda de Maria (ndr: em 1º de junho), assim como a vinda do Senhor Metatron, no dia seguinte (ndr: 2 de junho).

Além dessa formalidade, eu permaneço, obviamente, com vocês, para suas interrogações, tanto sobre esse processo em curso como sobre qualquer outra questão que vocês julgarem por bem colocar-nos, concernente às evoluções atuais da Terra.

Bem amados Filhos da Luz, bem amados Filhos da Lei de Um, meu Amor e minha Graça está com vocês, eu os escuto agora.

Questão: que é a escala da Lemniscata Sagrada?

A escala da Lemniscata Sagrada corresponde às diferentes etapas Vibratórias ligadas à ativação dos novos Corpos, novas frequências, ligadas ao OD-ER-IM-IS-AL, reveladas desde agora dois anos.

Isso permitiu reconectá-los à sua Unidade, através do mecanismo chamado «Casamentos Celestes», tendo desvendado, para um número sempre mais importante de seres humanos, a nova frequência Vibratória da Terra, baseada numa oitava de 12 e não mais de 7.

As cinco Etapas correspondem aos cinco Degraus da escala, que deviam ser escalados, permitindo-lhes reunificar OD e AL, o Alfa e o Ômega.

Questão: isso significa que nossas doze fitas de DNA estão agora todas ativadas?

Bem amada, para os mais avançados de vocês no retorno à Unidade, essa é uma verdade, esperando-os em seu corpo de Existência.

Questão: a Consciência pode agora ser levada sobre os pontos VISÃO e ATRAÇÃO?

Bem amado, sim.
Além disso, o próprio princípio dessa última Reversão, cujas funções acabam de ser-lhes desvendadas, será ativado em dois dias, pelo Senhor Metatron.
Esse é o papel dele, essa é sua missão nesse sistema solar.

É, contudo, importante compreender e viver que, doravante, o conjunto dos pontos está ativado.
Alguns de vocês percebem mais do que outros.
Alguns de vocês vão perceber alguns pontos ao invés de outros pontos.
Hoje, isso deve ser transcendido e superado pelo próprio estabelecimento das conexões entre o Coração e a cabeça, por circuitos múltiplos.

O Coração não será mais, jamais, separado da cabeça; a cabeça não será mais, jamais, separada do Coração.
A alquimia situa-se nesse nível.

Assim, o simples fato de pensar na Coroa Radiante da cabeça, sem levar a Consciência, especificamente, sobre um ponto, assim como levar a Consciência sobre a Coroa Radiante do Coração, sem, especificamente, pensar em um ponto, permitirá alquimizar as duas e realizará, portanto, a última passagem de Abertura da Boca, mas também de abertura da moleira [fontanelle] posterior, permitindo-se juntar-se à Unidade em toda lucidez e em toda Consciência.

Assim, se é que se possa falar de trabalho, é-lhes solicitado, durante seus alinhamentos e também durante seus períodos em que a Luz se precipita em vocês, seja em alguns horários, como lhes foi anunciado, seja em alguns momentos que lhes são específicos, em função de seus próprios ritmos, simplesmente alquimizar a cabeça e o Coração, o Coração e a cabeça, permitindo, então, e deixando lugar, então, à última Reversão, permitindo revelar a Visão do Cristo no Éter da Terra.

Questão: como essas modificações impactarão o acesso ao estado de Turiya?

Elas permitem-lhes manifestar, de maneira cada vez mais duradoura, ou mesmo definitiva, o estado de Turiya, ou seja, extraí-los, cada um em seu ritmo, inteiramente, da ilusão, corpo, alma, Espírito, a fim de reencontrar o Espírito, se tal é seu caminho.

Eu esclareço, enquanto as questões chegam à sua Consciência, que, na saída dessa última Reversão, o ponto mais ativo, uma vez que é preciso falar de pontos, será o ponto ER ao centro da cabeça e, obviamente, o conjunto de Coroas.

Questão: como saber se a Lareira do sacrum está ativa?

Bem amado, pelo conjunto de manifestações que se produzem naquele nível ou que percorrem alguns pontos da coluna vertebral ou o conjunto da Árvore de Vida.

O Fogo do Coração transformar-se-á em Fogo do Corpo, correspondendo à sua irradiação total pela Luz Vibral.

Questão: pode-se fusionar as Lareiras Cabeça e Coração, se a Lareira do Coração não acendeu?

Bem amado, será feito a cada um conforme sua Vibração.
A evolução de cada um é função das Vibrações, como foi especificado.

Assim, a partir de amanhã, a Lareira do Coração, Coroa Radiante do Coração e Fogo do Coração acender-se-á pela conexão entre os dois pontos.
Se não se acende, isso significa que, se somente a Presença real da Coroa Radiante da cabeça efetivou-se, então, a evolução corresponde a outro mecanismo de Ascensão.

Lembrem-se, contudo, de que, mesmo aqueles de seus Irmãos que, hoje, não podem vislumbrar qualquer liberação da Matriz serão, de qualquer modo, liberados da Matriz.

O mecanismo ascensional concerne ao conjunto da humanidade, mesmo se as evoluções sejam profundamente diferentes.
Eles correspondem, contudo, a uma liberação para a totalidade da humanidade.
Simplesmente, o estabelecimento da Consciência nos mundos Unificados, para além dos mundos carbonados, é possível apenas se as três Coroas, se as três Lareiras estão ativas.

Questão: é possível já ter sentido o Fogo do Corpo inteiro?

Sim.
Alguns de vocês, que tiveram acesso, mesmo de maneira extremamente efêmera, em Consciência, ao Corpo de Existência, puderam viver essa irradiação da Luz já a partir do fim dos Casamentos Celestes.

Mas o número é limitado e restrito, em relação ao conjunto daqueles que vivem, pelo momento e pelo instante, a ativação das Coroas Radiantes e do Sacrum.

Questão: a que correspondem os momentos de estase que se pode viver?

Os momentos de estase correspondem ao estabelecimento da Consciência Turiya.
Vocês devem sair, extrair-se, de algum modo, da Ilusão, cada um em seu ritmo.

Alguns de vocês vivem momentos chamados de estase, fazendo-os sair, já, da Matriz, em Consciência.
Resta, agora, sair desse corpo e dessa alma, de um modo ou de outro.

Questão: quando da báscula do ponto AL da cabeça, o ponto ER muda de localização?

Bem amado, não.
Mas existe, efetivamente, de um lado e de outro do ponto ER, à frente como atrás, como à esquerda e à direita, o aparecimento de quatro Vibrações correspondentes à Coroa central da cabeça.
Não é o ponto ER que muda de localização, é o ponto ER que se revela.
Um desses quatro pontos, ou o ponto central, chamado ER, pode manifestar-se de maneira mais intensa em alguns momentos.
Isso não corresponde a um deslocamento do ponto ER, mas, efetivamente, a uma revelação do ponto ER.

Questão: que significa «fazer sair o corpo da Matriz»?

Bem amada, isso significa o fim desse corpo e o fim dessa alma.

Questão: como aqueles que devem manter esse corpo físico até o final acederão a seus corpos de Existência?

Isso será realizado apenas na sequência dos ensinamentos Vibratórios dados pelo Arcanjo Metatron e alguns membros da Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres.

Não se esqueçam de que vocês são a ponte entre a Unidade e esse mundo.
Como tal, é pedido a alguns de vocês, que fazem parte da equipe de solo, para manterem uma integridade física até o fim último da Terra, nessa Dimensão.

Muitas coisas, muitos elementos concernentes à sua evolução aparecer-lhes-ão cada vez mais claramente, também nesse nível, a partir da Reversão final, efetuada pelo Senhor Metatron.

Naquele momento, sua Consciência perceberá, de maneira cada vez mais clara e cada vez mais lúcida, o que lhes reserva a revelação de sua Unidade e o modo pelo qual essa revelação desenrolar-se-á, para cada um de vocês.

Questão: cultivar os estados de Samadhi facilita, então, os estados de passagem?

Seguramente, sim.

Questão: sentir a Coroa da cabeça, assim como a zona de projeção dos três pontos AL, mais o ponto ER da cabeça e do Coração faz parte desses processos?

Inteiramente, a resposta é sim.
Assim que aparecem os processos de ativação do ponto AL-AL, Vibração ao nível da linha do nariz, isso corresponde à fusão dos três últimos Corpos, chamados 10º, 11º e 12º Corpos.
Naquele momento, a visão etérea que aparece assinala sua entrada na Unidade.

Questão: se esses processos já estão ativos, mas não a lareira do Sacrum, esta última ativar-se-á nos dias que vêm?

Ela se ativará ou nos dias que vêm, ou, se for necessário, até o fim último, chamado Etereação do planeta.

Lembrem-se de que eu efetivamente falei da Árvore de Vida, para além do despertar do Kundalini.

Alguns de vocês são chamados a Vibrá-la na totalidade e, portanto, a viver o que é chamado comumente Despertar do Kundalini.
Outros são chamados a viver alguns pontos de Vibração ao nível das costas ou ao nível do pescoço ou na parte traseira da cabeça.
Isso é profundamente diferente para cada um, porque oriundo diretamente do que constitui suas linhagens espirituais.

Questão: sentir dores nas omoplatas corresponde ao que você descreve?

De um lado e de outro do chacra do Coração, ao nível da Árvore de Vida posterior, existem, efetivamente, pontos situados muito levemente dentro das omoplatas, correspondendo estritamente a isso.
Isso é o desenvolvimento do que são chamadas «as Asas Etéreas».

Questão: e no caso de trinca numa vértebra dorsal?

Nenhum obstáculo de ordem corporal pode interferir com esse processo Vibratório.

Questão: ter o corpo percorrido inteiramente por Vibrações assinala um acesso à Existência?

Isso corresponde ao desenvolvimento da irradiação da Luz, chamado Fogo do Corpo, na escala do corpo.

O acesso à Existência se faz de dois modos: ou pela reprodução do Corpo de Existência na estrutura corporal de 3ª Dimensão dissociada.
Naquele momento, ativa-se, nesse corpo, um conjunto de circuitos e de funções, coisa que vocês viveram.

O acesso à Existência pode ser feito também, independentemente desse corpo, constituindo, em sobreposição, um Corpo de Existência.

Num caso como no outro a Vibração é, efetivamente, o que permite aceder a esse Corpo de Existência.

O Corpo de Existência, ou Corpo de Glória, ou Corpo imortal, ou Corpo da Ressurreição ser-lhes-á restituído a partir da Etereação do planeta.

Questão: se o fato de estar em grupo facilita a subida Vibratória, pode-se elevar da mesma maneira as Vibrações estando sozinho?

Bem amada, para cada ser humano isso é diferente.

Alguns têm necessidade de um grupo, alguns podem viver em grupo e outros não.
Cada caminho é diferente em relação ao acesso ao Corpo de Existência.

Eu a lembro, contudo, de que o mais importante é a conexão coletiva às 19 horas [hora francesa].
O grupo, assim como você o define, é, portanto, constituído e se constitui e se reconstitui de modo anônimo, onde quer que seja sobre o planeta, quando os seres reencontram-se de modo sincrônico, mesmo sem o saber, para alinharem-se.
Em resumo, você jamais está só.

Questão: é preciso saber algo do impacto dessas modificações nas crianças?

A única coisa a saber, assim como já o dissemos em múltiplas reprises e inumeráveis reprises: não se ocupem com as crianças.
Elas irão em linha reta para onde devem ir, e em toda facilidade.

Questão: esse será o caso para um adulto, se ele volta a tornar-se como uma criança?

Perfeitamente.
Parece-me, aliás, que algumas de suas intervenções de hoje, trazidas pelas Estrelas, falavam dessa inocência e do caminho da infância.

Questão: quando da Nova Aliança, a que corresponde o fato de reencontrar-se como num prado recoberto de grandes cristais translúcidos?

Isso corresponde a alguns mundos chamados Mundos de Cristal, existentes.

Questão: a que correspondem as dores ao nível da zona temporal, vividas quando de exercícios na ativação das Estrelas?

Qualquer zona, traduzindo-se ao nível da projeção das Estrelas ao nível da cabeça, corresponde à ativação dessa zona, simplesmente.

Questão: a evolução de uma criança deficiente difere daquela de uma criança sem deficiência?

Bem amada, e por qual razão seria diferente?
Não existe obstáculo algum, corporal ou físico, desse mundo, que impeça o acesso ao Espírito.

Questão: a que corresponde o fato, quando de um protocolo, de sentir a parte do tronco completamente liberada, enquanto os tornozelos estão plantados no solo?

Bem amado, os laços dos tornozelos foram liberados para o conjunto da humanidade.
Mas, para alguns seres, é indispensável mantê-los ainda, a fim de evitar uma partida demasiado antecipada.

Questão: esse mês de maio, dito mês da Graça, corresponde a uma colocação na Luz das últimas sombras?

Em grande parte, sim.
Mas também ao acolhimento dos humanos que ainda não viveram a manifestação Vibratória.

A Luz libera e ilumina.
A Sombra corresponde às resistências que vocês observam e que observarão, cada vez mais, sobre esta Terra, nas semanas a vir, concernentes à humanidade refratária, pelo momento, à Luz.

Questão: que é que bloqueia minha visão do Coração?

Quem bloqueia você mesmo, se não você mesmo?
A visão do Coração manifesta-se assim que a visão Etérea está presente.
Ela é uma sobreposição dessa visão Etérea, não sendo mais uma visão pelos olhos, nem uma visão astral, ligada ao 3º olho, mas, efetivamente, essa visão do Coração.

O desenvolvimento da visão Etérea e da visão do Coração é diferente, de acordo com cada ser humano, mesmo desperto.

Agora, jamais foi dito que o conjunto dos Despertos teria a visão Etérea nesse mundo.
Entretanto, o campo de força e o campo de ressonância, estabelecido por aqueles que revelam essa visão Etérea, permitirá ao conjunto dos Despertos e ao conjunto da humanidade, no final, ver o Cristo.

Questão: a que corresponde, durante o período de alinhamento, o fato de ouvir um ruído furtivo, como na superfície?

Bem amado, existe uma multidão de sons apresentando-se a vocês, doravante.
Entre o som da alma e suas sete tonalidades, entre o som do Espírito e suas sete tonalidades, entre o som da Terra e suas sete tonalidades, o som da fusão dos Éteres e suas sete tonalidades, o som do Céu e suas sete tonalidades, isso dá muitos sons.

O conjunto dessas tonalidades diferentes conduzirá ao que é chamado o coro dos Anjos, ao som dentro do qual se ouvirá o som de Maria e a voz de Maria.

Questão: a que correspondem as lágrimas vertidas durante as meditações?

O Fogo do Éter, o Fogo do Coração, o Fogo do Céu e da Terra, a precipitação das partículas Adamantinas liberam lágrimas que não são nem lágrimas de tristeza, nem lágrimas de prazer, mas lágrimas de êxtase.

Questão: como o Cristo apresentar-se-á a cada um de nós?

Bem amado, quando o Cristo chegar, você não poderá colocar-se questão alguma.
Então, deixe vir a você esse instante, sem projetar qualquer interrogação de tipo mental.
Não haverá qualquer meio de enganar-se.

Muitos de vocês o percebem, aliás.

Questão: qual diferença há entre «perceber» e «sentir»?

Perceber se faz diretamente com a Consciência.
Sentir pode se fazer em diferentes níveis: pela energia etérea, pela energia astral, pela energia mental e, enfim, pela Consciência Supramental.

O sentir, exprimido atualmente por um número considerável de pessoas, não é absolutamente uma característica que assegure outra coisa que a percepção da energia.

Perceber está para além da energia.
Perceber é Vibração e Consciência.

É perfeitamente possível sentir uma energia.
Esta pode manifestar-se ao nível simplesmente etéreo.
Trata-se, portanto, de uma percepção energética situando-se ao nível etéreo, estritamente nada tendo a ver com a Vibração da Luz Vibral.

A Vibração, ou a energia Vibral é sempre religada e em ressonância direta com a Consciência.
É possível sentir uma Luz Vibral ao nível do Coração, dando o Fogo do Coração e traduzindo-se pela Paz ou pelo Samadhi.

É perfeitamente possível sentir uma energia circular e girar ao nível do Coração, sendo etérea, estritamente nada tendo a ver com a paz ou o Samadhi, traduzindo, então, simplesmente, um estado emocional.

Vocês todos conheceram isso reencontrando um ser amado ou sendo atraído por uma música ou pelo que quer que seja mais.
A diferença é que a Consciência que Vibra na Unidade não é função de circunstâncias exteriores, exceto, é claro, quando de fases de alinhamento comum onde, aí, revela-se a Merkabah Interdimensional Coletiva.

A emoção que acompanha uma percepção energética, ao nível do Coração, apaga-se por si mesma assim que a emoção não está mais ali e não se traduz por uma Alegria ou uma Paz ou um Êxtase.
A Vibração Etérea ou energia etérea não tem os mesmos efeitos na Consciência que a energia supramental.
A energia prânica não tem qualquer medida comum com a energia supramental ou plano de la Cittá.

Questão: que significa: «reunir, em seu nome, o três em Um»?

É a reunificação da Nova Tri-Unidade: corpo, alma, Espírito ou também Vibração: Ki-Ris-Ti, Miguel, Is-Is.

Questão: por que os protocolos não curam sempre?

Em nome de que, bem amado, um protocolo espiritual de elevação da Consciência implicaria numa cura desse corpo?
Qual é o interesse?

Não existe obstáculo algum corporal para o acesso à Luz Vibral.
Agora, existe uma infinidade de razões para que uma patologia continue a existir enquanto a Luz Vibral é instalada.
Isso demonstra, simplesmente, que essa infinidade de razões não é absolutamente incompatível com o acesso à Unidade.

Agora, de maneira muito mais geral, o acesso à Unidade, vivido realmente, traduz-se, antes, por um desaparecimento do conjunto de morbidades.
Mas isso não é constante.

Poder-se-ia mesmo dizer, sem fazer jogo de palavras, que a elevação Vibratória que vocês vivem é destinada, em definitivo, a fazê-los morrer ao nível da limitação e a fazê-los nascer para o Ilimitado.

Então, por que colocar-se a questão de uma anomalia de saúde, qualquer que seja, que existe apenas na Ilusão?

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Bem amados Filhos da Lei de Um, bem amadas Sementes de Estrelas, em acordo com o Conclave e o Senhor Metatron, juntos, aqui presentes, vamos acolher (isso será a Graça que eu rendo à sua Presença) a Luz Cristo, em Unidade, em Verdade e em Presença.

Eu lhes digo, quanto a mim, certamente, até dentro de poucos dias.

Acolhamos.

... Efusão Vibratória...

Que a Paz, a Alegria, o Amor sejam sua Morada.
Anael saúda-os.

___________________________

Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com