Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

30/10/2014

O.M. AÏVANHOV (por Fetnat) – 29 de setembro de 2014


Bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.
Eu lhes transmito, primeiramente, todas as minhas bênçãos, e estou alegre de estar com vocês.
Eu não vou acrescentar palavras às palavras, em contrapartida, vou acrescentar muitas palavras, se vocês têm questões a fazer-me.
Então, eu os escuto, com grande felicidade, e vamos ver o que vamos dizer hoje, em função de seu humor.

Questão: a subida vibratória está, doravante, em seu máximo ou vai amplificar-se nos tempos que vêm?

Sim, há o fogo no c--, como se diz, não é?
Há o fogo no c--, o fogo na cabeça, o fogo no coração, o fogo na terra, há o fogo por toda a parte.
Mas o que é o fogo?
É o Espírito.
Então, sim, as vibrações da Luz vibral, mas não unicamente.
Eu diria, os Hayot Ha Kodesh, ou seja, os arquétipos dos elementos, vocês os veem ao seu redor, eles estão cada vez mais ativos, mas, também, em seu corpo.
Portanto, o que vocês vivem não está pronto a parar, isso vai esquentar, esquentar cada vez mais, vai agitar, cada vez mais.
É por isso, eu acho, que tanto Gemma como Metatron como Miguel e outros que se exprimem junto a vocês, nestes dias ou nessas últimas semanas, insistem nessa noção de estar na paz.
Porque, se vocês estão na paz, se estão no Coração do Coração, mesmo se seu corpo vire pó ou queime ou afogue-se, qual importância isso pode ter?
Se você permanece na paz, isso quer dizer que você já está na Eternidade.
Então, o que pode fazer o que se produz ao nível das manifestações?
Então, é claro, há uma lógica.
Se você sangra, é preciso parar o sangramento, concorda?
Mas nas manifestações que você não pode – como dizer... – que você não pode dominar e que não pode e controlar, o que é que você pode fazer?
Você pode dizer: eu vou opor-me, vou resistir, vou melhorar, vou resolver tal problema.
E o que é que acontece, geralmente?
Você tem a resposta: isso emperra, isso resiste, enquanto, na Fluidez da Unidade e na manifestação da Luz que há, atualmente, não pode haver «embaraço», tudo é harmonioso, porque a Luz e o Amor são a beleza, a harmonia, a facilidade.
Não a facilidade do ego, hein?, daquele que se crê chegado, mas, realmente, a facilidade da Luz e, isso, apenas se pode viver no Coração do Coração.

Então, é claro, talvez, para você ou para outros, isso esquente muito, pode, mesmo, tornar-se um pouco difícil, eu diria, fazer algumas coisas.
Mas se isso acontece a você, é que é assim, você tem, talvez, necessidade de estar em uma cama durante dois dias, três dias, parar tal coisa, retomar tal coisa.
Mas lembre-se do que disse Gemma e do que eu disse, também: se é com Amor, tudo acontecerá, sempre, bem.

Então sim, a intensidade das vibrações vai tornar-se, para cada vez mais numerosos entre vocês, como intolerável, de tão forte, como vocês dizem.
Mas é forte para quem?
É forte para o ego.
Portanto, é que o ego tem necessidade.
Então, ele tem, talvez, necessidade de limpar algumas zonas do corpo, de limpar alguns comportamentos, então, você observa, talvez, que você estava na calma, de repente, há ou raivas ou uma fúria, ou prantos que saem, que sobem.
Aí também, não culpe.
Veja-os sair, mas você não é isso.
Mas, a partir do instante em que você quer portar sua atenção, por exemplo, sobre uma raiva, você vai vivê-la, mas você não é essa raiva e, no entanto, ela o atravessou.
É tão simples assim.
E, se nesses momentos em que há raiva, você consegue sair desse turbilhão de energia e que é ligado aos Hayot Ha Kodesh que se manifestam em sua estrutura física, isso será muito simples: aí está, eu tive uma raiva e eu a fiz sair. Eu choro, as lágrimas correm, mas, ao mesmo tempo, eu me ponho no Coração do Coração, eu chamo a Cristo, eu respiro e recito um mantra, pouco importa. Eu me deito, eu me ponho de joelhos, mas eu não procuro evitar minha raiva, mas eu estou em uma vibração que vai permitir-me, pela Luz, por Cristo, pela humildade, pela simplicidade, pelo alinhamento – chame a isso como quiser – essa raiva vai fazer puf.
É similar para as lágrimas, é similar para não importa o quê.

E é-lhe dada a possibilidade, nessas semanas que acabam de escoar-se e, agora, como vocês dizem, com uma impressão de que isso esquenta, cada vez mais.
Realmente, aí, você tem, em si, toda a inteligência do coração para ver as coisas.
Você vê quando é simples, você vê quando não é simples, e a Luz vai fazê-lo viver ambos.
Se você acredita que pode controlar as coisas, isso vai emperrar.
Se você aceita que Cristo faça as coisas, isso não quer dizer que você vai girar os polegares, mas você está na aquiescência à Luz.
Aí, as coisas acontecerão sempre melhor, mesmo se seu corpo, ainda uma vez, deva ser reduzido a pó em cinco minutos.
Qual importância isso pode ter para o que você é?
Se você acha que isso tem uma importância, isso quer dizer, simplesmente, que você se segura ao seu efêmero.
E que a lagarta não está, ainda, completamente pronta para construir sua crisálida e para deixar nascer a borboleta.
Mas, ainda uma vez, não há competição, não há mais à frente, mais atrás, alguns que vão ganhar, outros que vão perder, absolutamente não.

Porque o que acontece é, justamente, o que será, para você, o mais adaptado, mas você só poderá viver as circunstâncias coletivas que descambam a toda velocidade sobre a cabeça e sobre o planeta agora, se você for capaz, nos momentos os mais extravagantes e, eu diria, no positivo como no negativo na 3D, tanto um como o outro você o tome com a mesma equanimidade e o mesmo alinhamento no Coração do Coração, e você verá que a Graça será eficiente, imediatamente.

Vocês todos constataram, em suas vidas, seja para as pequenas coisas ou grandes coisas, pouco importa, que há momentos nos quais tudo se faz facilmente, que há momentos nos quais vocês querem algo e isso não se faz, isso resiste e isso resiste, e as circunstâncias fazem com que se coloquem bastões nas rodas etc etc.
E, depois, há momentos nos quais vocês dizem basta!, eu deixo fazer a Luz!
E, aí, vocês constatam que há um tapete de rosas que se desdobra diante de vocês, como Teresa, Como Gemma disseram e como os Elohim dizem, como nós o dizemos sem parar, ponham isso em prática.
Nada há que seja impossível para a Luz, simplesmente, o que vê a Luz e a Vida não é a mesma coisa que o que você vê, enquanto existe, ainda, uma pessoa.
Você tem medo de morrer, você tem medo de sofrer ou sofre, e o sofrimento não é agradável, é claro.
Então, é preciso lutar contra o sofrimento, é claro, mas há um momento na consciência no qual você atravessa – eu tomei a palavra sofrimento, mas poderia ser prova, qualquer que seja, não é? – e quando você atravessa isso, com Cristo, com o Coração, bem, o que é que acontece?
Você o atravessa, o resultado é muito mais fácil, sem o querer, sem o desejar, simplesmente, colocando, sempre, à frente, a Luz e, portanto, a Bondade e a Beleza.

Não se preocupe com o resto, isso não lhe concerne, mesmo se você tem a impressão de que isso concirna a você, porque você deve assinar o papel ou porque você perdeu alguém ou alguma coisa.
É preciso atravessar o que a vida lhe dá a atravessar e não há presentes e, do outro, presentes envenenados, não há nem presente envenenado nem presente curto, há, simplesmente, a Vida, compreenda isso e, se você está assim, ficará maravilhado.
Então, bem mais do que a Fluidez, a Unidade ou os mecanismos de sincronia de que lhes falamos há anos, mas, bem mais, a capacidade para viver a Graça, não por episódios, não por experiência, mas tornar-se, você mesmo, essa Graça e, aliás, você constata isso, há momentos em que tudo é Graça e, depois, há momentos em que, por uma razão X ou Y, você tem ou memórias que voltam, ou linhagens que são um pouco exóticas, digamos, que vão manifestar-se a você e que vão fazer aparecer um ser do passado que você foi, com sua raiva, com seu rancor, com sua tristeza ou com sua exaltação, mesmo sua loucura, são coisas que você deve atravessar.
Então, não julgue, tampouco, o que atravessa o outro, talvez, que receba um presente que você vê como um magnífico presente, mas não é isso que é importante, a Luz utiliza Cristo, utiliza as linhas, eu diria, de menor resistência, porque é aí que está o mais evidente a ver e, também, a viver e a instalar.

Então, a primeira coisa, às vezes, você vive algo e diz-se: ah, mas eu não mereci isso, mas por que eu vivo isso, em tal lugar, tal pessoa, com os impostos ou com a sociedade, com a família?
Atravesse isso, não na resistência, não na oposição, mas com Cristo, com o Coração, e você verá que isso passará à maravilha.
Então, é claro, você não terá, no momento em que isso se produz, as explicações, mas o que é importante? É a explicação ou é o estado de Alegria?

Nenhuma explicação conduzirá você à Alegria, bem ao contrário.
Nenhuma luta conduzirá você ao Amor, tudo isso você sabe, isso tem sido explicado há muito tempo.
Eu o remeto a Nisargadatta, a Bidi, se você prefere, que não era, eu o lembro, um Ancião, porque ele saiu das noções que se poderia chamar de missões dos Melquisedeques.
Você pode ser Bidi, você pode ser Gemma, você pode ser Maria e, sobretudo, você pode ser Cristo, por si mesmo, você é seu próprio Cristo, e a qualidade vibratória do que você é, mesmo se isso esquente e, às vezes, há as Estrelas que lhe perfuram a cabeça, colocam-lhe a furadeira e perfura-se tal Estrela, tal Estrela, tal Porta, tal chacra, a Onda de Vida que se torna gigantesca, as queimaduras e todas as manifestações que você tem, transcenda isso também, agora.

Então, é claro, no início, dizia-se para portar a atenção e a intenção na Onda de Vida, nas Estrelas, nos chacras, o que é que eu posso dizer agora?
Que tudo isso foram etapas de um desenvolvimento vibratório, mas, hoje, não há mais necessidade de fazer um desenvolvimento vibratório, a Luz está aí, abra a porta e é tudo, simplesmente, humildemente, como o fizeram nossas irmãs Estrelas e é tudo, e você irradiará, espontaneamente, o que você é, sem querer enviar o Amor, seja sorrindo, seja feliz, mesmo se você sofra, porque a solução está aí, é um grande mistério que eu lhes revelei e esse grande mistério eu não teria podido dizer-lhes há cinco ou seis anos.
Porque não, unicamente, vocês nada teriam compreendido, mas vocês não teriam tido a possibilidade de vivê-lo, enquanto, hoje, é exatamente isso que há a viver.
Isso não quer dizer que seja preciso ir procurar as experiências ou procurar a Alegria, isso quer dizer o que lhes propõe a Vida é, muito exatamente, o que lhe é preciso para estar aí onde vocês devem estar, permanentemente, não mais por experiências, não mais por pequenos toques, mas cada vez mais intensamente e, portanto, as energias não vão parar, porque se teria podido pensar, efetivamente, segundo vocês, e que, desde essa semana, como vocês dizem, isso ia crescendo, mas o crescendo pode ir ainda muito mais alto e irá, tanto para vocês como para a Terra, como para os Hayoth Ha Kodesh, e há apenas o Coração que será seu último socorro, mas não é uma punição, vocês sabem disso, não é, mesmo, um julgamento, é a conclusão lógica do que acontece quando se fecha a Luz.
A Luz não pode ser fechada, a Luz é feita para difundir-se, em toda a Liberdade e não para ser colocada sob a caixa, em qualquer iniciação ou qualquer encontro espiritual ou encontro humano, é bem além disso agora.
O que quer dizer, vocês viram, o tempo encurtou, vocês estão no bom caminho, tudo vai bem, vocês fazem algo que não está no bom caminho, a Luz bate-lhe nos dedos, imediatamente.
Agradeçam, agradeçam o que quer que aconteça, quer cortem-lhe um pé ou que você ganhe na loteria, agradeçam do mesmo modo, porque é exatamente o que lhe é necessário.
Não procure compreender porquê e explicar porquê, mas viva-o, esteja plenamente no que você vive, mesmo se a vibração, efetivamente, for cada vez mais quente, digamos, ardente.
É a mistura dos Hayoth Ha Kodesh e, quando se fala de partículas adamantinas que você vê, que dão, agora, essa multidão de Luz que você vê em alguns momentos do dia, ou em circunstâncias que lhe são próprias, também, por vezes, não há necessidade de nada mais, todo o resto são apenas ocupações, todo o resto são apenas construções mentais, memoriais, afetivas, sociais, familiares.

Eu os lembro de Cristo, na Cruz, o que é que Ele disse a João?
Ele disse, havia João e Maria diante da cruz, havia, também, Maria Madalena, ela estava um pouco mais longe, Ele disse a Maria e a João: «João, Maria, João, eis sua Mãe, Maria, eis seu Filho».
O que Ele queria dizer com isso, será que Ele queria dizer que Maria tinha feito um filho nas costas de José, antes de Jesus?
Não, certamente não.
Isso quer dizer, simplesmente, que, realmente, Maria tornou-se a Mãe de João, isso quer dizer que nós todos enrijecemos as coisas, através da memória, através do DNA, através dos cromossomos, através da história, tudo isso é varrido por Cristo, Ele disse, Ele lhes disse, em Sua vida, eu o repeti, também, em minha vida, então, Cristo é um salvador, mas você é seu principal salvador, uma vez que Cristo é você.
Nada há a esperar do exterior, sobretudo, não nesse mundo, mas há tudo a esperar no interior, não como uma expectativa, mas como algo que os convida a entrar no sentido da Vida, no sentido do fluxo e com – eu dizia – a mesma equanimidade, com a mesma intensidade, com Amor.

Então sim, as vibrações serão cada vez mais quentes, e isso não vai parar, até o último momento, agora.
Vocês verão, aliás, que as flutuações ligadas aos nossos encontros, ligadas à lua, ligadas ao Sol, ligadas à Terra continuarão presentes, mas haverá um fundo vibratório que será cada vez mais intenso, sem qualquer circunstância exterior limitante ou amplificadora.
Quando você percebe isso, você não tem mais medo e não pode mais, mesmo, dizer «Pai, por que me abandonastes?», você pode apenas dizer «Pai, que tua vontade seja feita e não a minha», tudo está consumado.

Não são palavras vãs que nós lhes dizemos, não são promessas para dez ou vinte anos, é agora, eu nada posso dizer-lhes de melhor, não é amanhã, não é em um mês, o Apocalipse é agora, é, mesmo, o fim do Apocalipse, o fim da Revelação, é o pedaço final, digamos, e um pedaço final, isso faz barulho, um pedaço final, isso se vê, um pedaço final, isso deve ser identificável.
E você, como indivíduo, mas, também, para todo o coletivo da Terra, para as duas humanidades também, quer seja para a aberração que acaba de nascer, quer seja para o místico que se crê o guru do mundo na Índia ou alhures, que se toma por deus, mas tudo está em seu lugar, absolutamente tudo.
Então sim, a vibração vai subir, sim, vocês estarão cada vez mais confusos, sim, vocês estarão cada vez mais felizes ou cada vez mais dolorosos, mas isso não tem importância alguma, porque a solução, é claro que é preciso aportar um bálsamo, um medicamento, dinheiro, se há necessidade, ou alguma coisa mais, mas é preciso ir além disso, não como uma vontade, mas como algo que é evidente e sim, há apenas uma solução, é que os Hayoth Ha Kodesh que começaram a fundir-se dois a dois, o Ar com o Fogo, o que é que faz o ar no fogo? Ele atiça o Fogo, a Água e a Terra; o que faz a Terra quando ela recebe a Água, ou ela desmorona, se são rochas, ou ela se torna lama; há uma mudança de forma, também, na natureza: a lagarta terra torna-se a borboleta terra também, e vocês também, é a crisálida.
Como fazer uma crisálida, o que é que acontece quando a lagarta torna-se crisálida? Ela para de comer, ela para de mover-se, ela para o movimento, todas as funções param, isso se chama a estase e vocês estão nesse período no qual, por momentos, vocês vivem momentos de estase.
É, efetivamente, uma intensidade que vocês jamais conheceram, mas que será nova, a cada dia.
Quanto mais vocês vão e mais nós vamos juntos, aproximarmo-nos dessa celebração do nascimento da nova Dimensão, mais isso vai esquentar, mais isso vai agitar, mais sua forma é suscetível de mudar, como o encontro da Água e da Terra, e eu não lhes falo, ainda, do encontro da Água, da Terra, do Fogo e do Ar, que dá o Éter, o Quinto Elemento, ou seja, o Centro do Centro, que está ao nível da Cabeça e do Coração.

É isso que acontece, então, as dores que vocês têm no peito, sobre as Portas, sobre as Estrelas, através do Canal Mariano que esquenta, o kundalini, por vezes, o humor que se inverte, dores que se manifestam, tudo isso são manifestações.
Vão à essência, porque as manifestações, eu diria, que, entre vocês, há os que vivem as vibrações há muito tempo e chegam a dizer: opa, quando é que isso para ou quando é que isso desacelera?
Isso não parará jamais, e isso não desacelerará jamais, acabou, é uma subida, agora, mas vocês se lembram das Núpcias Celestes, havia encontros, ops, isso subia, isso voltava a descer, isso subia, voltava a descer.
O que é que acontece aí? Isso sobe, é uma subida sem fim ou uma descida sem fim, e que acontece no não movimento.
Você vê o que eu quero dizer, porque a solução da subida e da descida, o que quer que aconteça, encontra-se na imobilidade do silêncio.
Essa imobilidade do silêncio não é um não fazer, mas é uma atitude, se vocês preferem, interior, do mental, das emoções, porque é apenas quando há o silêncio do mental e das emoções que vocês saem de todas as programações conscientes e inconscientes memoriais ligadas às suas linhagens, ligadas à família etc. etc.

Outras questões?

Questão: Você poderia esclarecer o que são os Hayoth Ha Kodesh?

Os Hayoth Ha Kodesh são, simplesmente, o arquétipo de vigésima quarta Dimensão e, por vezes, além, que corresponde aos Elementos.
O Elemento, por exemplo, fala-se do Fogo, então, quer seja o fogo de madeira, quer seja o fogo interior, o Fogo tem algumas características, mas por trás de cada manifestação, aí também, há uma Essência.
O Hayoth Ha Kodesh do Fogo que acompanha Metatron, ele se chama Vehuiah, disso vocês sabem, mas cada Hayoth Ha Kodesh de um elemento é, de algum modo, a Essência e o arquétipo, em todos os planos que estão abaixo, até essa dimensão na qual vocês estão, da manifestação de um princípio arquetípico, são os Quatro Pilares.

Lembrem-se: há numerosos anos nós falamos dos Quatro Pilares do Coração que eram, também, os Quatro Elementos.
Porque há o Fogo aqui, com AL, que é ligado, eu os lembro, a Ma Ananda Moyi etc. etc...
Desse lado, há o Ar, porque Gemma Galgani está exatamente ao lado do Ar etc. etc.
Depois, há a Água, com Maria etc. etc.
Portanto, a palavra Hayoth Ha Kodesh remete à Essência, ao Princípio da manifestação do Elemento.

Nesse momento, é a conjugação dos Quatro Elementos em seu corpo, em nosso Coração como no Corpo da Terra, como no Corpo do Sol, como no Corpo desse Sistema Solar, plano físico e plano sutil, que é responsável por essa proliferação do Éter.
O Éter, eu os lembro de que vocês têm, ao nível da cabeça, uma cruz entre os Quatro Elementos, com um centro, esse centro que é o ponto OD da Cabeça ou que vocês vivem, hoje, como a Porta OD, que é situada sob a ponta do esterno, a Porta Estreita.
Tudo isso, se querem, são manifestações dos Hayoth Ha Kodesh, e essas manifestações tem sido – como dizer... – freadas, elas também, pelo confinamento.

Então, o Fogo libera-se, a Terra libera-se, não o planeta, mas o Elemento Terra libera-se, o Elemento Ar libera-se etc. etc...

As manifestações que vocês percebem, desde as dores no peito, passando pelo Fogo na cabeça, em uma meia coroa ou a outra, o Canal Mariano, tudo isso são apenas especificações dos Elementos.
Toda matéria é constituída dos Quatro Elementos.
Vocês têm as quatro bases do DNA etc., quer seja nessa dimensão como em dimensões nas quais não há mais o que vocês nomeiam DNA.
Mas há, ainda, o Princípio e a Essência que deu nascimento à forma, é o que fazem os Hayoth Ha Kodesh.

Então, eles têm outros nomes, na tradição ocidentalizada, chamam-nos os Querubins, mas são nomes, vocês os têm ao seu redor, vocês os veem através dos Elementos.
Portanto, quando a vibração aumenta, é que os Elementos estão cada vez mais ativos na Essência deles, no Princípio e na manifestação deles.
Aí está, é outro nome para dizer: Elemento, mas isso vem dos Querubins, ou seja, são planos que estão além da manifestação, mas, sobretudo, da encarnação, que se encontraram tingidos em manifestações limitadas que se chamam os Elementos, tanto sobre a terra como no corpo, e que, hoje, tomam uma amplitude inigualável.

Há, às vezes, casamentos, por exemplo, entre o Fogo e a Água, o que é o casamento do Fogo e da Água? É muito simples, é o gelo etc...
Portanto, pode-se encontrar manifestações ligadas por dois Elementos, por três Elementos, por quatro elementos ou por cinco Elementos, com o Éter, e dessas combinações decorrem manifestações que remetem, diretamente, à Essência e ao Princípio do Elemento que se chamam os Hayoth Ha Kodesh ou os Querubins, se preferem, os pequenos Anjos, vocês sabe.

Outra questão?

Questão: Há pouco, você falava de pessoas que percebem as vibrações que não vão parar, que percebem o Fogo, que percebem as Estrelas, que percebem os pontos, o que é das pessoas que nada percebem?

«Felizes os Simples de Espírito» - eu responderia.
Lembre-se do que eu disse, eu disse que havia um processo vibratório que começou já, em 1984, que se atualizou na humanidade, com cada vez mais pessoas que vivem manifestações ligadas – como você disse – aos chacras, à abertura das Portas, às Estrelas, ao Canal Mariano, às presenças, à própria possibilidade de falar comigo.
Há, aliás, aqui, vários deles e não, unicamente, Coração de Rosa, que está ao lado, que se comunicam com eles, eles podem testemunhar também, mas eu me dirijo a eles, individualmente, porque as mensagens coletivas, agora, há delas, sempre, para aqueles que isso interessa, mas, agora, nós entramos, mesmo nós, em relação íntima com cada um de vocês.
Portanto, o mais importante não é, mesmo, isso, o mais importante é a Paz, não a manifestação, porque se a Paz está aí – não a paz que você vai procurar acendendo uma vela e colocando-se em um casulo – mas a Paz que emana de seu Coração, porque se essa Paz emana de seu Coração e você permanece nesse estado de Paz, como, talvez, você o vive nesse momento, não é?
Será que você tem necessidade de ter a Onda de Vida, será que você tem necessidade de ter o Kundalini, será que você tem necessidade de perceber a energia ou a vibração?
Os outros o fizeram antes de você, aproveite isso, instale-se nessa Paz.
Olhe aqueles que vivem as energias há muito tempo, pergunte a eles se todos os dias são agradáveis quando você tem a Luz que lhe cai por cima e que você é obrigado a pôr-se na cama, ou você vai meditar cinco minutos e acorda quinze horas depois; vocês são muitos assim, portanto, não se queixe, isso não é um plus.

Isso foi um plus para criar uma força e dissemos: as Núpcias Celestes foram muito explícitas, vocês criaram o que os humanos chamam, infelizmente, uma egrégora, porque uma egrégora, é negativo, mas há, também, as egrégoras positivas.
Assim, em um mundo que é dominado pelas egrégoras, foi necessário, efetivamente, federar, unir, misturar seres humanos de boa vontade, mas sabendo que sempre dissemos que a vontade de bem não era o objetivo.
Mas, hoje, tudo isso é atualizado, tudo isso está presente sobre a Terra.
Hoje, há cada vez mais seres que despertam de um dia para o outro, eles jamais viveram o Kundalini, eles jamais abriram um livro de conhecimento espiritual, eles jamais se interessaram pelo que quer que seja e vivem um despertar total, são liberados em dois minutos, eles não conhecem a vibração, nem todo mundo é destinado, mesmo hoje, a viver as manifestações vibrais que alguns vivem há alguns anos, ou mesmo para os mais antigos, há muito exatamente trinta anos.

É claro, foi dito que, quando a Onda de Vida subia, você era liberado, mas jamais se disse que, se você não vivesse a Onda de Vida, você não podia ser liberado, não é?
Foi você que concluiu isso e, aliás, nós tínhamos interesse, à época, que vocês tivessem essa conclusão, porque era preciso tocá-los, era preciso fazê-los entrar nessa potência de Amor que Cristo estava instaurando para Seu retorno, mas, agora, acabou, o Céu fundiu-se com a Terra, tudo está consumado, isso é dito há um ano, portanto, não vá procurar o que a Vida não lhe propõe viver, contente-se com o essencial, o Coração do Coração, o Amor, a Paz, a Alegria e a Luz em seus olhos.
Isso dará mais trabalho do que aquele que despertou o kundalini, que quer lhe dizer olhe, eu vou fazê-lo viver isso ou aquilo: Humildade.
Se a Vida deve fazê-lo viver o Fogo ao nível das Coroas das Cabeça, como a pessoa há pouco, é que isso deve ser assim, e se você nada sente ao nível da cabeça e em lugar algum, contente-se com essa Essência, essa Paz, essa Alegria que nasceu e que nada pode apagar, nenhuma circunstância de sua vida pode apagá-la, é o tesouro; isso quer dizer que você basculou da pessoa, com suas problemáticas, que se colocava a questão de saber porque eu não tenho todas essas energias, enquanto você tocou a Essência.
Todo o trabalho dessa egrégora de Luz tem sido, justamente, o de permitir isso.
«Os primeiros serão os últimos, os últimos serão os primeiros».

Portanto, se você vive as energias, você as vive, se você não as vive, mas você está na Paz, você encontrou essa dimensão de Paz, em um minuto, renda Graças e agradeça.
É, eu creio, o que disse, tanto Miguel, como Gemma ou o Elohim de Órion, em relação a essa noção de vibrações.
Porque você pode ter vibrações, há irmãos e irmãs, aqui, que viveram a Onda de Vida, que viveram a Liberação, a Existência, mas será que eles têm dor de cabeça, os pobres?
Mas isso não quer dizer que eles cometeram um erro, isso quer dizer que a Luz pede a eles ainda mais.
Você, a Luz pede a você para ser a Luz sem manifestação.
Hoje, eu posso dizê-lo, será que você compreende?
O mais importante é a Eternidade, é o Amor, a Alegria e a Luz, a Liberdade, mas, para isso, pode-se dizer que, a certa época, havia a Liberação com a Onda de Vida, com o Canal Mariano; hoje, há irmãos e irmãs que jamais ouviram falar disso e, no curso, por vezes, de um despertar pela manhã, no curso não importa de quê, de repente, eles são liberados.

Além disso – como ele se chamava – Bidi, Nisargadatta ou outros, será, por exemplo, que Irmão K falou, um dia, de energia ou de vibração?
Ele focou seu discurso apenas na consciência e no mental.
Você se beneficiou, durante trinta anos e, especificamente, desde 2009, de um coletivo que foi chamado o Coletivo do Um, no qual inúmeras de suas pessoas exprimiram-se e tomaram a retransmissão, tomaram nossas vozes, aceitaram ser nossos canais, mas o canal, hoje, o que importa? O importante é a Paz, e a Paz, como a última Porta, há apenas você que pode transpô-la e não se ocupe do que você não vive.
Não há a Onda de Vida, você não tem necessidade de viver a Onda de Vida;
Quem disse que era superior?
Nós dissemos, simplesmente, a um dado momento, que, no momento em que a Onda de Vida tivesse nascido, ela encadearia a Liberação, era verdade.
Apenas seu coração é que sabe que você é livre, e o testemunho dessa Liberdade é a Paz e o instante presente, é tudo.

Então, é claro, há os que vivem a Liberação através da Existência, que foram viajar no Sol, que encontraram os Arcanjos, que me encontraram ou que viveram a Onda de Vida em todos os seus componentes, você vive a liberação na leveza, com a Graça, é, no entanto, simples.

Bem, meus caros amigos, eu vou deixá-los, eu lhes transmito todo o Fogo do Amor, todas as minhas bênçãos.

E eu lhes digo até muito em breve.
---------------------------
Mensagem recebida e transmitida por Fetnat


26/10/2014

A FONTE (por Air) – 26 de outubro de 2014




Meu Amigo, meu Amado, eu venho ao seu encontro, acompanhada da Ronda dos Arcanjos, para que ressoe, novamente, o Apelo, Apelo para o reconhecimento de si mesmo.

Juntos, acolhamos...
[silêncio]

Eu desenvolverei apenas muito pouco em palavras, porque as palavras desse mundo duraram o bastante.
A hora é para o Silêncio, a hora é para o reconhecimento de si mesmo.
Meu Amigo, meu Amado, acolha…

[silêncio]

A Paz é sua Morada...
A Leveza guia os passos...

Meu Amigo, meu Amado, ouça o Apelo, ouça seu Apelo a si mesmo...

[silêncio]

Acolha, meu Amigo, meu Amado, a Luz.
Acolha tudo, porque tudo é Luz.
A Luz nada rejeita.
Só a ignorância divide e separa.

Então, meu Amigo, meu Amado, acolha e, pelo Amor, limpe suas vestes...

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, há apenas uma Verdade, aquela do reconhecimento de si mesmo.
Esqueça-se do barulho desse mundo e vá para onde você É.
Reconhecimento de si mesmo é acolher o que sempre esteve aí, de toda a Eternidade.

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, os Arcanjos ecoam a hora do Apelo.
Acolha...

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, a Dança da Vida vem celebrar a Verdade, a única Verdade, reconhecimento de si mesmo...

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, a imobilidade é fonte de todo movimento.
O Silêncio é fonte de todos os sons.
No Silêncio ressoa o Apelo.
Ouça seu Apelo a si mesmo...

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, seja confiante, seja gentil, seja determinado, seja amoroso.
Assim florirá o reconhecimento de si mesmo.

O Apelo ressoa, e você, meu Amigo, meu Amado, que tem ouvidos para ouvir, você o recebe, você o reconhece, e você mergulha na Verdade que você é.

Meu Amigo, meu Amado, não se atrase nos barulhos desse mundo.
Reconheça o Apelo da Verdade.
Nada pode ferir você, nada pode destruí-lo.
Porque meu Amigo, meu Amado, você É, de toda a Eternidade.

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, nada há que eu possa dizer-lhe que você já não saiba.
Porque você é Verdade.
Nada há que eu possa mostrar-lhe, nenhum caminho que você já não conheça.
Porque você é o Caminho...
E nada floresce nesse mundo sem que você o distribua.
Porque meu Amigo, meu Amado, você é a Vida.

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, uma última vez, eu venho dizer-lhe, em companhia da Ronda dos Arcanjos: ouça o Apelo que ressoa, que o convida ao reconhecimento de si mesmo...

[silêncio]

Meu Amigo, meu Amado, acolha todo o meu Amor, e eu lhe digo até sempre, até sempre...
--------------------------
Transmitido por Air