Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

21 de dez de 2008

RAM - 21 de dezembro de 2008

DO SITE AUTRES DIMENSIONS

Eu sou RAM.
Recebam a minha paz.

Eu venho, nesse momento, através de minha presença, ajudá-los pela vibração, pelo silêncio e pelas palavras a irem ao seu ser interior, ao espaço onde não se encontra qualquer tensão, num espaço onde se encontra o equilíbrio, num espaço onde se encontra a paz.

Trata-se do único espaço, aliás, onde vocês podem encontrar a paz, o equilíbrio e o que vocês são.

Há múltiplas semanas que eu venho discorrer, emitir essa consciência específica que é a consciência do ser chegado ao centro dele mesmo, lá onde se resolvem todas as tensões e todas as oposições, lá onde se encontram a solução, a chave, a porta e a Luz.

Eu lhes afirmei que o obstáculo o mais forte para o acesso à sua interioridade era o mental e que, por outro lado, esse mesmo mental podia ser domesticado a fim de ajudá-los a ir para o silêncio.
Nesse silêncio e nesta paz, o que vão encontrar?
Vocês vão encontrar a certeza e a evidência do que vocês são.
Vão encontrar a paz que vocês procuram.
Vão encontrar a segurança que procuram.
Vão encontrar um sentido para o que vocês são e quem vocês são.

Não há pergunta que não tenha resposta neste espaço, porque toda pergunta resolve-se pela equação do amor.
Qualquer pergunta que não teria resposta seria apenas uma pergunta que não tem sentido em sua vida.

De fato, o espaço do coração é o espaço da resolução.
O espaço do coração é o espaço onde não há pergunta, nem sobre sua vida, nem sobre o sentido de seu destino, nem sobre escolhas duais.

Penetrando o templo do coração, abrindo-o, vocês entram na evidência e na transparência.

Entrando em evidência e na transparência vocês se aperceberão que não pode existir, neste estado específico (que corresponde a outra dimensão que vocês despertaram nesta dimensão) não pode ali haver espaço de interrogações, espaço de medos, espaços de projeções.
Vocês viverão a totalidade do instante.

Isso não os desconectará de seu real, mas permitir-lhes-á ficarem em harmonia com seu estado interior.

Tudo o que lhes custa, tudo o que é esforço, não é a Luz.
A Luz é transparência, a Luz é evidência, a Luz é verdade.

Quando ocorre um problema, qualquer que seja, basta-lhes, quando encontraram o caminho de seu coração, estarem suficientemente no interior deste para que aquilo se modifique.

E se aquilo se modifica, vocês vão concluir que seu estado interior é exato.
E se aquilo não se modifica, vocês vão concluir que seu estado interior não é exato.
Não há outra verdade além desta.

A partir do momento em que vocês ativam, não mentalmente, intelectualmente, mas real e conscientemente, este estágio de seu ser, vocês vão penetrar um espaço onde se encontra a alegria, um estágio onde se encontra a verdade, um estágio onde se encontra a Unidade.

Na Unidade tudo se resolve, certamente não sempre de acordo com que seu mental desejaria, não sempre necessariamente no sentido da satisfação imediata, mas, no entanto, se vocês agem percebendo esta transparência, esta evidência, esta verdade, esta Unidade e esta Luz, as coisas desenrolar-se-ão (apesar das aparências em alguns casos) no sentido de maior Luz, maior verdade, maior transparência e maior amor.

As armadilhas do mental e do ego podem situar-se na negação deste estado interior.
O mais difícil é a iniciação porque, como eu dizia, vocês saberão instantaneamente que ali chegaram quando ali tiverem chegado, porque aquilo será para vocês um novo nascimento à Unidade, ao mesmo tempo persistindo a viver os fenômenos duais ligados aos jogos da encarnação.

Este estado de Unidade cria ao redor de vocês um campo vibratório profundamente transmutador, mas também profundamente perturbador.

Viver a Unidade pode parecer, para alguém que está na dualidade, como execrável, porque vem chocar, violar e penetrar a sua dualidade, ou seja, o que faz a sua vida ao nível de seu mental, que passa o tempo a dividir, a separar.
A Unidade é um estado de unificação com você mesmo.

O mundo não é Unidade.
O mundo no qual vocês vivem é a encarnação a mais total da dualidade em seu apogeu.

Todo fenômeno é dual.
Não pode haver ação sem reação.
Não pode haver mal sem bem.
Não pode haver contração sem expansão.
Não pode haver alegria sem tristeza.
Não pode haver tristeza sem alegria.

Só o coração permite aquilo e não depende de uma situação exterior, de uma situação física ou de uma situação psicológica.

Enquanto aquilo permanecer é que vocês estão apegados aos seus próprios sofrimentos, qualquer que seja o nível em que estes se situem.
Não há outra verdade ainda que isso possa, em alguns casos, ser difícil a aceitar, a compreender e, sobretudo a integrar.

Mas o momento em que vocês penetrarem nesse templo interior, vocês farão aparecer isso a vocês também como uma evidência.

A intensidade da irradiação recebida sobre cada indivíduo, nesse momento, sobre o planeta, corresponde ao que foi chamado a hora ou o momento em que se vem bater à sua porta, onde a recordação de sua divindade recorda-se a vocês.

Vocês vão responder ou vão continuar a manter regras sociais, regras de crenças, regras construídas e ilusórias?
Tudo depende, eu repito, de suas crenças, mas todas as crenças na dualidade, as crenças da necessidade de um ser exterior para encontrar sua completude, a necessidade mesmo de um teto e de uma cama (que lhes parecem, no entanto corresponder a necessidades e satisfações fundamentais da vida) são apenas ilusões.

O que eu digo é a verdade, não pode ser a sua.
Cada um tem a sua verdade, mas a verdade é una em essência e em sua finalidade.

Vocês devem penetrar e poderão penetrar no espaço do coração apenas no momento em que tiverem abandonado e soltado todas suas crenças ilusórias sobre o desenrolar da vida.

Vocês foram condicionados por si mesmos, por um lado, pela sociedade, por outro lado e pela encarnação, por um terceiro lado, por aceitarem certo número de limitações.
Limitação de seu acesso à sua divindade.
Limitação de seu acesso à sua soberania.
Limitação de seu acesso à Unidade.
Isto toma fim, se vocês o aceitam, se o desejam do mais profundo do Espírito que reside em vocês.

Eis agora isto expresso através da vibração e da Luz.

... Efusão de energia…

Para completar isto em algumas palavras, vocês estão num fim de ciclo, estão num período que corresponde à reversão.

Vocês estão no ano que o Arcanjo Jofiel chamou «a confrontação».

Vocês estarão, no próximo ano, no ano do acordar e do despertar, para alguns de vocês, mas não creiam que o resto da humanidade vai olhá-los como salvadores.
Eles vão olhá-los como inimigos, porque o princípio da vida em dualidade corresponde à negação da Unidade e aqueles que vivem na dualidade, e com razão, que têm necessidade de prosseguir certas formas de experiências duais, não podem aceitar a Unidade que vocês representam.

Se você decide ir para seu coração, as tensões postas em jogo entre os grupos de indivíduos, entre os pensamentos (mesmo unitários e duais) serão ilustradas e acompanhadas por tergiversações de diversas ordens sobre as quais não me cabe estender.

Retenham, e já o disse em numerosas reprises, que todo medo é uma projeção do mental no futuro.

A Unidade não conhece o medo.
A Unidade pode acompanhar-se de circunstâncias exteriores dramáticas, em todos os sentidos do termo, e, entretanto, a Unidade permanece.

Os acontecimentos, quaisquer que sejam nesta dualidade, tentam muito frequentemente atraí-los pela sedução, pela convenção, pelas leis, pelas crenças e pelo medo.

A Unidade é um estado que se basta por si mesmo, que não se importa com o que acontece no exterior.

Em tempo linear (o que chamo «tempos linear» é um tempo fora do fim do ciclo que vocês vivem) é perfeitamente possível pôr as fundações e construir certo número de coisas através do reencontro com a sua própria Unidade.
Pode ser uma religião.
Pode ser uma filosofia.
Pode ser uma escola.

Isso é válido em tempo linear, mas não em fim de ciclo.
Em fim de ciclo é-lhes pedido unicamente concentrar-se e unir-se ao que vocês são e nada mais.
O resto não tem necessidade de vocês para desenrolar-se e para chegar.

A solicitação de seu ser interior deve tornar-se o tema de sua conduta se, contudo, vocês desejam a Unidade.

Na Unidade, recordem-se, tudo se dissipa, mas o acesso à Unidade é ao mesmo tempo extremamente simples, mas, ao mesmo tempo, extremamente complexo.
Isso se tornará simples e é talvez simples, para alguns de vocês, progressivamente e à medida que vocês se aproximam da essência situada no centro de seu ser.

Em contrapartida, se isso lhes parece complicado, se lhes parece impraticável, se lhes parece fora de alcance, então, naquele momento, coloquem-se a questão, talvez vocês não tenham terminado com suas escolhas de dualidade.

A Unidade é um estado interior que não pode enganar.
Não se assemelha a nenhum outro.

Não se assemelha a uma satisfação dos sentidos, não se assemelha a uma satisfação intelectual, não se assemelha a uma satisfação emocional e ainda menos a uma satisfação espiritual.

É, antes de tudo, um estado de ser que se basta a si mesmo porque é a totalidade do ser realizado.

Eis agora a resposta pela vibração e pela Luz.

... Efusão de energia…

Então, irmãos e irmãs vamos, se querem efetivamente, acolher a vibração da Unidade e o silêncio em nossos corações.

Essa será minha benção e o amor de minha intervenção.

... Efusão de energia…

_____________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo, se deseja divulgá-lo, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês : Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

Um comentário:

  1. "A Unidade é um estado interior que não pode enganar. Não se assemelha a nenhum outro. Não se assemelha a uma satisfação dos sentidos, não se assemelha a uma satisfação intelectual, não se assemelha a uma satisfação emocional e ainda menos a uma satisfação espiritual". Como não destacar um trecho deste quilate?! Mas, acontece que este foi precedido de outros, também maravilhosos!

    ResponderExcluir