Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

25 de out de 2008

RAM – 25 de outubro de 2008

DO SITE AUTRES DIMENSIONS

Eu sou RAM.
Recebam a paz.
Recebam o silêncio.
Eu volto hoje com vocês, ao redor de vocês, e em vocês, a fim de penetrar mais profundamente o sentido e o mistério do que vocês são e do que vocês fazem nesta dimensão, nesse estado específico de manifestação de sua Luz, nesta experiência de encarnação e de separação.

A porta de saída da fragmentação, a porta de saída do sofrimento, que é o companheiro da encarnação, a chave mesmo dessa superação, está localizada num espaço preciso de seu ser, chamado centro.
Nesse centro, reina o silêncio.

Aí está porque, a cada uma de minhas intervenções, eu insisti no silêncio, porque o silêncio exterior faz ressonância com o silêncio interior.

A vacuidade dos sentidos introduz e permite a manifestação da Essência.
Nesse espaço chamado centro encontra-se o bálsamo e a revelação de todas as discórdias, de todos os sofrimentos individuais e coletivos.
A verdade, a solução, encontram-se nesse espaço.

Esse espaço está fora do tempo, ele não se importa com seus jogos e com suas construções, ele não se importa com seus papéis, com seu sexo, com sua idade.
Ali está alojada a felicidade, a Fonte da eternidade, sua eternidade.

Aquilo que se pode descrever não é isso.
Aquilo que eu posso exprimir não é isso.
Aquilo que eu posso irradiar não é isso.
Aquilo está para além das palavras, para além das definições, para além da vibração, também para além do silêncio.

Aquilo passa de vibração, passa de imagens, passa de emoções, está além da manifestação, mas tudo está em vocês, isso também.

Viver isso é aceitar morrer para o pequeno eu, para as ilusões, para o medo.
Isso engloba a Luz, mas está para além da Luz.

O termo, que não é isso, mas que mais se aproxima, seria a palavra vacuidade.
A vacuidade é quase isso.
Essa vacuidade não é completamente a vacuidade, uma vez que ela engloba também a plenitude.
Engloba a consciência, mas está para além da consciência.
A dissolução participa disso.
Isso está para além do objetivo, uma vez que inscrito no atemporal, inscrito no infinito ao mesmo tempo como no indefinido.
Está para além do finito, para além da forma e, no entanto, inscrito na forma.
É também um estado para além da finalidade.
Esse é o mistério.

Isso é chamado Shanti Nilaya, mas está para além de Shanti Nilaya.
Shanti Nilaya é a morada de paz suprema.
A morada de paz suprema é uma aproximação disso.

A ambiguidade vem do fato de que isso está para além das palavras, para além do possível da manifestação.

Isso necessita despojar-se de seus hábitos da materialidade, de seus hábitos emocionais, de seus hábitos mentais e mesmo de seus hábitos causais.

Isso é felicidade, mas a felicidade está efetivamente aquém disso.

Vocês compreenderam, isso está para além das definições.
Está para além da compreensão.
Está para além do ser e, no entanto, inscrito no ser.

Isso está para além da Luz e, no entanto, a Luz é disso uma manifestação.

Eis agora isso no silêncio.

... Efusão de energia...

Querer aceder a isso os afasta disso.
Qualquer desejo afasta-os disso.
Isso está para além do humano, mas inscrito no humano.

Aproximar-se disso, vislumbrar isso em Espírito, confere a invulnerabilidade porque, aproximando-se disso, tudo se resolve.
Aproximando-se disso permite, ao conjunto da criação, crescer na eternidade.

Dirigindo-se para isso sua vida humana tornar-se-á límpida, lúcida, clara.
Bastaria que uma centena de seres chegasse a isso para que o conjunto dos mundos criados e não criados mudasse de percurso.

Nós temos necessidade, todos (quando eu digo todos, trata-se de todas as formas de vida, em todas as dimensões), que um máximo de seres aproxime-se disso, ou mesmo viva isso.

Como eu o dizia, isso está para além da vibração, para além mesmo do silêncio.
Isso engloba, obviamente, o Amor e a Unidade.

Preparar-se para isso sem o querer consiste, simples e unicamente, em penetrar, primeiramente no silêncio, penetrar, em seguida, na vibração, até o momento em que esta desaparece, ela também, deixando lugar para o que é quase isso, ou seja, a vacuidade.

Na vacuidade, tudo o que vocês emanaram na manifestação, tudo o que criam o que vocês são, não tem mais lugar de ser.

Aproximar-se disso é o abandono supremo.
Isso necessita ao mesmo tempo humildade e coragem, a mais forte.

Eis isso no silêncio.

... Efusao de energia...

Isso é seu dom.
Isso é seu dever.
Isso cria o Amor.

Eis, portanto, o Amor.

... Efusão de energia...

Imergir-se nisso implica na dissolução de sua forma.
Entretanto, nós temos necessidade que vocês vivam isso em equilíbrio entre a forma e a não forma.

... Efusão de energia...

Permaneçamos todos juntos alguns instantes nisso, que é quase isso.

... Efusão de energia...

Manter esse estado necessita silêncio, calma, olhar interior e natureza nativa.

Recebam todos as minhas homenagens por terem aceito isso.

Vocês são abençoados.
Vocês são seres admiráveis, mesmo se não o saibam.

Vão na paz.
Recebam a graça.
Recebam a paz.
Eu os amo e digo-lhes até breve.

__________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo, se deseja divulgá-lo, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com/

Um comentário:

  1. Não tem como dizer que estes são dizeres comuns; não reconhecer enorme profundidade e se encantar quase a cada palavra... Afinal, como diz a própria MSG: "Aquilo que se pode descrever não é isso. Aquilo que eu posso exprimir não é isso. Aquilo que eu posso irradiar não é isso. Porém, a vacuidade é quase isso".

    ResponderExcluir