Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

31 de out de 2011

MENSAGENS DE OUTUBRO

DO SITE AUTRES DIMENSIONS.

PUBLICADA EM 31 DE OUTUBRO:

COMPLEMENTO À BROCHURA HUMANIDADE EM EVOLUÇÃO
HILDEGARDE DE BINGEN - 30 DE OUTUBRO
PHILIPPE DE LYON - 30 DE OUTUBRO

PUBLICADA EM 30 DE OUTUBRO:

TERESA DE LISIEUX - 29 DE OUTUBRO

PUBLICADAS EM 29 DE OUTUBRO:

SRI AUROBINDO - 28 DE OUTUBRO
UM AMIGO - 28 DE OUTUBRO

PUBLICADA EM 28 DE OUTUBRO:

MA ANANDA MOYI - 27 DE OUTUBRO

PUBLICADAS EM 27 DE OUTUBRO:

IRMÃO K - 26 DE OUTUBRO
O.M. AÏVANHOV - 26 DE OUTUBRO

PUBLICADAS EM 26 DE OUTUBRO:

URIEL - 25 DE OUTUBRO (COM ÁUDIO)
ANAEL - 24 DE OUTUBRO
GEMMA GALGANI - 24 DE OUTUBRO


PUBLICADA EM 25 DE OUTUBRO:

O.M. AÏVANHOV - 23 DE OUTUBRO

PUBLICADAS EM 15 DE OUTUBRO:

MARIA - 15 DE OUTUBRO (COM ÁUDIO)
MIGUEL - 15 DE OUTUBRO


PUBLICADA EM 11 DE OUTUBRO:

BROCHURA: HUMANIDADE EM EVOLUÇÃO
APRESENTAÇÃO 
PREÂMBULO
PRÓLOGO
CAPÍTULO 1 
CAPÍTULO 2 
CAPÍTULO 3
CÁPÍTULO 4
CAPÍTULO 5
CAPÍTULO 6
CAPÍTULO 7
EPÍLOGO (MENSAGEM DE MARIA)
PERGUNTAS E RESPOSTAS


PUBLICADA EM 9 DE OUTUBRO:

RAMATAN - 8 DE OUTUBRO

PUBLICADAS EM 2 DE OUTUBRO:

MIGUEL - 2 DE OUTUBRO (COM ÁUDIO)
TERESA DE LISIEUX - 1º DE OUTUBRO

30 de out de 2011

PHILIPPE DE LYON – 30 de outubro de 2011

Mensagem publicada em 31 de outubro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.

Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui



Caras Irmãs e caros Irmãos, meu nome era Mestre Philippe de Lyon.
Eu venho, como Melquisedeque da Terra, como Irmão, na Luz CRISTO.

O que vou dizer e o que vamos trocar, na Comunhão, de Coração a Coração, em CRISTO, faz apenas prosseguir certo número de elementos que eu lhes dei, como MELQUISEDEQUE da Terra, por intermédio desse canal.

Como nosso Comandante disse e repete a cada uma de suas vinda, vocês vivem, desde alguns meses, tempos específicos, que correspondem e refletem a instalação da Luz Una, o retorno à Verdade, ao CRISTO.
Esse período requereu de vocês e continua a requerer de vocês certo número de elementos a manifestar, a criar ou, ao contrário, dos quais é necessário, talvez, afastar-se, para realizar o que vocês são, realizar o Coração, realizar a Verdade de sua natureza, que é a mesma para cada um.

Uma frase que eu pronunciei em minha vida, como aqui, foi dizer: «para ser a Luz, para tornar-se o que vocês são, de toda a Eternidade, e que vocês esqueceram».
Certamente, isso não é de sua responsabilidade, mas reencontrar isso necessita, como vocês sabem, de certo número de condições.
Muitos de vocês viveram uma lenta maturação ou uma maturação mais brutal em sua vida, recente ou mais antigamente.

Hoje, nesses tempos que vocês vivem, é, talvez, ainda mais crucial realizar essa frase que eu pronunciei, que é: «tornar-se o menor para ser a Luz».
Fazer o que CRISTO fazia, fazer o que eu fazia, e como Ele havia dito, bem maior ainda, implica, de maneira lógica e evidente, aceitar esquecer tudo o que vocês sabem, tudo o que vocês aprenderam, tudo o que vocês procuraram, porque nada há a aprender, nada há a procurar, nada há a esperar mais do que ser a Luz.
E, para ser a Luz, é necessário, como vocês sabem, que a personalidade seja transmutada pela Revelação da Luz.
E isso necessita, efetivamente, tornar-se o menor possível, a fim de ser tudo.

Existe, efetivamente, entre esse mundo que eu percorri e que vocês ainda percorrem, um princípio fundamental, que poderia assimilar-se, em relação às outras Dimensões, a um princípio de vasos comunicantes.
Vocês não podem ser grandes no céu, ao mesmo tempo permanecendo grandes aqui, sobre esta Terra.

O que se chama grande?
É claro, é questão, nesse nível, do Espírito.
É questão de voltarem a tornar-se pobres no Espírito, e isso vocês sabem; manifestar certo número de Virtudes chamadas os Pilares do Coração, sem os quais vocês não podem cruzar a Porta Estreita, de maneira definitiva.
É claro, isso nada tem a ver com sua vida e o que vocês criaram com o suor de seu rosto (o que quer que seja, aliás), mas, bem mais, com uma atitude Interior.
É a atitude, de algum modo, do ego que é transmutado pela Luz e que, em definitivo, aceita deixar-se possuir pela Liberdade, possuir pela Luz, inteiramente, e possuir pela Luz CRISTO, a Luz Branca.

O período atual, como vocês abem, vê estabelecer-se isso em vocês, por toques mais ou menos importantes, estados mais ou menos repetitivos ou iterativos, de abordagem da Luz.
É tempo, agora, além de suas experiências que lhes são próprias, de viver, inteiramente, a Humildade, de tornar-se cada vez menor para tornar-se o Tudo.

Nós exprimimos tudo isso, nós, Anciões, assim como, é claro, as Estrelas, de muito numerosos modos, em função de nossas experiências individuais, de nossa vivência, de nossa própria Vibração, que é a nossa, hoje, nos espaços em que nos temos, em nossa função de Ser e de Serviço em relação a vocês todos.

Vocês devem, também, se concordam, penetrar cada vez mais nas esferas da Graça, da Comunhão, o que se traduz, para vocês, pela Alegria a mais intensa.
E, como talvez o vivam, existem etapas entre essas vivências de Alegria, nas quais parece-lhes, por vezes, recair nessa famosa noite escura da alma, na qual nada mais de luminoso existe.
São, e nós o dissemos também, etapas intermediárias, que representam as primícias de sua Ressurreição, do estabelecimento na Alegria eterna, no Si, na Existência: os qualificativos, como vocês sabem, são numerosos.

Nós demos inúmeras informações e comungamos com vocês, de diferentes modos, as inúmeras Vibrações e estados de Consciência que tentamos fazê-los compartilhar, cada um em função de nossa própria Vibração.
E isso é válido, é claro, para os Arcanjos, para as Estrelas e para inúmeras Consciências Unificadas que se tinham e que se têm, ainda, na orla dessa Dimensão, e ao mais próximo de sua Consciência.

As condições prévias foram todas preenchidas.
Tudo o que era necessário, na superfície da Terra, para viver essa Realização, essa Conclusão, foi preenchido, além mesmo de qualquer expectativa.

Muitos de vocês já estão instalados (talvez não ainda completamente, mas em grande parte) em sua Unidade, vivendo processos Vibratórios e de Consciência a nenhum outro similar.
Outros de vocês hesitam ainda e oscilam, devido à presença de certo número de elementos neles, seja o medo, é claro, do desconhecido, ou um dos diferentes medos que existem na personalidade, que ainda não foram totalmente abandonados à Crucificação, à Ressurreição e à Luz.

Hoje, mais do que nunca, não é, absolutamente, mais tempo de inclinarem-se sobre o que, em vocês, possa frear.
Durante certo tempo, a Luz os pôs em face de vocês mesmos.
Ela mostrou-lhes suas próprias zonas de sombra, suas próprias resistências, tanto através desse corpo como através de sua psicologia.
A qualidade e a quantidade de Luz que há, agora, como vocês sabem, já, sobre essa Dimensão, é tal que ela lhes pede apenas uma coisa: deixá-La agir em vocês.

E o melhor modo pelo qual a Luz pode agir em vocês é, certamente, deixá-la fazer, e vocês, não mais fazer.
Estabelecer-se no Ser, o que quer que vocês façam, como foi dito pelo Comandante, que vocês tenham a capacidade para levar a efeito o conjunto de suas tarefas ou, então, que não exista, em vocês, mais qualquer possibilidade de levar a efeito qualquer tarefa, o Apelo da Luz será profundamente diferente e profundamente exato para cada Irmão e cada Irmã.

Um elemento novo foi-lhes aportado, há pouco tempo, por MARIA, concernente ao estabelecimento da Graça e da Comunhão, o estabelecimento da Vibração do Eu sou Um e a Comunhão que há a estabelecer entre diferentes Consciências, que permite, bem além da Merkabah interdimensional coletiva, reunificá-los, de maneira coletiva.
E é desse modo, hoje, que vocês realizarão, o melhor possível, a dimensão do Si: tornar-se o CRISTO.

Isso necessita, eu diria, de toda sua energia, de toda sua Consciência, não mais procurar lutar contra o que possa parecer-lhes anormal ou injusto, porque nem sempre vocês têm qualquer meio de saber se isso é anormal ou injusto, porque o que, ao olhar da Luz, é importante é, para vocês, por vezes, insignificante.
E, do mesmo modo, aquilo a que vocês atribuem uma importância essencial é, para a Luz, sem qualquer importância.

É-lhes, portanto, como vocês sabem e como lhes foi anunciado de diferentes modos, pedido para soltar o mental, as emoções, as feridas, os sofrimentos, soltar tudo o que pertence ao passado e ao amanhã, para instalar-se nesse eterno Presente, no qual se encontra a solução, a última e final, que lhes permite, e com a ajuda da Comunhão, passar a Porta Estreita e acolher o CRISTO, inteiramente.

Nenhum conhecimento, qualquer que seja, de vocês mesmos ou de leis desse mundo, ser-lhes-á mais de qualquer utilidade.
Enquanto vocês estão persuadidos, de um modo ou de outro, que vocês controlam o que quer que seja, vocês não podem, é claro, viver a Luz.
O controle intervém depois, e ele não é um ato da vontade, mas, efetivamente, um ato de Crucificação total, que permite à Luz manifestar-se, revelar-se, desvendar-se, a fim de torná-los Transparentes e, naquele momento, mestres, em vocês.

Através dessa mestria (na qual vocês nada têm a dominar, de algum modo), vocês se apercebem de que a Luz preenche, de maneira espontânea e natural, o que vocês são, porque Ela é, é claro, sua Essência, sua Natureza comum.
Isso também necessita não de esforços, mas de aceitar todos os seus Irmãos e as suas Irmãs.
Quaisquer que sejam os julgamentos da personalidade, nada rejeitem, porque o que vocês rejeitam corresponde, muito precisamente, ao que vocês rejeitam em vocês.
E cada reencontro, cada palavra, cada olhar, cada comunhão, cada Graça, tudo o que se desenrola e revela-se na vida na qual vocês estão hoje participa, à sua maneira, da Graça e do retorno à Luz do que vocês são.
Há, portanto, não um aprendizado, não um querer, mas, efetivamente, uma aquiescência que se realize em vocês a Luz e o Espírito.

Uns e outros dos Anciões disseram que vocês não podiam conhecer, nesse corpo, a totalidade de leis do Espírito.
Elas são estritamente desconhecidas.
E as leis espirituais, é claro, que lhes foram reveladas ou que vocês aprenderam ou viveram, não são, estritamente, de qualquer importância para viver a Simplicidade da Luz.

Voltar a tornar-se Humilde, voltar a tornar-se Simples, Transparente é a única maneira de viver a Pobreza, aquela do Espírito reunificado ao CRISTO.
É claro, isso lhes foi muito repetido, e eu falo, desta vez, para o Ocidente, de inumeráveis modos.
Frequentemente, os Irmãos e as Irmãs que estavam na busca de Luz podiam considerar isso como a pior estupidez ou como uma noção muito religiosa, no sentido católico ou outro.
Não é, estritamente, nada disso, porque, hoje, despojados e desembaraçados de tudo o que fazia esse passado empoeirado, vocês devem realizar, estritamente, a mesma coisa: aceitar tudo perder, aceitar tudo soltar para, enfim, tornar-se Livre e tornar-se o Si.
Enquanto vocês se atêm ao que quer que seja em sua vida, seja seu corpo, vocês não podem viver o Coração, inteiramente.
Vocês podem, dele, aproximar-se, cada vez mais perto, mas virá um momento no qual a experiência da Luz e a instalação da Luz, pela terceira Passagem da Porta do Coração, colocá-los-á em face desse desafio de Abandono total à Luz chamado, como vocês sabem, Crucificação e Ressurreição.

Essa Crucificação e essa Ressurreição não concernem, é claro, especificamente, ao fato de estar pregado numa cruz, mas, efetiva e simbolicamente, de não mais reter o que quer que seja, aceitar nada mais ser.
Não há outro modo de ser o Tudo na Luz.
É um desafio.
E é um desafio, em especial, para aqueles de vocês, meus Irmãos e minhas Irmãs, que não vivem as Vibrações e que não têm o testemunho da Vibração, que permitem levar-se, pela própria Vibração, a cruzar, eu diria, custe o que custar e de qualquer forma, a Porta do Coração, de maneira definitiva.
Mas lembrem-se, também, de que CRISTO havia dito que os primeiros seriam os últimos e os últimos seriam os primeiros.
E, para esses últimos, tornar-se primeiros é, simplesmente, tudo soltar, sem qualquer exceção, a fim de realizar o que dizia o CRISTO, também: «deixe os mortos enterrarem os mortos e siga-me».
É claro, o princípio de culpa, ou de responsabilidade, seja familiar, financeira, afetiva ou que sei lá o que mais, vai elaborar-se entre vocês e a Luz.
Enquanto vocês não tenham aceitado tudo perder e enquanto vocês não tenham tudo perdido vocês não podem viver o Coração.
E essa perda, é claro, não concerne ao fato de tudo abandonar, isso já lhes foi dito, mas, efetivamente, abandonar-se, a vocês mesmos, aceitar não mais ser mestres do que vocês chamam sua vida, para descobrir e viver a vida em CRISTO.
Realizar o Si é possível apenas se isso se realiza.

Nós demos o conjunto de elementos, vocês têm à sua disposição todos os mecanismos exteriores, mas que podem aproximá-los desse momento.
Cada dia que passar, agora, nesses tempos precisos, será, para cada um de vocês, um Apelo para viver a Comunhão, para viver a Graça.

Como o disseram algumas Estrelas, a Luz vai chamá-los.
Ela vai bater às suas portas e não unicamente à Porta da Pobreza, mas todas essas portas são, em definitivo, apenas portas que devem conduzi-los à Porta Estreita e à Última Passagem.
Para isso, é claro, nossos Irmãos Anciões e nossas Estrelas anciãs, pertencentes ao Oriente, detalharam, de maneira, talvez, muito mais fácil para um oriental, o que havia a viver.
Um ocidental e, em especial, na Europa ou no Ocidente, como se diz, tem, talvez, mais dificuldade com isso, eu diria, pelo atavismo e pela cultura.
Mas a intensificação da Luz é uma realidade, que aqueles de vocês que a vivem, ao nível Vibratório, percebem a cada hora, agora, a cada dia, de maneira cada vez mais forte, cada vez mais quente e cada vez mais espalhada, tanto no corpo como na Consciência.

Os potenciais espirituais da Existência, para muitos de vocês, ativaram-se, aí também, quer isso concirna à visão etérea ou à visão do Coração, quer concirna à sua capacidade para extrair-se da personalidade, quer concirna ao fato de poder estabelecer a Graça, a Comunhão e viver o que está além dos véus da personalidade e contatar-se de alma a alma, mas, também, de Espírito a Espírito.

O conjunto desses elementos, que vocês vivem antecipadamente, em relação ao coletivo, tem apenas uma vocação, é claro, é, sempre e sempre mais assentar a Luz, irradiar a Luz, não unicamente para vocês, uma vez que vocês nada são, se o aceitam, mas tornar-se totalmente Transparentes à Luz e, desse modo, realizarem, o melhor possível, o Amor, no sentido o mais nobre e mais incondicional.

O Serviço deve ser Amor e não um serviço da personalidade, que se submeteu aos ditames, quaisquer que sejam, de convenções (familiares, morais, afetivas ou financeiras).
Lembrem-se, também, que, quanto mais vocês forem para a Luz e mais estiverem afogados na Alegria, o que quer que aconteça a esse corpo e o que quer que aconteça a essa vida, é claro, os períodos oscilantes e a noite escura da alma, para muitos de vocês, manifestam-se de improviso, mas não duram, jamais muito tempo, porque a Luz é bem mais forte do que o choque da humanidade, porque a Luz é bem mais forte do que a noite escura da alma, porque ela concerne ao Espírito e o Espírito de Verdade está mais do que às suas portas, uma vez que vocês são cada vez mais numerosos a viver as Vibrações e, em especial, da Porta KI-RIS-TI das costas, que é, de algum modo, o último elemento que os conduz a passar, de maneira definitiva, a Porta Estreita.

E, durante esses momentos de Apelo da Luz, vocês constatam que é muito mais fácil afastar qualquer elemento que vem da personalidade.
Vocês não têm, aliás, que fazer esforço, uma vez que, naquele momento, o conjunto de desejos, quaisquer que sejam, são, totalmente, evaporados na Luz.
É nesses momentos que convém fazer crescer sua Luz.
É nos momentos em que a Alegria percorre-os e é sua natureza do momento, que é necessário comungar à Graça, porque é nesses momentos que vocês aumentarão, de algum modo, a quantidade de Luz Adamantina e que o conjunto de Portas, de Circuitos, de Lareiras, que representam a Consciência da Existência, entram em ação no que vocês são.

O Eu sou Um (ver a brochura «humanidade em evolução») e o conjunto de técnicas que lhes foram ensinadas por UM AMIGO são, efetivamente, talvez, os meios os mais simples (ndr: intervenção de UM AMIGO, de 28 de outubro de 2011, na rubrica «mensagens a ler»).
Mas lembrem-se, em definitivo, que, enquanto vocês lutam, enquanto existe, em vocês, um sentimento de luta, enquanto existe, em vocês, uma interrogação, vocês não podem viver o Coração, inteiramente.
É, eu repito, neste período específico que vocês têm, eu diria, cada vez mais, que deixar agir a Luz, não mais fazer, contentar-se em ser, quando a Luz chama-os, e o que quer que vocês façam, aliás, pensem, sem parar, na Humildade, porque não pode haver verdadeira Luz sem Humildade.

Enquanto vocês consideram que são grandes na Luz, nesse mundo, bem, vocês não podem viver a Alegria.
A Alegria é um Fogo devorador.
Alguns de vocês o vivem, ou em suas noites ou em diferentes momentos, contrastando, também, quando ele se afasta de vocês, por uma razão ou por outra, com um sentimento de voltar a mergulhar na noite escura da alma.
Mas lembrem-se de que a Luz não os deixa e que são vocês, efetivamente, que a deixam, naqueles momentos, sem, contudo, culpar, sem, contudo, procurar o porquê, porque convém, naqueles momentos, simplesmente, deixar fazer a Luz, ainda mais, talvez, para reencontrar, mais rapidamente, a Alegria interior: esse sentimento de Unidade e de dissolução na Luz, que assinala a passagem da Porta e o estabelecimento na Unidade, o Si (ou qualquer que seja outro termo que vocês possam empregar).

Quanto a mim, eu chamei realizar o CRISTO e tornar-se o CRISTO.
Bem além de um personagem histórico (cuja história foi amplamente travestida), mas, efetivamente, como um modelo de perfeição, em sua ação, em suas palavras, em seus dizeres e no que Ele, realmente, representou como sentido do sacrifício e da Crucificação e da Ressurreição.

É claro, os momentos que vocês vivem são específicos, perfeitamente descritos em todos os últimos capítulos do Apocalipse, do bem amado João, uma vez que é, muito exatamente isso que se vive, agora, sobre esta Terra: a última etapa, aquela que corresponde ao momento em que o conjunto de tempestades e de selos são quebrados, permitindo a revelação da Verdade, permitindo o estabelecimento e o retorno do CRISTO, em Consciência, tal como Ele partiu.

Quanto mais vocês forem simples, mais aquiescerão à Luz e à vontade de nada compreender, porque nada há a compreender, há, simplesmente, a Ser.
E o Ser não será, jamais, a mínima compreensão, a mínima justificação, o mínimo medo e, ainda menos, a mínima interrogação.
Se vocês aceitam esse princípio, vocês se aproximarão, de maneira tangível, do Fogo do Coração, de maneira tangível, da Alegria eterna.

O Canal Mariano, se já não o fez, manifestar-se-á a vocês por intermédio de uma das Estrelas que será, de algum modo, seu guardião do momento e seu testemunho do momento, preparando o que há a anunciar pelo CRISTO, por MARIA e pelo conjunto da Confederação Intergaláctica dos Mundos Unificados e Livres.

O que vocês têm a viver é tão simples e tão evidente que o que se coloca a questão da evidência e da simplicidade pode apenas ser a vontade pessoal do ego, habituado a justificar e a compreender.

A cada dia, o acesso à Luz vai tornar-se cada vez mais simples e cada vez mais evidente, na condição de que vocês não vão a zonas de resistência, de que não vão submeter-se aos seus próprios desejos, que são apenas a eliminação daqueles pela Luz, justamente.

Como dizia o CRISTO: «vigiai e orai», que significa estar atento ao que se desenrola em vocês, como estão atentos ao que se desenrola em sua vida, no conjunto de suas Comunhões e de suas Graças, no conjunto do que pode acontecer em sua vida, porque é, muito exatamente, o que deve acontecer-lhes, para permitir-lhes tornar-se a Luz.
Quer seja a perda de um corpo, a perda de um pai, a perda de uma situação ou um evento muito mais feliz (como, por exemplo, tornar-se bilionário), nada disso tem sentido, exceto para fazê-los descobrir o único sentido da Luz.
Todo o resto é apenas uma ilusão.

Isso, nossos Irmãos orientais disseram, há extremamente muito tempo.
Mas é necessário, agora, verificá-lo, ou seja, vivê-lo.

Enquanto vocês o pronunciam, simplesmente, desse modo, sem vivê-lo, vocês não estão na Verdade da Unidade.
Convém, portanto, ser sensível à Vibração.
Convém, portanto, estar atento ao Apelo da Luz, porque esse Apelo torna-se cada vez mais premente, cada vez mais Vibrante, cada vez mais quente.

As modificações de sua Consciência, e isso lhes foi dito, as perdas de memória, a impressão de não mais estar aí não são uma falta de enraizamento do que quer que seja ou de fuga do real, mas, efetivamente, justamente, a entrada no real e a saída da ilusão.
Não há, portanto, que manifestar o mínimo medo nem a mínima inquietação, mas, efetivamente, viver a confiança do Abandono à Luz para tornarem-se, vocês mesmos, essa Luz, inteiramente.

Nada do que é antigo e ilusório pode persistir quando a Luz os faz cruzar, por vocês mesmos, a Porta Estreita, pela terceira vez.
Naquele momento, vocês descobrem a Alegria eterna.
Nenhuma manifestação, naquele momento, da personalidade, de suas próprias emoções restantes ou de suas próprias atividades mentais, ou não importa qual parente, pode afetá-los, de maneira alguma.

Vocês não estão, eu repito, na indiferença, mas estão na Alegria eterna, e sua simples Presença, irradiante de Amor, é uma Comunhão e uma Graça.

É claro, ao redor de vocês, cada vez mais, vocês constatarão que, quando se estabelecem, de maneira definitiva, nesse estado, aqueles que lhes parecem, por vezes, os mais próximos, terão, por vezes, um sentimento de rejeição, pela incompreensão do que vocês estão se tornando, porque vocês escapam deles.
Aí também, há a compreender o que vocês estão vivendo, não através do intelecto, mas como um Apelo ainda mais intenso para viver a Luz e não para recair na noite escura da alma, para dar prazer a alguém.

É, também, nesses momentos e nessa experiência de vida que é a sua que vocês devem demonstrar, a si mesmos, sua aptidão para viver o CRISTO e não para viver o comprometimento daquele que lhes peça o que quer que seja, porque servir na Luz não é responder a uma demanda de um ego, qualquer que seja.

Ser o CRISTO é Irradiar.
É percorrer os passos do CRISTO, é agir sem querer, é curar sem querer, é ser a Luz e nada mais.
E, nesse nada mais, não há, obviamente, mais lugar para a mínima ação na personalidade.

Essas palavras podem parecer-lhes, por vezes, duras, para aqueles que ainda não viveram isso.
Mas, a partir do instante em que vocês o tiverem vivido, de maneira quase completa, vocês poderão apenas rir dos próprios apegos e limitações, que eram aqueles da personalidade que os habitava anteriormente, não iluminada pela Luz Vibral, inteiramente.

O conjunto de coisas que representa, para vocês, uma importância (e eu falo do que é comum a qualquer ser humano em sua vida comum) aparecer-lhes-á como totalmente ilusório e totalmente fútil e que não traduz, de modo algum, a intensidade ou a Verdade da Luz que vocês vão viver e tocar.
Não há outra solução que não viver essa Luz, de uma maneira ou de outra porque, como lhes foi anunciado, e da maneira pela qual vocês têm sido prevenidos, em especial pelo Comandante, virá um tempo que ninguém conhece (nem a Terra, nem o Pai, nem o CRISTO) em que a coletividade humana, em sua totalidade, deverá viver o Apelo do CRISTO.
É claro, a Liberdade é total, para cada Irmão e Irmã, mas as condições de vivência desse Apelo serão, obviamente, profundamente diferentes, de acordo com o que vocês realizaram no Ser, ou não realizaram no Ser (quer vocês estejam, aliás, com esse corpo ou estejam nesse corpo), porque a Consciência é Una.

Não há mais facilidade de um lado ou do outro lado do véu, que compreende a mesma ilusão, ou seja, a encarnação desse lado do véu ou o que foi chamada a morte, do outro lado do véu, que é outra forma de ilusão.

A Ressurreição é a Luz.
Não é o astral, não é a ilusão da Luz, mas a totalidade de seu Ser, chamada Existência, que é chamada a desvendar-se, inteiramente, se não é o caso, ainda.

Mas a maior parte dos sinais, a maior parte das Vibrações, a maior parte das percepções que são as suas são um Apelo da Luz.
Cabe a vocês responder, abandonando-se, sempre mais, à Luz, aceitando que tudo é simples e que vocês serão simples, quanto mais as coisas tornarem-se cada vez mais simples.
Não é uma visão do espírito nem uma atitude mental, mas, efetivamente, a estrita Verdade da instalação da Luz nesse mundo, e o retorno da Luz em sua Consciência total.

Não é questão de ser, simplesmente, persuadido por minhas palavras, mas, obviamente, vivê-las, em Verdade, a cada minuto, a cada respiração, para que isso se torne sua Eternidade.

Estejam bem lúcidos, o que quer que você vivam atualmente, de que a única Verdade é esta.
De que todo o resto são apenas ferramentas, mais ou menos reais, que são destinadas a fazê-los viver isso, se vocês o aceitam.
Mas o tempo coletivo chegou.
Vocês não estão mais no tempo individual, agora.
Vocês estão no encadeamento de circunstâncias, Interiores e exteriores, da Terra e de sua Consciência, para completar o mecanismo da Ascensão e a instalação da nova Dimensão de Vida, para cada um de vocês.

Nós falamos, há muito poucos dias, por outras vias, do céu que ia abrir-se e rasgar-se, deixando aparecer a Luz e pondo fim, de maneira específica, ao isolamento.
Isso não é, tampouco, uma visão do espírito, uma vez que isso lhes foi anunciado, há poucos dias, em diversos lugares do mundo, pelo sinal do Sol, essencial.
Outros sinais, é claro, ligados à ruptura do céu, como os sons, são, também, importantes.
Eles lhes foram perceptíveis, onde quer que vocês estivessem sobre esta Terra, a um determinado momento ou outro.
Esses sons, que são chamados a tornar-se permanentes.

Naquele momento, vocês saberão que a ruptura do céu é mais do que iminente, chamando-os, então, em Consciência, pelo CRISTO e pela Luz Branca, a concluir o que vocês têm a efetuar em seu estado de Ser porque, depois, será, não impossível (uma vez que cada um vai viver a Luz), mas será muito mais difícil estabelecer-se, de maneira definitiva, na Luz, que é sua natureza profunda, eterna e verdadeira, para cada um.

Mas o princípio de Liberdade e de livre arbítrio (para aqueles que a ele aderem) implica que cada alma deva continuar Livre de sua vivência, mesmo em face da Luz, porque a Luz é Liberdade e Ela não pode impor-lhes a Liberdade se vocês não a decidiram, pelo Abandono.
Não há, portanto, que se preocupar com quem quer que seja ou com o que quer que seja.

Os tempos que vêm, os tempos que vocês vivem, se vocês aquiescem à Luz, se vivem a Graça e a Comunhão, se estabelecem essa Graça e essa Comunhão, ao redor de vocês, não há qualquer preocupação, qualquer questão a colocar-se, a não ser vocês mesmos, inteiramente.
E, quanto mais vocês forem vocês mesmos, na Humildade, na Simplicidade e na Transparência, mais e mais rapidamente vocês se estabelecerão na Luz que vocês são, de toda a Eternidade.

Aí estão as algumas palavras, que nada acrescentam de novo em relação ao que lhes foi dado, amplamente, mas eu ali aporto minha Vibração de Melquisedeque da Terra, aí também, um elemento Vibratório, para vocês.

Temos ainda alguns instantes, se vocês têm questões em relação a esse processo, e unicamente em relação a esse processo, então, responderei pela mesma Vibração.

Questão: ver, de olhos fechados, o céu, como um tecido de cor vermelho-alaranjado, com um triângulo que ali se põe, é o que é chamada a ruptura do céu?

Atualmente, a ativação completa da Coroa Radiante da cabeça, na humanidade (mesmo para aqueles que não vivem essa Coroa), permite ter transformado o que era chamada a visão Luciferiana falsificada pela visão etérea.
O que explica que um número sempre maior de Irmãos e de Irmãs (que não vivem, contudo, de maneira formal segura, a Coroa Radiante do Coração) tenham a possibilidade de aceder a percepções visuais, de olhos fechados, que não estão mais em relação com o terceiro olho.

É claro, existem elementos que são inegavelmente ligados à matriz e à ilusão, mas, nessa visão, inscrevem-se, também, processos, em especial, correspondentes ao que poderíamos nomear de formas geométricas, que são a estrutura que toma a Luz em sua ação, tanto em vocês como nesse mundo.

Agora, cara Irmã, eu lhe peço para lembrar-se de que não é a explicação do que acontece, em você ou no céu, que a fará viver a Luz, mas, efetivamente, a própria Luz.

Assim que há necessidade de explicar ou de compreender, vocês saem, imediatamente, do Coração, mesmo se o mecanismo inicial de percepções, de vibrações, de sons venha, realmente, da Luz Vibral.

Eu repito: é-lhes pedido para viver o que vocês vivem, aceitar e tornar-se, aí também, extremamente Simples, ou seja, não procurar ter uma explicação, qualquer que seja porque, a partir do instante em que há demanda de explicação, o Fogo do Coração apaga-se.

Muitas coisas acontecem em vocês, muitas coisas acontecem e acontecerão sobre a Terra, cada vez mais evidentes e importantes, mesmo se, eu repito, nesse país e nesta parte da Europa [França], vocês estejam mais preservados, de momento, mas esses processos desenrolar-se-ão do mesmo modo sobre o conjunto da Terra.
É muito sedutor, para o intelecto e a personalidade, compreender.
Mas, se vocês aceitam nada compreender, a Luz crescerá.
Cabe a vocês decidir.

A Luz não tem necessidade de explicações, uma vez que Ela é explicação.
A explicação será, sempre, uma projeção exterior, qualquer que seja o processo.

A vivência da Luz será, sempre, uma vivência Interior, na qual não existe qualquer necessidade de explicação.
Isso, vocês o viverão, de maneira cada vez mais certa e de maneira cada vez mais consciente.

O objetivo do CRISTO, quando ele passou sobre a Terra, era qual?
A Luz.
O Reino.
Ele falou, um dia, do que Ele vivia?
Ele deixou, um dia, um testemunho sobre suas dores ou suas percepções?
Em resumo, e quanto mais os dias vão escoar-se, mais vocês perceberão, por si mesmos que, enquanto tentarem falar de vocês, vocês não podem ser Ele.
Quando a consciência disso invadi-los, vocês viverão a Felicidade total.
Tornar-se pequeno, como eu dizia em minha vida, sobre esta Terra, não é uma vã palavra e não é uma visão figurada ou mental: é a estrita Verdade.

Ser Tudo ou ser Um é aceitar nada ser na vida pessoal.
E, eu repito, isso não é uma questão de riqueza exterior, mas, efetivamente, de Pobreza Interior.
Nenhum dos elementos pertencentes à consciência limitada ou fragmentada – seja sua própria história, sua própria vivência, suas próprias emoções – não lhes será de qualquer socorro para viver a Luz.

A passagem da fragmentação à Unidade é uma perturbação total.
Até o presente, muitos viveram toques sucessivos, que os aproximam, como nós dissemos, da Porta Estreita.
É tempo, agora, de Ser e não mais brincar de Ser.
É tempo de ser a Luz, que não se importa, como vocês o constatarão, vocês mesmos, com outra coisa que não a Luz.

O corpo é o Templo em que se realiza essa transformação.
Nossos amigos orientais têm sido, por certos ângulos, bem mais culturalmente próximos dessa noção, o que é muito mais difícil, mesmo no caminho dito espiritual, para um ocidental.
Mas a Luz estando cada vez mais presente, isso deveria tornar-se cada vez mais simples e fácil.

De acordo com a expressão figurada de nosso Comandante: enquanto vocês têm o que quer que seja no bocal, vocês não estão livres do frasco e estão acorrentados.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Caras Irmãs e caros Irmãos, todos unidos na Alegria eterna do CRISTO, eu comungo e rendo Graças.
Como Melquisedeque da Terra, eu comungarei, com vocês, de maneira mais específica, no momento do Alinhamento comum planetário.

Que o CRISTO seja sua Morada.
Que a Verdade e a Simplicidade sejam seu estado.

Com todo o Amor de Mestre Philippe, até não muito tempo.

___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

HILDEGARDE DE BINGEN – 30 de outubro de 2011

Mensagem publicada em 31 de outubro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.

Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui



Eu sou HILDEGARDE DE BINGEN.
Irmãos e Irmãs, presentes aqui e em outros lugares, sobre esta Terra, eu lhes apresento minha Graça e minha Bênção.

Em numerosas reprises, eu exprimi certo número de elementos concernentes à Luz: desde meu próprio caminho, minha própria experiência, desde a tensão para o Abandono à Luz.

Hoje, eu gostaria de apresentar-lhes os elementos que lhes serão oferecidos a viver, pelo reencontro com a Luz.
Os Anciões falaram de consciência antiga e de Consciência nova.
Eles falaram, também, de um mecanismo de sobreposição de duas consciências.

Eu vou dar-lhes certo número de elementos que lhes permitirá, eu diria justapor e viver a justaposição com mais facilidade possível, entre o êxtase da Luz – a Alegria, se preferem – e sua vida nesse mundo.

A grande diferença, que é a sua, em relação a nós, Estrelas (que vivemos esses estados, muitas de nós, de maneira, eu diria, reclusa, fora do mundo, de algum modo), é que a maior parte de vocês têm que viver esses estados novos da Consciência ao mesmo tempo mantendo uma vida exterior social, afetiva e outras.

É claro, e como lhes disse minha Irmã Gemma (ndr: intervenção de GEMMA GALGANI, de 24 de outubro de 2011), há momentos em que a Luz Chama-os de maneira mais forte do que em outros momentos.
Cabe-lhes, então, responder, de maneira adequada.
O êxtase na Luz, como vocês sabem, propicia um sentimento real e uma vivência da Unidade com toda a criação, com todas as Consciências, com todos os Universos, o que, é claro, nada tem a ver com a consciência da vida comum, tal como vocês a levam em suas ocupações, quaisquer que sejam.
Há, mesmo, certo número de ocupações que poderiam, a priori, parecer-lhes em total contradição com o êxtase da Luz.
Esse pode ser o caso nas fases iniciais.
Mas, o mais frequentemente, vocês se darão conta, por si mesmos, através de sua própria experiência que, passados os primeiros instantes e as primeiras surpresas dessa vivência da Luz, tornar-se-á, paradoxalmente, mais leve, para muitos de vocês manter certas atividades.

Os estados de consciência ligados à Vibração da Unidade traduzem-se, como vocês o vivem, por percepções específicas de Vibrações, que desembocam em alterações (se se pode nomeá-las assim) concernentes ao funcionamento comum da consciência, de momento.
Existem, também, momentos em que lhes é mais fácil viver a Comunhão com os Irmãos e Irmãs encarnados ou conosco.

Esses momentos traduzem-se por uma impressão de ampliação, de expansão, de Alegria, sempre, que, por vezes, pode parecer-lhes ser o oposto de um recentramento, mas, bem mais, um sentimento de explosão de excitação, de calor.
Isso corresponde a uma fase de aclimatação.

Muito rapidamente, a Luz propiciará um Alinhamento e um estado Interior de plenitude e de vacuidade, ao mesmo tempo.
Eu tento encontrar, ao mais exato possível, as palavras que correspondem a esse estado.
Compreendam, efetivamente, que isso não é fácil nem evidente porque, já, ao falar, é disso afastar-se.

Então, viver esse estado de Consciência parecer-lhes-á, de qualquer modo, totalmente diferente do que vocês puderam experimentar.
As percepções, as sensações de calor (ao nível do Coração ou do corpo) vão fazer Vibrar a consciência e conduzi-la a dissolver-se na Luz ou a viver mecanismos diferentes, mas que concorrem para estabelecer a Alegria e, de algum modo, certa forma de excitação (que não é uma), de satisfação Interior, que não é ligada à satisfação de um desejo, mas, antes, à certeza de tocar e de viver algo que não é comum.

É claro, esse estado vai, mais ou menos rapidamente, transformar seu modo de apreender e de viver sua vida.
Tudo o que lhes parecia, anteriormente, separado, tanto em vocês como no exterior de vocês, vai tender a desaparecer.
A Alegria será cada vez mais frequente e os questionamentos desaparecerão, eles também, muito naturalmente, sem que vocês tenham que portar sua consciência nisso.

Esses momentos traduzir-se-ão, também, por sentimentos de Paz que lhes parecerão, é claro, totalmente diferentes das pazes comuns que vocês podem viver em suas meditações ou nos momentos em que algum elemento de sua vida não vem alterar sua quietude.

Para vocês que vivem nesse século e que não estão reclusos, o número de elementos do ambiente que lhes chegam é extremamente distante do que nos chegava, a nós, em nossa época, ou mesmo mais recentemente, para alguns Anciões, antes do aparecimento de seus meios ditos modernos, tecnológicos, de comunicação.
Há, portanto, efetivamente, uma espécie de diferença entre aquele que realizava o Si, em sua caverna e, hoje, vocês, que vivem vidas integradas numa sociedade específica, na qual vocês têm o hábito de voltar o conjunto de seus sentidos e de suas reflexões às múltiplas interações que lhes são propostas, em suas diferentes funções, em suas diferentes tarefas.

Isso poderia parecer, a priori, muito mais difícil do que para qualquer um que teria sua vida dirigida, unicamente, ao aspecto meditativo ou recluso.
Não é nada disso.
Não é nada disso porque as circunstâncias precisas do êxtase, na Luz (do Despertar, da Realização do estado CRISTO), toca, hoje, uma consciência que é, de qualquer forma, profundamente diferente daquela que era a nossa, há, simplesmente, algumas gerações.
Há, de algum modo, uma maleabilidade nova e uma adaptabilidade nova da consciência.
Eu não falo, obviamente, de seu desejo sincero de viver a Luz, para a maior parte de vocês que me escutam ou que me lerão.
Mas, efetivamente, uma real plasticidade que decorre, diretamente, do trabalho preparatório que foi realizado pela efusão progressiva de Luz sobre esse mundo, desde quase trinta anos.
Isso, de fato, introduz, de maneira extremamente sutil e muito discreta, ao nível do funcionamento do ser humano, uma espécie de permeabilidade, progressiva e crescente, à Luz.

Mesmo se, hoje, vocês não tenham a clara consciência disso, bastaria, simplesmente, reconduzi-los no tempo, antes desse período de trinta anos (se tal é sua idade, que é superior), para fazê-los viver, diretamente, a amplitude da Vibração que é a sua, aquela de sua consciência em relação àquela que ela era, há trinta anos.

Um conjunto de meios foi utilizado, pelas forças tecnológicas opostas à Luz da Unidade, para tentar restringir, de algum modo, a Luz.
É claro, isso fracassou, inteiramente, uma vez que a Luz (como vocês sabem, e como nós o proclamamos e anunciamos, todos) difunde-se, cada vez mais, sobre esta Terra e na consciência humana, e nos corpos humanos.

Assim, portanto, vocês podem viajar, de maneira, talvez, mais fácil, de um estado a outro.
É claro, essa viagem de um estado ao outro vai acompanhar-se de um momento (que será ou individual ou coletivo) no qual vocês serão levados a estabelecer-se, de qualquer forma, de maneira definitiva, nesse estado de êxtase.

É claro, naquele momento, as circunstâncias da vida social exterior não serão mais, de modo algum, as mesmas.
E isso, inúmeros Anciões e Estrelas também falaram, em diferentes termos.
Tudo isso, como vocês sabem, realiza-se nesse momento mesmo, sobre a Terra, pelas mudanças e pela Liberação da própria Terra, que está em curso.
Pela modificação, também, de um conjunto de Vibrações ou de Irradiações que chegam, não unicamente através da efusão da Luz (quer ela seja do Espírito Santo, Adamantina ou da radiação do ultravioleta), mas de um conjunto de Irradiações que vem do Universo Unificado, no qual esse Sistema Solar começa a penetrar e a viver os efeitos.
Não se trata, portanto, única e exclusivamente, do efeito da nova Tri-Unidade ou da nova Luz, real e Unitária, mas, efetivamente, da conjunção de um número extremamente importante de circunstâncias, cujo conjunto concorre – pouco a pouco, por esse fenômeno de elasticidade e de aclimatação – para modificar o próprio estado da consciência comum.

É claro, muitos seres humanos não têm, absolutamente, consciência disso, porque eles não estão à escuta, de momento, do que seu corpo pode dizer a eles, do que seus sonhos podem significar, de maneira diferente de antes.

Tudo isso, vocês que abriram uma de suas Coroas, uma de suas Portas, perceberão, de maneira mais ou menos direta, mais ou menos aberta, os sinais.
O estado de êxtase não é um estado que os desconectará, portanto, nesse mundo e nesta época, totalmente, desse mundo, porque – como inúmeras Irmãs e Anciões disseram – seu papel é aqui, durante esta fase específica da história da humanidade que verá o estabelecimento dos últimos Códigos da Luz Metatrônica, durante certo lapso de tempo.

Esse lapso de tempo, muito preciso, será indicado pela Abertura do Céu.
Restará, naquele momento, alguns meses a viver, ao mesmo tempo no êxtase e, ao mesmo tempo, nesse mundo, porque seu lugar será aqui, a fim e entrar, definitivamente, no serviço total à humanidade e favorecer, de algum modo, a Graça e a Comunhão no conjunto desta Terra.

Não procurem, contudo, uma função, uma atribuição, um lugar ou o que quer que seja, porque tudo isso lhes aparecerá, de maneira extremamente clara, sem procurar, no momento vindo.
O que quer dizer que não é o momento de decidir ou de saber o que vocês farão, naqueles tempos, porque a Luz preverá para vocês.
E isso se realizará, eu diria, em Comunhão com o conjunto de Consciências Livres, o conjunto dos Anciões, das Estrelas, dos Arcanjos e das diferentes frotas Intergalácticas Unificadas, quaisquer que sejam suas Dimensões.
Tudo isso, vocês podem imaginar, faz o objeto de intensos preparativos que vocês vivem, aliás, em vocês, de diferentes modos.

A Luz, como vocês sabem, por sua Inteligência, antes mesmo de fazê-los viver Comunhões de êxtase, vai, de algum modo, fazer a limpeza no que são, eu diria, obstáculos à perfeita permeabilidade para a Luz, qualquer que seja o estado de avanço de suas Coroas e do despertar de seu Fogo do Coração.
Tudo é preparativo, nesse momento, e desde um ano.

Isso lhes foi anunciado e dito, de diferentes maneiras, com referência, igualmente, à Liberação do Sol, à Liberação do Núcleo da Terra e, agora, de seu manto, mas, também, à Liberação de seus Céus.
Tudo isso concorre para o estabelecimento de um plano em que tudo é perfeitamente orquestrado e minuciosamente orquestrado.

Ainda que as circunstâncias, aparentes, exteriores, concernentes à sociedade humana, possam parecer, por vezes, ir ao inverso, totalmente, do que é, vocês não têm que se preocupar com isso.

Como vocês sabem, certo número de circunstâncias da sociedade devem, irremediavelmente, mudar.
Isso é anunciado desde extremamente muito tempo, e desenrola-se sob seus olhos, ao seu ritmo, sobre o que nós mesmos não temos qualquer tomada: a interação de forças em presença na humanidade (sejam as forças que resistem à Luz ou as força que, hábil ou desajeitadamente, vão para a Luz).
Dessa interação decorre o que vocês veem, todos os dias, o que acontece nesse mundo, mas, também, o que acontece em sua consciência porque, como lhes foi dito, não há diferença entre o que vocês vivem, no Interior de vocês, e o que se vive no exterior.

Então, é claro, de acordo com o lugar da Terra onde vocês estão, as circunstâncias não são, de modo algum, as mesmas, tanto Interior como exteriormente.
Tudo isso faz parte, aí também, de uma lógica perfeita, uma vez que a Inteligência da Luz está totalmente no trabalho, agora, desde numerosos meses, sobre esta Terra.

Então, a partir do momento, se se pode dizer, em que esse estado estiver instalado, de modo estabilizado e quase permanente (ou seja, o momento em que vocês viverem a Consciência da Unidade na quase totalidade, quer tenham acesso à sua Existência ou não, à dissolução ou não), os estados Vibratórios e os estados da Consciência que estão ligados ao Ser tornar-se-ão suficientemente intensos e perceptíveis para permitir-lhes realizar o que eu chamei o serviço à humanidade.

Não se coloquem perguntas em relação a isso.
É claro, vocês devem, também, respeitar seu próprio calendário Interno, seu próprio relógio Interno.

Quando a Luz chama-os, respondam, qualquer que seja o momento, o que quer que façam.
Isso, também, foi anunciado.
É extremamente importante, porque esses momentos são, para vocês, a oportunidade a mais importante de aproximar-se do êxtase.

O êxtase e o íntase (dado que são as duas vertentes da mesma peça dessa Consciência do Ser) vão fazê-los aclimatar-se, de algum modo, a essa nova Consciência.
Não haverá, portanto, a priori, grande ruptura ou grande separação (mesmo se isso possa, por vezes, ser vivido, de maneira dolorosa, pela Noite Escura da alma) de qualquer elemento que constitua sua vida.
Não é a Luz que quebrará o que quer que seja em vocês, mas, efetivamente, vocês mesmos – pela Inteligência da Luz que se tornará a sua – que estabelecerá as novas regras de sua Consciência, de sua vida, de seu sentido do serviço para a humanidade, no período que se abre.

O êxtase da Luz confere uma força também nova.
Essa força não é uma força ligada à vitalidade, mas é, sobretudo, uma força de Espírito porque o Espírito derrama-se sobre vocês e em vocês e os faz descobrir o que eu chamaria, não mais a fé, mas a certeza absoluta da Luz, que nada pode vir abalar e, eu diria, mesmo os episódios em que vocês arriscam reencontrar-se na Noite Escura da alma (se esse é o caso para vocês, não é, absolutamente, nem uma obrigação nem uma certeza, para cada um).

Quanto melhor vocês aquiescerem à Luz (seja em seu Apelo, seja em suas manifestações), melhor vocês viverão o que, para vocês, ainda hoje, pode parecer-lhes delicado, difícil, ou mesmo impossível (seja em seus apegos, no modo como se desenrola sua vida).
Aí também, não antecipem, nem procurem viver o instante seguinte (por uma projeção de seus pensamentos, de seu mental), mas, aí também, estejam certos de que a Inteligência da Luz (mesmo quando vocês vivem momentos que lhes pareçam afastá-los, nos quais vocês parecem viver estados de frustração ou de Noite Escura da alma), mesmo nesses momentos (e, para alguns, sobretudo nesses momentos, em que a personalidade pode menos interferir), a Luz agirá em vocês e, é claro, em seu mundo, em seu ambiente, próximo ou distante.

A Luz ganha e estende-se, efetivamente, de próximo em próximo, em vocês, nos diferentes setores de suas vidas, mas, também, ao redor de vocês, tanto ao mais próximo como ao mais distante, sobre o conjunto da Terra.
Tudo o que vocês observam, tudo o que vocês observarão, de maneira cada vez mais evidente (se é que vocês observam o que acontece no exterior), lembrem-se de que o que acontece no exterior acontece em vocês.

Muitos, sobre esta Terra, aperceberam-se de que o Som do Céu e da Terra começam a generalizar-se e a manifestar-se em tempos mais longos.
Isso é perfeitamente sincrônico com a majoração do Som da alma e do Espírito e, por vezes, para alguns de vocês, pela majoração do Som específico do canal Mariano, que prepara, de algum modo, o reencontro com Maria e com uma das Estrelas que está mais próxima de vocês.

Tudo isso instaura-se.
É claro, nós poderíamos, também, ainda, desenvolver a presença desses circuitos (ao que eles concernem como Estrela, como Porta), mas eu creio que suficientemente elementos foram-lhes dados, em relação ao que vocês vivem e que não é necessário, nem mesmo útil, apreender os outros mecanismos por uma compreensão intelectual.
Vocês se aperceberão, aliás, que, nos momentos em que a Luz chama-os (como em seus momentos em que decidem alinhar-se), se vocês aceitam não elucidar o que acontece, vocês viverão ainda mais facilmente o que está acontecendo, porque vocês se tornarão, naquele momento, o que está acontecendo em vocês.

Assim funciona o estabelecimento da Luz e o estabelecimento do Si no Ser, em sua Verdade, em sua Unidade.

É claro, os Anciões, em seus diversos ensinamentos, deram-lhes, recordaram-lhes elementos extremamente simples, para sempre mais adaptá-los à Luz.
O êxtase que há a viver é, portanto, uma perturbação.
Uma perturbação que, a um dado momento (apesar dessa plasticidade e dessa vivência, por toques sucessivos), será, verdadeiramente, uma perturbação total e uma inundação total da Luz.
Naquele momento, vocês não poderão mais nem dar marcha à ré, nem funcionar, de modo algum, como anteriormente.
Vocês poderão dizer, como aqueles que fizeram experiências às portas da morte: há um antes e há um depois.
E esse depois nada mais tem a ver com o que vocês eram antes.

Panos inteiros da personalidade são chamados a desaparecer.
Panos inteiros de comportamentos, de desejos são chamados a transformar-se, de maneira radical.
E, eu repito, isso não se fará pela influência de sua vontade (que decide melhorar), mas, efetivamente, pelo estabelecimento da Luz em vocês, na sequência de sua revelação no conjunto de seu corpo.

Vocês perceberão, concreta e diretamente que, efetivamente, esse corpo é um Templo no qual se realiza a alquimia da Luz, que permite – pelas Portas, pelas Estrelas, pelos Fogos – sintetizar – como foi dito – o Corpo sem costura, o Corpo de Ressurreição, o Corpo de Existência (como vocês o nomeiam hoje).
Tudo isso se desenrola durante esse lapso de tempo, entre o momento em que o Céu rasga-se e o momento que termina, de algum modo, o estado dimensional ilusório.

Então, nada há a procurar em relação ao amanhã.
Não há data porque – como lhes disse o Ancião que dirige os Anciões – tudo isso é agora (ndr: O.M. AÏVANHOV).
E isso não é uma visão do espírito ou um jogo de palavras, porque isso se desenrola, real e concretamente, em vocês.

Então – e como foi dito –, é claro, aqueles que, estritamente, nada vivem, nada percebem (tanto no Interior como no exterior), estarão em defasagem.
E é essa defasagem que pode induzir, para a Terra, mecanismos de distorção profundos até o momento coletivo final, que induz, para aqueles que não vivem esses processos, tanto medos como projeções de emoção e de mental, que vão contra a Luz.

É em relação a essas circunstâncias (quer elas concirnam a vocês, de perto ou de longe) que lhes convém estar, o mais possível, na Graça e na Comunhão com esses Irmãos e essas Irmãs que estarão, por um tempo, desorientados e desestabilizados, profundamente, pelo que haverá a viver para eles.
Não é a Luz que vem desestabilizar, mas, simplesmente, a recusa ou a não aceitação do que é desconhecido.

Vocês, que têm a chance de viver uma das Vibrações das Coroas ou uma das Portas, podem considerar que, qualquer que seja o estado de seu calendário e de seu relógio interiores, vocês estão melhor colocados para servir e para Amar, naqueles momentos.
Seja como for, o conjunto de modificações – que se desenrolam, tanto em vocês como sobre a Terra – vão tornar-se cada vez mais evidentes para aqueles que a vivem e cada vez mais afastadas, durante certo tempo, para aqueles que não as vivem, por uma razão que lhes é própria, pertencente à Liberdade deles.
E a Liberdade absoluta é necessária nas diferenças de vivência, entre uns e outros, entre cada Irmão e cada Irmã, sejam na mesma família ou no outro extremo do planeta.

De sua faculdade – em curso de Despertar ou Despertos, ou Realizados à sua Unidade – para manter a Paz, vocês constatarão, já, que essa Paz facilita sua Luz e seu êxtase, mas, também, após um lapso de tempo, suavizará seu ambiente, da maneira mais inteligente e mais maravilhosa que pode ser.

Nós não lhes escondemos que existe um momento específico – que foi, aliás, descrito, há quase um ano, pelo bem amado João – concernente a esse choque da humanidade (ndr: intervenção de SRI AUROBINDO, de 17 de outubro de 2010).
É claro, o choque da humanidade, aí também, situa-se em lugares individuais (seja em países, regiões, em continentes), antes de ser coletivo, ele também, e concernente, naquele momento, ao conjunto da Terra.
E isso será muito próximo, assim que o Céu rasgar-se, assim que o Céu Abrir-se.

A Abertura do Céu corresponde, é claro, à abertura de seu pericárdio, que foi impulsionada e realizada pelo Anjo METATRON durante o verão que vocês acabam de passar [inverno no hemisfério sul].

Tudo isso, portanto (como vocês sabem, nós o dissemos), está consumado nos céus, está consumado em todas as Dimensões.
Resta, simplesmente (vocês chamariam a isso uma descida dos Planos Vibratórios), manifestar e concretizar, isso também, na Dimensão de vida desse mundo comum.

Tudo isso, portanto, vai produzir, é claro, mudanças.
As primeiras dessas mudanças são em vocês.
Muitas mudanças ocorreram, eu lhes disse, de maneira extremamente discreta, mesmo para os seres que de nada duvidam, de momento.
Tudo isso se instaura, tudo isso vai revelar-se, de maneira cada vez mais evidente, para vocês que têm ou a visão etérea ou a Visão do Coração ou a percepção de uma Vibração específica, em ressonância com a Luz.

Vocês são, portanto, chamados, cada vez mais (e como MARIA disse-lhes), para estabelecer momentos de Comunhão, momentos de Graça, quaisquer que sejam seus instantes, mesmo fora de seus Alinhamentos e fora de períodos de Apelo da Luz.
Nada os proíbe de efetuar qualquer atividade, estabelecendo essa Graça.
Vocês devem aprender, de algum modo, vocês mesmos, a funcionar, quer a consciência esteja voltada para o êxtase que vocês vivem ou para a vida comum, porque os dois vão não unicamente sobrepor-se, mas, ao final, fundir-se na nova realidade Dimensional.
É, portanto, um período intenso de aprendizado da Luz, não mais em mecanismos Vibratórios Interiores, mas, também, no estabelecimento da Luz nesse mundo, que conduz a um processo final que sobrevirá no momento oportuno e que está, é claro, encadeado, ele também.

Aí estão alguns elementos suplementares que minhas Irmãs pediram-me para transmitir-lhes.
É claro, vocês têm inúmeros meios à sua disposição (seja através dos yogas que lhes foram dados, através de atitudes, de comportamentos) para facilitar o trabalho da Luz em vocês (ndr: ver a rubrica «protocolos a praticar»).

Não são vocês que trabalham, mas é, efetivamente, a Luz que trabalha em vocês.
Vocês, seu simples papel, se se pode falar assim, é o de facilitar, justamente, o trabalho da Luz.
E, como vocês sabem, o melhor modo de facilitar o trabalho da Luz é, justamente, deixá-la fazer, deixá-la agir e contentar-se de ser, naqueles momentos, como em todos os momentos de sua vida.

De algum modo, a Luz, a Vibração, a Consciência deve invadir o conjunto de sua vida, dia e noite, tarefa por tarefa, tanto Interior como exterior.

É desse modo que o mecanismo de plasticidade que descrevi será vivido o melhor possível por vocês.
E, também, é desse modo que o conjunto de seres religados à Merkabah interdimensional coletiva (Despertos a um Plano ou a outro, fora desse mundo) será capaz, cada vez mais facilmente, de estabelecer e de diminuir, de algum modo, o choque da humanidade.

Em resumo, pode-se dizer que o conjunto do que havia sido descrito por inúmeros profetas, mais ou menos recentes (eu não falo do Apocalipse de São João, mas de profecias mais recentes) vê-se consideravelmente suavizado por seu trabalho de Luz e por sua conscientização da Luz, que faz com que o mecanismo de transição não passe por perturbações tão intensas e tão longas como o que eles haviam anunciado há ainda algumas dezenas de anos.
Entretanto, o processo irá até seu termo, mas, simplesmente, o tempo atribuído, de algum modo, para o reajuste final, o tempo atribuído às visões dos profetas encontra-se consideravelmente reduzido pelo conjunto do trabalho que vocês efetuaram sobre esta Terra, de maneira consciente e, para alguns de seus Irmãos e Irmãs, de maneira inconsciente, acolhendo a Luz ao modo deles.

Tudo isso é um mecanismo de grande Alegria e que deve regozijá-los, quaisquer que sejam as etapas que esperam a humanidade para ir até esse elemento terminal.
Agora, há apenas que render Graças, aí também, pela ação da Luz e sua ação, global e comum, para o estabelecimento da nova Dimensão em circunstâncias muito menos penosas do que havia sido dado a ver aos profetas, há algum tempo.

Cada dia que vocês se mantêm na Graça, cada dia que vocês se mantêm na Paz, tanto Interior como exterior, tanto nesse continente como em outros países (apesar, obviamente, das zonas de sofrimentos que ainda existem, atualmente, sobre a Terra), suaviza, consideravelmente, o processo.

Aí está o que eu tinha a transmitir-lhes.

Se existirem, em vocês, interrogações em relação a esse processo que tentei descrever-lhes, bem, eu os escuto.

Não temos perguntas, agradecemos.

Irmãos e Irmãs bem amados, então, eu lhes proponho, num momento de silêncio, viver um momento que eu chamaria (lembrando o que eu já lhes disse) um momento de Graça e de Comunhão, e de tensão, no Abandono à Luz.
Esse será meu modo de saudá-los e de render Graças por sua benevolente escuta.

Vivamos isso, juntos, agora, na Alegria e na Paz de KI-RIS-TI.

... Efusão Vibratória / Comunhão...

Eu os saúdo, portanto, na Graça do Um.
___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.