Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

8 de mai de 2009

O.M. AÏVANHOV – 8 de maio de 2009

DO SITE AUTRES DIMENSIONS

NDR: O.M. AÏVANHOV é um interveniente que foi de origem búlgara e esteve encarnado há algumas décadas.
Encontra-se, hoje, em suas intervenções na canalização, seu sotaque, seu humor e seu francês aproximativo, como em sua vida, que nós respeitamos quando as transcrevemos.
Nós não agimos em nome de qualquer obediência, de qualquer tipo que seja, mas transmitimos, em toda transparência, as informações que este interveniente nos transmite para nos acompanhar ainda hoje.

E bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los, primeiro porque amanhã vocês vão viver, independentemente mesmo das energias Micaélicas, uma passagem, eu diria, por um grande portal que está ligado à ativação de muitas coisas diretamente vinculadas à sua consciência de humano encarnado.

Então, estou extremamente contente por vir falar com vocês antes desse dia especial de amanhã que é, certamente, um dia essencial na história de suas almas, de suas encarnações e também de sua evolução.

Então, caros amigos, eu lhes transmito todo meu amor, todas as minhas bênçãos e, se vocês têm perguntas, eu ficarei encantado de tentar respondê-las, independentemente mesmo de seu dia de amanhã, é claro.

Questão: em que o dia de amanhã é importante?

É importante porque, todos os anos, vocês passam por uma lua cheia específica, que foi chamada por diferentes nomes, nas diferentes tradições.

Este ano, ela se reveste de um caráter todo especial, todo particular, que é diretamente ligado, obviamente, à energia Micaélica, mas também aos diferentes Círculos que retransmitem junto a esta humanidade a irradiação da Vontade, a irradiação do Pai e da Luz Unitária.

Nisso, há uma dupla conjunção (ao mesmo tempo astrológica, astronômica e espiritual) e ligada também à Luz do Pai e às suas faculdades inerentes às suas transformações em sua realidade, tal como a vivem desde muito tempo.
Quer dizer que, para muitos seres humanos, independentemente da energia do ultravioleta retransmitida pelo Arcanjo Miguel e pelos diferentes Conclaves e Círculos de energia que nós constituímos, amanhã é um dia que é especial, obviamente, ao nível da modificação da consciência que deve ocorrer, eu diria, para a totalidade da humanidade.

É um salto importante da consciência.

Aí está no que é um dia capital, importante e fundamental.

Questão: qual é a diferença entre Conclave e Cenáculo?

É muito simples, cara amiga.
Os Conclaves correspondem a uma assembléia em número limitado, ou seja, aqueles que possuem sua carta de membro para participar são em número restrito e não pode ser além deste.

No que concerne, em contrapartida, aos Cenáculos, eles estão abertos a toda entidade espiritual de boa vontade desde os planos multidimensionais, a fim de trabalhar para a ascensão desse sistema solar.

Por conseguinte, num caso, há reuniões que são, de algum modo, fechadas pela qualidade vibratória dos seres que ali se reúnem e outras que são um pouco menos fechadas (eu diria, públicas) ao nível espiritual.

Sem entrar nos detalhes, porque isso nos levaria muito demasiadamente longe, mas, com relação à energia que recebemos, em nosso nível, é uma energia que, como vocês sabem, vêm diretamente, nesse sistema solar, desde o Sol Central do conjunto das galáxias existentes e a vir.

Naquele nível, alguns seres, conforme o nível dimensional, têm a capacidade de captar e dirigir algumas qualidades da energia do Pai.
A energia do Pai é Una, ela contém todas as gamas de vibração, de frequências (além da Luz e de seu mundo manifestado) da luz manifestada em seu mundo, que é a Luz do Sol.

Então, há seres que são capazes de focalizar e retransmitir, eu diria, algumas características desta Luz do Sol Central e outros que são focalizadores, em sua globalidade.

Aí está porque há diferentes círculos, diferentes Cenáculos que intervêm durante esta festa especial que é ao mesmo tempo a festa do Wesak, mas também a conjunção com a entrada nos plenos poderes, eu diria, do Arcanjo Miguel e da plena magnificência da vibração dele sobre a Terra.

Questão: como as pessoas depressivas e em tratamento químico recebem as efusões de energia de Miguel?

É preciso efetivamente compreender que a efusão do ultravioleta, que vocês recebem por intermédio de Miguel e de outras entidades espirituais, segue um trajeto preciso no corpo.

Isso vocês compreenderam já, com relação ao que vivem quando dessas efusões da radiação do ultravioleta.
Mas é preciso também compreender que é uma energia que foi chamada «energia/consciência», portanto, ela age diretamente na consciência, mas a energia não é sempre apoio da consciência.

Os seres que estão sob alguns medicamentos ou que têm algumas patologias ou que não estão despertos à percepção das energias vão viver também uma modificação de consciência que não vai necessariamente desencadear o despertar ou o acordar, mas que, entretanto, vai provocar, eu diria, uma mudança de perspectiva na visão que eles têm da vida.
Isso é extremamente importante, como um preparativo para o que vai se desenrolar muito proximamente sobre este planeta.

Nem os medicamentos, nem a idade, são um freio para a integração, não da energia, mas da consciência, não é a mesma coisa.

É preciso, efetivamente, diferenciar o que é um efeito direto sobre a consciência (que concerne ao conjunto da humanidade, qualquer que seja o nível da evolução na encarnação) e o nível da energia/consciência que vocês vivem quando das efusões específicas em que alguns seres, ou mesmo muitos, começam a ver, a sentir a energia/consciência agir ao nível de sua realidade densa.

Questão: como as pessoas que não estão ainda numa fase de despertar ao nível das estruturas energéticas reagem a essas efusões?

Há dois modos de falar.
Elas não reagem, porque a energia/consciência não penetra em lugar algum, ela se dissipa ao nível da periferia dos casulos de Luz, sem provocar efeitos diretos nos chacras ou na consciência.

Agora, o que vocês observam sobre a Terra, ao nível dos seres humanos (nós deixamos de lado, se querem, os elementos e as manifestações elementares), Miguel chamou de energia do ultravioleta.

É uma pressão, porque gera, efetivamente, uma pressão.

Então, se a energia não pode penetrar pelos chacras superiores, em um momento ou outro, ao nível desta abertura que não se faz, esta energia será obrigada a penetrar pelos chacras inferiores, sem ser alquimizada ou purificada pelas energias do chacra superior.

Naquele momento, isso desencadeará uma pressão importante ao nível dos humanos, que pode se traduzir também por raivas, por situações de recusa, um crescimento do ego e um crescimento da dualidade.

Mas são premissas, simplesmente.
Eu não posso me exprimir mais sobre isso.

Questão: como acompanhar o melhor possível um ser na passagem, quando se está tratando com cuidados paliativos?

A melhor coisa que vocês têm a fazer é acolhê-los, vocês mesmos.

Eu sei bem que Miguel os chamou os Portadores de Luz, os Transmissores de Luz.
Não há necessidade, ele disse também, de se colocar em estado de transmissão desta energia, porque, a partir do momento em que vocês vão destrancar algumas portas, a partir do momento em que a energia da pressão do ultravioleta que se efusiona ao nível da cabeça vai se estabelecer de maneira definitiva ao nível do coração, não haverá necessidade de qualquer ritual ou de qualquer trabalho.

Vocês serão realmente os transmissores cujo interruptor estará sempre ligado, eu diria, e vocês emitirão permanentemente esta energia.

Questão: o fato de beneficiar-se desta energia basta para aquele que morre, para morrer nas melhores condições?

Eu jamais disse isso.
Isso não tem qualquer relação, uma vez que, de todo modo, lembrem-se de que as efusões que vocês terão doravante vão agir na consciência.
Lembrem-se de que os planos astrais intermediários em que iam os humanos após a morte não existem mais, aguardando a transição.
Então, isso não tem qualquer espécie de importância, quanto às condições da partida, pelo momento, daquelas almas.

Questão: como os pais podem preparar os filhos?

Nada há a preparar com relação aos filhos.
São vocês, como adultos, que têm que se preparar.

Vocês não têm qualquer preocupação a ter pelos filhos.
Enquanto eles não são adultos vibratoriamente, ou seja, abaixo de 14 anos, não há qualquer preocupação a ter.

O destino de alma deles está programado.
Não haverá nem medos, nem sofrimentos, nem questionamentos da parte dessas crianças.
Eu já disse que serão eles que virão ajudar os pais.

Portanto, é preciso parar de pensar, a um nível paternal, como se fossem seus filhos.
Tudo isso termina em breve.

Questão: é o momento de organizar o que você chamou de «lares de Luz»?

O problema, lembre-se, é uma questão de estar pronto no momento vindo.

Estar pronto no momento vindo, quer dizer o que?
Há certo número de elementos que podem interferir com suas vidas, quanto aos deslocamentos e ao caminho de suas vidas.
O que vem, vocês sabem (vários seres que os ajudam exprimiram-se sobre isso) é o que foi chamado de tempos reduzidos.

Esses tempos reduzidos não excederão certo prazo.
Neste prazo, vocês têm a escolha de viver do modo que vocês tenham vontade, mas lembrem-se de que há circunstâncias mais propícias.

É muito mais fácil estar em pleno meio do campo do que estar no meio de uma capital européia ou americana, é claro, porque as circunstâncias que vão desencadear essas modificações da atmosfera de vida vão provocar, ao nível dos seres humanos habituados ao conforto, certo número de desagrados.

Isso quer dizer, sobretudo, não estar nos agrupamentos de lugares em que haveria dezenas, centenas de pessoas, isso seria muito incômodo.

Vocês são totalmente livres de fazer o que quiserem, mas todos os lugares, mesmo aqueles que serão preparados pelos humanos, não poderão ser preparados ao nível energético, porque é assim.
Isso é muito importante a compreender.

As pessoas receberam os impulsos para isso.
São os primeiros impulsos para reagrupamentos que se fazem segundo afinidades vibratórias e as afinidades vibratórias são coisas que devem se criar de maneira extremamente fluida e lúcida.

Se, entre vocês, há os que têm resistências, seja com relação às associações, com relação a esses lares abertos...
Eu digo sim abertos, porque vocês não sabem, pelo momento, quem se juntará a tal ou tal lugar.
Talvez vocês sejam obrigados, um dia, a acolherem alguém que tem um caráter de porco, mas que é, talvez, um ser totalmente realizado.

O que vão vocês fazer nessas condições se, agora e já, vocês colocam, eu diria, freios ou barreiras ao que vem?
Mas as reações humanas não nos pertencem e nos ali nada podemos.

Apenas seu trabalho de transmissor de Luz, tal como o definiu o Arcanjo, é que permitirá levar o mais de seres possíveis para a esperança da Luz.
Mas nós nada mais podemos fazer, porque há mesmo uma lei que funciona para esses seres que não estão despertos, que se chama o livre arbítrio.
E eles a têm ainda.

Questão: nesses lares de Luz, como são tomadas as decisões?

Não há decisão.
A decisão não pode ser democrática para a maioria.
Ela deve ser unitária.

Quem diz unitária diz que todos vão no mesmo sentido.

Se há uma pessoa que não pode ir no sentido, é preciso que ela mergulhe no interior de si mesma para saber porque ela não pode ali ir.

Se vocês partem do princípio que, num lugar assim, destinado a acolher um máximo de seres humanos no despertar, o despertar é uma realidade vibratória e uma realidade de consciência, a partir do momento em que vocês estão no despertar, se vocês entram em oposição com um lugar que é protegido e no despertar, é que vocês nada têm a fazer nesse lugar.
E funcionará assim.

Não é uma decisão democrática ou de um guru ou de uma pessoa que tem o poder.
É uma decisão lógica que se impõe a todos por si mesma e isso não pode ser de outro modo.

A partir do momento em que vocês colocarem em jogo um processo democrático, vocês nada compreenderam, vocês estão na dualidade e isso é muito claro e formal.

Nos mundos espirituais, vocês creem que se vota levantando as mãos?
Quando os Melquisedeques decidem criar um mundo, um universo como este no qual vocês estão, vocês acreditam que haja um que vai se opor a isso?
Mas é mesmo inimaginável.
Isso é impossível.

O que quer dizer que, no sentido da Unidade e para os seres despertos, tudo se pode fazer apenas com fluidez, rapidez, quaisquer que sejam as circunstâncias.

Então, agora, se, entre vocês, seres dizem «a mim, isso não me convém», mas vocês têm toda a liberdade para fazerem o que têm vontade de fazer.
Jamais houve alguém ou uma entidade que lhes dissesse para fazer isso ou aquilo.

Os lares abertos realizar-se-ão e não unicamente porque eu o disse, é claro, mas porque múltiplas entidades, através de múltiplos canais, estão efusionando isso na consciência dos seres humanos.

O período de pré-ajuntamento, de reagrupamentos, primeiro em pequenos números, é indispensável com relação ao que vem.

Agora, vocês são livres de dizer que isso para nada serve.
É sua liberdade e é sua escolha e é perfeitamente tão respeitável como as outras escolhas.

Questão: é desejável organizar o tempo para uma atualização sobre a vida quotidiana ou as preocupações do momento nesses períodos de vida?

Eu retorno nisso ainda uma vez.
A partir do momento em que algo o choca com relação a uma das pessoas que está no lugar, é que você não está em paz com você mesmo e, portanto, você não pode estar em paz com o outro.

A partir do momento em que você está em paz com você mesmo, em seu coração, absolutamente nada pode vir nesse lugar (eu não digo outro lugar, mas eu digo no lugar em que você viverá, em que você vive), absolutamente nada pode vir perturbar este equilíbrio.

Se o equilíbrio é perturbado, mesmo se é a falta do outro, como vocês sempre dizem (mas não é jamais a falta do outro, é sempre sua própria falta), mesmo se o outro te), mesmo se o outro lhe dê um tapa.

Há dois modos de ver as coisas: ou você está num lar unitário em que o amor prevalece, se o amor prevalece não pode mesmo ali haver questionamento, não pode ali haver conflito, mas ali não pode haver, eu diria, questionamentos no sentido do que vocês fazem e do que vocês realizam.

Se vocês estão na energia do coração e se há um, por exemplo, que vai urinar fora da bacia, mas isso não vem mesmo do espírito de ir dizer «você vai limpar isso que fez» porque, se você agisse assim, como o outro também, aliás, você está na dualidade.
E você não pode pretender viver um estado de despertar como o que vem, a partir de amanhã, estando nessa exigência.
Sem isso, não é um lar aberto.

Vocês vão chamar a isso uma comunidade fechada, ou um ashram, que estritamente nada tem a ver.
Estritamente nada tem a ver.

Não é questão de tolerar não importa o que, mas, a partir do momento em que vocês vivem as energias do despertar, a partir do momento em que vocês são os Portadores de Luz, a partir do momento em que vocês são Transmissores de Luz, tudo isso não pode colocar problema.
Há solidariedade, fraternidade, no sentido o mais real.

Se você começa a falar dos comportamentos de uns e outros, bem, isso não é a fraternidade.
Isso se chama uma vida em comunidade, o que nada tem a ver.

Agora, eu concebo perfeitamente que os seres, mesmo despertos, tenham necessidade de viver no alto de uma montanha sozinho, mesmo se não seja o que é solicitado hoje, para encarnar as energias da ascensão.

O engajamento que é solicitado é, antes de tudo, um engajamento do coração.

Se não há engajamento do coração, não pode ali haver harmonia e possibilidade de levar a efeito um tal projeto.

O que quer dizer decidir?
Decidir quer dizer dirigir.
Você dirige, já, você mesmo com relação a você?
Você não tem que dirigir ninguém mais.

Agora, se você tem a impressão de que, num lar aberto, um parasita chega e você o vê parasita, eu o engajo a se colocar a questão a você mesmo, porque é evidente que, a partir do momento em que as energias do coração estiverem plena e totalmente ativadas, bem, os seres que não estiverem no coração não poderão permanecer.
É tão simples assim.

E isso se fará sem discussão e sem decisão.
É algo que se realiza ao nível vibratório.
Realmente.
E ao nível da consciência.

E algo que se realizará totalmente após o solstício de verão [inverno no hemisfério sul].
Porque, o que acontece?
No solstício de verão há as energias em seu máximo de atividade ao nível do sol.
Há, também, alguns dias após o solstício (talvez duas semanas após o final das efusões específicas de Miguel ao nível das consciências).

Naquele momento (e isso eu já lhes disse), o coração deverá estar aberto.
Se o coração não está aberto, isso quer dizer que seu caminho, mesmo se você seja um homem ou uma mulher de coração, não passa pelo caminho que corresponde ao que é o lar aberto, simplesmente.
Não é um julgamento de valor, é simplesmente uma questão de afinidades vibratórias.

Hoje, mesmo estando aberto ao nível do coração, vocês constatam que podem se deslocar, podem ir num mercado, podem encontrar pessoas que não estão de modo algum como você, mas, então, de modo algum.

Pouco a pouco, progressivamente e à medida das semanas, você perceberá diferenças, mas, para aqueles que estão realmente no coração, vocês perceberão o destino do outro, não na vida dele, não no que ele faz de suas noites, obviamente, mas na cor de sua alma.
Quer dizer: será que esta alma está num caminho que vai no mesmo sentido que o meu ou não vai no mesmo sentido?
E, isso, é uma vibração que lhe dirá: o coração se abre ou o coração se fecha.

Mas ainda é preciso, para isso, que o coração já tenha sido aberto, é claro.
Os outros não compreenderão.

Aqueles que não têm o coração aberto vão sentir uma espécie de mal estar, uma espécie de raiva, um ressentimento com relação a esses seres.
E você constatará muito, muito rapidamente, a partir de seu verão, que as afinidades, como vocês chamam isso? ..., os pontos em comum [atomes crochus] vão se instaurar de modo muito mais simples e independentemente das considerações ou construções (mental e emocional) que vocês têm tendência, uns e outros, a construir nesse momento, que correspondem somente a agitações e às suas próprias resistências ao estabelecimento da energia do coração e a nada mais.

Há algo, em todo ser humano, atualmente, que deve morrer.
Alguns já sabem.
Outros não veem mesmo o que deve morrer, mas ali há algo que está morrendo em vocês.

Talvez vocês tenham medos, talvez vocês tenham uma tristeza, talvez vocês tenham uma nostalgia, talvez vocês tenham a impressão de não perceberem o porque vocês vieram.
Há efetivamente algo que está morrendo em vocês, mas, isso, eu os deixo descobrir nas próximas semanas.

Então, as noções, tais como vocês as encaram, decisão de maioria, de quem tem o poder, são discussões, eu diria, fúteis, que são intermediárias com relação ao seu estado intermediário.

Questão: poderia esclarecer sobre minha dificuldade nesse momento de tomar decisões?

Não, eu não posso iluminá-la, cara amiga.
Há algo que deve morrer e que ainda não morreu.
Há algo que a puxa para trás e outra coisa que a puxa para frente.

Os freios que vocês sentem, uns e outros, seja sob forma de raiva, de tristeza ou outra coisa, ou de análise intelectual ou análise emocional que a desarranja corresponde à sua própria dualidade.

Então, agora, há uma palavra importante, é confiança.

Há muitas mensagens espirituais e muitos canais que transmitem essas informações, sob forma de sonhos e também seres humanos que estão sozinhos em seu canto e que se dizem «devo me agrupar», mas eles não sabem com quem.
Eles devem se agrupar, mas eles ainda não encontraram.

Agora, vocês devem ir no sentido do que dita sua consciência, mas tentem, assim mesmo, saber quem fala.
Será que é a consciência?
Será que é o ego do medo?
Será que é o ego da separação?
Será que é realmente o coração?

Enquanto vocês não estão no coração, tudo o que fala não é o coração.
É tão simples assim.

Todos os comportamentos do ser humano são ditados sempre por uma noção de lucro, de prazer ou desprazer.
Vocês não escapam disso.

Mesmo se você é a pessoa a mais gentil no mundo, com o coração na mão, todas as suas decisões serão baseadas na noção de prazer/desprazer, vantagens/inconvenientes e não no coração, porque o coração não se coloca a questão do inconveniente e da vantagem.
Ele se contenta em ser e é tudo.

Aí está a grande diferença entre o que é ligado aos comportamentos, às emoções, a um mental e uma conduta que é conduzida pelo coração que se vive na fluidez e na Unidade.
Não é de modo algum a mesma coisa.

Quando eu cheguei de meu país, eu não tinha nada, nem um centavo no bolso, e tudo se construiu porque a Divina Providência sempre colocou em meu caminho os seres que foram necessários para realizar o que devia ser realizado, de uma maneira ou de outra.
E isso foi sempre feito assim para todos os seres vivos que chegavam ao nível do despertar e da realização.
Tudo se instaura independentemente de sua própria vontade.

Aí está a diferença entre o ser desperto, o Mestre de Luz e o ser que duvida.
É a única diferença porque, quando vocês estão despertos, quando vocês viveram certo número de iniciações ou de experiências que lhes confira o despertar (e não uma experiência da Luz que não é a mesma coisa que viver na Luz), viver na Luz instaura certo número de sincronias e certo número de eventos.

Os Anjos, os Arcanjos, todas as energias espirituais estão a seu serviço porque, você mesmo, os serve e tudo se instaura para se realizar o mais exato e o melhor possível em função do que é para realizar.
Isso é válido para todo ser humano, desperto ou mesmo não desperto.

Ele estará onde deve estar e tudo estará bem.
O que eu quero dizer com isso é que, para todo ser humano em acordo com suas profundidade (que sua profundidade seja o ego ou o coração), não pode ali haver desequilíbrio, mas isso faz parte de sua liberdade íntima.

Aí está o que de mais importante eu lhes disse esta noite.
Se seu pólo de interesse é sua pessoa e regras precisas e não o coração, então não vá num lugar de coração.
Para que serve se contrariar?

Não deve, sobretudo, se contrariar, porque a contrariedade prejudica o coração.
E tudo o que você tem de contrariedade na vida, de maneira geral,  ... você pode dizer «é a falta do outro» ou «é meu carma» ou «é o carma ou é a fatalidade», jamais será isso.
Tudo o que acontece a um ser humano, eu digo sim, TUDO, sem exceção, está ligado ou à lei de ação / reação (que vocês chamam «lei cármica») ou à lei de ação de graça (que está ligada ao perdão e ao amor).
Não pode ser de outro modo nesse mundo.

Questão: para aquele que compra esse lugar, como se definir com relação aos outros?

Então, naquele momento, é um privilégio enorme, ou seja, o privilégio de ser aquele que recebe.

A partir do momento em que é aquele que recebe, ele tem o papel de patrão, não é?, mas ao nível da organização, ele tem talvez sua palavra a dizer.

Organizar não quer dizer proibir, mas pensar nas orientações, não para si, mas para seus hóspedes, porque são realmente hóspedes.

Agora, as decisões comuns daquele que gosta de tal coisa, de tal cor ou de tal cor..., ainda uma vez, se vocês colocam isso à maioria, isso prova que vocês estão na dualidade.
A decisão deve ser unitária.

A partir do momento em que vocês estão no coração, pode apenas haver Unidade nas escolhas ou nas decisões.
Isso lhes parece irrealizável, porque vocês sempre funcionaram na decisão dual e não na decisão unitária.

Não se esqueçam de que é um período específico, quer dizer que os referenciais que vocês podem tentar aplicar (com relação à idade, com relação ao sexo, com relação ao aporte de uns e de outros), em breve não terão mais curso, completamente.

Somente contará a qualidade de coração.

Agora, lembrem-se de que o mais importante acontece ao nível vibratório.
A atmosfera vibratória que é criada, que será criada, será extremamente propícia para a manifestação da Unidade.
E, na Unidade, não pode haver desequilíbrio.

A Luz ilumina a Sombra.

Não é acrescentando Sombra que vocês colocarão Luz.
A Luz ilumina.
Ela se contenta em esclarecer e iluminar.
Ela não denigre a Sombra.
Ela a toma sob sua asa.
E esse não é um objetivo irrealizável.

Em contrapartida, se vocês pensam que é irrealizável, então, eu os remeto às suas escolhas.

As coisas são claras quando vocês estão no coração: há unidade, há fluidez.
A partir do momento em que vocês saem deste estado de Unidade, o que vocês geram?
A dúvida, o pessimismo, a agitação, as contrariedades etc.etc.
Eu os recordo que tudo isso são apenas projeções mentais.

A lei do coração é a lei da Unidade, é a lei da Fraternidade e nada mais.
É também válido para todo ato de sua vida e isso será cada vez mais o caso.

De todo modo, é preciso saber que com as energias de consciência novas que se ativam para o conjunto da humanidade, vocês serão obrigados a ser o que vocês são.

O mau não poderá mais esconder que é mau.
O bom não poderá mais esconder que é bom.
É tão simples assim.

E, ainda uma vez, nós não julgamos nem os bons nem os maus, porque, para nós, todos são bons, definitivamente, porque nós sabemos o que está no interior de cada consciência viva encarnada e nós respeitamos o mais profundamente possível sua evolução, suas escolhas e seu caminho.

Questão: é normal não sentir as energias pela cabeça?

Agora, é preciso efetivamente compreender que alguns seres vivem essas efusões de energia em um nível diferente, certamente, desde várias dezenas de anos.
Outras pessoas seguiram um caminho diferente.
Quer dizer que, pelo ascetismo, pelo caminho espiritual, fizeram o caminho que permite passar do ego ao coração.
Essa é uma primeira etapa que era, certamente, capital.

Mas agora esse coração deve se enriquecer de uma nova qualidade energética.
Talvez, em você, caro amigo, você sinta sua própria energia do coração, quer dizer que você abriu seu coração por um trabalho de ascetismo e de meditação que permitiu ativar seu chacra do coração, que é já uma etapa maravilhosa.

Mas a abertura de seu chacra do coração corresponde à sua energia, mas não à energia que vem do cosmos.
São suas coisas diferentes.
A finalidade é a mesma, eu concordo, mas, entretanto, a partir do momento em que o coração está aberto, as vibrações ao nível do que é recebido pelos chacras superiores ativar-se-ão necessariamente um dia ou outro.

Mas você já tem um meio de saber muito facilmente, com as energias de seu coração, se você está na alegria, na boa decisão ou não na boa decisão.
É muito simples, mas é algo para o que você não presta atenção, porque você está tão habituado a sentir essas energias na meditação que você não se apercebe que elas podem lhe servir completamente para guiar sua vida fora das meditações.
Quer dizer que não é preciso esperar as meditações para ter respostas com relação às suas escolhas.

É preciso levar a vida, o dia a dia, com relação à compra de um automóvel, com relação a uma decisão... você verá o momento em que seu coração vai se por a girar, vai se por a vibrar.
Essa será uma escolha do coração e você constatará, aliás, geralmente, que a escolha de seu coração não é a escolha da cabeça.

Então, cabe a você saber o que você quer viver, porque se você se serve unicamente das energias de seu coração para viver momentos de meditação intensa e de exclusão, de certa forma, da realidade, isso não se chama a abertura do coração.
Isso se chama a abertura do coração, certamente, mas numa certa forma de autocracia ou de re-confinamento em você.

O coração não é feito para protegê-los dos outros.
O coração é feito para irradiar.
O coração é feito para lhes permitir ir no sentido da Luz e não no sentido de sua pessoa.

Então, é preciso que você aplique à sua vida de todos os dias esse primeiro preceito, ou seja, que a energias do coração são muito agradáveis de viver quando da meditação.
É muito agradável senti-la, no momento em que se deseja, por um esforço de consciência, mas se este estado desaparece assim que você tem escolhas a fazer ou quando uma contrariedade surge, para que isso lhe serve?
Não para grande coisa, concordamos.

Portanto, aí também, há uma muito pequena revolução de consciência a fazer, que é mínima.

Geralmente são as coisas mais bobas, que não se vê, porque elas são como o nariz no meio do rosto.
E elas são feitas para isso, porque a consciência egóica não quer que vocês se apercebam disso.
Sem isso, quereria dizer que ela perdeu a partida e ela não gosta disso, perder a partida, a consciência egóica.

Não temos mais perguntas. Agradecemos.

Então, caros amigos, vou deixá-los à sua sorte, que é uma sorte invejável e, sobretudo com relação ao que viverão no dia de amanhã, que é um dia extremamente importante.

Então, eu lhes pedirei que se preparem para viver o dia de amanhã na alegria.

A alegria é rir, é olhar as imagens engraçadas, por exemplo, é sorrir para si também.

Então, eu lhes digo até muito em breve, eu lhes transmito todo meu amor e todas as minhas bênçãos antecipadamente pelo dia de amanhã.
Fiquem bem e até muito em breve.

_____________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

Um comentário:

  1. No sentido da Unidade e para os seres despertos, tudo se pode fazer apenas com fluidez, rapidez, quaisquer que sejam as circunstâncias.

    Então, as noções, tais como vocês as encaram, decisão de maioria, de quem tem o poder, são discussões, eu diria, fúteis, que são intermediárias com relação ao seu estado intermediário.

    Enquanto vocês não estão no coração, tudo o que fala não é o coração. É tão simples assim.

    Todos os comportamentos do ser humano são ditados sempre por uma noção de lucro, de prazer ou desprazer. Vocês não escapam disso.

    Mesmo se você é a pessoa a mais gentil no mundo, com o coração na mão, todas as suas decisões serão baseadas na noção de prazer/desprazer, vantagens/inconvenientes e não no coração, porque o coração não se coloca a questão do inconveniente e da vantagem. Ele se contenta em ser e é tudo.

    ResponderExcluir