Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

1 de dez de 2012

O.M. AÏVANHOV – 2 – 1 de dezembro de 2012


Mensagem publicada em 3 de dezembro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui



Questão: em uma Dimensão além da terceira
Dimensão dissociada está-se na a-consciência ou está-se, ainda, em uma consciência que experimenta algo?

Mas há, sempre, uma consciência.
Simplesmente, o que você tenta representar-se, com sua consciência, é impossível representar-se.
A questão não se coloca assim, ou seja, que, quando vocês estão em uma forma que não é fixa (eu os lembro de que vocês estão em uma forma congelada, que evolui entre o nascimento e a morte – um bebê (nós todos fomos bebê), adulto, velho e morte, não é?), será que são concernidos por isso?
Crê-se nisso, enquanto não se aproximou.
«Você é pó, você voltará pó».

Nós todos pensamos que era nosso dever e nossa consciência melhorar a situação da Terra.
E é normal, quando algo não funciona, quando vocês viveram a Luz (através do Despertar, através da Liberação e através, mesmo, de convicções profundas, essa famosa – como ela disse, a Irmã HILDEGARDE? – Tensão para o Abandono) (ver a intervenção de HILDEGARDE DE BINGEN, de 25 de outubro de 2010).
Independentemente disso, o que acontece, hoje, é profundamente diferente: quando vocês reencontram o que São, não há mais dúvidas, não há mais interrogações, não há mais oscilações, não há mais movimentos, não há mais mental, não há mais emoções.

Mas, é claro, vocês reencontram as emoções quando é necessário: se uma situação exige que vocês estejam na cólera, será preciso estar na cólera.
Mas vocês não São essa cólera que se desenrola.
Vocês intervêm em uma cena de teatro, mas não São tributários da cena de teatro: toda a diferença está aí.
Ou vocês atuam na cena de teatro, como lhes disse BIDI, e são persuadidos de que são o ator que está na cena: vocês são identificados a um papel, a algo que, uma vez puxada a cortina, não existirá mais.
É tão simples assim (ndr: concernente a esse exemplo do teatro, ver, em especial, a intervenção de BIDI-1, de 13 de abril de 2012).

Agora, quando vocês vivem, realmente, o que vocês São, e não são mais influenciados por qualquer ilusão, por qualquer egrégora e por qualquer Sistema de Controle do Mental Humano, vocês se Liberaram do conhecido.
E é aí que se encontra a Verdade.
Mas Liberar-se do conhecido – percorrer o que não é mais um caminho, mas uma Verdade – não depende de um Absoluto ou não: o Absoluto sustenta toda manifestação.
A FONTE é oriunda – se se pode dizer – do Absoluto: é a primeira emanação.

Portanto, como primeira emanação, como primeira manifestação, é perfeitamente lógico chamá-lo a FONTE.
Então, vocês podem, também, chamá-lo o Pai, ou a Mãe, pouco importa, ou o Filho, isso não tem qualquer importância: são apenas palavras.
Mas há um Ponto focal, eu diria (qualquer que seja o nome que vocês lhe deem), de onde tudo provém e para onde tudo volta.
Agora, quer vocês estejam fundidos na FONTE, quer estejam fundidos no Sol, quer estejam em tal forma ou tal outra forma, em tal Dimensão ou tal outra Dimensão, vocês não são mais congelados e atribuídos a uma forma (quando vocês vão seguir essa forma, a partir de seu nascimento até sua morte).

Eu os lembro de que, nas outras Dimensões, o processo chamado nascimento e morte – para além da terceira Dimensão Unificada – não existe.
Mesmo se, é claro, haja histórias (não cômicas, mas cósmicas), de alianças entre, por exemplo, tal Vibração de tal lugar e tal outro lugar.
As alianças que estão mais em relação com esse mundo decorrem de diferentes lugares.
Há os Dracos – os Arcontes – da Ursa Maior.
Há os ensinamentos de Vega.
Há – eu ia dizer os avós – os Ancestrais (se se pode dizer assim, mais do que os Velhos) que vêm de Órion, mas há uma parte de Órion que está, também, em ressonância com a Ursa Maior (e, portanto, com entidades que não são avós, mas que são malandros impertinentes).
Há seres que são marcados por uma polaridade feminina, porque eles vêm de um mundo específico, que é ligado a Sírius (qualquer que seja a Dimensão).
Mas, quando vocês superaram esse corpo e saíram de todos os confinamentos, vocês São Livres.
Quer vocês tenham tal forma ou tal outra forma, mas vocês o São, ao mesmo tempo: sua forma é diferente, conforme a Dimensão.
Isso vocês não podem representar porque, quando estamos encarnados, aqui, somos tributários do reconhecimento de uma forma: não se lembra mais do bebê, mas lembra-se quando se tinha vinte anos, e vê-se, depois, quando se chega aos oitenta anos, tem-se lembranças de ter sido isso ou aquilo.
Mas isso faz apenas passar.

Portanto, quando se saiu desse mundo, realmente, e que se é multidimensional, isso não tem qualquer diferença, estritamente, nenhuma, manifestar uma consciência e uma experimentação Livres, uma vez que nós temos, todos, essa Liberdade.
É um pouco – se querem, mantidas as proporções – como o xamã que vai penetrar o corpo de um animal totem: ele vive, realmente, o corpo do animal, ele não é mais tributário do próprio corpo, formal, de xamã: ele viveu a Deslocalização da consciência.
Essa Deslocalização, para os xamãs, corresponde à egrégora da Terra (não a egrégora alterada, astral, mas, entretanto, uma egrégora, de qualquer forma, astral, ou seja, fortemente colorida, em cores e em emoções): são todas as experiências que são acessíveis ao nível do terceiro olho.

Isso não é negativo em si – a negatividade é concebida apenas pela personalidade –, mas nós temos atraído sua atenção ao fato de que era uma etapa.
E que essa etapa é, justamente, o lugar em que sediam as forças de controle e de confinamento.
Portanto, é muito fácil, para elas, modificar, mas, instantaneamente, o que eu chamaria a trama astral e o Sistema de Controle do Mental Humano.

O astral coletivo, a partir das Núpcias Celestes, começou a desagregar-se.
O Sistema de Controle do Mental Humano quase tomou fim, com o desaparecimento das Linhas de Predação.
Mas vocês vivem, todos, ainda, talvez, Linhas de Predação que lhes são pessoais – em suas relações, em suas afeições, em seu trabalho, em sua consciência, mesmo ilimitada.
Mas, quando vocês descobrem, quando vivem o que vocês São (ilimitado, multidimensional), vocês não se colocam mais a questão de estar em tal lugar ou tal lugar, porque sua consciência é multilocal (é a melhor expressão que eu posso encontrar): vocês não são tributários de qualquer Dimensão, de qualquer forma, vocês não são tributários do que quer que seja.

Agora, se querem, como consciência, experimentar tal Dimensão ao invés de outra, porque isso vai dar-lhes prazer, como escolher tal prato no restaurante ou tal outro prato (o que é um mau exemplo, a alimentação; eu ia tomar o cinema, mas é a mesma coisa, é um mau exemplo, são imagens, portanto, vou fazer-me espancar por IRMÃO K, concernente à imagem e à visão, e por algumas Estrelas, portanto, não vale a pena).
Vamos mudar de exemplo: imaginem que vocês tenham a escolha entre tomar tal estrada e tal estrada.
Agora, se vocês têm, também, a escolha de considerar que não existe estrada, mas, então, vocês podem viver isso no mesmo... como dizer? Não é o mesmo tempo, o mesmo espaço: mas de maneira simultânea.

É por isso que nós dizemos, sempre, que estamos em vocês.
Mas nós não somos entidades exteriores que se desfizeram em vocês: nós somos vocês, totalmente, realmente, concretamente.
Apenas a personalidade é que não pode vivê-lo.
E não é porque eu o digo, aqui, que vocês o vivam, necessariamente.
Mas é preciso, já, ter a oportunidade que sua Atenção – e, portanto, sua consciência – esteja dirigida para isso.

É o mesmo princípio – se querem – que todos aqueles que escrevem, hoje, sobre o tempo presente.
É, exatamente, o que fez ANAEL, com Hic e Nunc (Aqui e Agora).
Aqui e Agora não é uma finalidade: é um meio de viver o Ponto ER, e de viver o Centro, é tudo.
Mas não é a finalidade.

Do mesmo modo, a finalidade da consciência, não há uma: a Consciência é a Consciência, ela é a interface, é a manifestação, é a expressão.
Qualquer que seja o estágio Dimensional, nós temos dito que vocês não São essa consciência (quer ela esteja aqui ou alhures).
A Consciência é a manifestação.
Mas a a-consciência não é desprovida de percepção: simplesmente, essa percepção é indiferente de qualquer forma, de qualquer história, de qualquer Dimensão e, eu diria, mesmo, de qualquer Fonte: é o momento em que vocês São, vocês mesmos, a FONTE.
É o CRISTO que disse: «eu e meu Pai somos UM; eu sou o Alfa e o Ômega».

Portanto, quando vocês são Alfa e Ômega, por que querer pôr-se no Alfa ao invés do Ômega?
Vocês são tudo isso, ao mesmo tempo, no mesmo – ainda uma vez, não é o termo exato – espaço-tempo, ou seja, de maneira simultânea, uma vez que não há desenrolar do tempo.

É claro, eu repito, vocês tiveram – muitos de vocês, agora – a revelação de algumas de suas Linhagens.
Mas o objetivo não é dizer-lhes: «você vem de Sírius? Prazer! Eu moro na rua do Paraíso, em tal lugar, em Paris».
O que isso vai mudar, saber que vocês vêm daí, em relação ao que vocês São?
Em relação ao que vocês manifestam: sim, é claro, porque as circunstâncias de vida em tal rua não são as mesmas que em tal outro país.
É a mesma coisa para a Consciência, mas são, sempre, aspectos da Consciência.
Portanto, não se coloquem mais esse gênero de questões.

Nós os temos convidados, eu repito, para portar sua Atenção, como para Hic e Nunc.
Porque as Linhagens, por exemplo, são agentes estabilizadores dos elementos, não mais ao nível da Coroa da cabeça, mas, diretamente, no peito, e, em seguida, em todo o corpo, e, em seguida, em toda a Consciência.
É tudo.

Questão: aqueles que viverão a Liberação poderão ajudar seus próximos?

Lembrem-se: essa noção de ajuda é muito, como dizer..., não é uma prova de que vocês são duais, mas é uma prova de que vocês estão contaminados por essa noção de dualidade ação/reação.
Porque há um evento que sobrevém (qualquer que seja o evento, não é específico à Ascensão, à Liberação: um evento imprevisto sobrevém), então, ao nível do humano, é claro, ao nível da humanidade (da própria humanidade, do social, do espiritual), vocês têm essa noção de ajuda, de acompanhar, de servir, de amar.
E vocês chamam a isso «amor», aliás.
O que é, de seu ponto de vista, perfeitamente exato.

Mas, se vocês viveram o Amor Vibral, sabem que o amor afetivo, o amor romântico, o amor ideal e o Amor Vibral, isso nada tem a ver.
Mas, enquanto vocês não o vivem, o Amor, para vocês, é o que vocês vivem.
Portanto, não é o Amor Vibral.
Agora, do mesmo modo, lembrem-se de que é a Luz que faz o trabalho, ou seja, a um dado momento (e isso se junta a uma das questões precedentes), quando as diferentes etapas do Choque da Humanidade tenham chegado à sua extremidade, há aceitação.
Vocês não podem ajudar outra pessoa.

Agora, lembrem-se: é sua Transparência que ajuda a Terra não, unicamente, a proximidade ou um laço afetivo.
A ação, quando vocês se imergem – seja em Samadhi, seja em sua própria Dissolução, no Absoluto, quando o corpo não aparece mais, quando a consciência não aparece mais e vocês continuam aí – não é nem o sono, nem o Despertar, nem o Acordar: é outra coisa.
Será que vocês têm necessidade do que quer que seja?
A Luz, o retorno da Luz é isso.

Portanto, é claro que, no momento vindo, vocês terão outra coisa a fazer do que ajudar um próximo, uma vez que estarão – eu os lembro – todos em estase, ou seja, na incapacidade de controlar o que quer que seja desse corpo (um pouco, se querem, como eu exprimi ou o que exprimiu, também, ela mesma, ainda hoje, MA ANANDA MOYI, concernente às experiências de vida dela) (ndr: intervenção de MA ANANDA MOYI, de 1 de dezembro de 2012).
E olhem: nós atraímos, cada vez mais, sua Atenção: tudo está no interior de vocês.

Até o presente, nós temos feito paralelos com o exterior, com o que vocês viviam, com o que viviam outras pessoas, que outros Irmãos e Irmãs não viviam.
Hoje, nós lhes dizemos: parem tudo isso, fiquem «Tranquilos», como eles lhes dizem, sem parar, outros Anciões.
Escutem, mas não procurem.
Acolham, mas não se projetem, nem no futuro, nem em um cenário.
Vivam esse Instante Presente, mas não, unicamente, para comprazer-se no Instante Presente e para observar-se no Instante Presente, porque o Instante Presente (Hic e Nunc) é um dos melhores modos, hoje, de desaparecer.
E, quando vocês tiverem desaparecido, para vocês, o mundo não existe mais, assim como sua pessoa não existe mais: aí, vocês têm não uma convicção, não a fé, mas vocês viveram a Infinita Presença ou, então, Absoluto.

Naquele momento, mas vocês sabem que reencontraram a Eternidade.
É claro que o coração – no sentido humano – vai querer fazê-los mostrar, demonstrar – mesmo sem qualquer poder, mesmo sem qualquer ascendência – o que vocês São.
É lógico, porque vocês querem que os Irmãos e as Irmãs vivam como vocês, vivam essa Liberação, essa Alegria fantástica.
Mas vocês não podem levá-los ali.
Vocês podem, no limite, abrir-lhes o terceiro olho, mas vocês os manterão na ilusão.
Vocês podem dedicar a eles boas palavras, mas essas boas palavras não são a Transformação.

Esse basculamento é iminente, eu os lembro: iminente, em termos terrestres (eu o repito porque, depois, vão dizer que a iminência pode durar anos).
Não há iminência quando vocês São Absolutos, quando Estão na Infinita Presença, isso pode durar milhares de anos de termos Terrestres: vocês não são mais concernidos pela ilusão.
Eu tento dizer, de outro modo, tudo o que disse BIDI, em relação ao ponto de vista, à mudança de olhar e à Refutação.

Mas, agora, como ele mesmo disse, não é mais tempo para refutar: é tempo para Viver isso, porque está aí.
Não se dispersem.
Ficar Tranquilo é, também, isso.
Não vão ler livros sobre a Kabala, não vão realizar rituais com velas ou o que quer que seja.
Permaneçam no Centro.
Encontrem-se, a Si mesmos: tudo ali Está, muito mais facilmente do que antes e, a cada dia, é cada vez mais fácil.
Mas, se vocês passam seu tempo a desperdiçar esse tempo que resta, ao nível humano, a projetar-se à esquerda e à direita, como vocês querem ter o tempo de encontrar, realmente, seu Íntimo, ou seja, sua Eternidade?
Que não depende, de modo algum, de nada.
Exceto, efetivamente, a facilitação, pela Descida do Espírito Santo e pela Subida da Onda de vida e pelo Canal Mariano, por nossas Comunhões, é claro.
É isso o mais importante.
É por isso – como eu disse, e como isso foi dito – que MARIA podia falar-lhes: ela pôde aproximar-se dos seres.

Vocês não tiveram necessidade nem do Canal Mariano, nem do Autres Dimensions, alguns de vocês, para ter contatos com MARIA e, mesmo, de palavras e, mesmo, de discussões (ou de outras Estrelas, pouco importa).
Mas, se havia apenas isso, para que isso serve?
Para nada.
Porque MARIA pode falar-lhes durante milhares de anos: há uma voz que vai falar-lhes, mas será que isso vai bastar para Transformá-los?
Não.

Isso pode incitá-los – o que se chamou, em uma época, dar-lhes um Impulso – mas a finalidade não é isso.
A finalidade é, efetivamente, a Liberação.
E alguns de vocês viveram a Liberação, por antecipação de um bilionésimo de segundo.
Não para testemunhar o que vocês vivem – mas vocês não terão as palavras, é muito difícil –, mas, simplesmente, sua Presença tem uma ação de Irradiação, pela Transparência, no mundo.

Então, é claro, se vocês são – como em uma questão precedente – confrontados a uma violência, a Luz incomoda.
E aquele que está, ferozmente, oposto à Luz, ou seja, que se inscreveu na personalidade, inscrita entre o nascimento e a morte, dizendo que o resto não lhe concerne, absolutamente (sem, necessariamente, ser alguém que esteja no ego, que esteja no poder, mas, simplesmente, a expressão de uma personalidade: ela vai mandá-los passear.

Daí podem resistir fenômenos difíceis, porque vocês estão na aceitação e outros ainda não viveram a negação.
Outros estão na negociação ou na cólera, enquanto vocês estão na aceitação: vocês não podem entendê-los.
Vocês não podem interagir, nem pelas emoções, nem pelas palavras.
Há apenas a possibilidade de Comunhão, e vocês observam, ao seu redor que, independentemente dos Duplos, as Comunhões de Irmãos a Irmãs produzem-se, agora, espontaneamente: vocês nada procuram, nada buscam, nada pedem, e isso lhes cai em cima.

O que é que vocês fazem, nesse caso?
Ou vocês vão para a Luz, ou resistem.
É tão simples assim, e é para tudo similar.
Portanto, se vocês se contentam de não mais ser nada, para Ser Tudo, ou seja, a Luz, vocês não se colocam mais a questão de querer agir sobre tal ser ou tal ser: é a Graça, é o Espírito Santo, se preferem (é o CRISTO, como disse Mestre PHILIPPE) que age.
É tudo.

Questão: pode-se ajudar o outro, unicamente pela irradiação, quando se é Transparente?

Mas quem Irradia?
A Luz Irradia: ela circula por toda a parte.
O que faz obstáculo à Luz é a pessoa, nada mais.
A Transparência – e o exemplo foi tomado – é o prisma ou o cristal: ele deixa passar a Luz.
Mas vocês veem um cristal parar a Luz, vocês veem um cristal mudar a Luz como ele tem vontade?
A Transparência é isso.

Não confundir a irradiação de uma pessoa com a Irradiação da Transparência.
Será que, em sua vida, no momento em que TERESA (ndr: DE LISIEUX) era uma jovem, será que vocês creem que as Irmãs, que estavam confinadas com ela, consideravam-na como uma Santa?
Não, elas a consideravam – como ela mesma diz – como sua pequena escrava, para tudo fazer.
E ela teve tanta Humildade que jamais recuou em relação a isso.
E foi assim que ela encontrou o que ela Era e, certamente, não recusando circunstâncias que ela mesma, ainda por cima, havia escolhido.
A Transparência e a Infância é isso.

E, aí, o que Irradia é a Luz, não é, mesmo, mais, a consciência: é isso a Transparência.
De fato, há duas transparências: há a transparência da personalidade (que quer obedecer a regras morais, sociais ou de comportamentos), há a transparência nas palavras (mas vocês sabem o que é apenas a transparência de palavras), e há a Transparência da Infância, que é espontânea, que é ligada à Inocência e ao caminho da Infância e ao fato de que não existem Véus.

Eu creio que foi IRMÃO K que lhes havia falado dos últimos véus (ou SRI AUROBINDO, há alguns meses), que falou, de maneira extremamente precisa, desses diferentes Véus (ndr: ver, em especial, sobre esse assunto, as intervenções de IRMÃO K, de 1 e 20 de julho de 2012).
O Véu faz obstáculo à Irradiação.
O Véu mantém a opacidade.
Quando os Véus são retirados, o que acontece?
A Irradiação aparece, a Vibração.
Mas há, ainda, uma etapa: é considerar o que vocês São, na Eternidade, no coração do Coração que, eu os lembro, não é, mesmo, um chacra: é um Ponto que eu poderia nomear virtual (quer vocês o coloquem no coração ou no nono Corpo, aqui, isso não tem qualquer importância, mas é, de qualquer forma, localizado).
Mas esse Ponto não é localizado, unicamente, nesse corpo: é o Ponto de sua Imortalidade.

Então, eu sei que os Irmãos orientais haviam chamado a isso a gota vermelha, a gota branca (os hindus haviam chamado a isso o corpo búdico e o corpo átmico).
Revelar o corpo átmico e o corpo búdico põe-nos nesse estado de Transparência, mas não é preciso parar na noção de irradiação.
É claro que vocês irradiam, mas o que é que irradia?
A Luz que passa através de vocês, ou a pessoa?

Enquanto vocês creem que emitem o Amor, vocês não podem ser Amor, no sentido Vibral (isso se junta a todas as noções de Samadhi, a tudo o que lhes foi explicado sobre a consciência Turiya, há algum tempo ou, ainda, Shantinilaya ou Sat Shit Ananda, ou tudo o que foi desenvolvido: é a mesma coisa).

A Transparência de que eu falo é tornar-se um prisma tão transparente que nada, em vocês, há que faça obstáculo à Luz.
É assim que vocês desaparecem, e que o mundo desaparece (é o que eu chamei, à época, o «planeta grelha»).

Alguns de vocês já desapareceram: eles são Absolutos.
Eles mantêm uma forma, portanto, eles são tributários dessa forma, mas não são mais afetados com isso.
Eles descobriram o que eles São.
Mas essa descoberta é tão simples!

Aliás, isso corresponde a uma frase que vocês todos conhecem: quando os deuses se reuniram, eles disseram: «onde é que se ia esconder a divindade do homem? No Interior dele: era o único lugar no qual ele não procuraria, jamais».
Isso funcionou, perfeitamente.

Então, eu não falo, unicamente, aqui, de interiorização.
Eu não falo, aqui, unicamente, do Fogo do Coração ou das Coroas Radiantes: eu falo da a-consciência ou da Consciência Final (se preferem, também: a Infinita Presença).
É nesse estado que vocês são Transparentes, mas, enquanto não tenham vivido esse tipo de Transparência, não podem, mesmo, representá-la.

Então, eu a representei, isso lhes foi dado através da imagem do cristal, do prisma, o que quer que o cristal desvie a luz (mas o prisma não a desvia).
No entanto, se vocês olham um cristal de chumbo e (ou um cristal de silício, pouco importa), vocês têm a matéria opaca: o chumbo (o silício amorfo, a areia) que se torna transparente sob a ação do calor.
Vocês vão tornar-se Transparentes sob a ação do Fogo do Amor, quer vocês queiram ou não.
Depois, vocês fazem o que quiserem.

Em resumo, e tomado diferentemente: a Irradiação do Coração é ligada ao Fogo do Coração.
Houve a abertura da Porta Posterior do Coração (ou, se preferem, o que se chama, em algumas tradições: a câmara posterior do coração), que é ligada a METATRON, a KI-RIS-TI, e que abriu a porta das costas.

Em seguida, há alguns pontos – eu os lembro – que foram ativados pelo que foi nomeada a Merkabah interdimensional coletiva, que é ligada à ativação da Nova Tri-Unidade (é velho, agora, hein?, isso remonta há mais de dois anos, era setembro de 2010, muito precisamente).
Tudo isso é antigo.

O que vocês vivem, hoje, não é mais a Irradiação de seu ser Consciente: geralmente, quando as Asas Etéreas ou a porta Ki-Ris-Ti está aberta, e o Triângulo da nova Tri-Unidade está constituído, que o fim da predação cessou (não mais dos dois primeiros chacras, mas do Eixo ATRAÇÃO/VISÃO), o que é que vocês descobrem?
A Transparência.
Ou seja, que a fonte da Irradiação, como você diz, não é mais seu Coração, mas é a Luz.
Ou seja, o que você É: você desapareceu para esse mundo e tornou-se o Tudo (ou o nada: chame como quiser).

Questão: você falou de ofertas de contratos: a quais empregos podem-se postular?

Oh, ser Liberador de mundo, é muito apaixonante.
O único problema é que é preciso penetrar, do Interior, esse mundo, para disso ter o hábito.
Portanto, isso necessita um pequeno retorno no confinamento, mas nada de muito desagradável: isso dura apenas alguns milhares de anos.

Questão: é, frequentemente, dito que nos será feito segundo nossas Vibrações e, ao mesmo tempo, que se fará o que se quiser.
Como se situa, então, a noção de escolha?

Mas não há escolha.
As escolhas, há muito tempo que expiraram.
Há a Liberdade.
A Liberdade não é uma escolha: é uma evidência.
Depois, você faz o que quiser.

Quando eu digo: «você faz o que quiser», eu não me dirijo à sua pessoa (que deve desaparecer), eu me dirijo ao que você É.
Você recebe o que eu lhe digo no lugar no qual você mesma está situada.

Quando vocês São Livres, não há escolha: vocês vão aonde quiserem, uma vez que vocês São todas as escolhas ao mesmo tempo.
Se você tenta, com sua cabeça, representar-se o que isso quer dizer, isso nada quer dizer.
Vocês viveram, durante as Núpcias Celestes, antes e depois, diferentes tipos de escolhas que eram ligadas, efetivamente, à Consciência, à Vibração.

Agora, o que é que eu lhes digo?
Eu nada digo além de: o modo pelo qual vocês vivem o que há a viver, a partir de hoje e agora (ou seja, seu Choque e o Choque da Humanidade), o modo pelo qual vocês o vivem vai não condicionar, mas orientar o que vocês São ou o que creem ser (mas vocês terão a reminiscência do que vocês São; portanto, naquele momento, a questão não se colocará, mesmo).

A escolha é ligada a uma possibilidade ou a outra ou a várias possibilidades.
Mas, quando você tem todas as possibilidades, de maneira conjunta e comum (no mesmo espaço, não tempo, mas, sensivelmente, a mesma coisa, para vocês, ao nível significado) por que é que você se preocuparia em confinar-se, a si mesma, em tal Dimensão ou em tal forma, uma vez que não há mais confinamento?
É o problema da consciência, aqui (aí, onde todos estivemos e onde vocês estão, ainda): é crer que a consciência é tributária de uma forma, crer que a consciência é tributária de um mundo.

A Consciência é Livre.
Ela é, mesmo, Livre de desaparecer: é o que você É, em Verdade.
Portanto, o que é que se torna a escolha aí?
Ela é obsoleta.
A escolha era a colocar, efetivamente («ser-lhes-á feito segundo sua Vibração») em todo esse período preparatório que foi vivido (sejam as Núpcias Celestes, as Núpcias Cósmicas, as Comunhões, as Dissoluções, as Deslocalizações, o Canal Mariano ou a Onda de Vida).
Mas, eu repito, se, em você – ou alguém outro – não há vivência, por exemplo, da Onda de Vida: isso nada lhe diz, a Onda de Vida.

Lembrem-se de que sempre foi dito que vocês não podem decidir, para a Onda de Vida: ela sobe ou ela não sobe, em função de seus próprios medos, que são inscritos nos dois primeiros chacras, no Eixo ATRAÇÃO/VISÃO.
A noção de escolha era uma escolha de personalidade e, em seguida, uma escolha de alma.
Mas eu a lembro de que foi explicado, de diferentes modos, por MARIA, hoje, e, também, reespecificado por MA ANANDA (ndr: ver as intervenções de MARIA e de MA ANANDA MOYI, de 1 de dezembro de 2012), que a alma devia dissolver-se, exceto se você mesmo decida manter uma alma.

Mas, quando eu digo «você mesmo», eu não me dirijo a você como pessoa, eu me dirijo ao que você É, e que entende o que eu digo.
É isso o que foi explicado em relação à Vibração, ou ler, simplesmente, palavras, ou compreender, simplesmente, palavras.

Deem-se conta, olhem a grande maioria de nossos Irmãos e Irmãs que estão na diligência espiritual: eles reivindicam a Luz, reivindicam uma Era de Ouro, reivindicam uma melhoria.
Mas essa melhoria, essa Era de Ouro concerne a quê?
É claro, à preservação da pequena pessoa, como por acaso.
Porque eles são incapazes de ver-se, de representar-se, de viver o que eles São, fora dessa forma.
Portanto, eles são tributários dessa forma e quereriam, efetivamente, apropriar-se da Luz nessa forma, mas isso não é possível.

A maior das dificuldades, para a consciência, quer concirna tanto àqueles que tiveram a possibilidade de viver a Existência no Sol, quer seja para aqueles que vivem Comunhões, que, eu os lembro, são independentes da Onda de Vida (na Comunhão, não há uma escolha, há uma ressonância que se cria, uma irradiação, uma alquimia específica, que tem efeitos, como o Reencontro com as quatro Linhagens ou os quatro Elementos, mas é tudo): não há que escolher tal elemento ou tal outro Elemento, tal forma ou tal outra forma, uma vez que vocês são Liberados.

Ser-lhe-á feito, exatamente, de acordo com o que você crê, ou ao que você Vibra, ou ao que você É, no Absoluto.
É tudo.
É por isso que a Liberação concerne a todo mundo.
Mas a vivência dessa Liberação e o que acontece depois é diferente.
Mas o mais importante não é saber aonde vocês vão.
O mais importante é ser Liberado.

Não temos mais perguntas. Agradecemos.

Bem, caros amigos, vou dar-lhes todo o meu Amor, todas as minhas Bênçãos.
Sejam o que vocês São, porque vocês já o São, quaisquer que sejam as circunstâncias desse mundo, qualquer que seja o planeta grelha.
O planeta grelha é a egrégora coletiva da humanidade, a alma humana coletiva (da qual foi feita referência por MA ANANDA), que é chamada a dissolver-se.

Agora, se vocês querem manter uma alma, vocês a manterão.
Mas vocês não serão mais afetados a uma forma congelada, confinada: a Reconexão à Luz assinala o Retorno à Eternidade (mesmo se vocês desejem manter uma multidão ou uma infinidade de efêmeros).

Mas, eu repito, eu quero dizer, com isso, simplesmente, que é o que você É que é importante: não é o que você crê, não é um destino, não é, mesmo, mais, uma Vibração (mesmo se, efetivamente, as Vibrações tenham ajudado, amplamente, a Ser o que você É, passando, justamente, pelo Si).
Mas, hoje, há Irmãos e Irmãs que, de um dia para o outro, no espaço de um minuto, reencontram-se Absolutos.

Qual é a característica do Absoluto?
Não é ser – eu diria – mais irradiante, manifestar mais sociabilidade ou mais carisma.
É saber o que você É, mas de maneira íntima, vivida (não através de uma história do que você tenha sido, em uma vida passada, porque isso concerne apenas a esse mundo e ao que você É, em Verdade.
Eu lhes transmito todo o meu Amor, e eu lhes digo, certamente, eu também, até a próxima semana.

Eu lhes digo até muito em breve.
Todo o meu Amor está com vocês.
Bênçãos a todos.
__________________________________
NDR:
Ponto ER da cabeça: sobre a fonte do topo da cabeça, no cruzamento da linha que passa pela ponta das duas orelhas e da linha que passa pelo nariz e o occipital.

Ponto ER do peito: no eixo do esterno, em sua parte superior, acima do chacra do Coração, sobre a protuberância esternal, chamada ângulo de Louis.

HIC: dois dedos acima da ponta da orelha esquerda.
NUNC: dois dedos acima da ponta da orelha direita.

Triângulo da nova Tri-Unidade
KI-RIS-TI: entre as omoplatas, a meia altura (sob a quinta vértebra dorsal). Raiz do chacra do Coração.

Porta ATRAÇÃO: chacra do baço – uma largura de mão sob o seio esquerdo (o chacra do baço é elíptico, a posição simétrica ao chacra do fígado convém, perfeitamente, aqui).

Porta VISÃO: chacra do fígado – uma largura de mão sob o seio direito.
___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

3 comentários:

  1. Concentrar-se naquilo que Somos, não distrair-se com efemeridades de 'ajuda', para esse tempo final, de ilusões e muletas.

    "Permaneçamos no Centro".

    'Aqui, não tem bom' rs. Se no primeiro momento, acreditamos, que melhorando, poderíamos, agir, ajudar, Agora sabemos, que não é assim, que nada disso acontece, por nós. O que é feito, é pelo Cristo, Espírito Santo, pela Luz, de nós nada mesmo, rs

    Aguardemos, na Paz, a próxima.
    Noemia

    ResponderExcluir
  2. MSG de rara profundidade!!! Trechos dos mais destacáveis:

    Mas a a-consciência não é desprovida de percepção: simplesmente, essa percepção é indiferente de qualquer forma, de qualquer história, de qualquer Dimensão e, eu diria, mesmo, de qualquer Fonte: é o momento em que vocês São, vocês mesmos, a FONTE".

    Portanto, é claro que, no momento vindo, vocês terão outra coisa a fazer do que ajudar um próximo, uma vez que estarão – eu os lembro – todos em estase, ou seja, na incapacidade de controlar o que quer que seja desse corpo.

    E, quando vocês tiverem desaparecido, para vocês, o mundo não existe mais, assim como sua pessoa não existe mais: aí, vocês têm não uma convicção, não a fé, mas vocês viveram a Infinita Presença ou, então, Absoluto.

    Esse basculamento é iminente, eu os lembro: iminente, em termos terrestres (eu o repito porque, depois, vão dizer que a iminência pode durar anos). Não há iminência quando vocês São Absolutos, quando Estão na Infinita Presença.

    Quando eu digo: «você faz o que quiser», eu não me dirijo à sua pessoa (que deve desaparecer), eu me dirijo ao que você É. Quando vocês São Livres, não há escolha: vocês vão aonde quiserem, uma vez que vocês São todas as escolhas ao mesmo tempo.

    Ser-lhe-á feito, exatamente, de acordo com o que você crê, ou ao que você Vibra, ou ao que você É, no Absoluto.

    ResponderExcluir
  3. "Quando vocês vivem, realmente, o que vocês São, e não são mais influenciados por qualquer ilusão, por qualquer egrégora e por qualquer Sistema de Controle do Mental Humano, vocês se Liberam do conhecido. E é aí que se encontra a Verdade. Mas Liberar-se do conhecido - percorrer o que não é mais um caminho, mas uma Verdade - não depende de um Absoluto ou não:
    O Absoluto sustenta toda manifestação.

    "A FONTE é oriunda - se se pode dizer - do Absoluto: é a primeira emanação. Portanto, como primeira emanação, como primeira manifestação, é perfeitamente lógico chamá-lo a FONTE.
    Então, vocês podem, também, chamá-lo o Pai, ou a Mãe, pouco importa, ou o Filho, isso não tem qualquer importância: são apenas palavras. Mas há um Ponto focal, eu diria (qualquer que seja o nome que vocês lhe deem), de onde tudo provém e para onde tudo volta.

    "A Consciência, ela é a interface, é a Manifestação, e a Expressão.
    "Mas a a-consciência não é desprovida de percepção: simplesmente, essa percepção é indiferente de qualquer forma, de qualquer história, de qualquer Dimensão e, eu diria mesmo, de qualquer Fonte:
    É o momento em que vocês São, vocês mesmos, a FONTE. É o CRISTO que disse: "eu e meu Pai somos UM; eu sou o Alfa e o Ômega".

    "Não é mais tempo para refutar: é tempo para
    VIVER ISSO, porque está aí.
    "Permaneçam no Centro. Encontrem-se, a Si mesmos: tudo ali Está.
    "Vivam esse Instante Presente. ... Porque o Instante Presente é um dos melhores modos, hoje, de desaparecer. E, quando vocês tiverem desaparecido, para vocês, o mundo não existe mais, assim como sua pessoa não existe mais: aí, vocês têm não uma convicção, não a fé, mas vocês viveram a Infinita Presença ou, então, Absoluto.
    Naquele momento, vocês sabem que Reencontraram a Eternidade.

    "Mas, hoje, há Irmãos e Irmãs que, de um dia para o outro, no espaço de um minuto, Reencontram-se Absolutos.
    "Sejam o que vocês São, porque vocês já o São.




    ResponderExcluir