Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

2 de jul de 2016

O IMPESSOAL – Q e R – Parte 1

O IMPESSOAL « UM-Pessoal»
Questões-Respostas
Primeira Parte
Junho de 2016


Meu amigo, meu irmão, neste dia, nós acolhemos, juntos, você e eu, suas próprias interrogações e seus próprios questionamentos.
Eu esclareço, contudo, que as respostas situar-se-ão fora de sua pessoa.
Qualquer que seja sua questão, eu iluminarei, se posso dizer, o porquê dessa questão.
Além da resposta, eu o convido, assim, a formular-se, a si mesmo, sua própria questão, para mostrar-se que, em sua formulação existe, já, a resposta.

Permita-me, em primeiro lugar, estabelecer-me em seu coração, em sua voz e em sua paz.

… Silêncio…

Assim, nesse estado e nessa Presença, escutemos, juntos, sua primeira questão.

Questão: se o Apelo de Maria tivesse ocorrido em 2012, as fases ulteriores – atribuição vibral, retorno coletivo do feminino e do masculino sagrado – não teriam sido realizadas.
O ato final teria podido ocorrer sem essa finalização?

Meu amigo, meu irmão, nessa questão você se coloca, a si mesmo, a questão da linearidade, da sucessão, da lógica e da finalização.
Em qualquer dia que se situe o que você nomeia o Apelo de Maria, tudo o que foi anterior é varrido e não tem mais sentido.
Assim, portanto, essas etapas ulteriores adaptaram-se, por si mesmas, às circunstâncias.
Essas finalizações de que você fala poderiam, efetivamente, durar o tempo – de seu tempo – necessário à obtenção do estado propício à recepção desse Apelo.
Assim, portanto, a finalização não são as etapas intermediárias e não está por trás de preliminar a essa última, mas, bem mais, assim como você sabe, depende do que não vem do tempo e que se adapta, justamente, ao seu tempo da Terra.

Não há, portanto, etapas definidas ou predefinidas.
Elas foram desenvolvidas em função da observação dos movimentos da consciência, individual, coletiva, em seus aspectos limitados ou ilimitados, o que dá a viver a emergência desse encontro entre o efêmero e o Eterno, que se traduz por certo número de conceitos, certo número de vivências.
Isso, vocês todos sabem, foi nomeado masculino sagrado, feminino sagrado, Coro dos Anjos, atribuição, Espírito do Sol.
O importante não é a sucessão dessas etapas, mas, sim, como você mesmo assinala, a própria finalização.
Ora, a partir do instante em que seu coração está colocado ao centro dele mesmo, a noção temporal, a noção de etapas, a própria noção de atribuição nada mais quer dizer.

É preciso apreender, também, que, para alguns irmãos e irmãs e amigos, essas etapas e esse tempo acrescentado permitiu e permite, ainda hoje, estabilizar ainda mais a Luz nesse plano em que você está, o que permite, a cada dia de seu tempo, ganhar cada vez mais amigos e irmãos ao retorno à Liberdade, sem traumatismo.
Assim, portanto, todas essas etapas, manifestadas e vividas a partir do ano nomeado 2012, permitiram aumentar o número de amigos e de irmãos que tocam o Coração do Um de diversos modos, afinando, assim, a noção de preparação, mas eu insisto no fato de que você não tem qualquer necessidade, e cada dia que passa confirma-lhe isso, de qualquer preparação, de qualquer exercício.
Só a consciência colocada na pessoa e no observador acredita ver desenrolarem-se etapas preliminares à finalização.

A finalização, como você a nomeia, teria podido sobrevir bem antes do ano 2012.
Compreenda bem e apreenda que o tempo é uma necessidade imperiosa da falsificação.
A saída do tempo não tem, em momento algum, que ser esperada em relação a uma finalização e uma data posterior.
A partir do instante em que você mesmo se coloca na busca da «data» – que ninguém conhece –, você mesmo se coloca em defasagem do instante presente.
Assim, portanto, os fluxos e os refluxos da consciência coletiva entre o efêmero e o Eterno permitem, a cada dia, em termos terrestres, solidificar o aparecimento da Luz para que o que é invisível torne-se visível, para o maior bem comum de cada um.
Essas etapas intermediárias são o resultado do ajuste do efêmero ao Eterno, preliminar ao desaparecimento dele, quer seja em seu nível, quer seja ao nível do conjunto da consciência coletiva da Terra e das consciências que ai estão presentes.

Ser-lhe-ia facultado, durante este ano, ou em qualquer outro ano, constatar, por si mesmo, o aparecimento de novas etapas, enquanto elas pareçam necessárias à própria consciência, não em sua individualidade, mesmo fora de qualquer pessoa, mas, bem mais, da interação do conjunto de consciências presentes na superfície da Terra.

Essas etapas constroem-se por si mesmas, pela lógica da sobreposição, e é o resultado direto dela.
A partir do instante em que a Terra foi liberada em uma data precisa, identificável por inúmeros de vocês pela liberação e a subida da Onda de Vida, a finalização, como você a nomeia, teria podido produzir-se a partir daquele instante.
Nós descobrimos, de onde estão os Anciões, de onde estão as Estrelas, de onde estão os povos da natureza, as etapas que se desvendam, mas nenhuma dessas etapas era preliminar à finalização, mas resulta, diretamente, da interação dos planos na consciência coletiva não, unicamente, humana, como eu disse, mas do conjunto de consciências presentes na Terra.

… Silêncio…

Uma vez a resposta em palavras, portada à sua consciência, encontra-se o instante da resposta do Silêncio, que nada mais é que o eco e a ressonância que foi aportada ao seu coração.
Escute a ação do silêncio.
Escute essa resposta tão plena, portada pelo Amor, que emana de seu coração.

… Silêncio…

E não se esqueça, qualquer que tenha sido sua interrogação e qualquer que tenha sido a resposta que eu venha aportar, de que tudo depende de você e unicamente de você.
Não na consciência coletiva da Terra, mas em sua própria resposta que você aporta, na sequência ao impulso das etapas intermediárias, mesmo em sua consciência.
Assim, cada um de você é diferente e posiciona-se em função do que é necessário e útil ou, então, completamente inútil no que foi dito, proposto e vivido.
Assim, o conjunto dessas etapas preliminares, em qualquer nome e em qualquer vivência que seja manifestado para cada um de você, põe-no em ressonância, em adequação ou em inadequação.
Se você mesmo está liberado de toda pessoa, você já viveu, sem o saber, todas essas etapas, em um tempo anterior ao ano 2012 de seu tempo terrestre.

Se, contudo, parece-lhe viver isso hoje, tal como nós o descrevemos, em seu coração, então, é que isso era necessário para você.
Mas compreenda que você não depende de qualquer tempo exterior nem de qualquer data e, em definitivo, de qualquer preparação; só a pessoa pode experimentar a necessidade disso.
Só a alma, em curso de dissolução ou de resolução, pode, também, imprimir, em sua consciência, a necessidade disso.
Para aquele que é liberado, isso não é útil nem importante, mas permite reforçar – não para ele, mas para cada um de você – o fluxo de Luz trocado, partilhado e vivido.

… Silêncio…

Outro questionamento.

Questão: você pode falar-nos do eventual recrudescimento de atividade do terceiro olho?

Meu amigo, meu irmão, muitos elementos, muitas vibrações ligadas a diversas fontes, todos unidos na Unidade, nomeados há numerosos anos pelo Arcanjo Miguel, permitiram viver na escala de cada um de você e, portanto, em parte, em certa forma de coletivo, os eventos.
No que se produz neste dia, tudo isso se aproxima da vacuidade do Coração do Coração, do desaparecimento, da dissolução e, em definitivo, a resultante disso é a paz, bem maior, obtida, hoje, por cada um de você.

… Silêncio…

Você pode, meu irmão, meu amigo, reiterar a questão?

Questão: você pode falar do eventual recrudescimento de atividade do terceiro olho?

Bem amado, meu irmão, meu amigo, o afluxo de irradiações que eu acabo de evocar traduz-se por um impulso ao realinhamento e à reversão do que é, ainda, nomeado o terceiro olho, que permitiu, justamente, para muitos de você, viver a vivência de sua origem e de suas linhagens.
Nesse processo existe, efetivamente, o que você nomeia uma reativação do terceiro olho, mas que está, novamente, funcional, diretamente, no lugar e não mais ao inverso.
Isso significa que o que pode ser visto pelo mecanismo nomeado, anteriormente, o terceiro olho, não corresponde mais, propriamente dito, ao terceiro olho, mas, sim, à fusão alquímica do sexto e do sétimo chacra, o que dá, efetivamente, uma forma de visão, mas que não é mais ligada ao que você nomeia, ainda, terceiro olho, mas, bem mais, ao que foi evocada e nomeada a visão interior e a visão do coração, mesmo se ela pareça projetar-se no olhar da zona de seu corpo que corresponde ao terceiro olho.
Não se trata mais do terceiro olho, a partir do instante em que o Triângulo de Fogo tenha, pelo menos, revertido uma vez, durante todos esses anos.

Assim, portanto, a clarividência ligada ao terceiro olho nada mais tem a ver, hoje, ao que foi nomeada a visão astral, mas junta-se, diretamente, ao princípio dos arquétipos inscritos em seu sétimo chacra, que se revelam ao nível do sexto chacra, que nada têm a ver – exceto as linhagens, exceto sua origem – com qualquer visão astral, mas que se referem, diretamente, ao que está situado, no mínimo, ao nível causal ou, mesmo, ao nível nomeado budista ou átmico.

… Silêncio…

Existem, também, numerosos outros critérios que permitem diferenciar, objetivamente, o que é vivido pelo terceiro olho do que é vivido por esse mesmo terceiro olho cuja falsificação está terminada.
Isso corresponde ao princípio de difusão e de refração na Luz.
Nos mundos astrais existe uma forma definida, com uma luz visível em torno da forma, enquanto, além desse mundo astral e ilusório, a luz está na própria forma.
Eu diria, então, que é a Luz que estrutura a forma, e que não tem necessidade de qualquer luz emanada além de uma forma apagada, uma vez que a própria forma tornou-se luminosa.

Isso corresponde à percepção, ao nível, agora, do que eu nomearia os resultados obtidos, existe, aí também, uma diferença fundamental.
A visão astral do terceiro olho, que funcionava antes da Liberação da Terra, dá informações que chamam outras informações, outros questionamentos, um questionamento que seria permanente.
A visão interior e a visão do coração, além do aspecto percebido, desencadeia, em você, uma paz inefável, o que faz com que você não seja mais mantido nem conectado, propriamente falando, ao que é visto, ao que é percebido e ao que é vivido, o que concorre, portanto, a estabelecê-lo no posto de observador ou no posto de testemunha, que não é mais implicado no que é visto, enquanto é exatamente o inverso no que foi nomeada a clarividência astral.

No conjunto de questionamentos de cada um de você, eu me situarei ao mais exato do que já lhes foi transmitido pelos Anciões, pelas Estrelas, pelos Arcanjos, pela Fonte ou por Bidi.

E lembre-se, também, de que a liberação final – que, eu o lembro, não tem necessidade de esperar, de maneira alguma, a Liberação coletiva – será tocada e vivida a partir do instante em que lhe tenha servido de quadro o mais elevado – eu quero dizer, com isso, as linhagens estelares – apagam-se por si mesmas, e deixam, de algum modo, uma tela branca ou uma tela negra, que se basta a si mesma, para viver a Liberdade.
Não há mais necessidade de informações, não há mais necessidade de visões, não há mais necessidade de interrogar qualquer plano que seja, a partir do instante em que você se aproxima do desaparecimento de toda imagem na visão interior, na visão do coração ou no que eu poderia nomear a nova visão, ligada ao antigo terceiro olho.

… Silêncio…

O que é visto, mesmo em processos ditos unitários, é, simplesmente, o que é necessário para você, para desembaraçá-lo dessas visões.
A partir do instante em que não exista mais atrativo ou atração da consciência para o que é visto, então, a visão, qualquer que seja, apaga-se, e deixa lugar para a certeza do coração, que considera, então, que não é mais necessário obter nem apoiar-se na mínima visão.

A visão, qualquer que seja, astral ou supramental, implica a existência de formas, implica a existência de cenários, implica a existência de cores e de desenrolares específicos de imagens em sua sucessão e em seu significado.
A partir do instante em que elas se apagam você constata, por si mesmo, o crescimento da Paz, da Alegria e da Liberdade interior.
Isso quer dizer, também, que se você mantém as visões por um processo consciente, você se afasta de si mesmo.
A partir do instante em que essas visões espaçam-se, atenuam-se ou desaparecem você constata, por si mesmo, o crescimento da Alegria, da Paz, da serenidade.
Assim estabelece-se a Morada de Paz Suprema.
Não há necessidade alguma de iluminação outra que não aquela de seu coração.
Não há necessidade alguma de formas, porque você é sem forma.

… Silêncio…

É nisso que você estabelece o que havia sido nomeado Sat Chit Ananda, que lhe permite estabelecer-se em Shantinilaya.

… Silêncio…

Lembre-se do que eu disse ontem: o salvador está em você, revele-o.
Enquanto você não o tenha visto e experimentado em si, ele lhe aparecerá sob os traços de uma entidade de Luz, quer seja Cristo, quer seja Buda, quer seja qualquer outro ser de Luz que esteve encarnado na Terra nos tempos mais antigos, ou que veio de outros mundos, mesmo um Arcanjo.

No momento em que os quadros, ou, se prefere, as barreiras de sua prisão desaparecem, você constata, então, que não é mais necessário construir qualquer cenário, qualquer mito, qualquer arquétipo e, sobretudo, qualquer história e qualquer visão.
A visão, mesmo interior ou do coração, está aí apenas para guiá-lo para soltar referidas visões.
É, portanto, você também, nesse nível, que decide dar o último passo e sacrificar as visões, quaisquer que sejam, para reencontrar-se a si mesmo como ser sagrado.
Você não pode opor-se às visões astrais, você não pode opor-se às visões que se manifestam pela visão interior ou a visão do coração, você pode apenas atravessá-las, aí também, sem ali parar, sem ali procurar sentido, mas acolhendo, incondicionalmente; mas, também, superando isso, simplesmente, pela não atenção e a não intenção de sua própria consciência sobre o que é visto, sobre o que é atravessado.
Mesmo se isso lhe tenha sido descrito e, em especial, para as origens estelares ou a origem galáctica, esse processo de integração, para vocês e para cada um de você, representou uma etapa importante.
Aí está, em especial uma das etapas que se produziu a partir de 2012 e da qual vocês teriam, perfeitamente, podido, cada um de você, passar, mas que, no desenrolar linear desse tempo da Terra ainda presente, permitiu-lhes aproximar-se sempre mais do Coração do Coração.

… Silêncio…

Eu completarei isso do seguinte modo: o Liberado dito Vivo não tem necessidade de qualquer mundo, de qualquer dimensão, de qualquer corpo, de qualquer história e, sobretudo, de qualquer visão, mesmo se elas possam produzir-se à vontade.
Não existe, naquele momento, para o Liberado Vivo, qualquer atração, qualquer projeção de consciência concernente ao que é visto, tanto para ele como para cada um de você.

… Silêncio…

Na Liberdade do vivo, aquele que é liberado, faz apenas celebrar o Amor, permanentemente.
Ele não tem necessidade de apoiar-se nos conceitos, nem nas imagens, nem nas visões, nem na relação, nem na comunicação, porque tudo isso se faz espontaneamente, e independentemente de toda vontade, de toda intenção ou de toda própria projeção.

… Silêncio…

Outro questionamento.

Questão: você poderia descrever as características principais do que se tornou Luz, e suas diferenças com aquele que ainda não se reconheceu, totalmente, como Luz?

Bem amado, eu posso apenas prolongar, efetivamente, o que acaba de ser dito no questionamento anterior.
Eu acrescentaria, simplesmente, isso: ao reconhecer-se, totalmente, na Luz que você é, no que é nomeado o Coração do Coração, na Última presença, na Infinita Presença, há Alegria.
Não pode existir a mínima interrogação, não sobre o sentido comum de sua vida ou sobre o que há a resolver em seu plano, mas não há qualquer interrogação sobre qualquer finalidade, sobre qualquer fim porque, a partir do instante em que você é Luz, não pode existir nem início nem fim, o que quer que aconteça ao nível coletivo nos eventos coletivos da Terra, o que quer que aconteça ao nível desse corpo ou da consciência fragmentária da pessoa, no entanto, necessária para assumir o que há a assumir no plano em que você está.
Há, portanto, uma dissociação, real e vivida, entre o que há a realizar nesse mundo e a realidade do que é vivido.

Assim é o resultado do que foi nomeada refutação, que conduz à aquiescência, à aceitação sem condição de tudo o que a Inteligência da Vida vai propor a cada um de você.

… Silêncio…

Na busca da Luz, enfim, há busca, há demanda, há projeção da consciência.
No Liberado Vivo tudo isso é possível, mas não faz mais sentido, e não está mais, portanto, na tela da consciência, mas, sim, manifestado como uma ajuda possível para aqueles de você que não estão, ainda, justamente, liberados.
Não há mais demandas porque ele está, esse Liberado Vivo, totalmente saturado de Alegria, totalmente saciado; a Luz preenche todas as faltas.
Aquele que não é, ainda, Luz, vive uma falta, mesmo se não o admita; ele vai, portanto, tentar preencher essa falta por uma projeção de consciência.
Mesmo se ela se situe em mundos unificados, ela faz apenas traduzir a não realização total de sua natureza essencial o que, eu lembro, é totalmente independente das preocupações e dos questionamentos usuais da vida na Terra, mas concerne, obviamente, ao mesmo tempo, ao que é nomeado o mundo emocional, o mundo mental, o mundo causal, no qual não existem mais questões.

Na Luz há Evidência, na Luz há saciedade, na Luz nada mais é necessário para o Espírito, para o mental, para o causal e para o astral.
Aí está a maior das diferenças.

Eu os lembro de que, até certa fase, há correspondência da consciência com a vibração, há, também, correspondência da consciência com as diferentes partes do corpo, no simbólico delas, nas funções ditas arquetípicas.
O Liberado Vivo nada procura nesse nível, mesmo se ele possa, efetivamente, ser levado a restabelecer um equilíbrio no plano corporal e nos planos etéreos, mas ele não é mais concernido por suas memórias, por suas feridas, pelos problemas do corpo, porque ele sabe, e verifica, a cada instante, que a Inteligência da Luz prevalece a toda resposta.
Se a Luz é despojada de todo o resto, em suas interrogações interiores como em suas interrogações exteriores, o mais frequentemente, de maneira geral, a Inteligência da Luz dará ou a solução ou agirá, por si mesma, sobre o que estava sofrendo, questionando ou interrogando.

Em definitivo, o Liberado Vivo não se apoia em sua pessoa em primeiro lugar, nem em seus conhecimentos, nem em sua vivência, nem no futuro, a Luz está, unicamente, no instante presente, na vacuidade, e na plenitude do coração, desembaraçado de toda atração, desembaraçado de toda necessidade do que quer que seja, o que não impede de responder às necessidades do corpo e às necessidades do outro, quando a Luz pedir.
E quem o pede, se não é você mesmo, quando você é Liberado Vivo, mas você mesmo que não se situa mais ao nível de sua pessoa, mas ao nível de sua eternidade.

… Silêncio…

Enfim, nessa questão que segue a anterior, apreenda bem que o Liberado Vivo não tem necessidade de declamá-lo, se não é, talvez, em suas primeiras fases de vivência, diante da Intensidade do desconhecido e do novo que se revelam.
O Liberado Vivo está inteiramente disponível para a Luz que ele é, mas ele não está mais disponível para ele mesmo.
Ele está disponível para a Vida, ele está disponível para cada circunstância que a Inteligência da Vida apresente a ele.
A pessoa dele não está, jamais, na dianteira da cena, ainda que ele, aparentemente, sofra, de uma maneira muito transitória porque, muito rapidamente, a Luz vem preencher o que pode, ainda, aparecer, eu diria, nos primeiros passos do Liberado Vivo.
Mas isso não dura, jamais.

Assim, portanto, o Liberado Vivo é capaz de desaparecer à vontade na Luz Branca ou no Absoluto, que sobrevém após a Infinita Presença, e sabe que todas as respostas, em definitivo, vêm apenas da Luz, assim como todas as questões vêm, em definitivo, apenas do impulso da Luz, que realça as zonas, se posso dizer, a preencher de Luz.
O Liberado Vivo, como toda pessoa encarnada nessa Terra, está sujeito às leis desse mundo, mas seu Espírito revelado é aquele que assumiu o comando nos interesses da pessoa, nos interesses da história e nos interesses de toda manifestação da Luz projetada nesse mundo.

… Silêncio…

Qual é a questão seguinte?

Questão: você pode falar do modo de acesso atual ao Absoluto, se ele não passa mais pela Onda de Vida?

Meu amigo, meu irmão, não existe modo operatório nem técnica porque, como foi dito por múltiplas vozes, apenas você é que decide sair de todo jogo, de todo papel, de toda função, de toda história.
Mas lembre-se de que, qualquer que seja o refinamento de seu ego, ele recusará, sempre, seu próprio desaparecimento.
Você não pode, portanto, de modo algum, confiar nele nem forçá-lo.
Há apenas uma revolução interior ou um basculamento de sua própria consciência, que chega a dizer: «Pai, que sua vontade seja feita e não a minha.».
Não em uma afirmação verbal, não em um conceito, não no objetivo de obter o resultado esperado, mas, bem mais, o que foi nomeado o sacrifício.

A Luz, o que foi nomeado em outros tempos o Guardião do grande Limiar, nada mais é do que suas próprias projeções de falta, suas outras projeções que vêm mostrar-lhe, naqueles momentos, o que pode restar em você.
Não há outro demônio que não aquele que se apresenta na superfície do Limiar, e que é, em definitivo, apenas uma parte não iluminada de você mesmo, uma vez que o mundo está em você.
Assim, durante o ano 2012 e o seguinte, efetivamente, a Liberação pela Onda de Vida, que permite resolver as linhas de predação pessoais e coletivas, permitiu esse aspecto ondulatório da Liberação.
Hoje, isso continua possível, mas, se não há sacrifício de tudo o que você viveu, em proveito da Luz, você não pode tornar-se, inteiramente, Luz.
Mas isso faz parte, também, de sua liberdade de experiência e de sua própria liberdade de consciência.

Assim, portanto, como foi explicado por Bidi, não se deve, portanto, considerar o Absoluto como um objetivo porque, assim que você fala disso ou posiciona-se como um objetivo, ele não será, jamais, atingido, porque isso não é, jamais, um objetivo.
Eventualmente, isso pode ser chamado um último desvendamento, que aparecerá apenas assim que você tiver aceitado ver suas próprias sombras, quaisquer que sejam.
Não para julgar-se, não para condenar-se, não para explicar, mas para ver se sua consciência infinita pode atravessar isso justamente, sem estar apegado nem ser retido ao que se manifesta.
Você está pronto para tudo perder para tudo ganhar?
Porque, enquanto você não tenha tudo dado e tudo perdido, você não pode encontrar-se.

Quaisquer que sejam seus conhecimentos, quaisquer que sejam suas vivencias anteriores há, realmente, uma ruptura de continuidade total, que permite falar de um antes e de um depois.
Isso não pode ser simulado por sua consciência.
Isso não pode ser simulado por seu próprio mental e por seu próprio interesse em sua própria pessoa, ao invés de no Coração de seu Coração no qual, eu o lembro, não existe qualquer história, qualquer cenário e qualquer liberação.
Naquele momento, e como algumas Estrelas explicaram, você mergulha em si mesmo, nessa Luz Branca ou na ausência de Luz, que não é a sombra e, aí, você sabe, porque você o vive.
Colocar um objetivo é, já, aquiescer à linearidade do tempo e aquiescer a algo que não é você.

… Silêncio…

Dito em outros termos e em complemento, o Liberado Vivo deixa-se levar por sua própria Luz, sem temor e sem desvio.
Aquele que não conhece a Luz, em sua totalidade, em sua quintessência, apenas pode considerar isso como exterior a ele e põe, ainda mais, uma distância bem palpável entre o que ele é e o que ele aspira.
Mas você não pode aspirar ao que você é, uma vez que você já o é.
É a última reversão da consciência, o sacrifício, a crucificação e a Ressurreição que conduz à Liberdade do Espírito, à sua revelação em você, à sua manifestação, que faz de forma a que a pessoa não seja mais considerada como um veículo que nada tem a adquirir para ele ou nele, e que permite, simplesmente, deslocar-se de um ponto a outro de sua própria consciência, de suas próprias relações e de suas próprias afeições.

… Silêncio…

Eu termino assim, para essa questão: é preciso aceitar tudo perder para reencontrar-se.
É claro, não há perda, só o ego crê nisso, porque ele quer manter o controle.
Assim, se você mesmo quer controlar, dirigir ou influenciar a Luz, você não pode ser livre.
Assim mesmo, se nos mecanismos íntimos de sua consciência, mesmo que tenha vivido, por momentos, as lufadas de Amor incondicional, o acesso à Unidade, ao Si, se não há sacrifício total e incondicional, você não pode ser o que você é.
O próprio princípio da Luz Una, o próprio princípio da Inteligência, da Graça e do Amor depende disso.
O hábito desse mundo, qualquer que seja seu confinamento, inibiu, de algum modo, pelo princípio oposto ao Amor – que não é o ódio, mas o medo – cristalizou, em cada um de você, devido à experiência extensível na encarnação, os hábitos, os comportamentos, os carmas que impedem toda possibilidade de ser liberado.

É claro, o ego e sua pessoa vão dizer-lhe que você está no caminho, que você vê e percebe cada vez mais coisas, que você conhece cada vez mais manifestações, mesmo invisíveis.
Ele vai nutrir-se disso, para desviar você do objetivo, porque você sabe que não há objetivo.
Ao criar, assim, objetivos, o ego faz apenas retardar a própria morte dele.
É por isso que numerosos intervenientes falaram de crucificação, de Ressurreição, de sacrifício.
Para o ego, o sacrifício será, sempre, um horror absoluto.
É ao superar isso, não intelectualmente, mas aceitando em nada apoiar-se do existente, desaparecendo para si mesmo, que a Luz é vista.
Não no exterior, mesmo não no Canal Mariano ou pela Onda de Vida, mas, diretamente, no íntimo de seu coração, que não se apoia, portanto, efetivamente, naquele momento, nem no desaparecimento preliminar das linhas de predação, nem por qualquer purificação ilusória de qualquer carma, mas, sim, pela imutabilidade de sua consciência ao mais próximo do Coração do Coração, porque é aí que se desvenda o que você é, porque é aí que você se reencontra, e isso não pode ser considerado em qualquer progresso, em qualquer evolução, mesmo se, é claro, haja etapas que se desenrolaram a partir da Liberação da Terra, que você tenha, talvez, sido levado a viver, cada um de você.

Mas, aí também, mesmo isso deve ser sacrificado, não pela vontade do ego, em uma forma de ego qualificado de negativo, mas pela realidade íntima de seu sacrifício.
Você aceita tudo perder?
Real e concretamente?
É o único modo de provar-se, para si mesmo, que você de nada mais depende que não do que você é, em verdade.

… Silêncio…

Qual é sua questão seguinte?

Questão: você pode falar-nos da energia vital relativamente à energia vibral, da diminuição progressiva da energia vital ou, mesmo, de seu desaparecimento?

A energia vital é portada pelo fogo vital, que nada mais é do que o Fogo vibral, amputado de sua dimensão natural.
Assim, os Agni Deva, as partículas nomeadas adamantinas, são um agenciamento preciso de seis glóbulos de vitalidade.
O prana comporta apenas um único glóbulo de vitalidade, e nenhum conjunto de seus glóbulos de vitalidade entre eles.
A forma hexagonal é a organização da Luz presente em toda dimensão de vida, a partir dos planos os mais densos até os mais próximos da Fonte.
O fogo vital desaparece, ele é alquimizado devido à sobreposição do efêmero e do Eterno, por um agenciamento diferente do prana, que não é mais o prana, mas o plano da Citta.
É nesse plano que as partículas adamantinas ou Agni Deva são associadas por seis glóbulos de vitalidade.
Não há, portanto, incidência, há apenas uma fase de adequação entre o fogo vital e o Fogo vibral.

A diferença fundamental: o prana circula, a partícula adamantina vibra e é uma ressonância.
As características da Luz vibral, do Fogo vibral, das partículas adamantinas, dos Agni Deva são, justamente, o que garante a Inteligência da Luz e sua própria liberdade, mesmo nesse corpo efêmero, pela sobreposição com o corpo de Existência ou, se prefere, sua reconstituição.
Esse corpo de Existência é um holograma multidimensional que se adapta, a cada instante, à sua consciência, à sua forma e ao que você deseja, o que não é o caso do prana.
O prana circula em suas estruturas fisicas e estruturas sutis, o Fogo vibral não circula, ele é instalado e mantém a coesão de seu corpo de Existência.

A diminuição do fogo, enquanto ele não é, inteiramente, substituído pelo Fogo vibral dá, efetivamente, sintomas específicos que vocês são inumeráveis a viver, quer sejam as Coroas, quer seja a Onda de Vida ou o Canal Mariano, a vibração das Portas.
O Vibral põe fim à atividade do mental, à atividade das emoções, o que não quer dizer que elas desapareçam, mas elas são, de algum modo, recolocadas em seu lugar, ou seja, algo que passa e que, em momento algum, pode ser fixado ou tornar-se recorrente.
No Fogo vibral não há mais – e isso é conhecido bem antes do período que vocês vivem –, não há mais, propriamente ditos, impulsos, não há mais feridas, não há mais memórias, não há mais incidência de qualquer passado que seja na situação do instante presente daquele que está no Coração do Coração.

… Silêncio…

Eu respondo, também, isso: o Fogo vibral mantém a Paz, mantém a tranquilidade, mantém a Eternidade.
O fogo vital induz movimento, de suas emoções, de seus pensamentos, de seu corpo.
Ele induz questões, ele induz busca permanente, respostas, nutrição, sob qualquer forma que seja.
O Fogo vibral nada mais tem a ver com o que foi nomeado o fogo prometéico, trata-se do Fogo de Cristo, chamado, recentemente, também, o Espírito do Sol.
O fogo vital, enfim, implica uma reação do efêmero, que se traduz pelo que vocês nomeiam aura, contrapartida dos corpos sutis que existem no interior do corpo físico.
No Fogo vibral não existe mais interface exterior, o corpo torna-se luminoso.
Os corpos sutis estão em harmonia com o Coração do Coração, não há, portanto, projeção de Luz no exterior, isso dá a ver, por um clarividente normal, uma Luz Branca visível, ainda, sob a forma de aura em torno da pessoa.
Não há mais coloração, exceto, é claro, segundo algumas circunstâncias necessárias, pelo menos no plano encarnado no qual vocês ainda estão.

O fogo vital é, portanto, em resumo, o resultado da projeção da consciência, o Fogo vibral é, em resumo, o resultado do Coração do Coração.

Lembrem-se, não é o fogo vital que se transforma em Fogo vibral, uma vez que eles estão, de modo lógico e inato, e devido ao confinamento, em total contradição e oposição.
O fogo vital anima-os para o exterior, o Fogo vibral anima-os em si mesmos.

… Silêncio…

Qual é sua questão seguinte?

Questão: o Comandante dos Anciões disse-nos para sermos lúcidos quando somos seduzidos pela matéria.
Você pode desenvolver?

A lucidez é o apanágio daquele que se aproxima ao mais perto do Coração do Coração, o que dá uma iluminação pela própria Luz, que não passa pela reflexão nem pela intuição, nem pela energia, nem pela vibração.
É um mecanismo íntimo que vocês podem assimilar ao que foi nomeada, pelo Comandante, a resposta do coração, exceto que, aí, não há suporte de forma, não há suporte vibratório, não há suporte visual, há, simplesmente, essa palavra que havia sido empregada: Evidência.

Essa Evidência não sofre qualquer interrogação, ela é resposta, ela mesma.
Na Evidência não há qualquer projeção, há a resultante que é a lucidez do que é visto, tanto em si como em seu exterior.
E, quando eu digo o que é visto, não se deve ali ver a visão, mas, sim, a percepção inerente ao coração aberto, que não tem necessidade de qualquer imagem, de qualquer justificação, de qualquer compreensão nem de qualquer manifestação.
É, justamente, essa instantaneidade, essa espontaneidade, como foi dito, que permite viver isso.

… Silêncio…

Você pode reiterar sua questão?

Questão: o Comandante dos Anciões disse-nos para estarmos lúcidos quando somos seduzidos pela matéria.
Tratava-se de desenvolver.

Toda matéria nesse mundo, tal como vocês a nomeiam, carbonada, implica a sedução, porque a matéria ou a forma, mesmo portadora de uma consciência humana, de uma consciência mineral, de uma consciência vegetal ou de uma consciência animal vive, permanentemente, a não Luz interior, devido à falsificação.
Assim, toda sedução de uma forma, toda atração de uma forma, de qualquer plano que seja nesse mundo, faz apenas traduzir a falta de Luz.
Estar na vida, ser a Vida é ver isso.
É dessa lucidez que se fez referência.
Ela poderia resumir-se, também, no que disse o Comandante, há numerosos anos: «Ninguém pode servir a dois mestres ao mesmo tempo, à matéria ou ao Espírito.».
Tanto mais que essa matéria, nesse mundo, foi privada da originalidade da Luz.

No que é nomeada terceira dimensão unificada, a matéria é informada pela Luz, em qualquer circunstância que seja ou em qualquer forma que seja.
Não há, portanto, o mesmo princípio de privação, não há alteração na matéria nos mundos Unificados.
Eu lembro, contudo, que nas outras dimensões existe uma matéria, mas cada vez mais refinada, que não se apoia mais no carbono, mas na sílica, pelo menos na quinta dimensão.
Na dimensão na qual estão estabilizados os Anciões, as Estrelas, há entrelaçamento de certa matéria, revivificada pela Luz, não totalmente tornada transparente, mas que está longe de ser opaca, o que permite ver através dela.
Sua matéria é opaca, ela não lhes permite identificar, através da Luz, o que é o outro.
É nisso que não se deve julgar nem condenar, porque ninguém sabe qual é a consciência que se esconde através dessa forma, ou que foi escondido pela forma, independentemente de qualquer vontade de consciência.

A lucidez junta-se, de algum modo, à humildade, à espontaneidade e à transparência, o que lhes dá a ver o que está escondido pela matéria, e que lhes dá a ver, em definitivo, em qualquer consciência que seja, a mesma Vida, o mesmo Amor, que não depende mais da forma apresentada, nem dos interesses pessoais, nem dos interesses da outra forma.
Naquele momento, vocês transcenderam, realmente, a forma, transcenderam a imagem, como foi explicado, em seu tempo, por Irmão K.
Vocês não são mais seduzidos pela magia da imagem, pela magia da forma, mas tocam, diretamente, o que está além da forma, vocês penetram o Coração do Coração no íntimo de cada forma, de cada consciência, e vocês se apercebem, naquele momento, de que o outro é você mesmo, e que todas as barreiras de forma foram apenas véus colocados na compreensão de seu coração.

É nesse sentido que foi dito, em numerosas reprises, que nada do que é conhecido é-lhes útil no desconhecido.
É nisso que se deve despojar e sacrificar-se, em tudo o que é conhecido, para ver o que está por trás e aceder ao Coração do Coração de cada coisa, de cada relação e de cada irmão e irmã, como de cada objeto, como de cada forma, em qualquer reino que seja desse mundo.

… Silêncio…

Enuncie sua próxima questão.

Questão: o fato, nesse momento, de retomar uma sexualidade ou de comer quase normalmente como antes, assinala uma atribuição na 3D unificada?

Meu amigo, meu irmão, isso pode ser exatamente o inverso.
Só o ego crê que ele precisa comer isso ou aquilo para pacificar seu corpo e pacificar seu ego.
Ora, a alimentação, para aquele que é liberado vivo, não tem qualquer incidência, porque não é mais a pessoa que escolhe, mas o próprio corpo.
Assim, portanto, quer haja alimentação de carne, quer haja alimentação prânica, quer haja alimentação vibral, isso nada muda.
Se a Liberdade é vivida, nada disso é importante, exceto para o funcionamento desse corpo, mas que não tem mais, para o Liberado Vivo, ligação entre o Espírito e a matéria, uma vez que a matéria é iluminada.
Não há qualquer obrigação, e não é, certamente, um tipo de alimento que vai decidir sua atribuição, mesmo se, é claro, durante numerosos anos, foi-lhes dado certo número de conselhos ditos alimentares concernentes, por exemplo, à alimentação líquida ou, ainda, à alimentação de vegetais não subterrâneos, mas o mais alto possível em relação ao solo.
Isso correspondeu a um tempo em que era necessário refinar a vibração do ego, elevá-la até um lugar no qual ela podia reencontrar o Fogo vibral.

As circunstâncias de hoje são, é claro, específicas para cada um de você.
Mas, de uma maneira geral, aquele que se fixa regras, por ele mesmo, por suas deduções, torna-se prisioneiro, ele mesmo, de seus hábitos, mesmo na busca de uma alimentação sadia, exceto, é claro, se o corpo manifesta uma rejeição, sob uma forma ou outra, à qual a simples inteligência humana permitirá, simplesmente, eliminar o que incomoda sua matéria.
Mas nenhum Espírito pode ser incomodado por isso; eu falo do Espírito, é claro, do Liberado Vivo.

Eu lhe respondo, também, isso: enquanto você crê depender de algo de exterior ao que você é, alimentar ou outro, você não é livre.
Assim, portanto, colocar-se a questão do efeito da alimentação em sua liberação prova, simplesmente, que você não soltou isso.
Não tendo soltado isso, você não é, portanto, livre.
A questão da alimentação, para o Liberado Vivo, não se coloca.
Ele obedece ao que a Inteligência da Vida pede, como a inteligência de seu corpo.
Se você pensa ser tributário de tal tipo de alimentação ao invés de outro, e isso com excesso, isso traduz, de maneira que eu nomearia obrigatória, o apego de si mesmo a si mesmo.

O Liberado Vivo evita, simplesmente, se ele o deseja, o que pode fazer-lhe mal – ao seu veículo –, ao mesmo tempo sabendo que ele não poderá, jamais, ser tocado em seu Espírito.
Assim, portanto, se a alimentação toca você ao nível de sua própria consciência, isso indica duas coisas: que seu corpo apresenta pedidos, mas, também, sua consciência, naquele momento, demanda algo ao nível do que você faz entrar em seu corpo, que deveria ser fornecido por seu próprio coração.
Isso não quer dizer que seja preciso suprimir ou eliminar toda alimentação, de qualquer natureza que seja, mas, aí também, ter a lucidez e a clareza do que se desenrola em suas escolhas alimentares.

O Liberado Vivo não tem necessidade de um regime, ele tem necessidade, simplesmente, de conformar-se ao que demanda seu corpo, às reações de seu corpo, não porque ele tenha necessidade ao nível de sua consciência ou de seu Espírito, mas porque é mais agradável, simplesmente, ter um corpo que funcione.
Um corpo que funcione normalmente, sem restrições ligadas ao mental, às emoções, às memórias ou aos hábitos pode, muito bem, nutrir-se apenas de carne, apenas de legumes, apenas de leite – o leite que é, no entanto, um dos venenos os mais reconhecidos nessa Terra e, no entanto, existem Liberados Vivos, devido aos tempos mais antigos, que são nutridos apenas desse leite que era um veneno.
Isso quer dizer o quê?
Isso quer dizer, simplesmente, que a intensidade da liberdade e da vivência desse Espírito alquimiza, diretamente, pela presença da Luz, toda toxina e toda toxicidade presente no leite.

É claro, não é questão de aconselhar a cada um de você verificar isso, mas se seu corpo manifesta-se de modo exagerado em relação a um tipo de alimento, coloque-se, então, a questão da liberdade real de seu Espírito.
O alimento, mesmo o mais puro, permite aumentar a energia vital, isso vocês constatam, todos, a cada dia.
Isso quer dizer, portanto, que você considera, nesses casos, que você tem necessidade dessa energia vital.
Aquele que está instalado no Coração do Coração e, a fortiori, sobretudo para aquele que é liberado vivo, o alimento – mesmo se existam gostos e sabores que sejam privilegiados, ou tipos de alimentos privilegiados – sabe, pertinentemente, o que vai produzir-se nele.
Ele não tem necessidade de obedecer às regras da nutrição energética ou da nutrição ayurvédica ou vegetariana ou vegana, ele não se importa com isso, exceto, é claro, se seu corpo manifesta-se.

Lembre-se do que o Arcanjo Anael havia exprimido, há numerosos anos, sobre a natureza dos alimentos.
Isso era destinado, como havia sido dito, a uma elevação vibratória e uma elevação, mesmo, do fogo vital, o que permite, pelo aumento desse fogo vital voltado, por exemplo, à alimentação e não aos impulsos, reencontrar mais facilmente o Fogo vibral, a descida do Espírito Santo, a radiação do Ultravioleta e a irradiação da Fonte.

… Silêncio…

No que concerne ao Liberado Vivo, existiram numerosos exemplos dos quais algumas Estrelas e alguns Anciões informaram-lhes.
A Estrela portada por Ma Ananda mostrou, em sua vida e sua encarnação, uma capacidade para não se nutrir de alimentos, mas de sua própria Luz, sem considerar a noção de jejum, mas, simplesmente, de princípios manifestados pelo corpo, dele mesmo, que permite a esse corpo nutrir-se, naquele momento, exclusivamente, de Luz vibral e não mais de prana.
Cada vivência em transcendência da pessoa e em suas resultantes é diferente.
A Estrela Hildegarde de Bingen em suas preconizações alimentares, falou, mesmo, do interesse dos animais, de alguns tipos de alimentos que vêm dos animais.

Através dessa questão você se situa, você mesmo, na interrogação de um futuro ligado a uma alimentação – nenhum futuro é função de uma alimentação.
O que eu nomearia de acúmulo de sujidades ou de envenenamento do corpo, ligado aos venenos industriais, às toxinas, presentes não, unicamente, na carne, mas, também, no que vocês nomeiam os alimentos biológicos, mesmo os mais refinados, mesmo os mais supervisionados, é uma ilusão total.
É claro, o corpo preferirá, sempre, os alimentos não cozidos, não transformados, quer eles sejam biológicos ou não.
A elevação vibratória ou o bem-estar, ou o melhor-estar ligado à alimentação faz, em definitivo, apenas atrair sua atenção sobre sua dependência a certa materialidade.
O Liberado Vivo não tem horários, ele não respeita as regras alimentares da pessoa, mesmo a mais sadia.
Ele come quando seu corpo reclama, ele come quando seu Espírito tem necessidade de sentir o prazer alimentar, mas não é ligado, de maneira alguma, a impulsos alimentares ou a freios alimentares e, sobretudo, nenhum destino ou atribuição é ligado a qualquer alimento.

Mas, é claro, é preferível, em seu caso, comer o que você chama de saudavelmente, mas não mais estar sujeito ao dogma das três refeições, ao dogma das horas fixas, ao dogma da seleção de alimentos biológicos, de alimentos vegetais ao invés de carnes – para cada um de você é diferente.
Mas convém, aí também, ver-se claramente, através do que você ingere: quem comanda, quem decide e onde você se situa em relação a isso?

Um corpo nutrido de Luz e, portanto, do Liberado Vivo, tem funcionamentos ao nível dos centros vitais e, em especial, do que foi nomeada a Porta Atração e Visão – ou, ainda, se você prefere, o chacra de não o baço e do fígado – intervém, obviamente, no metabolismo da Luz, do prana como do vital.
É isso que é prioritário.
Assim, portanto, o fato de manifestar uma atitude alimentar muito meticulosa ou, ainda, apresentar distúrbios nomeados digestivos faz apenas traduzir a persistência da atração e da visão nesse mundo, mas não constitui um destino dito final.
Em caso algum isso corresponde a uma Liberação ou, ainda, em caso algum isso corresponde a uma atribuição, qualquer que seja.

… Silêncio…

Qual é sua próxima questão?

Questão: o fato de ter uma sexualidade, hoje, não assinala, então, tampouco, uma atribuição na 3D, e, se não, existe uma sexualidade sem impulso?

Meu irmão, meu amigo, a sexualidade concebida na pessoa resulta, sempre, efetivamente, de um impulso e de uma falta.
A sexualidade do Liberado Vivo pode estar presente ou ausente, mas ela é decidida pelo próprio Espírito, independentemente de qualquer impulso, de qualquer atração e, eu diria, mesmo, de qualquer satisfação no sentido sexual.
Há bem mais do que isso.
Se o Liberado Vivo tem uma atividade sexual, ela será uma comunhão de Espírito a Espírito, qualquer que seja o parceiro.
A sexualidade habitual corresponderá, sempre, ao que você nomeou impulso e, em definitivo, a uma falta de unidade interior.
Mas não é, contudo, privando-se de sexualidade que você se torna liberado vivo – isso, aí também, estritamente, nada tem a ver, como para a alimentação – é o resultado de uma circunstância.
Será que há, através da sexualidade, satisfação de um desejo, realização de um prazer, ou será que há comunhão e êxtase e não mais, simplesmente, orgasmo?

A sexualidade do Liberado Vivo – sem empregar o termo sexualidade sagrada ou tantrismo, o que é, ainda, diferente – propicia uma elevação da Onda de Vida, percebida, claramente, por uma nova subida da Onda de Vida a partir dos pés até o alto da cabeça.
Aí está a sexualidade do Liberado Vivo, sobre ele mesmo como para o parceiro.
Se o ato sexual traduz-se por um orgasmo, sem nova subida da Onda de Vida, então, trata-se de uma sexualidade da própria pessoa.
Se não há mais impulso, se não há mais desejo resta, simplesmente, um ato sexual que não conduz ao orgasmo, mas à vibração da comunhão final e à Liberação, que reproduz os circuitos triplos da Onda de Vida e propicia, sobretudo, outra coisa que não um orgasmo, mas, sim, uma expansão total da consciência nesse mundo encarnado, o que dá acesso, através da carne e dessa relação, aos mundos multidimensionais.

Assim, portanto, conforme os resultados obtidos por sua própria sexualidade, você pode, muito facilmente, situar-se.
Se o ato sexual não é acompanhado pela Onda de Vida no momento da resolução do que é nomeado orgasmo, isso continuará um orgasmo ligado à pessoa, cujos benefícios podem ser evidentes, mas que não concernem ao Espírito, mas, unicamente, à matéria e à pessoa.

É o mesmo para a alimentação dita de carne, os resultados na pessoa podem ser detestáveis, ao nível de cânceres, por exemplo, das vias intestinais, não é o mesmo para o Liberado Vivo.

… Silêncio…

Qual é sua questão?

Questão: você pode dar-nos um protocolo ou uma orientação para reativar o painel de controle dos chacras principais, situados na cabeça?
E, também, para o reagenciamento do corpo caloso?

Meu amigo, meu irmão, o que você nomeia o painel de controle dos chacras não tem que ser reativado, uma vez que ele está ativo, permanentemente, caso contrário, você não estaria vivo nesse mundo.
No que concerne ao corpo caloso, ele representa a contrapartida física da união do masculino sagrado e do feminino sagrado, que permite juntar-se à Androginia Primordial.
A ativação do corpo caloso vai traduzir-se pela ativação do décimo segundo corpo.
Eu o remeto, para isso, ao processo de ativação desse décimo segundo corpo, tal como foi considerado no yoga da Unidade, no yoga da Verddade, transmitido por Um Amigo há numerosos anos.

Você pode reiterar a questão?

Questão: você pode dar-nos um protocolo ou um procedimento a seguir para reativar o painel de controle dos chacras principais, situados na cabeça, e para o reagenciamento do corpo caloso?

Eu acrescentarei à minha resposta: não se obstrua, para isso, de protocolos, não se obstrua, para isso, de rituais, de gestos.
Por essa questão, eu lhe coloco a questão à qual isso o remete.
Você confia na Inteligência da Luz?
Você tem confiança no que você é?
Crer que vocês vão agir por si mesmos nessas funções, regulagem dos chacras principais, ativação do corpo caloso, é claro, isso se tornou possível por técnicas que lhes foram comunicadas, como eu disse, há numerosos anos.
Hoje, renda-se à evidência, a Graça encarrega-se de harmonizar tudo isso, você não tem necessidade da intervenção de sua pessoa nem de qualquer protocolo.
Na primeira parte de minha resposta, eu o remeti ao que já foi transmitido como informação, mas se, em você, você se coloca a questão da utilidade ou da inutilidade disso, se você procura técnicas ou métodos, isso significa, simplesmente, que não há, ainda, confiança total na Inteligência da Luz.

Eu o lembro de que há sobreposição do corpo de Existência sobre o corpo efêmero.
A partir daí, não há mais, verdadeiramente, utilidade em querer controlar, de qualquer modo, o corpo caloso ou os chacras principais.
A Inteligência da Luz, a Graça da Luz seguirá sua intenção.
Foi dito: «Que lhe seja feito segundo sua fé.».
Foi dito, também: «Que lhe seja feito segundo sua vibração.».
Tudo isso representa apenas etapas preliminares que devem conduzi-lo ao seu próprio sacrifício, o que lhe permite verificar, por si mesmo, que a Inteligência e a Graça da Luz bastam, amplamente.
Mas, para isso, você deve prová-lo a si mesmo.
Cabe a você escolher, portanto, a resposta que lhe convém, e a resposta que lhe convém é função, unicamente, de seu ponto de vista ou, se prefere, do posicionamento de sua consciência: na pessoa, no observador, na testemunha ou, então, ao nível da a-consciência.
Você pode imaginar que as respostas, naquele momento, são profundamente diferentes.
Assim são as duas respostas que eu lhe dei.

… Silêncio…

Eu aporto um complemento em relação às quatro últimas questões, que é o seguinte: na Luz e no coração, no Coração do Coração, há Evidência e há tudo o que é necessário.
Se você vive isso, então, «Ame e faça o que lhe agrada.».
As regras e os quadros pertencem a esse mundo.
O Espírito não conhece regras nem quadros, ele se adapta, simplesmente, às necessidades do corpo e às necessidades da pessoa, sem ali ficar submisso, de maneira alguma.
O Espírito é livre ou ele não o é.
No Espírito livre, o Espírito faz apenas seguir, aí também, as linhas de menor resistência das demandas do corpo, das demandas de alimentos, sem interferir nisso, de maneira alguma.


… Silêncio…

5 comentários:

  1. Por vivência, e não por opinião, dá pra dizer que o Um pode ser tudo, mas tudo não pode ser o Um. Assim, por exemplo, nesta mensagem, poderia dizer-se que o Impessoal é o interveniente, e não que determinado interveniente seja o Impessoal. Na Verdade, isso acontece em tudo, de maneira que o Impessoal é sempre o autor, em tudo e em todos, e nunca podendo ser diferente disso; exceto na ilusão. Mesmo na suposta coautoria, ainda assim, tem-se que ambos são Um, e o mesmo.

    As respostas do Impessoal foram primorosas, evidentemente, e dentre elas me ressaltaram, sobremaneira, as seguintes maravilhas:

    - A partir do instante em que não exista mais atrativo ou atração da consciência para o que é visto, então, a visão, qualquer que seja, apaga-se, e deixa lugar para a certeza do coração, que considera, então, que não é mais necessário obter nem apoiar-se na mínima visão.

    - Não há necessidade alguma de formas, porque você é sem forma.

    - A visão, mesmo interior ou do coração, está aí apenas para guiá-lo para soltar referidas visões.

    - O Liberado Vivo está inteiramente disponível para a Luz que ele é, mas ele não está mais disponível para ele mesmo.

    - Você está pronto para tudo perder para tudo ganhar? Porque, enquanto você não tenha tudo dado e tudo perdido, você não pode encontrar-se.

    - Ao criar, assim, objetivos, o ego faz apenas retardar a própria morte dele.

    - O fogo vital anima-os para o exterior, o Fogo vibral anima-os em si mesmos.

    - O Liberado Vivo não tem necessidade de um regime, ele tem necessidade, simplesmente, de conformar-se ao que demanda seu corpo, às reações de seu corpo, não porque ele tenha necessidade ao nível de sua consciência ou de seu Espírito, mas porque é mais agradável, simplesmente, ter um corpo que funcione.

    - Através dessa questão você se situa, você mesmo, na interrogação de um futuro ligado a uma alimentação – nenhum futuro é função de uma alimentação.

    - Tudo isso representa apenas etapas preliminares que devem conduzi-lo ao seu próprio sacrifício, o que lhe permite verificar, por si mesmo, que a Inteligência e a Graça da Luz bastam, amplamente.

    - Cabe a você escolher, portanto, a resposta que lhe convém, e a resposta que lhe convém é função, unicamente, de seu ponto de vista ou, se prefere, do posicionamento de sua consciência: na pessoa, no observador, na testemunha ou, então, ao nível da a-consciência.

    - As regras e os quadros pertencem a esse mundo. O Espírito não conhece regras nem quadros, ele se adapta, simplesmente, às necessidades do corpo e às necessidades da pessoa, sem ali ficar submisso, de maneira alguma.

    ResponderExcluir
  2. Sinta a maravilha, de soltar-se no "fluxo de Luz", sem temor, e certamente "a resultante disso é a paz", pois "a visão do coração" é ampla e confirma a presença de "uma paz inefável"...


    "A partir do instante em que não exista mais atrativo ou atração da consciência para o que é visto, então, a visão, qualquer que seja, apaga-se, e deixa lugar para a certeza do coração, que considera, então, que não é mais necessário obter nem apoiar-se na mínima visão."


    "Não há necessidade alguma de formas, porque você é sem forma. O salvador está em você, revele-o", em tudo...


    "A visão, mesmo interior ou do coração, está aí apenas para guiá-lo", e nesta clareza das evidências, ocorre, "para reencontrar-se a si mesmo como ser sagrado, e podemos atravessa-las"...


    "Na Liberdade do vivo, aquele que é liberado, faz apenas celebrar o Amor, permanentemente."


    "Na Luz há Evidência, na Luz há saciedade, na Luz nada mais é necessário para o Espírito" e assim sendo vivenciado, "a Inteligência da Luz prevalece a toda resposta."


    O liberado Vivo, "está disponível para a Vida, ele está disponível para cada circunstância que a Inteligência da Vida apresente a ele" e assim sendo, "apenas você é que decide sair de todo jogo, de todo papel, de toda função, de toda história."


    «Pai, que sua vontade seja feita e não a minha.».


    "Você está pronto para tudo perder para tudo ganhar?" Ego odeia, estas frases....rsrs "Para o ego, o sacrifício será, sempre, um horror absoluto."


    "Estar na vida, ser a Vida é ver isso”. Inacreditavelmente belo....


    "Ele obedece ao que a Inteligência da Vida pede, como a inteligência de seu corpo, e a Inteligência e a Graça da Luz bastam, amplamente.


    Ah! Já estamos vivenciando... Outras Dimensões!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Parte - 1

    "Há apenas uma Revolução Interior ou Basculamento de sua própria consciência, que chega a dizer: "Pai, que sua Vontade seja feita e não a minha."
    "Não em uma afirmação verbal, não em um conceito, não no objetivo de obter o resultado esperado, mas, bem mais, o que foi nomeado o Sacrifício.

    "É a última Reversão da consciência, o Sacrifício, a Crucificação e a Ressurreição que conduz à Liberdade do Espírito, à sua Revelação em você, à sua Manifestação.

    "Se não há Sacrifício Total e Incondicional, você não pode ser o que você É. O próprio Princípio da Luz Una, o próprio Princípio da Inteligência, da Graça e do Amor depende disso."

    ResponderExcluir
  4. Parte - 2

    "Na Liberdade do Vivo, aquele que é Liberado, faz apenas Celebrar o Amor, permanentemente.
    "Ele não tem necessidade de apoiar-se nos conceitos, nem nas imagens, nem nas visões, nem na relação, nem na comunicação, porque tudo isso se faz espontaneamente, e independentemente de toda vontade, de toda intenção ou de toda própria projeção.
    "Escute a Ação do Silêncio.
    Escute essa resposta tão plena, portada pelo Amor, que emana de seu Coração.

    "Em definitivo, o Liberado Vivo não se apoia em sua pessoa em primeiro lugar, nem em seus conhecimentos, nem em sua vivência, nem no futuro, a Luz está, unicamente, no Instante Presente, na Vacuidade, e na Plenitude do Coração, desembaraçado de toda atração, desembaraçado de toda necessidade do que quer que seja, o que não impede de responder às necessidades do corpo e às necessidades do outro, quando a Luz pedir.
    "E quem o pede, se não é você mesmo, quando você é Liberado Vivo, mas você mesmo que não se situa mais ao nível de sua pessoa, mas ao nível de sua Eternidade.

    "O Liberado Vivo está inteiramente disponível para a Luz que ele É, mas ele não está mais disponível para ele mesmo. Ele está disponível para a Vida, ele está disponível para cada circunstância que a Inteligência da Vida apresente a ele. A pessoa dele não está, jamais, na dianteira da cena.

    "Assim, portanto, o Liberado Vivo é capaz de desaparecer à vontade na Luz Branca ou no Absoluto, que sobrevém após a Infinita Presença, e sabe que todas as respostas, em definitivo, vêm apenas da Luz, assim como todas as questões vêm, em definitivo, apenas do Impulso da Luz, que realça as Zonas, se posso dizer, a preencher de Luz.
    "O Liberado Vivo, como toda pessoa encarnada nessa Terra, está sujeito às leis desse mundo, mas seu Espírito Revelado é aquele que assumiu o Comando nos interesses da pessoa, nos interesses da história e nos interesses de toda Manifestação da Luz projetada nesse mundo."

    ResponderExcluir