Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

28 de abr de 2015

LI SHEN – PHILIPPE DE LYON - SRI AUROBINDO


Abril de 2015


Primeira parte:

OS QUATRO ELEMENTOS



LI SHEN: A Dança dos Elementos

PHILIPPE DE LYON: Os Veículos da forma

SRI AUROBINDO: A plena revelação dos Elementos





LI SHEN

A DANÇA DOS ELEMENTOS


Meu nome é Li Shen, e eu volto, pela segunda vez, rompendo o meu silêncio.
Há alguns meses, eu lhes comuniquei a Dança do Silêncio, que permite revelar certo número de elementos nesse mundo, o que lhes dá a viver, por intermédio do corpo, certo número de elementos.
Eu vou exprimir-me, novamente, não para voltar à Dança do Silêncio, mas, mais, para dar alguns elementos inscritos ao nível do gestual do corpo, dos movimentos do corpo e, também, quando de minha passagem na encarnação, há muito tempo, a oportunidade de reunir certo número de filosofias de vida e de filosofias que eu qualificaria de espirituais.

Há muito tempo, então, eu criei uma escola.
Essa escola não era, propriamente dita, uma escola espiritual, mas uma escola de arte marcial; essa arte marcial deu, em seguida, nascimento ao que vocês conhecem sob o nome de Shaolin.
Meu apelido, que vocês poderão encontrar, foi a Palma assassina de Buda, porque eu havia ligado a mim certo número de correntes presentes na Ásia e no Oriente, que permitiam conceituar e viver, por intermédio do corpo, o que eu havia descoberto, tanto no Confucionismo como no Budismo, como em algumas correntes que vocês nomeiam, hoje, de Advaïta Vedanta, mas que não portavam esse nome à época.

Eu sintetizei, portanto, de algum modo, pela Graça da Luz, os movimentos adequados desse corpo ilusório, para fazê-lo reencontrar o alinhamento total entre o corpo, a alma e o Espírito.
Eu fui, então, capaz de levar a efeito meu ensinamento, mas, também, de despertar os mortos; assim veio meu apelido.
Mas, além dessas manifestações dessa época, devido ao meu lugar na assembleia dos Melquisedeques e ao meu silêncio, eu tive a possibilidade de comunicar a vocês certo número de elementos concernentes, justamente, aos quatro elementos.
Vocês sabem que esses elementos portam nomes diversos e variados, de acordo com o quadro de referência no qual nós nos dirigimos.

Visualizando pelos ensinamentos do Confucionismo, do Taoismo, do Budismo e do Tantrismo, eu me apercebi de que havia elementos comuns e que esses elementos comuns, presentes nesse mundo, podiam ser nomeados os quatro elementos, em qualquer abordagem, quer ela fosse dualitária ou não dualitária, em toda filosofia, como em toda religião.
Vocês vão, portanto, reencontrar, de maneira onipresente, a presença desses quatro elementos, que portam diferentes nomes, do mesmo modo que, hoje, nos conhecimentos físicos, nos conhecimentos biológicos, no conjunto de conhecimentos científicos, o princípio dos quatro elementos, mesmo se eles não sejam nomeados assim, é mais do que evidente, como se a arquitetura da vida e a manifestação da vida passassem por um apoio idêntico, quaisquer que sejam as formas que vêm da mesma origem.

As terminologias empregadas no Oriente e no Ocidente ou em outras regiões do mundo não são, jamais, as mesmas.
É claro, no mundo da biologia, isso porta certo nome que é ligado à origem da vida, vocês o nomeiam o DNA.
Na física há, também, outros elementos, que dão conta desses quatro elementos.
Em todo mecanismo de vida existe uma classificação possível em quatro elementos, quaisquer que sejam os nomes que vocês deem a eles.
Eu manterei, por razões de comodidade, a denominação Fogo, Ar, Terra e Água, que engloba, em cada uma dessas denominações, certo número de correspondências, mesmo se aquelas que nos interessam, hoje, concirnam ao seu corpo.

Em minha época, eu dava, a alguns movimentos, nomes muito simples, que, obviamente, eram oriundos de minha cultura.
Esses nomes, mesmo se nada evoquem, são os nomes que se pode dar à dança dos elementos tomados individualmente, e que conduzem, ao final, ao que eu lhes dei, na síntese dos quatro elementos, nos gestos correspondentes e nos movimentos correspondentes ao Éter, ou seja, ao quinto elemento, que eu nomeei a Dança do Silêncio.
Porque a Dança do Silêncio é o espaço de resolução dos quatro elementos em uma Unidade.
É o momento no qual o quatro da manifestação junta-se à Fonte dessa manifestação e ao que está além da Fonte da manifestação.

Esses nomes são os seguintes.
Eu esclareço, preliminarmente, que não há qualquer obrigação, do mesmo modo que não há qualquer obrigação de cristais ou de contatos conosco, doravante, porque tudo está aí, mas que, para alguns de vocês, uma ajuda é desejável – e absolutamente indispensável, em alguns casos – para permitir-lhes reencontrar-se consigo mesmos, não em suas interrogações, mas, bem mais, em sua instalação na Eternidade.

O elemento Terra, porque nós começaremos por ele, foi nomeado, nos movimentos que eu transmiti: a Dança da galinha que cisca.
Não vejam, aí, simplesmente, uma imagem bonita, mas vejam, bem mais, o papel da galinha na terra, aquela que bate no chão, aquela que lavra o solo e aquela domina, com suas asas, o elemento Terra.

Vem, em seguida, o elemento Ar, com o Vôo da águia.

Vem, em seguida, a Água, com a Dança da onda.

E, enfim, sobrevém o Fogo, o que eu nomearia, e nomeei, à época, o Retorno da Fênix.

Assim, os movimentos que lhes serão comunicados visam fazê-los penetrar não mais a manifestação do elemento, mas, diretamente, a essência do elemento, um pouco como aqueles que praticam essa essência dos elementos com os cristais.
Saibam que essas ferramentas, quer seja seu corpo como os cristais ou, ainda, os vegetais, ou os elementos da natureza, estão aí apenas para apoiar-se neles, para reencontrar a essência dos elementos.
Vocês têm, todos, ao nível de seu corpo, para aqueles que ativaram uma das Coroas radiantes, a percepção mais ou menos clara dos Triângulos elementares da Terra, do Ar, da Água e do Fogo.
Certo número de potenciais espirituais e potenciais de movimento e de deslocamento, em toda dimensão, são, também, inscritos na essência do elemento.

A manifestação elementar faz-se pelos Triângulos.
O retorno à essência desses Triângulos faz-se por quatro pontos.
São esses quatro pontos que estão inscritos no chapéu de Buda, na intersecção do que vocês nomearam a Cruz cardinal e do ponto ER, que irradia a partir do centro da cabeça, o que dá quatro pontos que não são nem Portas nem Estrelas, mas, do mesmo modo que vocês têm, ao nível do corpo, situado mais abaixo. Certo número de passagens que foram realizadas: a passagem do ego ao coração, a passagem da garganta e a passagem nomeada postero-anterior, ligada à vibração e à presença do Arcanjo Uriel.
Tudo isso, é claro, em meu tempo, não era conhecido.
Nós mantivemos as denominações que eu lhes dei, cujo objetivo é o de fundir os quatro elementos, ou seja, a revelação da manifestação elementar através do doze (quatro triângulos) dá o quatro, que volta a dar o um.
Trata-se, portanto, de algum modo, de uma possibilidade do retorno à Unidade, pela fusão dos quatro elementos, ao nível da essência deles.

Assim é a Dança da galinha que cisca, assim é o Vôo da águia, assim é o Retorno da Fênix, e assim é a Dança da onda do oceano ou a Dança da onda, simplesmente.
Isso lhes será dado imediatamente após a minha intervenção, e regularmente, para acostumá-los, se tal é seu desejo, a experimentar, se tal é seu desejo, experimentar, através desse corpo, o retorno à essência dos elementos, ou seja, à Unidade.
Isso permitirá, eu o espero, também, àqueles de vocês que exprimem, através de suas dúvidas, suas interrogações, movimentos de vai-e-vem entre o Si e a pessoa, para demonstrar-lhes, em si mesmos e por si mesmos, a capacidade de resolver as dúvidas, as interrogações e os questionamentos ainda presentes em vocês, pela fusão dos quatro elementos e não mais pela passagem da dualidade à Unidade.
É uma abordagem diferente, mas cujo objetivo é, certamente, idêntico: criar o estado de Liberação e criar o movimento da Ascensão.

Cada elemento possui, portanto, características em todos os reinos e em todas as dimensões.
Não há necessidade de conhecer ou de identificar, em todos os planos de manifestação, como em todas as dimensões, os nomes, as formas, as consciências que correspondem a cada um dos elementos.
Existe, ao nível desses quatro elementos, em sua essência ao nível dos quatro pontos da cabeça, uma capacidade para resolver os antagonismos, as dúvidas, as reversões e as hesitações ainda presentes em vocês.
Do mesmo modo, isso é realizável, como vocês sabem, pela consciência, diretamente, como por intermédio, por exemplo, de cristais.

Meu objetivo é, de algum modo, o de provar, a si mesmos, a evidência da Unidade, não como uma superação ou uma transcendência da dualidade, mas, mesmo através da dualidade, permitir ver que ela apenas pode conduzir à Unidade, independentemente de qualquer vontade, independentemente de qualquer separação ou de qualquer véu.

Assim, o elemento Terra é o fundamento.
É aí que se manifesta a vida, qualquer que seja ela.
Todo planeta é uma terra na qual pode manifestar-se, encarnar-se, se posso dizer, toda consciência desejosa de viver o que há a viver naquele nível, em toda liberdade, sem restrição e sem confinamento.

Como vocês sabem, também, cada um dos elementos manifesta-se, quando do movimento de criação inicial, por uma espécie de desenvolvimento que vai do um ao dois e do dois ao quatro.
O que eu lhes proponho é, portanto, um movimento que, para cada um dos elementos, vai permitir-lhes não, unicamente, revelar, mas resolver o que eu nomearia os antagonismos de algumas linhagens, como havia sido evocado pelo Comandante, parece-me.
Mas, para além das linhagens, há a Essência, e a Essência é bem mais importante do que a linhagem e do que, mesmo, eu diria, sua origem estelar, porque, ao nível da essência, elementar, há, realmente, a capacidade da transcendência total e de permitir parar as oscilações e as reversões entre o Si, a dualidade, de resolver, em vocês, os problemas de posicionamento, os problemas, quaisquer que sejam, ao nível de uma alma existente ou de um corpo deficiente.
Seu corpo torna-se o ressoador e, eu diria que, naquele momento, em relação, por exemplo, aos cristais e ao trabalho elementar dos cristais, vocês têm, aí, um retorno à Essência, muito mais fácil, através da Essência da manifestação, ou seja, a Essência da Criação presente nesse corpo.

O elemento Terra remete-os, portanto, a essa terra, que é originária de outra terra vinda de Sírius.
Ele os remete ao fundamento, à base, à estabilidade, ao equilíbrio e, sobretudo, vai permitir, como eu disse, o alinhamento total corpo-espírito, ou corpo-alma-espírito, se ela está presente.

O elemento Ar, em seguida, vai começar a pôr em movimento a Dança da Vida.
Isso necessita de juntar-se o elemento o mais sólido, a Terra, ao elemento o mais sutil, que é o Ar.

Vem, em seguida, a Água, ou seja, a reprodução da vida em um determinado espaço, o polo natural e intuitivo da vida, que é, unicamente, dirigido pela Inteligência da Luz, a Água é o meio de manifestação e, de algum modo, o organizador das manifestações da vida, uma vez instalada sobre a Terra e mobilizada pelo Ar.

E, enfim, vem o Retorno da Fênix, ou seja, o Fogo, não o fogo da terra tal como vocês o conhecem, mas o Fogo Celeste, aquele que acompanha toda manifestação e, eu diria, mesmo, é anterior à manifestação, através dos quatro elementos.

Ativar, nessa ordem e, especificamente, para os movimentos que eu vou transmitir nessa ordem, permitirá a vocês subir a cadeia, de algum modo, da Criação, através das essências e dos arquétipos, utilizando, simplesmente, seu corpo.
Vocês podem fazê-lo, como eu disse, também, pelos cristais, como lhes foi ensinado.
Contudo, a vantagem do corpo é que, estando em movimento, ele não envolve o que vocês nomeiam o vibral, mesmo se o vibral manifeste-se.
Ele envolve a Essência.
Vocês ressoam na essência do elemento.
Essa ressonância faz-se, diretamente, pela posição do corpo.

A propósito, eu os lembro de que toda posição do corpo e, em especial, no Oriente, pode ser assimilada a uma energia, a uma função e, também, a uma transformação.
Ela está presente e onipresente na maior parte dos yogas.
É o mesmo para os movimentos que permitiram a emergência do Shaolin.
E, portanto, através desses movimentos, há a possibilidade de superar, mesmo, como eu disse, as oposições que possam existir entre as linhagens as mais presentes em vocês nesta Terra.

Isso corresponde, também, a essa reunificação que foi nomeada décimo segundo corpo ou Andrógino Primordial.
É o momento no qual vocês superam o antagonismo, o momento no qual vocês superam o dualismo do masculino e do feminino.
É o momento no qual o Masculino sagrado e o Feminino sagrado refazem, novamente, apenas um.
Isso foi nomeado de Androginia Primordial, não por acaso.
Esses pontos estão situados no mais alto de seu corpo, ao nível da essência deles.

Fazer o movimento, praticar o movimento dá-lhes acesso não mais, unicamente, aos Triângulos elementares, mas, então, à Essência, que está diretamente situada acima do Triângulo elementar em relação à sua ponta.
Esses quatro pontos são, portanto, os quatro Orientes.
São quatro movimentos precisos, de toda manifestação em todo mundo.
Eles são, portanto, indispensáveis, antes que a vida tome, realmente, forma e inscreva-se na experiência que há a viver, no mundo que é vivido.

Além disso, e vocês compreenderam, os movimentos, como a prática dos elementos com os cristais, vai permitir-lhes reunificar suas polaridades, duas a duas, e, portanto, fazer dissolver, em sua consciência e nas manifestações de sua vida, tudo o que pode ser nomeado dualidade, resistência ou oposição.
Essa é uma ajuda que lhes dá a consciência real do que é o elemento, não, unicamente, através de suas manifestações, quer sejam suas linhagens, mas, como eu disse e repito, em relação à essência delas.

Reencontrada a essência do elemento, a fusão dos elementos pode realizar-se de modo natural, o que conduz, portanto, à Dança do Silêncio.
Ser-lhes-ão comunicados, de maneira visual, não por mim, mas por aqueles que seguiram, por suas vidas passadas, meus ensinamentos.
Praticar esses movimentos será bem mais do que o que foi nomeado, há algum tempo, posturas de integração, por Sri Aurobindo.
Não é mais uma postura de integração, são movimentos de Liberação, que os fazem aceder à Essência da Criação, ao primeiro impulso de toda vida.

É isso que lhes será comunicado no curso dessa jornada, não para a totalidade, mas para os dois primeiros elementos, ou seja, a Terra e o Ar.
Porque há uma ordem nesse nível, contrariamente à utilização, por exemplo, dos cristais ou da consciência pura.
Porque, aí, o objetivo não é viver o medo ou o Amor e ver a posição do medo e do Amor, a posição da pessoa e o que está além da pessoa, mas, bem mais, o arquétipo dessa polarização no masculino e feminino, dessa polarização na dualidade.
Esse é o quaternário que vai permitir-lhes reconectar com a Essência, ou seja, o quinto elemento, o Éter ou, se preferem, o ponto ER da cabeça, que assinala seu alinhamento céu-terra.

É nesse alinhamento que se reencontra a Eternidade e em nenhum outro lugar.
Quer vocês o chamem de Silêncio, quer chamem Oração, quer chamem Vacuidade, quer chamem Absoluto, quer chamem Infinita Presença, são apenas termos destinados a nomear a experiência ou nomear o estado, ou o que está além de todo estado.
Reencontrar os quatro Orientes, reencontrar as quatro Essências volta a dar-lhes acesso à Essência primordial e, portanto, põe fim, às oscilações, às tergiversações, às hesitações, e dá-lhes a ver a Evidência, como lhes disse No Eyes; a Obra no Branco, na finalidade, que se junta à Obra no Negro.
Tudo isso de maneira direta, o único ressoador é o corpo que, devido à sua posição e seus movimentos, vai permitir levantar os véus na Essência dos Triângulos elementares.

É claro, muitos de vocês tiveram revelações de suas linhagens ou da linhagem dos outros, mas, eu diria que, em definitivo, ver as linhagens pode pô-los em certo mal-estar, tanto os seus como aqueles dos outros, ou pode fazê-los felizes, mas pouco importa; há, ainda, uma forma, há, ainda, um objeto, há, ainda, um sujeito.
O que eu lhes proponho, através disso, através das quatro danças dos quatro elementos, é subir, direta e integralmente, à finalização da Obra no Branco, que lhes proporciona posicionar-se, se tal é sua escolha, ao centro do centro, de maneira mais evidente, porque enquadrada e referenciada.
Algumas consciências, alguns irmãos e irmãs na Terra têm, efetivamente, necessidade desse quadro, para superá-lo.

Aí está o que eu me proponho, antes de voltar ao meu Silêncio, para acolhê-los ao centro da Dança.
Se isso lhes parece claro, eu nada mais tenho, quanto a mim, a acrescentar.
Os movimentos serão mostrados, progressivamente.

Se não há, em vocês, outros questionamentos, eu me proponho, preliminarmente, antes de deixá-los, fazê-los viver a aproximação da essência do elemento.
E vamos começar na ordem que eu dei.
Primeiramente, o que vocês nomeiam o Triângulo da Terra, e sua quintessência que está situada, portanto, atrás do ponto ER da cabeça, aí, onde estão alojadas as memórias, as experiências que correspondem, em vocês, ao mesmo tempo, ao cerebelo e a um meridiano de acupuntura que é aquele da integração espiritual à vida.

Eis, portanto, no silêncio e sem movimento, a quintessência do elemento Terra…

… Silêncio…

E, em seguida, chega a quintessência do Ar...

… Silêncio…

Em seguida, aparece a quintessência do elemento Água, a Dança da onda, situada à direita do ponto ER...

… Silêncio…

E, enfim, o Retorno da Fênix pode fazer-se, pela quintessência do elemento Fogo, situada à frente do ponto ER.

… Silêncio…

As quatro quintessências tendo aparecido, elas podem juntar-se à Essência...

… Silêncio…

Cada uma das quintessências de cada um dos elementos é portadora de uma denominação e de um nome.
Um deles é-lhes conhecido, os outros, cabe-lhes encontrá-los.
Saibam, simplesmente, que isso pertence a um conhecimento muito antigo, anterior à Kabala original e de origem, que remonta ao que foi nomeado o Gina Abdul, a língua suméria original.
Pronunciar o nome do elemento em sua quintessência colocará, também, em movimento, por sua pronunciação por três vezes, o elemento correspondente em sua quintessência ao nível de sua cabeça.
Mas esse não é meu papel, simplesmente, mostrar-lhes uma realiança a partir do plano o mais denso até a fonte desses quatro elementos.

Se, em relação ao que eu acabo de enunciar, colocam-se, em vocês, questões, esclarecimentos, eu respondo agora.

Questão: os movimentos que você vai propor substituem a Dança do Silêncio ou podem praticar-se em complemento?

Cara irmã, isso é diferente para cada um.
Alguns têm praticado a Dança do Silêncio com efeitos notáveis, outros, cansaram-se, e não viam o interesse de praticar.
Hoje, e a partir da atribuição vibral, as coisas são diferentes, porque suas linhagens revelam-se a vocês, nem sempre vocês sabem o que fazer com isso, e, aliás, nada há de especial a fazer, mas apenas revelá-lo.
É o mesmo para a quintessência.
A quintessência dos elementos leva-nos à Unidade e, como eu disse, põe fim às hesitações e às reversões.
A quintessência dos quatro elementos é, de algum modo, a estabilização das passagens do ego ao coração, das passagens da garganta e das passagens de trás para frente.

Não há obrigação de espécie alguma concernente à Dança do Silêncio ou a Dança dos Elementos.
Há, simplesmente, a fusão dos quatro elementos.
Nós não estamos, portanto, na revelação do corpo Ascensional, mas, sim, em um trabalho específico na Essência da consciência, que é a Essência dos elementos, uma vez que o corpo de Eternidade é constituído de estruturas elementares, triangulares, que associam três dos quatro elementos a cada vez.
Cabe a vocês, pela experiência, pela atração ou o desinteresse, que se realizará o que é útil para vocês ou, então, o que é inútil.
Eu recordo, contudo, que a dança dos elementos, assim como a prática dos elementos com os elementos cristalinos, dá-lhes a resolver, de algum modo, os antagonismos e as oposições presentes, para muitos de vocês, mesmo em suas linhagens estelares ou suas origens estelares.

É, portanto, um espaço e um exercício de pacificação, mas, sobretudo, de fusão elementar.
Nós não estamos mais, unicamente, no Face a Face, mas, diretamente, no que vai ajudar, aí também, a finalização do Face a Face para ajustá-los ao mais exato do que vocês são, aqui mesmo, nesse mundo, e aqui mesmo, em sua consciência, e em suas capacidades.
Isso lhes dará, também, a ver, de maneira mais evidente, as relações e os posicionamentos existentes entre o Si, a Infinita Presença, a Última Presença e o Parabrahman ou Absoluto.
Isso lhes dará a ver e a viver os movimentos da energia, fundamentais da vida, ligados a esses quatro elementos, que é o movimento para o alto, o movimento para baixo, o movimento para a esquerda e o movimento para a direita ou, se preferem, para o passado ou o futuro.
Isso lhes dá, portanto, acesso a uma transcendência da linearidade do tempo e a uma transcendência de suas próprias expressões de linhagens nesse mundo.

Alguns de vocês têm necessidade, para afirmar seu posicionamento e sua localização, de viver isso.
Isso não é para todo o mundo, é, simplesmente, para aqueles que têm necessidade ou que tentarão a experiência, de ver o que isso produz como efeito.
Quanto às práticas, hoje, vocês são, é claro, totalmente livres quanto à duração, quanto à repetição.
Nós não estamos mais, absolutamente, na mesma qualidade energética que o que existia há mais de mil anos.
Não há, portanto, o mesmo rigorismo, uma vez que o acesso é muito mais fácil.
Assim, vocês puderam perceber, por si mesmos, não na Dança do Silêncio ou, ainda, no que vocês vão, talvez, praticar, mas, bem mais, nas posturas ditas integrativas, que colocavam em ressonância o corpo com um ou dois elementos dados, ao nível da manifestação corporal e não mais ao nível dos Triângulos elementares.

Esse trabalho de fusão dos elementos realizar-se-á, é claro, por si mesmo, no momento coletivo, o que permite a vivência total, sem risco de ser enganado ou de enganar-se, do que foi nomeado o Juramento e a Promessa.
Isso ativará, também, em vocês, o que vocês nomeiam chacra, de modo específico, não mais em relação com o elemento correspondente ao nível do chacra, uma vez que, como vocês sabem, cada um dos quatro primeiros chacras corresponde a um elemento.
Aqui haverá, ao nível do que vocês nomeiam chacra, a adição das qualidades dos três outros elementos, de maneira una, indivisível e total.
Cabe, portanto, a vocês ver, a vocês decidir o que querem fazer disso.

Vocês têm outras interrogações?

Questão: o que deve determinar o fato de praticar ou não os exercícios propostos? É um sentir intuitivo do momento ou outra coisa?

Isso é outra coisa.
Isso corresponde ao momento no qual você constatará, por si mesmo, não o sentir do momento, mas, bem mais, pelo efeito, direto e imediato, dos diferentes posicionamentos de sua vida, que permitem resolver o que há a resolver, desenvolver o que há a desenvolver, sem intervenção da vontade, sem intervenção de técnicas que você pode utilizar habitualmente.
É, portanto, uma abordagem nova e totalmente inovadora para vocês, mas que não é, ainda, como eu disse, feita para todo mundo.
O sentir disso será, sobretudo, a ativação desses quatro pontos, o que permite, portanto, a fusão, mas, também, a revelação do corpo Ascensional, como a Dança do Silêncio.

Simplesmente, como vocês observaram, alguns de vocês praticaram a Dança do Silêncio, e sentiram os efeitos, mas, no entanto, nem sempre colocaram fim aos antagonismos das linhagens, de algumas linhagens.
A quintessência dos elementos permite isso, a dança dos elementos, também, do mesmo modo que a utilização de fluorines colocadas em triângulo, dizem-me, ao redor de seu corpo.

Não é, portanto, o sentir do momento – que pode ser agradável ou desagradável –, mas, bem mais, os frutos que vocês observarão no quotidiano de sua vida, e não, unicamente, nos potenciais espirituais ou na revelação do próprio elemento, através da vibração.
O objetivo é, como sempre, a reunificação, a fusão dos elementos e o fim de todo antagonismo e de toda ilusão.
Há, é claro, diferenças que são atribuíveis sem qualquer problema às diferentes linhagens estelares que podem ser, por vezes, muito antagônicas, mas apenas a experiência é que lhes dirá isso, e não o intelecto, em relação ao nome de suas linhagens ou à sua origem estelar.

Assim, portanto, não confiem na vibração, não confiem nos sentires do momento, mas, bem mais, na manifestação dos frutos obtidos, no posicionamento de sua consciência ou no desaparecimento de sua consciência.
Cabe a vocês, portanto, experimentar, ver, e confiar, é claro, nos resultados, ao invés de nos sentires do momento, sejam eles os mais agradáveis ou desagradáveis.

Questão: você falou de palavras que representam os elementos, que nós poderíamos repetir três vezes, e você disse que não era seu papel dar-nos os nomes. Quem é suposto de fazê-lo?

Isso está inscrito em todos os ensinamentos da Kabala original.
São chamados e foram nomeados os setenta e dois Gênios Kabalísticos.
Quatro desses Gênios estão no ponto cardinal dos elementos: Vehuiah é aquele do Fogo, os outros, vocês os encontrarão, sem qualquer dificuldade, em seus meios modernos de comunicação.
São, de fato, os nomes da primeira manifestação da quintessência dos elementos, que são os Gênios que regem, portanto, os elementos em manifestação. (*)

Questão: é bom encontrar essas palavras e repeti-las, fazendo esses exercícios?

Absolutamente não.
O exercício faz-se se concentrando no corpo e em nada mais.
Mas, do mesmo modo que o Anjo Metatron, quando de suas vindas, impulsionou, em vocês, a reversão do fogo vital em Fogo Celeste, do mesmo modo, vocês participarão da resolução dos antagonismos presentes entre os elementos, simplesmente, pronunciando, em voz alta, por três vezes, quando desejarem, o nome desse Gênio.
A palavra Gênio é um pouco ambígua, mas é o melhor que se pode encontrar.

Questão: o que você entende por antagonismo entre os elementos?

O antagonismo remete à confrontação o que se manifesta em suas vidas através de suas dúvidas, através de suas dificuldades de relação no interior de si mesmo ou com alguns seres, que, no entanto, são irmãos e irmãs como você, que vivem os mesmos processos.
O antagonismo não é, propriamente dito, uma oposição, mas, bem mais, um espaço de resolução.

Isso não é fácil a explicar com palavras, mas pode-se viver de maneira muito mais natural, por exemplo, com a dança dos elementos ou, diferentemente, pela pronunciação do nome dessas quintessências ou, ainda, pelos cristais.
Mas vocês podem, também, realizá-lo espontaneamente, a partir do instante em que começam a viver os fenômenos ligados à Luz Branca, de deslocalização ou de desaparecimento.

Se não são levantadas outras interrogações, permitam-me, por minha vez, retornar ao Silêncio, aportar-lhes a bênção do Espírito do Sol.

… Silêncio…

Li Shen agradece-lhes e retorna ao Silêncio.

(*) Ndr: Leuviah: Gênio da Água; Menadel: Gênio do Ar; Mebahiah: Gênio da Terra.

PHILIPPE DE LYON


Eu sou Philippe de Lyon.
Irmãos e irmãs encarnados, que as bênçãos e o Amor de Cristo reguem-nos na Fonte.
Tomemos esse instante de silêncio e de comunhão, antes que eu me exprima como Melquisedeque da Terra.

… Silêncio…

Eu vim comunicar-lhes certo número de elementos concernentes ao que eu nomearia os veículos da forma.
O que eu vou exprimir concerne tanto ao corpo material, denso e pesado, como ao corpo de Existência, para desvendar-lhes, se já não foi feito por si mesmos, certo número de elementos concernentes à utilização, pela consciência, desse veículo, dessa forma.
Eu não vou entrar, é claro, nos detalhes constitutivos da anatomia do corpo físico ou da anatomia sutil do corpo de Existência, mas dar-lhes certo número de elementos que permitem, agora e já, orientá-los através de certo número de manifestações, de potenciais ligados à presença mais ou menos completa de seu corpo de Existência, em sobreposição no corpo de matéria.

O corpo de Existência é um corpo de Luz vibral que possui, por analogia, possibilidades, como todo veículo.
Esse veículo é diferente do corpo de matéria, na medida em que sua plasticidade, sua mobilidade e suas capacidades são incomparáveis em relação ao corpo de matéria.
Do mesmo modo que o cérebro, no corpo de matéria, permite, por intermédio da consciência, da vontade, da cognição, deslocar, por exemplo, um membro ou efetuar o que vocês nomeiam uma corrida ou uma marcha a pé, do mesmo modo, o corpo de Existência responde à consciência.
Mas o que é colocado em movimento, naquele momento, nada mais tem a ver com, simplesmente, um deslocamento desse veículo, mas, bem mais, expansões e deslocamentos que não o são, propriamente ditos, mas que propiciam explorar a própria consciência em sua manifestação nos mundos unitários.

O princípio é exatamente sobreponível com o que acontece com seu veículo físico.
Você decide, por exemplo, mover um braço, o movimento realiza-se pela intenção.
É exatamente o mesmo ao nível de seu veículo de Eternidade e você vai, se já não é o caso, aperceber-se, muito rapidamente, de que, ao portar sua consciência e sua intenção em uma das funções ou em um dos lugares desse corpo de Existência, você vai ativar, cada vez mais facilmente, as funções que ali estão ligadas.
Essas funções são, antes de tudo, o que eu nomearia de funções elementares, ligadas aos quatro elementos inscritos na Coroa radiante da cabeça, assim como ao quinto elemento, ao nível do centro da cabeça.

Você vai perceber que, se focaliza sua intenção, por exemplo, no Triângulo de Fogo, que está situado à frente de sua cabeça, o simples fato de portar sua atenção e sua consciência nessa parte de seu corpo de Existência, em sobreposição com o corpo físico, você vai poder realizar, do mesmo modo que realiza um movimento da mão ou do braço, realizar um movimento desse Triângulo elementar.
Esse movimento pode aparecer-lhe, em um primeiro tempo, como vago ou mal definido.
Mas, muito rapidamente, assim que a intenção e a consciência são portadas, por exemplo, nesse Triângulo, você constatará, em si, a revelação de algumas faculdades ligadas, entre outras, ao princípio, à essência e à manifestação do elemento, tanto em seu corpo de Eternidade como em sua vida.

Você tem, portanto, a possibilidade, pela consciência e pela intenção, de pôr em vibração, em ressonância e em ação os Triângulos elementares.
Muitos de vocês perceberam, recentemente ou durante esses anos escoados, pontos que eu qualificaria de dolorosos, situados ou ao nível das Estrelas da cabeça, ou ao nível das Portas do corpo e de maneira privilegiada, durante esses alguns anos passados, uma manifestação sensível das Portas Atração/Visão, das Portas AL e Unidade.

Você pôde perceber que, quando um ponto de vibração presente ao nível de uma Porta manifestava-se, ele era, frequentemente, acompanhado de outro ponto ou de dois outros pontos que pareciam ativar-se ao mesmo tempo.
Não é questão, é claro, porque nós não temos nem o tempo nem os meios, de dar-lhes nem a constituição nem mesmo a totalidade de funções de seu novo veículo sobreposto ao antigo, mas, bem mais, dar-lhes as regras elementares que permitem viver a experiência de uma revelação de um elemento, de viver a síntese de dois elementos ou, mesmo, de três, ou mesmo dos quatro elementos ou quatro Triângulos elementares da cabeça.

Até agora, aqueles de vocês que percebem a atividade e a ação desses Triângulos, localmente, ao nível da cabeça, ou em setores do corpo que a eles correspondem, é, aliás, a primeira correspondência que eu vou dar-lhes, sabendo que essa correspondência, tanto no corpo material como no corpo de Existência, é exatamente sobreponível ao nível das localizações, mas não das funções.

Assim, portanto, se você porta sua atenção e sua consciência no Triângulo de Fogo, do elemento Fogo de sua cabeça, constituído da reunião de três Estrelas, você vai observar que a fixidez desses pontos não é mais permanente, e que vai haver movimentos desse Triângulo elementar.
O primeiro dos movimentos que você perceberá é um movimento do ponto superior ou inferior, conforme o estado do Triângulo, uma vez que cada um de seus Triângulos elementares apresenta-se, de maneira estática, no início, pontas para o alto, no que concerne ao Triângulo do Ar e o Triângulo da Água, ponta para baixo para o Triângulo da Terra, e ponta para o alto ou para baixo (se há reversão da alma ou não), ao nível do Triângulo de Fogo.

O Triângulo do Ar, independentemente de sua ação nos mundos multidimensionais, tem, agora e já, uma ação mesmo nesse mundo.
Eu lhes darei alguns exemplos.
Caberá a vocês, pela experiência e pela conscientização e na atenção desses Triângulos, constatar o que eu vou dizer, mas, também, constatar novas coisas.

Vejamos, primeiramente, se quiserem, o que acontece quando o Triângulo de Fogo – ao nível da frente de sua cabeça – põe-se em vibração e em movimento.
Primeiro a correspondência, ao nível do corpo material, corresponde, é claro, a tudo o que está situado à frente de seu corpo material e a tudo o que tem relação com a noção de frente, como ir à frente, como deslocar-se à frente, mas, também, para o alto.
Retenham essas denominações: para o alto e para frente.

Esse Triângulo, quando se põe em vibração, e se isso lhe é acessível, quando a ponta do Triângulo – o ponto AL – estava na raiz de implantação dos cabelos, você pode ter vivido, talvez, de modo permanente ou passageiro, a reversão desse Triângulo.
Ele corresponde, portanto, a tudo o que está situado à frente do corpo material.
Ele rege, portanto, certo número de Triângulos elementares que constituem o Corpo de Existência e, em especial, os Triângulos em relação com a função da frente, de ir à frente, de ir em frente, de deslocar-se à frente, e de colocar, portanto, em movimento, o elemento Fogo, tanto nesse corpo material como no corpo de Existência.

As Portas situadas na virilha, as Portas situadas sob o diafragma, as Portas situadas acima do diafragma, assim como as estruturas ligadas aos novos chacras, estruturas intermediárias da Ascensão, chamadas OD ER IM IS AL, que correspondem, para lembrar, ao que foi nomeada a Lemniscata sagrada, permite a mudança dimensional, a mudança de forma e a mudança de estado da própria consciência.

O Triângulo do Ar está situado, então, acima de sua orelha esquerda.
Ao portar sua consciência acima, diretamente, mas, também, utilizando de apoios como os cristais ou, ainda, os movimentos, você poderá perceber, cada vez mais claramente, os efeitos dessa vibração e desse Triângulo do Ar.
O Ar, é claro, devido à sua posição, está, diretamente, em contato com o que foi nomeado o Canal Mariano, mas, também, a ampola da clariaudiência e, também, o décimo corpo ou corpo de comunicação com o Divino.
Ao pôr em movimento o Triângulo elementar do Ar, a primeira correspondência a ativar-se, no plano do corpo material, é, portanto, o que está situado à esquerda da linha mediana sagital de seu corpo.
Ele corresponde, portanto, tanto ao braço esquerdo como à perna esquerda, como ao Canal Mariano, como aos órgãos situados à esquerda do corpo.

Ao ativar, pela atenção e a consciência, ou por outros meios que você conheça, o Triângulo da Água, você vai fazer ressoar as capacidades da Água na movimentação, no deslocamento de seu corpo de Eternidade.
Ao nível do corpo material, ele corresponde ao setor à direita da linha mediana sagital, tanto o braço como a perna, como a cabeça, do lado direito.
Ele corresponde, portanto, também, ao funcionamento do cérebro e dos órgãos situados, também, do lado direito.

A particularidade desses Triângulos elementares da Água e do Ar é a de realizar o que foi nomeado, pelo Arcanjo Anael, HIC e NUNC, ou seja, Aqui e Agora ou, se prefere, o instante presente e, também, a vacuidade.

Assim, portanto, ao invés de procurar eliminar ou superar, pela vontade, uma atividade mental, você tem a possibilidade, juntando a esquerda e a direita de seu corpo material, mas, portanto, também a esquerda e a direita do corpo de Existência, de viver a totalidade de seu alinhamento com a Fonte, a Infinita Presença e, portanto, fazer desaparecer, de maneira quase instantânea, toda atividade mental que venha perturbar o que quer que seja, segundo sua apreciação.

Assim, portanto, pela movimentação do Triângulo do Ar e, de maneira conjunta, do Triângulo da Água, você vai viver, de maneira cada vez mais rápida, o instante presente e, portanto, a Eternidade, que lhe dá acesso, justamente, à sua própria multidimensionalidade, quer seja nesse corpo de Existência e nesse corpo material, quer seja, realmente, no que eu nomearia transferência de consciência no corpo de Existência para uma viagem dimensional.

Também, é perfeitamente possível realizar a mesma coisa com o Triângulo do Fogo e o Triângulo da Terra, situado, portanto, atrás de seu corpo, cuja ponta para baixo é o ponto OD.
Ao colocar em movimento, unicamente, o Triângulo da Terra, você vai densificar-se, vai encarnar-se, inteiramente, pondo fim, portanto, ao que você poderia nomear de faltas de ancoragem, de desenraizamentos ou de perdas de padrão corporal.

Se você põe, paralelamente, em ação, em vibração, o Triângulo de Fogo e o Triângulo da Terra, você vai induzir, de maneira cada vez mais rápida, a sedação total de toda emoção, pelo equilíbrio do movimento para baixo e do movimento para cima, ao nível do coração.
Eu o lembro, aliás, que um dos símbolos do chacra do coração é o triângulo ponta para cima, entrelaçado com o triângulo ponta para baixo, que foi nomeado, por abuso de linguagem, o selo de Salomão.

Assim, portanto, por esses dois simples meios, você tem a possibilidade, acoplando, pela atenção e a consciência, dois Triângulos dois a dois, situados um de um lado e o outro do outro lado, frente/atrás ou esquerda/direita, de realizar a sedação do mental ou a sedação das emoções, de maneira muito mais direta do que trabalhando nos chacras ou do que trabalhando na própria consciência para detectar, encontrar a fonte de suas emoções.
Trata-se, portanto, de um trabalho transcendental direto, que se realiza por uma alquimia vibratória entre a Eternidade e o efêmero, quer instala, em você, a ação conjunta dos elementos e permite-lhe, de maneira direta, doravante, pôr-se na Paz, na vacuidade, no silêncio das emoções, no silêncio da pessoa e, instantaneamente, no instante presente.

É o mesmo para as manifestações mórbidas que sobrevêm ao nível desse corpo material.
Eu tomo um exemplo: imagine que você seja atingido de um ciático à direita.
O ciático direito concerne à parte inferior do corpo e está situado atrás do corpo.
Você pode muito bem situar essa ação ativando o Triângulo da Água, seguido, ao mesmo tempo, pelo Triângulo da Terra, e você vai constatar manifestações vibrais do lado direito e atrás do corpo.
Se, por exemplo, existe uma hérnia inguinal direita, você está, portanto, à direita e à frente do corpo.
Se você ativa, do mesmo modo, pela atenção e a consciência, o Triângulo de Fogo e o Triângulo da Água, você vai resolver o que se situa na localização orgânica ao nível de seu corpo material.
Isso o surpreenderá, pela intensidade das manifestações e pela intensidade e a rapidez da resolução da problemática subjacente, no plano do corpo material como no plano, mesmo eventual, das correspondências psicológicas ou das correspondências causais, responsáveis, em um caso, pela ciática e, no outro caso, pela hérnia inguinal.

Assim, portanto, acoplando os Triângulos dois a dois, e eu falei, especificamente, dessa experiência desse ataque corporal, para significar-lhes que eles podiam ser associados em cruz, o elemento anterior e o posterior, o elemento lateral esquerdo e o elemento lateral direito, mas, também, de proximidade.
Se, por exemplo, você ativa, pela atenção e a consciência, o Triângulo de Fogo, e, na mesma ocasião, o Triângulo do Ar, você vai não, unicamente, é claro, agir no Canal Mariano, no contato transdimensional, mas, você vai, sobretudo, inundar de Luz vibral a parte anterior e esquerda de seu corpo.

Essa é a transcendência oriunda do Face a Face entre seu corpo eterno e seu corpo efêmero.

Assim, portanto, pela ação direta de sua consciência, não na zona do corpo, mas nos Triângulos elementares correspondentes a essa zona, você vai poder superar qualquer ataque que seja em você.
Isso se tornou possível a partir do instante em que a transfixação postero-anterior, realizada pela passagem do Anjo Uriel foi realizada, a partir do mês de fevereiro.
Você, talvez, pôde constatar, por si mesmo, que a ação de alguns elementos de sua cabeça traduzia-se por potenciais ou particularidades espirituais ou orgânicas específicas.
Existem, é claro, múltiplas associações.
Você pode, por exemplo, associar o Triângulo da Água, o Triângulo do
Ar com o Triângulo de Fogo.
Você pode, também, e isso é muito recente, associar a atenção e a consciência dos quatro elementos da cabeça ao mesmo tempo.
Eu os deixarei descobrir o que se desenrola naquele momento, e que corresponde, simplesmente, à movimentação do que foi nomeada a Merkabah ou veículo Ascensional.

Você vai, portanto, diretamente, doravante, ativar, tanto em proveito de seu corpo material como em proveito de seus potenciais espirituais, tudo o que é possível imaginar.
Cabe a você testar.
Cabe a você ver o que se desenrola em você, ao ativar esses Triângulos, um a um, dois a dois, ou três ao mesmo tempo, ou quatro.

Contudo, devo esclarecer que a atenção e a consciência portadas no Triângulo elementar, mesmo se você não perceba completamente esse Triângulo, devem ser, contudo, preexistentes, ou seja, a atenção e a consciência que se porta em um Triângulo elementar deve acompanhar-se, preliminarmente, da percepção de um ou de vários de seus pontos ao nível do corpo material.
Essa é a garantia da ativação e da conformidade do que eu lhe expus.

Eu lhe dei, portanto, a possibilidade, por intermédio de sua atenção e de sua consciência, de intervir, diretamente, em seu corpo material, para permitir a ação direta da Luz vibral ao nível desse corpo material, sem qualquer ajuda exterior.
Assim, de acordo com a localização de um ataque ao nível topográfico, de acordo com a emoção que é manifestada, de acordo com a polaridade do mental que é manifestada, você tem a possibilidade, aí também, de movimentar uma função elementar ou duas ou três ou quatro, e de ver, por si mesmo, o que vai acontecer.
Você constatará, muito rapidamente, que, por exemplo, se você é linfático, que, se você tem dificuldade para acordar nesse mundo, não pelo desaparecimento, mas, bem mais, por alteração de sua energia vital, você poderá ativar o Triângulo de Fogo e subir sua energia, subir sua vitalidade sem recair na falsificação (ou seja, no fogo vital) porque, naquele momento, será o Fogo vibral que se localizará nas ressonâncias corporais ligadas ao elemento da cabeça que você tenha ativado.

Cada um dos Triângulos elementares da cabeça tem o equivalente ao nível do corpo, ao nível do que foi nomeado de Portas.
Cada Porta do corpo tem funções precisas e específicas, cujo próprio nome corresponde, já, a uma iluminação suficiente da função e dos potenciais.
Novamente, não é questão, mesmo se você vá percebê-lo rapidamente, de, necessariamente, reconhecer o número de Triângulos presentes ao nível desse corpo de Eternidade e o conjunto de funções existentes ao nível desses Triângulos, uma vez que o centro de comando é, certamente, ter, já, o coração ativo, mas que é sempre, é claro, a cabeça que dirige, não o coração, mas que dirige o deslocamento, a resolução ou a exploração de um determinado potencial.

O que eu lhe digo é, voluntariamente, muito geral para impulsionar, em você, a curiosidade de descobrir, por si mesmo, a ação da Luz vibral em si mesmo, mesmo em um ataque do corpo material.
Isso terá uma ação, eu diria, muito mais transcendente e rápida do que o que você podia fazer até agora, quer seja com o magnetismo, quer seja com a energética, quer seja com medicamentos ou qualquer outra espécie de produtos.
Eu diria, sem qualquer jogo de palavras, que o milagre está ao seu alcance.
Não há qualquer necessidade de crer ou de não crer, há apenas que viver a experiência, qualquer que seja o tipo de manifestação que o atinja.

Você terá, de qualquer modo, percepções ao nível de setores topográficos, tais como eu os defini.
Você terá, de qualquer modo, uma ação, no mínimo, sobre a causalidade e, portanto, na explicação do problema apresentado, que o leva a retificar-se, seja ao nível de seu mental, seja ao nível de suas emoções, seja ao nível de suas próprias memórias.
Eu o lembro de que essas memórias estão alojadas no Triângulo da Terra, na parte de trás da cabeça, que está em ressonância direta com o cerebelo, lugar das memórias, tanto das vidas passadas como do que está engramado em relação às experiências vividas nessa vida, como em toda vida.

Você tem, portanto, aí, elementos importantes.
Eu não entrarei em questões concernentes a tal ou tal ataque, mas, no tempo que me é atribuído, eu gostaria, se há necessidade e se é necessário, de especificar esse tipo de aplicação, esse tipo de técnicas, gostaria de escutá-los.

Mas, eu repito, é a você que cabe descobrir tudo isso, os meios são muito simples, e você terá, assim, a prova direta da eficácia da consciência, da eficácia da Luz, não pela vontade pessoal, mas, diretamente, pela movimentação dos Quatro Vivos ou de alguns desses Quatro Vivos, tanto em suas estruturas materiais como na estrutura de Existência.
Se há necessidade, portanto, de complementos, de explicações, eu os escuto.

Questão: você disse que, para ativar um Triângulo, era necessário perceber os pontos dele...

No mínimo, um ou dois, os três não são indispensáveis.
Para aqueles que percebem os Triângulos, vocês constataram que os pontos são ativados de diferentes modos.
Que, por vezes, vocês percebiam a base do Triângulo, por vezes, a ponta e que essa ponta punha-se a mover-se, assim como a base, ao final de certo tempo.
Você revela, na manifestação, ou seja, na encarnação, o potencial desse Triângulo, seja por um ato de diagnóstico autoterapêutico, seja diagnóstico explicativo, concernente a um dano do corpo material ou de um dos envelopes sutis.
Obviamente, se nenhum ponto de vibração da Coroa radiante da cabeça manifestou-se, o que quer dizer que a Coroa radiante da cabeça pode estar ativa sem que haja, ainda, individualização percebida desses diferentes Triângulos, assim, portanto, o que eu disse não terá qualquer ação se você não percebe o Triângulo, de modo algum.

Questão: há que procurar a percepção desse Triângulo se não se percebe ou é preciso desistir?

Eu penso que, se você não o percebe, é preferível desistir.
Existem, contudo, elementos que foram dados há numerosos anos, por Um Amigo, concernentes ao yoga da Unidade e da Eternidade, que consistem, justamente, a fazer aparecer essa percepção, se ela não está presente, que consiste em colocar três dedos sobre um Triângulo, que é, portanto, um meio de tentar conectar o fogo vital com o Fogo vibral nesses pontos específicos.
Tanto mais que, eu o lembro, a Luz que chegava pelo Espírito Santo, pelo ponto ER da cabeça, ativava os chacras.
Hoje, a Luz vibral não é mais obrigada a tomar esses circuitos que se re-sintetizaram como uma cópia de seu corpo material, mas que a Luz vibral deposita-se em múltiplos lugares de seu corpo, que você percebe por formigamentos, que você percebe por calores ou por vibrações em alguns segmentos de seus membros ou de seu tronco ou de sua cabeça.

Você tem, portanto, a possibilidade, mesmo se nada perceba, de utilizar seus dedos para, já, perceber o elemento.
Do mesmo modo que você pode desencadear a percepção do elemento pela prática dos cristais ou dos movimentos que lhe foram comunicados por Li Shen.
Ele deu, eu o lembro, até agora, o movimento da Dança da galinha que cisca e o movimento do Vôo da Águia, que ativam, portanto, o Triângulo do Ar e o Triângulo da Terra.
Não é por acaso que isso foi dado nessa ordem, porque, ativando esses dois Triângulos, independentemente de ser topograficamente atrás do corpo e à esquerda do corpo, você vai, também, arejar, se posso dizer, as memórias arcaicas ligadas ao comportamento, ligadas às anomalias comportamentais ou às memórias residuais cármicas ou outras.

Assim, portanto, utilizando seus próprios dedos, utilizando cristais, utilizando os movimentos, você tem a possibilidade de ativar esses dois Triângulos.
E, efetivamente, entre vocês, vocês são numerosos a sentir, de maneira privilegiada, o Triângulo do Ar, o Triângulo do Fogo ou o Triângulo da Terra.
Alguns, em contrapartida, apresentarão mais uma sensibilidade mais importante e uma percepção mais acurada do Triângulo da Água.
Isso corresponde a certo número de elementos que eu não posso desenvolver inteiramente hoje, mas que tratou, diretamente, do que nós nomeamos Origem Estelar.
Mas tudo isso, vocês vão descobrir com extrema facilidade.
Eu não posso dar-lhes todos os detalhes, mas vocês podem muito bem revelar, a si mesmos, sua linhagem ligada ao elemento Fogo, ativando o Triângulo de Fogo, e vocês verão, efetivamente, o que perceberão, naquele momento, como imagem ou qualquer outra coisa que está em relação com essa linhagem.

Vocês poderão, também, programar seus próprios sonhos, ativando um ou outro desses Triângulos, ao deitar.
Do mesmo modo que é possível, e isso foi prescrito pelo Arcanjo Anael ou por Maria, ativar os potenciais espirituais das Estrelas por alguns óleos essenciais, pela aplicação de alguns produtos nesses pontos Estrelas.

Se, ao final da utilização de seus próprios dedos, a percepção de nenhum ponto do Triângulo concernido aparece, de momento, isso não é para você.
Isso quererá dizer que, naquele momento, será preciso trabalhar, de maneira privilegiada, na recepção da Luz pela coroa.

O que eu digo é, com certeza, inteiramente válido para todos aqueles de vocês que viveram, de uma maneira ou de outra, a ativação de uma das Coroas radiantes ou a ativação da Onda de Vida ou a ativação do Canal Mariano.

Para todos aqueles de vocês que viveram uma dessas coisas ou a totalidade dessas coisas, os resultados serão mais do que probantes.
Para aquele que nada percebe por seus dedos, o trabalho elementar, seja pelo movimento, seja pelos cristais, permitirá, aí também, ao fim de um tempo variável, perceber e sentir o que vocês não percebiam até agora.
Vocês constatarão, vocês também, em si mesmos, a ação de sua atenção e de sua consciência, não na zona doente de seu corpo, mas, sim, diretamente nos Triângulos elementares que comandam essa zona.

Questão: quando o Triângulo do Fogo está com a ponta para baixo e se acopla com o Triângulo da Terra, isso não faz o selo de Salomão?

Não, é preciso que a ponta do Triângulo de Fogo ou do Triângulo da Terra mova-se, e eu especifiquei que havia um movimento.
E, nesse movimento, eu especifiquei que o que se deslocava primeiro era a ponta do Triângulo considerado.
Você tem, portanto, um Triângulo de geometria variável, e não mais, fixamente inscrito nos pontos que você conhece.
A partir do instante em que você sente essa mobilidade e esse deslocamento do Triângulo pela atenção e a consciência, naquele momento, é você que vê, pela atenção e a consciência, o que se desenrola ao nível das pontas.
Eu não disse que as pontas permaneciam no mesmo lugar, eu disse, efetivamente, que elas se deslocavam, seja na horizontal, diante de vocês, ou atrás de vocês, ou à sua esquerda ou à sua direita.
Mas, geralmente, há, efetivamente, um basculamento da ponta do Triângulo, quando de sua revelação.
Eu os convido, portanto, a levar a efeito suas próprias experiências, para constatarem, por si mesmos, a veracidade de minha comunicação.

Permitam-me, agora, cessar as palavras e fazê-los viver, se vocês o aceitam, o coroamento do Espírito do Sol, que corresponde, efetivamente, à ativação dos quatro Triângulos elementares.
Mesmo se vocês não os percebam, o que vai produzir-se corresponde, exatamente, a isso.

… Silêncio…

Eu rendo graças por seu acolhimento, por sua presença e por sua escuta.

Até breve.



SRI AUROBINDO


Eu sou Sri Aurobindo.
Irmãos e irmãs, aqui e alhures, instalemo-nos, primeiro, na Paz e em nosso acolhimento comum, na presença do Espírito do Sol.

… Silêncio…

O quadro de minha intervenção presente faz-se, diretamente, como Melquisedeque do Ar.
Há numerosos anos, eu evoquei, com vocês, o Choque da humanidade.
Como, talvez, vocês o vivam, sabem ou o veem, esse Choque da humanidade está em curso.
Vocês não estão, unicamente, no Anúncio, mas, bem mais, em plena revelação, e, portanto, revelação dos elementos, também, em todos os seus aspectos, nomeados os Cavaleiros, assim como foi escrito no Apocalipse, mas, também, de maneira figurada, em inúmeras tradições e civilizações.

O Choque da humanidade, qualquer que seja o estágio de sua aceitação ou de sua recusa, passa por certo número de etapas que eu não vou voltar a desenvolver, mas, bem mais permitir-lhes situar-se nisso, para ajustar-se ou, eventualmente, modificar, por apelo, sua atribuição vibral.
Minha intervenção será pontuada, eu diria, de maneira não habitual, por alguns silêncios.
Esses alguns silêncios são destinados apenas a penetrar em vocês, pelo Fogo vibral de nossa Presença Una, para imprimir, em vocês, a vivência desses conceitos.

Cada uma das etapas do Choque, a título individual ou coletivo, traduz-se pelo aparecimento prioritário e majoritário de um dos elementos de seu corpo, como dos Cavaleiros.

A recusa, primeiramente, corresponde, precisamente, ao elemento Terra, que é demasiado importante.

A negação de realidade corresponde ao elemento Água.

A raiva, assim como a negação, corresponde ao elemento Fogo.

E, enfim, a aceitação, corresponde ao elemento Ar.

Há, portanto, uma correspondência total e adequada entre o estado de sua confrontação nomeada Face a Face, entre o Eterno e o efêmero.
Conforme a manifestação essencial de suas emoções durante este período, você pode, então, daí deduzir o estado de avanço, se posso dizer, de seu Choque pessoal.

Retomemos.

… Silêncio…

A recusa está em ressonância com o Triângulo da Terra.
Ativando o Triângulo da Terra, pelo que acaba de ser exposto por Mestre Philippe, vocês vão, então, pacificar a recusa.

Pela ativação do Triângulo da Água vocês vão melhorar e fazer desaparecer a negação.

A raiva será apaziguada pelo Triângulo de Fogo.

A aceitação e a Graça, e os agradecimentos serão vividos pelo Triângulo do Ar e, isso, quaisquer que sejam sua Origem estelar ou suas linhagens estelares.

Por exemplo, quando o Comandante diz para pôr Cristo à frente, isso quer dizer o quê?
Não é, simplesmente, um mecanismo de pensamento, mas é um ato concreto que vocês vão realizar, seja pelo Canal Mariano, mas, de maneira mais direta, ativando, por si mesmos, e na ordem que eu acabo de dar, os quatro Cavaleiros de sua cabeça, o que propicia e realiza o coroamento pelo Espírito do Sol, que lhes permite, então, fazer voltar os Triângulos elementares à sua quintessência, ou seja, os quatro pontos situados de um lado e do outro, na frente, atrás, à esquerda e à direita do ponto ER do centro da cabeça.

Ao ativar esse chacra específico, não unicamente vocês ativam a Fonte de Cristal, mas, além disso, vocês vivem o Coroamento pelo Espírito do Sol e põem seu coração em modo de coração Ascensional, pelo Fogo vibral do coração, que põe fim ao fogo vital e, também, à confusão manifestada por alguns de vocês entre o fogo vital e o Fogo vibral.

Isso lhes dará, então, um esclarecimento e uma resolução de suas percepções psicológicas e espirituais.
Cada elemento que eu lhes dou vem, portanto, ilustrar e demonstrar que o Choque da humanidade pode ser, doravante, vivido individualmente, de maneira extremamente rápida, que os faz passar as etapas do Choque, se já não foi feito, com uma facilidade que eu qualificaria de desconcertante.
Assim é a Graça da Luz, quando a Luz está suficientemente presente nesse mundo, o que é o caso, doravante.

Eu vim, simplesmente, para especificar esses alguns elementos, que os remete à leitura ou à escuta do que havia sido dado, há alguns anos, concernente ao Choque da Humanidade (*), que lhes dá, portanto, o meio de situar-se e de superar o que há a superar, para pôr em adequação o Eterno e o efêmero ou, se preferem, de encarnar o Supramental, não, unicamente, na totalidade – o que já é o caso para aqueles de vocês que estão liberados –, mas de verificar, por si mesmos (para aqueles aos quais esse não é o caso), de viver, de maneira mais direta, seu próprio desaparecimento, seu próprio apagamento, quer seja ao nível da pessoa, ao nível de suas crenças restantes, ao nível de seu comportamento e ao nível de todas as suas relações.

Aí também, como disse Mestre Philippe, cabe a vocês ver, experimentar e demonstrar-se, a si mesmos, a realidade do que eu acabo de enunciar.

Se, em relação a isso, existem questões, eu responderei com grande prazer.
Mas não se esqueça, sobretudo, de ir rever, de algum modo, porque isso vai se iluminar de uma nova luz, o que eu havia dito há alguns anos, concernente ao Choque da humanidade.

Questão: parece-me que você falou da Graça, você pode desenvolver?

A Graça é a adequação total do Fogo do Espírito ou Fogo vibral, que permite transcender, de maneira definitiva, o que pode restar de fogo vital.
Há, portanto, necessidade de identificação desse fogo vital, que se manifesta, justamente, pela ativação, na ordem que eu acabo de dar, dos quatro elementos ou dos quatro Cavaleiros.
Você pode imaginar que, se eu lhes dou isso agora, após todos esses anos, é que vocês chegaram ao ponto de basculamento.

Assim, você terá a oportunidade, por si mesmo, de ver o resultado e de situar-se, instantaneamente, na evolução de seu próprio Choque individual.
Aí também, isso concorrerá, portanto, para o estabelecimento da Graça e, portanto, para o estabelecimento da Infinita Presença, de maneira estável e definitiva, o que permite, de algum modo, antecipar o Apelo de Maria e a estase, o que lhe dá uma percepção concreta e real em sua carne e em sua vivência.

A Graça é um estado de Evidência no qual a fluidez é onipresente, no qual os presentes da Luz são onipresentes, no qual o mental está em repouso, no qual as emoções não têm mais lugar de ser, no instante em que você está totalmente vivo, totalmente transparente e totalmente responsável.
A Humildade é a marca de sua Presença nesse mundo, a Simplicidade também, em suas relações e suas interações nas quais o coração é colocado à frente e nas quais Cristo é colocado entre vocês dois, ou entre você e qualquer situação que seja.
Aí está a Graça e em nenhum outro lugar, para que o conjunto de sua vida, no que resta dela nesse plano, seja uma bênção permanente, um estado de Graça quase permanente e uma capacidade para instalar-se de si mesmo e por si mesmo, independentemente de qualquer alinhamento, independentemente de qualquer exercício, de assentar-se em seu coração, com Cristo.

Questão: alguns podem fazer  vai-e-vens de grande amplitude entre as etapas 1 a 4?

Sim.
A amplitude não é o sinal de uma resistência mais importante, mas, eu diria, bem mais, de uma mobilidade importante.
E essa mobilidade, mesmo se possa aparecer como incômoda a viver ou incômoda a ver para aquele que a vê do exterior, é apenas, de fato, a capacidade da consciência para evoluir, cada vez mais rapidamente e cada vez mais livremente.
Não se deve, portanto, ficar alarmado pelo sentimento de ir de um extremo ao outro, mas, bem mais, aí também, olhá-lo como um evento natural e normal, que lhe dá a ver, real e concretamente, o resultado de seu próprio posicionamento.

Você pode, efetivamente, repassar, muito rapidamente, da negociação à recusa ou da raiva à resolução.
Do mesmo modo que era possível ir do Si ao ego e do ego ao Si e fazer idas e vindas entre essas duas posições, é, efetivamente, possível viver algumas etapas do Choque, por vezes, de um extremo ao outro, com extrema rapidez.
Aí também, você constatará, se pratica isso tal como eu o disse, uma modificação muito rápida da amplitude e da importância desses estados extremos, que o estabiliza em um ou no outro dos estados.

… Silêncio…

Permitam-me depositar, em seu coração, e esse será o meu modo de saudá-los, o Fogo vibral do coração em seu coração, diretamente.

… Silêncio…

Eu os saúdo e digo-lhes até breve.

(*) Ndr: Sri Aurobindo 17.10.2010 - 7.04.2011 - 17.06.2011 - 1.12.2012 - Autres Dimensions

----------------


--------------------
Por favor, não deixem de considerar uma contribuição: aqui

9 comentários:

  1. Destaque parcial (1)

    Esse trabalho de fusão dos elementos realizar-se-á, é claro, por si mesmo, no momento coletivo, o que permite a vivência total, sem risco de ser enganado ou de enganar-se, do que foi nomeado o Juramento e a Promessa <> Isso corresponde ao momento no qual você constatará, por si mesmo, não o sentir do momento, mas, bem mais, pelo efeito, direto e imediato, dos diferentes posicionamentos de sua vida, que permitem resolver o que há a resolver, desenvolver o que há a desenvolver, sem intervenção da vontade, sem intervenção de técnicas que você pode utilizar habitualmente <> O objetivo é, como sempre, a reunificação, a fusão dos elementos e o fim de todo antagonismo e de toda ilusão <> Assim, portanto, não confiem na vibração, não confiem nos sentires do momento, mas, bem mais, na manifestação dos frutos obtidos, no posicionamento de sua consciência ou no desaparecimento de sua consciência. Cabe a vocês, portanto, experimentar, ver, e confiar, é claro, nos resultados, ao invés de nos sentires do momento, sejam eles os mais agradáveis ou desagradáveis. [Parte 1 - Li Shen - A Dança dos Elementos]

    ResponderExcluir
  2. Destaque parcial (2)

    O que eu lhe digo é, voluntariamente, muito geral para impulsionar, em você, a curiosidade de descobrir, por si mesmo, a ação da Luz vibral em si mesmo, mesmo em um ataque do corpo material. Isso terá uma ação, eu diria, muito mais transcendente e rápida do que o que você podia fazer até agora, quer seja com o magnetismo, quer seja com a energética, quer seja com medicamentos ou qualquer outra espécie de produtos. Eu diria, sem qualquer jogo de palavras, que o milagre está ao seu alcance. Não há qualquer necessidade de crer ou de não crer, há apenas que viver a experiência, qualquer que seja o tipo de manifestação que o atinja <> Mas, eu repito, é a você que cabe descobrir tudo isso, os meios são muito simples, e você terá, assim, a prova direta da eficácia da consciência, da eficácia da Luz, não pela vontade pessoal, mas, diretamente, pela movimentação dos Quatro Vivos ou de alguns desses Quatro Vivos, tanto em suas estruturas materiais como na estrutura de Existência. [Parte 1 - Philippe de Lyon: Os Veículos da forma]

    Há numerosos anos, eu evoquei, com vocês, o Choque da humanidade. Como, talvez, vocês o vivam, sabem ou o veem, esse Choque da humanidade está em curso <> Vocês não estão, unicamente, no Anúncio, mas, bem mais, em plena revelação, e, portanto, revelação dos elementos, também, em todos os seus aspectos, nomeados os Cavaleiros, assim como foi escrito no Apocalipse, mas, também, de maneira figurada, em inúmeras tradições e civilizações <> Não se deve, portanto, ficar alarmado pelo sentimento de ir de um extremo ao outro, mas, bem mais, aí também, olhá-lo como um evento natural e normal, que lhe dá a ver, real e concretamente, o resultado de seu próprio posicionamento. [Parte 1 - Sri Aurobindo: A plena revelação dos Elementos]

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Pessoal eles vão postar um vídeo mostrando os movimentos de cada elemento, ou serão em canalizações futuras dos discípulos do Li Shen?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, aguarde um pouco, que os movimentos serão postados.

      Excluir
    2. Os vídeos acabam de ser publicados - estão ao final da mensagem do Li Shen.

      Excluir
  4. LI SHEN - OS QUATRO ELEMENTOS - DANÇA DOS ELEMENTOS
    Agora, no seu segundo retorno, Ele, propõe-se a abordar: ... "Alguns elementos inscritos ao nível do gestual do corpo, dos movimentos do corpo e, também, quando de minha passagem na encarnação, há muito tempo, a oportunidade de reunir certo número de filosofias de vida e de filosofias que eu qualificaria de espirituais. Eu sintetizei, portanto, de algum modo, pela Graça da Luz, os movimentos adequados desse corpo ilusório, para fazê-lo reencontrar o alinhamento total entre o corpo, a alma e o Espírito. Eu fui, então, capaz de levar a efeito meu ensinamento, mas, também, de despertar os mortos; assim veio meu apelido”. Narra que, os quatro elementos, são citados, em ensinamentos, filosofias, terminologias, e mesmo na dualidade, e deu nomes simples aos movimentos, oriundos da cultura dele. Para o Elemento Terra: "a Dança da galinha que cisca; o elemento Ar, com o Vôo da águia; a Água, com a Dança da onda; o Fogo, o Retorno da Fênix. Trata-se, portanto, de algum modo, de uma possibilidade do retorno à Unidade, pela fusão dos quatro elementos, ao nível da essência deles",...Através do nosso corpo. "É uma abordagem diferente, mas cujo objetivo é, certamente, idêntico: criar o estado de Liberação e criar o movimento da Ascensão”...Provando a essência da Unidade, apesar de toda nossa confusão. No elemento Terra, manifesta-se a vida. Vamos saltando, de um para o outro, pois temos as linhagens, a Essência, a origem estelar, capacidade de transcendência total, e de resolver os problemas, ao nível da alma ou de um corpo deficiente. Nosso corpo tem ressonância, com a Essência da manifestação, da Criação, presentes nele. "O elemento Terra remete-os, a essa terra, que é originária de outra terra vinda de Sírius. Ele os remete ao fundamento, à base, à estabilidade, ao equilíbrio e, sobretudo, vai permitir, como eu disse, o alinhamento total corpo-espírito, ou corpo-alma-espírito, se ela está presente." O elemento Ar, junta-se ao elemento sólido, a Terra. Neste cenário, vem a Água,... Que é, unicamente, dirigido pela Inteligência da Luz, que é o meio de manifestação e, ... O organizador das manifestações da vida,... E mobilizada pelo Ar... Enfim, vem o Retorno da Fênix, ou seja, ... Mas o Fogo Celeste... Contudo, a vantagem do corpo é que, estando em movimento, ...Ele envolve a Essência.... Do Elemento... Ressoando na essência dele... Pela posição do corpo. É o momento no qual vocês superam o antagonismo, o momento no qual vocês superam o dualismo do masculino e do feminino.
    É o momento no qual o Masculino sagrado e o Feminino sagrado refazem, novamente, apenas um. Isso foi nomeado de Androginia Primordial, ... O que eu lhes proponho, através disso, através das quatro danças dos quatro elementos, é subir, direta e integralmente, à finalização da Obra no Branco... A quintessência dos quatro elementos é, de algum modo, a estabilização das passagens do ego ao coração, das passagens da garganta e das passagens de trás para frente. Assim, portanto, não confiem na vibração, não confiem nos sentires do momento, mas, bem mais, na manifestação dos frutos obtidos, no posicionamento de sua consciência ou no desaparecimento de sua consciência.”

    Que Melquisedeque Especial... Sai do Silêncio, e manifesta-se, para nos auxiliar, num trabalho corporal, na Essência, rumo a Unidade.

    “O antagonismo não é, propriamente dito, uma oposição, mas, bem mais, um espaço de resolução”. Parece medicamento, para todos os países do Planeta!!!!

    ResponderExcluir
  5. PHILIPPE DE LION – “O corpo de Existência é um corpo de Luz vibral que possui, por analogia, possibilidades, como todo veículo.
    Esse veículo é diferente do corpo de matéria, na medida em que sua plasticidade, sua mobilidade e suas capacidades são incomparáveis em relação ao corpo de matéria. ... O corpo de Existência responde à consciência. Você pôde perceber que, quando um ponto de vibração presente ao nível de uma Porta manifestava-se, ele era, frequentemente, acompanhado de outro ponto ou de dois outros pontos que pareciam ativar-se ao mesmo tempo... O que acontece quando o Triângulo de Fogo – ao nível da frente de sua cabeça – põe-se em vibração e em movimento. Retenham essas denominações: para o alto e para frente. O Ar, é claro, devido à sua posição, está, diretamente, em contato com o que foi nomeado o Canal Mariano, mas, também, a ampola da clariaudiência e, também, o décimo corpo ou corpo de comunicação com o Divino. Ao ativar, pela atenção e a consciência, ou por outros meios que você conheça, o Triângulo da Água, você vai fazer ressoar as capacidades da Água na movimentação, no deslocamento de seu corpo de Eternidade. Assim, portanto, ao invés de procurar eliminar ou superar, pela vontade, uma atividade mental, você tem a possibilidade, juntando a esquerda e a direita de seu corpo material, mas, portanto, também a esquerda e a direita do corpo de Existência, de viver a totalidade de seu alinhamento com a Fonte, a Infinita Presença e, portanto, fazer desaparecer, de maneira quase instantânea, toda atividade mental que venha perturbar o que quer que seja, segundo sua apreciação. Se você põe, paralelamente, em ação, em vibração, o Triângulo de Fogo e o Triângulo da Terra, você vai induzir, de maneira cada vez mais rápida, a sedação total de toda emoção, pelo equilíbrio do movimento para baixo e do movimento para cima, ao nível do coração. Trata-se, portanto, de um trabalho transcendental direto, que se realiza por uma alquimia vibratória entre a Eternidade e o efêmero, quer instala, em você, a ação conjunta dos elementos e permite-lhe, de maneira direta, doravante, pôr-se na Paz, na vacuidade, no silêncio das emoções, no silêncio da pessoa e, instantaneamente, no instante presente. Assim, portanto, pela ação direta de sua consciência, não na zona do corpo, mas nos Triângulos elementares correspondentes a essa zona, você vai poder superar qualquer ataque que seja em você. Cabe a você ver o que se desenrola em você, ao ativar esses Triângulos, um a um, dois a dois, ou três ao mesmo tempo, ou quatro. Eu lhe dei, portanto, a possibilidade, por intermédio de sua atenção e de sua consciência, de intervir, diretamente, em seu corpo material, para permitir a ação direta da Luz vibral ao nível desse corpo material, sem qualquer ajuda exterior. O que eu lhe digo é, voluntariamente, muito geral para impulsionar, em você, a curiosidade de descobrir, por si mesmo, a ação da Luz vibral em si mesmo, mesmo em um ataque do corpo material. Não há qualquer necessidade de crer ou de não crer, há apenas que viver a experiência, qualquer que seja o tipo de manifestação que o atinja. Permitam-me, agora, cessar as palavras e fazê-los viver, se vocês o aceitam, o coroamento do Espírito do Sol, que corresponde, efetivamente, à ativação dos quatro Triângulos elementares.”

    Que Doçura de Ser... Quantas dicas, quantas possibilidades, quantas bênçãos .... E para encerrar coroou-nos com o Espírito do Sol... Vibrações sentidas....

    ResponderExcluir
  6. SRI AUROBINDO - "Como, talvez, vocês o vivam, sabem ou o veem, esse Choque da humanidade está em curso. Cada uma das etapas do Choque, a título individual ou coletivo, traduz-se pelo aparecimento prioritário e majoritário de um dos elementos de seu corpo, como dos Cavaleiros. A recusa está em ressonância com o Triângulo da Terra. Pela ativação do Triângulo da Água vocês vão melhorar e fazer desaparecer a negação. A raiva será apaziguada pelo Triângulo de Fogo. A aceitação e a Graça, e os agradecimentos serão vividos pelo Triângulo do Ar e, isso, quaisquer que sejam sua Origem estelar ou suas linhagens estelares. Cada elemento que eu lhes dou vem, portanto, ilustrar e demonstrar que o Choque da humanidade pode ser, doravante, vivido individualmente, de maneira extremamente rápida, que os faz passar as etapas do Choque, se já não foi feito, com uma facilidade que eu qualificaria de desconcertante. Assim é a Graça da Luz, quando a Luz está suficientemente presente nesse mundo, o que é o caso, doravante.​ A Graça é um estado de Evidência no qual a fluidez é onipresente, no qual os presentes da Luz são onipresentes, no qual o mental está em repouso, no qual as emoções não têm mais lugar de ser, no instante em que você está totalmente vivo, totalmente transparente e totalmente responsável."

    ​Que néctar!!!! Que oportunidade ímpar, para a Humanidade, transcender, seus aspectos ilusórios,

    pela Luz!!!!​

    ResponderExcluir
  7. SRI AUROBINDO

    "Se eu lhes dou isso agora, após todos esses anos, é que vocês chegaram ao ponto de Basculamento. Assim, você terá a oportunidade, por si mesmo, de ver o resultado e de situar-se, instantaneamente, na evolução de seu próprio choque individual.

    "Aí também, isso concorrerá, portanto, para o Estabelecimento da Graça e, portanto, para o Estabelecimento da Infinita Presença, de maneira estável e definitiva, o que permite, de algum modo, antecipar o Apelo de Maria e a estase, o que lhe dá uma percepção concreta e real em sua carne e em sua vivência.

    "A Graça é um Estado de Evidência no qual a Fluidez é Onipresente, no qual os presentes da Luz são Onipresentes, no qual o mental está em repouso, no qual as emoções não têm mais lugar de ser, no instante em que você está totalmente Vivo, totalmente Transparente e totalmente Responsável.

    "A Humildade é a marca de sua Presença nesse mundo, a Simplicidade também, em suas relações e suas interações nas quais o coração é colocado à frente e nas quais Cristo é colocado entre vocês dois, ou entre você e qualquer situação que seja.

    "Aí está a Graça e em nenhum outro lugar, para que o conjunto de sua vida, no que resta dela nesse plano, seja uma Bênção permanente, um Estado de Graça quase permanente e uma capacidade para Instalar-se de si mesmo e por si mesmo, independentemente de qualquer alinhamento, independentemente de qualquer exercício, de Assentar-se em seu Coração, com Cristo."

    ResponderExcluir