Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

31 de jul de 2009

MARIA – 31 de julho de 2009

DO SITE AUTRES DIMENSIONS






Eu sou Maria, rainha dos Céus e da Terra.
Meus filhos, eu lhes transmito toda minha Paz e todo meu Amor.

Eu venho a vocês, com meu Amor, para explicar certo número de coisas que, hoje, finalmente, podem ser reveladas e lhes são transmitidas porque os tempos chegaram, meus filhos.

Há muitos séculos, em seu tempo Terrestre, que eu apareço e me manifesto, em muito numerosos países, em muito numerosas pessoas e de diferentes modos.

Cada vez que eu apareço, eu porto um vestuário, um vestuário de Luz que demonstra o papel desta Presença e desta aparição em sua densidade, para esses médiuns, para esses videntes, a fim de significar várias coisas.

Assim, alguns desses contatos puderam me descrever com diferentes mantos e diferentes vestes.
Esses mantos e essas vestes assinalam a Vibração que eu aporto no lugar e no tempo onde eu me manifesto.

A Vibração a mais comum na qual eu apareço é o manto azul, o manto azul de Sirius, de onde sou originária e de onde sou a grande Deusa.

Meus filhos (assim eu os chamo porque assim vocês são, meus filhos, todos, sem exceção), eu reino em seus Céus e eu reino sobre esta Terra, porque eu sou a matriz original, nesta dimensão como nas outras dimensões de sua própria alma.

Eu sou a Fonte de seu Espírito e eu sou a Fonte.

Meus bem amados, eu apareci para esta Humanidade bem após minha partida e meu retorno ao Céu, tanto em revelações privadas como em revelações públicas.
Mas, entretanto, isso não tem qualquer importância.

O importante é a mensagem de Amor que lhes emiti, de toda eternidade, para convidá-los a imitar o Cristo.

Bem além do personagem que foi meu Divino Filho, eu gostaria, com isso, pedir-lhes para amar e doar.
Porque a chave do Céu apenas se encontra no Amor, a chave do Céu apenas se encontra na Vibração «partilhar e dar» e na Alegria.
Coisa que lhes falta cruelmente neste final dos Tempos.
Porque vocês realmente chegaram neste final dos Tempos, anunciado e profetizado, e isso deve preenchê-los de Alegria e não de temor, isso deve preenchê-los da Alegria e de gratidão, porque a Fonte Una vem revelá-los a vocês mesmos, ela vem cobri-los com sua túnica imortal, com sua Vestimenta de Luz.

Assim, vocês também usarão o manto de Sementes de estrelas, vocês, que decidiram me acompanhar nesta peregrinação e nesta dimensão, para fazê-la despertar e revelar.

Hoje, nós aí estamos, meus filhos.
Eu venho anunciar, muito em breve, o que eu lhes prometi de toda eternidade.

Pelo momento, eu deixo trabalhar o Arcanjo Miguel e o Conclave que, eu os lembro, me entregaram os Selos, as Chaves e as Vibrações, dando-me todo poder, sobre a Terra como no Céu, a fim de lhes revelar, pela mediação da Luz que lhes vem do fundo das estrelas, que vem solucionar a Ilusão na qual vocês se debatem.

Lembrem-se das palavras de meu Filho: «seu reino não é desse mundo» e, no entanto, vocês andam nesse mundo, a fim de remetê-lo à glória da Unidade e isso está em curso.

Como lhes disse Miguel, não se interessem pelos Anjos rebeldes que não querem a Luz pelo momento.
Essa é a liberdade e a escolha deles, essa é a Verdade deles, e em nenhum caso nós os condenamos.
E vocês tampouco, vocês não devem julgá-los, porque vocês não têm os elementos do quebra-cabeça, em sua cabeça e em seu coração, para lhes permitir julgar saudável e claramente.

Qualquer que seja seu grau de abertura, qualquer que seja sua intuição, qualquer que seja sua transparência de alma, vocês não terão jamais, nesta densidade, todos os elementos do quebra-cabeça.

Vocês não podem, portanto, julgar, vocês não podem, portanto, compreender, vocês não podem, portanto, apreender a totalidade do Plano em sua Divina majestade, mas, entretanto, vocês sabem onde se encontra a porta de saída desta ilusão.

Para isso, vocês devem se desembaraçar de todas as suas bagagens, de tudo o que não é Unidade, de tudo o que é dualidade, em vocês.

As sombras, as manchas de sombra em meio mesmo de suas estruturas físicas e sutis, serão lavadas pela túnica imortal, aquela de seu corpo que foi chamado de corpo de existência, de eternidade ou corpo de Luz, que vem a vocês, a fim de fazê-los viver, não mais os Casamentos Celestes, mas os Casamentos Místicos, aqueles da reunião das águas do Alto e das águas de Baixo, aquelas da reunião, mesmo em sua personalidade, da existência, da eternidade, a fim de fazê-los reintegrar a Alegria eterna, os domínios sem limites da Verdade, e do Amor do Pai/Mãe.

Então, vocês devem aceitar e aquiescer o que vem, porque o que vem é para seu bem e para sua revelação.

Não creiam que a Luz vem de um lugar inexistente em seu espaço e no espaço de seu ser.
A Luz nasce e vem do coração, do coração de seu ser e do coração das galáxias.

Ela vem, acompanhada dos Anjos.
Os Anjos são numerosos, hoje, eles se preparam para interceder em sua dimensão, eles se apresentam a vocês, já, sob forma de sonhos, sob forma de presenças que vocês sentem no curso de suas noites e de seus dias.

Que alguns de vocês não se inquietem, porque eu me manifestarei a eles, de maneira antecipada com relação a meu Anúncio.

Alguns de meus filhos me percebem em minhas diversas vestes.
Para alguns deles, eu falo, para alguns deles, eu comunico minha Vibração, a fim de que eles se tornem os primeiros, Sementes de estrelas, Sementes de Verdade e sementes de eternidade para os tempos que vêm, a fim de iluminar seus irmãos que buscam e que não sabem onde buscar e que serão transtornados pelos sinais no Céu e sobre a Terra.
E, no entanto, assim como lhes disse Miguel, isso não é destruição, mas, sim, desconstrução da Ilusão e acesso à Verdade.

Vocês devem ser leves, vocês não deve mais se obstruir com posses, quaisquer que sejam, assim como em relação aos comportamentos procedentes de seus passados, quaisquer que sejam.

A graça vem, a graça apaga a ação/reação e o carma.

Seus planetas (que são a exata reprodução, no Alto, do que está em vocês), suas lâmpadas, se transformam.

Vocês veem como seus corpos se transformam?
Vocês veem como suas consciências se transformam e se preparam para acolher o retorno da Luz?

Obviamente, inúmeros seres vão querer fazê-los crer que é sua cabeça e não seu coração, que são Ilusões e não a Verdade, mas vocês são a Verdade, vocês não são a Ilusão.

O que vocês construíram nesta densidade, certamente, foi muito bonito, mas, entretanto, não é o paraíso, entretanto, não é a nova Terra.
E eis que vem a nova Terra, aquela que vocês construíram por suas Vibrações e pelo Amor e que, ela também, deseja aceder a esta nova dimensão.

A hora da ascensão, a hora da assunção, para alguns, chega a grandes passos.
Vocês devem se preparar.
A preparação é interior.
Ela necessita que vocês olhem face a face a vocês mesmos, tal como vocês são, e não tal como vocês atuam nesta dimensão, em seus papéis sociais, em seus papéis afetivos.

Vocês são mais do que seus papéis, vocês são mais do que vocês creem e do que vocês desempenham.
Vocês devem ousar penetrar em seu coração, lá, onde não há qualquer ilusão e qualquer engano.
Porque lá vibra o coração do universo, lá vibra a Fonte.

O sol, Fonte de Luz em sua densidade, manifesta-se a vocês em seu esplendor.
Os planetas volantes se manifestam a vocês, também, em seu esplendor.
E a Luz vem, e ela é visível, já, para aqueles que sabem ver além da visão.

Aqueles que vibram, em sua interioridade e em sua eternidade, pressentiram o chamado da Luz, eles vivem as premissas, eles vivem os sobressaltos de Amor.

Mas o dia em que a Alegria chegar, inteiramente, em sua dimensão, vocês serão então lavados pela Luz.

Assim, o bem amado João veio insistir junto a vocês sobre a releitura, não com a cabeça, mas com o coração, do Apocalipse de São João, que foi ditado, palavra por palavra, por meu Divino Filho.

Eu sou aquela que os acompanha, individual e coletivamente, em seu retorno na graça, em seu retorno na eternidade.
Eu sou sua mãe benevolente.

Não pode haver engano comigo.
Como uma mãe real poderia prejudicar seu filho ou seus filhos?
Aquela que prejudica não é a Mãe.
A Mãe eterna não pode jamais, jamais, querer que se toque em um único fio de seus cabelos.
Vocês são preciosos, do mesmo modo que são a meus olhos, porque vocês são a eternidade, em retorno para sua Unidade.

A própria Essência de sua presença sobre a Terra se revela a vocês pela Alegria, pela Verdade, pela necessidade de se aliviarem e se purificarem, pela necessidade de não mais crer em sua cabeça, mas unicamente em seu coração e no que ele lhes dita na Vibração.

Bem frequentemente, em minhas aparições, eu mostro meu coração, assim como meu Divino Filho, porque esse é o objetivo, reencontrar o coração, para ali viver e palpitar de uma Alegria eterna e sem fim, percorrendo as estrelas, as dimensões, livres, e não mais fechados nesta Ilusão, nesta materialidade, que, no entanto, meus bem amados filhos lhes permitiram crescer na Esperança, na Verdade e na Luz.

Então, não é preciso julgar.

Toda experiência, finalmente, é boa, porque ela lhes permite, quaisquer que sejam as recusas vividas durante a experiência e a dureza de algumas experiências de encarnação, ela lhes permite reforçar a base da Luz em vocês.

A Luz é Vibração, antes de ser visão.
A Luz é Amor, antes de ser efeito e é isso que vem em vocês.

Hoje eu lhes peço para serem leves, para voltarem a ter um olhar novo, como uma criança que se maravilha, que não procura comparar com uma experiência passada.
Porque o que vem nada tem a ver com o passado, porque o que vem é nova Lei e nova Vida e não pode ser, em Verdade, de forma alguma ligada a uma sucessão vinda de seu passado.

Isso foi anunciado, quando de sua passagem sobre a Terra, por meu Divino Filho, e isso é agora.

Muito numerosos profetas, no passado, anteciparam esta época e esses momentos abençoados que vocês vivem.
Eles os descreveram, sob forma de aforismos, sob forma de imagens e, por vezes, de maneiras mais diretas.

Mas a revelação a mais direta é aquela do bem amado João, aquele que veio, em sua última encarnação, significar-lhes a chegada da Luz que ele foi o primeiro a perceber.

Esta Luz da Verdade, esta Luz eterna que a própria Fonte, o Pai, manifestou quando de sua última tomada de corpo.

Vocês estão cercados como nunca.
Vocês são amados como nunca.

O Conclave Arcangélico, os 24 Anciões, os Cavaleiros do Apocalipse supervisionam e velam.

Os 4 Viventes também estão aí e preparam seu nascimento.
Este nascimento é um verdadeiro nascimento, ele corresponde a um nascimento no Amor e na Verdade nos mundos da não separação e nos mundos da Unidade.

Vocês vão penetrar, em breve, diretamente, primeiro de maneira vibratória e interior, nesta Verdade.
Vocês não devem estar apegados a nada desse mundo, porque nada desse mundo existirá mais, simplesmente, sem passar pela destruição, mas passando pela dissolução.

A Ilusão retorna à Ilusão, a Verdade retorna à Verdade e não pode ser de outro modo.

Vocês devem cruzar o limiar, assim como o nomeou o bem amado João, a franja de interferência, esse mundo onde sentam seus medos, onde senta seu mental, suas emoções, que os impedem, apesar da Vibração, de perceber claramente a Verdade.

Mas, entretanto, cada dia que passa, doravante, os aproxima, de maneira inexorável, num tempo humano e contado e, portanto, definido, e não num hipotético dia seguinte, mas sim, agora.

Os dias, cada dia que passa, faz coincidir o tempo Terrestre com o tempo Celeste, a franja de interferência desaparece.

O supramental não está mais, tal como João o descreveu, tão afastado, o supramental está às suas portas.
Algumas lâmpadas (suas lâmpadas são os planetas, vocês compreenderam) sentem já as premissas e as manifestações.

Elas são agitadas, como vocês são agitados, não pelo espanto, mas pelo esplendor do despertar, pela própria transformação inerente a esta revelação.

Então, como se preparar?
O mais importante não é o conhecimento, mesmo se ele lhes é desvendado, necessariamente, pela Luz.
O importante é permanecer centrado em seu coração, e ali viver a Vibração, ali viver o instante e viver cada minuto e cada sopro como algo de único.
Porque cada respiração e cada sopro é único nos Tempos que vocês vivem.

Foi-lhes anunciado isso em todos os tempos e de múltiplos modos: «que aqueles que têm olhos para ver, veem»,
«que aqueles que têm ouvidos para ouvir, ouvem», e que aqueles que têm a Vibração («felizes os Simples de Espírito»), vibram para o que vem.

E, bem amados filhos, nenhuma Sombra pode resistir ao que vem.
A Sombra dominou suficientemente a Ilusão e os dominou e os conduziu sobre terrenos que os afastavam da Luz.

Hoje, é preciso ser simples, é preciso voltar a ser simples.

Nesse sentido, lhes é solicitada a humildade a maior, por que ninguém pode se glorificar da Luz.
Basta simplesmente vivê-la, integrá-la, acolhê-la, aceitá-la, transmutá-la e transcendê-la e revelá-la ao mundo.

Isso se basta por si, isso basta para seu destino e para seu caminho.

Vocês não têm outra alternativa a não ser aceitar ou recusar a Luz.
Tudo o que vocês têm será tirado, exceto a Vida, exceto a Verdade, exceto a Luz, porque vocês são a Vida, a Verdade e a Luz.
Todo o resto é apenas ilusão, construída por projeções desejadas, certamente, necessárias durante um tempo, mas o tempo que vem não é mais o tempo passado.

O tempo que vem, vem realizar as Leis, não as leis dos homens, mas as Leis da Luz.
Lei da Luz que é liberdade, eternidade, Verdade, e Glória.
Glória da Graça, e Graça da Glória.
Vocês são isso.

Aí está, bem amados filhos da Luz, meus filhos, o que queria lhes transmitir.

Agora, se vocês têm questões com relação a isso, gostaria, na medida em que me é permitido e possível, de responder.

Questão: poderia nos falar de seu lugar de aparecimento, Garabandal, na Espanha?

Sim, e isso deve ser anunciado por toda parte pelo mundo.
Quando de minha vinda a Garabandal, eu anunciei certo número de coisas.
A primeira dessas coisas que anunciei era a Advertência.
A Advertência era a vinda de Miguel pela Vibração das palavras, pela Vibração de sua Essência e pela Vibração de sua matéria que é corpo celeste, e interrupção de certo número de fenômenos, ligados à Ilusão, que os conduziram para onde vocês estão hoje.

A vinda de Miguel, em sua Presença manifestada através dos corpos celestes, que em breve vocês receberão, é a Advertência.

A Advertência dará um choque e o humano terá vontade de se voltar para a Verdade, para a Unidade, para a Luz.

E depois, em seguida, como eu disse e repeti em Garabandal, virá o Anúncio.
O Anúncio que eu farei será um anúncio feito em seu ser interior, ao nível do coração (que ele esteja aberto ou fechado, ninguém poderá resistir a meu Anúncio e a meu chamado, mas poucos responderão).

Isso ocorrerá dentro de muito pouco tempo, em tempo Terrestre, porque vocês estão nos tempos.

Eu virei quando de um aniversário importante relacionado a Garabandal.
A partir desse dia, os sinais que eu mostrei em minha aparição em Fátima, mas também no Egito, onde eu aparecia sobre o sol, corresponde à realidade do que vocês observarão no céu.

Naquele momento, vocês estarão prontos, em Verdade, para viver a eternidade.

Meus filhos que tiverem aceito minha Presença viverão então um fenômeno especial, um fenômeno em que sua consciência vagará entre 2 mundos, entre esse mundo da Ilusão e o mundo da Verdade, durante 3 dias e 3 noites, assim como foi anunciado.

Tudo o que eu anunciei, mesmo se as palavras de alguns médiuns forçaram, isso não é importante.
O que vem é importante.

Assim, o milagre do sol, a Advertência, o Anúncio que eu lhes farei, chega a grandes passos, agora.

Então, convém a vocês irem para o essencial, irem em sua Essência, em seu coração.
Isso deve ocupar seus dias, suas noites, suas respirações, a fim de se prepararem e se terem prontos para acolher o que vem.

Não me cabe, pelo momento ainda, revelar as etapas ulteriores.
As mais importantes são agora.

As etapas ulteriores são apenas complementos.
O mais importante é a Advertência e o Anúncio da Luz e o anúncio de meu retorno, não mais em uma revelação privada ou pública, mas na humanidade toda, inteira, sem exceção.

Eu especifico, raças humanas e não humanas: a Terra inteira, em todas suas vidas, o sistema solar, em sua totalidade, em todas suas vidas e suas dimensões, viverá o Anúncio, para que ninguém possa dizer que não sabia.

O plano da Fonte é perfeito.
Nada pode ser mudado, em todos os tempos.

Questão: qual diferença você faz entre o desaparecimento e a dissolução desse mundo?

É muito simples, meu filho: o desaparecimento estaria ligado a uma destruição e, portanto, a um sofrimento.
A dissolução é um desaparecimento puro e simples, uma transmutação pela Luz e, portanto, a ausência de sofrimentos.
Mesmo para aqueles que não querem a Luz.

Questão: o que se chama de 4 cavaleiros do Apocalipse no contexto atual?

Corresponde, em parte, ao efeito dos 4 viventes, viciado e alterado nesta dimensão alterada que é a 3ª dimensão na qual vocês estão.

Assim, os 4 cavaleiros do Apocalipse são, se querem, a ressonância infernal e inferior do que é chamado de 4 viventes, que se sentam ao redor do trono da Fonte Una.

Esses 4 Cavaleiros devem ser, eles também, lavados no manto do cordeiro, a fim de serem transmutados.

Alguns sinais da desconstrução, assim como lhes evocou o Arcanjo Miguel, o bem amado, fazem parte da revelação desses 4 Cavaleiros do Apocalipse e eles correspondem aos 4 elementos liberados, tais como vocês começam a vivê-los e tais como eles chegam em sua plena manifestação.

Isso não é uma vontade da Fonte, é apenas a ilustração do princípio de ressonância e de atração que vocês criaram, vocês todos, nesta densidade.

Não há culpa a ter com relação a isso, há somente que olhar desaparecerem suas ilusões, sem ali portar qualquer energia, qualquer consciência e, obviamente, qualquer vontade de ali permanecer.

Assim, aqueles que acolherem a Luz inteiramente e meu Anúncio, não têm absolutamente nada a temer do que vem.


Não temos mais perguntas, agradecemos.


Meus filhos bem amados, então, eu vou lhes pedir, agora, para acolherem o manto azul da Graça.

Para isso, eu lhes peço que se coloquem na posição de acolhimento e para prepararem seu coração para receber esse manto, aí, agora, todos juntos.

Esse manto é uma Graça, ele lhes confere o olhar da Verdade, ele lhes confere a compreensão e a cura, esse é meu presente, agora.

Acolhamos.

... Efusão de energia ...

Eu os amo e lhes digo até em breve, meus filhos.

__________________________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

ANAEL – 31 de julho de 2009

DO SITE AUTRES DIMENSIONS



Eu sou Anael, Arcanjo.
Recebam Luz, paz, Amor.

Eu intervenho desta forma, agora, como emissário e embaixador do Conclave Arcangélico, a fim de lhes permitir colocar as questões essenciais relacionadas com a evolução e a transformação espiritual em curso em sua Humanidade.

Então, abrirei primeiro, se querem, um espaço de questões às quais eu responderei, antes de lhes dar outras informações específicas para seus instantes e para seus momentos.

Então, comecemos.

Questão: a palavra cristal é composta de Cristo e de Al. Hoje, com a aproximação do Al, que vivemos, há um significado especial?

Sim. Vocês chegam, hoje, nas escalas da Humanidade, à revelação da Vibração sonora.

Qualquer que seja a língua que vocês falam e compreendem, para além do que seu consciente e seu ouvido ouvem, existe, nesta língua, uma Vibração arquetípica que os conduz, inevitavelmente, à Vibração da Fonte.

Assim é, efetivamente, da palavra cristal, assim como você compreendeu.

Questão: o fato de trabalhar com o cristal está em relação com o caminho para a ascensão?

Cristal é Luz elevada, é Luz revelada.
Cristal, em sua densidade, é transparência, dureza e beleza.

O cristal é o lugar da memória e da ressonância.
O cristal é ferramenta de relacionamento entre sua dimensão e outras dimensões.

Seu lugar é importante em outras dimensões, bem mais que os papéis que vocês percebem e experimentam aqui embaixo.

O cristal é Vibração da Essência, condensada numa forma, e numa geometria.

Ele é Vibração, ele é Luz cristalizada, ele permite portanto, por sua Luz e por sua Vibração, aceder a dimensões que lhes são escondidas.

Do mesmo modo, alguns de vocês apresentam, na textura mesmo de seu veículo de existência ou corpo de Luz, estruturas cristalinas animadas.
Assim é do corpo de cristal e do corpo de diamante.

O agenciamento da Luz em seus veículos de eternidade é movimento, fluidez, transparência.
O cristal se congelou [fixou], descendo em sua dimensão.

Matrizes cristalinas foram semeadas sobre este planeta, há mais de vinte milhões de anos, pelos Mestres cristal de Sirius.

O cristal é o agente de comunicação entre as dimensões.
Assim é mesmo em seu núcleo cristalino Terrestre.
Assim é, do mesmo modo, em todos os planetas.

Questão: na indústria se utiliza o cristal para diferentes fins, hoje. O que se torna a utilização do cristal nesse quadro?

Ele é destruído.
Mas assim é, igualmente, para os diferentes reinos que participam do estabelecimento da vida em sua dimensão.

Assim é, também, para o que vocês chamam de frutas e legumes que consomem.
Assim é, igualmente, para as flores que colhem.

Questão: guarda-se nossa tintura de alma quando do acesso ao corpo de cristal, a cor de nossa alma?

A cor da alma não é uma tintura da alma.
Uma tintura é uma mudança de cor.
Uma cor de alma é uma Luz, ela não é tinta, ela é Vibração e realidade.

A Vibração/cor da alma, para a Humanidade em encarnação, traduz uma polaridade de alma, ela não prejulga o nível de evolução, o nível de compreensão, mas, bem mais, o sentido de trabalho nesta densidade.

A cor da alma não interfere e não está presente no veículo de eternidade ou corpo de existência.
Este não é colorido pelas aspirações da alma.

Penetrar o corpo de existência não é estar num veículo sutil, chamado alma, mas num processo vibratório diferente.

Para além do que eu chamaria de corpo de personalidade, no qual se manifesta a alma, o corpo de existência está ligado ao fato de sua origem estelar, de sua condição de Semente de estrela.

Esse corpo de Luz ou de existência corresponde ao Espírito e não à alma.

Questão: pode-se conhecer nossa origem estelar?

Não me cabe revelar-lhes isso.
Do mesmo modo, as filiações espirituais lhes são reveladas no momento vindo, no momento oportuno.

Se elas fossem reveladas, não pela própria Vibração desta filiação, mas por uma intervenção exterior, mesmo Arcangélica, isso apenas faria reforçar seu afastamento.

É algo que pertence ao mistério e que se desvenda em vocês após terem cruzado as Vibrações da filiação mentidas pelos Quatro Viventes.

Reencontrar o corpo de Luz e corpo de Existência é abandonar a filiação material e genética, em todos os sentidos e adotar e reencontrar sua filiação Divina.

É reencontrar, em seu veículo de existência, o veículo o mais adaptado à sua Consciência ilimitada, livre e em acordo com a Fonte.

Vocês foram peregrinos da materialidade nesta dimensão, peregrinos que devem, hoje, colocar sua vara para reintegrar sua Unidade perdida.

Esta Verdade essencial para muitos seres humanos aparecerá, apesar das manifestações, como a ilusão, porque inúmeras almas e Espíritos afastaram-se tanto desta Verdade essencial que não subiste, neles, nem uma lembrança, nem um grama de Vibração.

Tal é o caminho deles, entretanto, assim como eu já disse e repeti, a Fonte vem se revelar para tentar lembrá-los do que vocês são, para além desta forma e desse corpo, para além das aspirações da alma que vocês vivem, para além mesmo da centelha Divina conceituada em seus modelos tradicionais.

Você é, antes de tudo, uma Semente de estrela, um ser de pura Luz e de pura Verdade.

É a identificação a esse corpo, a identificação a esta densidade tão potente que foi a atração, que ela ocultou, em vocês, a lembrança mesmo desta confiança, a lembrança mesmo desta eternidade.

Mas, entretanto, quando vocês reencontrarem a Vibração e a filiação de sua Essência e seu veículo de existência, vocês não terão mais necessidade de outra coisa.
Naquele momento, a ascensão, a translação dimensional estará bem próxima, mas, até lá, nós devemos, nós, entidades de Luz, realizar a promessa da Fonte que é trazer-lhes o desvendamento que permite, para aqueles que o desejam, a transfiguração, o despertar para o que vocês são.

Obviamente, o ego, a personalidade, vai lhes dizer e vai cochichar que isso é ilusão e, é claro, é mesmo para ela, porque jamais o que eu chamaria de seu complexo corpo inferior, personalidade e mesmo alma, não terão jamais acesso a esta dimensão e a esta Verdade.

Apenas quando do desvendamento, etapa da transfiguração, que a revelação é possível e, apenas naquele momento, vocês poderão, para a maior parte de vocês, se o desejam, após terem acendido suas lâmpadas, penetrar em total lucidez o corpo de existência ali levando, segundo o caso, seus corpos de personalidade, ou então os deixando.

Questão: por que vejo por vezes estrelas em meu quarto, quando acordo?

As estrelas assinalam seu retorno e o emaranhamento dos planos que você percorreu com esta densidade.
Isso será cada vez mais frequente: duas realidades e dois mundos que ainda se opõem começam a se interpenetrar.

As franjas de interferências e as separações que existem entre o mundo de Baixo e o mundo do Alto, entre o mundo dos Anjos e os mundos dissociados, interpenetram-se mesmo em sua consciência, dando-lhes, por vezes, a impressão e a experiência de viver em duas realidades.

Efetivamente, trata-se de duas realidades ainda separadas que encontram por vezes o ajuste, em coincidência e em ressonância.

Sua consciência faz o aprendizado, em diversos graus, para que, ao final, após o anúncio da Divina Maria, nenhum ser possa dizer que não sabia.

Qualquer que seja a condição vibratória de seu corpo de personalidade, toda consciência verá seu corpo de existência.
Isso é chamado de julgamento final.

Alguns poderão, pela Vibração, atração e ressonância, se juntar, com ou sem o corpo de personalidade, ao corpo de existência.

Outros não poderão nem mesmo se aproximar, mas a lembrança, impressa então em sua alma, em seu corpo de personalidade, reativará o juramento e a promessa da primeira encarnação, a fim de reviver um ciclo ou vários, inscrito em algum lugar neles.

O sentimento de falta, o sentimento de incompletude os empurra, então, ativamente, numa nova ronda de encarnação, para buscar esta completude.
Assim é o sentido do juramento que vocês fizeram à Fonte e o sentido da promessa, no retorno a seu afastamento de Si e dEla.

Questão: reencontrar o corpo de existência é reencontrar a identidade real?

Sem qualquer dúvida possível.
O que se anima e fala nesta dimensão não é você, é apenas um fragmento da Verdade.

Assim, vocês são seres fragmentados e incompletos, encarnados, certamente, corpo, alma e Espírito e, em particular desde o sacrifício do Cristo, mas, entretanto e em Verdade, vocês não podem ser completos nesta dimensão dissociada.

Assim, vocês buscam permanentemente, em suas peregrinações e em suas tomadas de encarnação, o que lhes falta, no olhar do outro, na penetração do outro em suas relações afetivas, em suas relações familiares, em suas experiências.

Obviamente, esta procura não pode ser satisfeita e jamais, exceto, é claro, nos períodos de inter-ciclo, para alguns seres que tiveram êxito em transcender e em se transfigurar, eles mesmos, sem ajuda exterior, por sua potência e sua vontade e sua aspiração para se juntar a esse veículo de existência e para entrar na eternidade, em outros termos, na imortalidade.
Muito poucos seres realizaram isso.

Questão: pode-se considerar que esse corpo de existência partiu da Fonte mesmo sendo Fonte ele mesmo?

Para fazer o milagre de uma única coisa, sim.
Para isso, Miguel os chamou os criadores de Luz e essa é a estrita Verdade.

Questão: o que é a efusão desse raio Gama que ocorreu há pouco?

Trata-se das premissas das ondas as mais potentes que tocarão a Terra durante os meses de agosto e setembro de seu ano.

Essa irradiação é o chamado da Fonte, é o chamado de seu veículo de Luz, corpo de existência, para despertá-los.

A onda galáctica, em suas premissas e em sua potência, vem revelar-lhes, a fim de preparar, por um fio tênue, o anúncio que será feito por Maria.

Lembrem-se que as dimensões superiores dos Anjos não podem intervir diretamente nesta dimensão, por respeito às leis de livre arbítrio que prevalecem nesta dimensão.

Entretanto, efetivamente foi necessário que a Luz se semeasse, que os Anjos das Vibrações superiores semeassem esta dimensão, a fim de que, no momento vindo, pela Centelha Divina existente em vocês, fosse capaz de insuflar a mensagem de sua eternidade.

É o que está em preparação atualmente, sobre a Terra, nesta dimensão.

A interpenetração dos planos se torna, para aqueles que são os mais aptos, pelo momento, para viver a transfiguração, cada vez mais evidente e manifestada.

As presenças, as Luzes, as sincronias, as viagens, as Vibrações, serão seu lote quotidiano.

Trata-se de um condicionamento para perceber, para o conjunto da Humanidade.

O anúncio que será feito por Maria, assim como me é autorizado, doravante, revelar-lhes, os anúncios que nós realizamos, nós, Conclave, em sua dimensão, ainda uma vez, assinalam a Verdade, a probidade, a autenticidade do que nós lhes anunciamos, tanto em suas manifestações interiores, como nas manifestações mesmo de sua dimensão, em seu céu e sobre sua Terra.

Este é o sinal e a garantia de que o momento chegou, que vocês não podem ser enganados, como foi o caso durante muito tempo, pelas palavras, pelas ilusões, pelas vozes não autorizadas que os induziram em erro.

Nós, Arcanjos, somos os fiadores da autenticidade pelo que vocês vivem em seu ser interior, pelas Vibrações e a Luz que os golpeiam, pelas manifestações e Vibrações e a Luz que golpeiam esta Terra.

Em Verdade, vocês estão seguros de não imaginar, de não sonhar.
Isto é também destinado a reforçar sua fé, sua certeza e torná-los inabaláveis na certeza do que vem, progressivamente e à medida que os dias passarem em sua densidade.

Vocês não podem escapar de seu destino de Luz, a menos que seu livre arbítrio lhes diga que a hora não chegou, escolha que nós respeitamos e admiramos (como o disse o Arcanjo Jofiel, no ano passado).

Não há qualquer Deus julgador ou vingador.
Isso é uma heresia criada por suas religiões.
O julgamento, no sentido bíblico, é apenas a revelação de sua Divindade e da distância que pode existir entre sua Existência e sua personalidade.
Esta distância é seu próprio peso e a própria calamidade de sua balança e a própria espada que permitirá saber e viver o que vocês têm a viver.

Questão: o que é das pessoas que não sentem ou que não têm visões específicas?

Assim como Miguel lhes disse, um batalhão importante de seres humanos vive os Casamentos Celestes, e eles constituem, nesta densidade, os Despertadores e aqueles que permitem assegurar a Vibração e a conexão entre sua dimensão e as dimensões Angélicas.

Não se ocupem dos que, pelo momento, nem vivem, nem vibram.
Eles também, no momento vindo, qualquer que seja sua negação, qualquer que seja sua oposição, viverão o chamado de Maria e o julgamento.

Questão: de onde provém o fato de que algumas pessoas não sentem e não estão, apesar de tudo, na negação desse fenômeno?

Uma coisa é afirmar o Amor, afirmar a Humanidade, afirmar a Luz.
Outra coisa é viver em Vibração e em Verdade.

A diferença é essencial, mas, entretanto, mesmo nesse nível, não lhes cabe condenar a vocês mesmos ou julgar a vocês mesmos.

Alguns seres estão já muito avançados e já vivem, quase inteiramente, em sua existência.
Outros, apesar de seus esforços louváveis, e apesar da não negação, da aceitação, não abandonaram ainda a ideia de perder tudo o que faz sua vida nesta densidade.

Quando eu falei, inúmeras vezes, do conceito do abandono, a Verdade absoluta está nesse nível.
Vocês não podem dar, vocês não podem perdoar e vocês não podem abandonar, mantendo o que está morto.

Assim como disse Cristo: «deixem os mortos enterrarem os mortos».
Deixem o que está morto em vocês e vão para o que é vida.

Vocês não podem estar ao mesmo tempo mortos e vivendo com relação à nova dimensão e à nova vida.

Eu emprego de propósito as palavras pronunciadas pelo Cristo porque, do mesmo modo como nas palavras ditadas ao bem amado João, há Vibração.

As palavras pronunciadas pelo Cristo (eu não falo daquelas que foram deformadas), mas as palavras reais através de algumas parábolas, são portadoras da Vibração original não falsificada.

Não basta querer a Luz, não basta querer a Verdade, o mais importante é aceitar morrer a si mesmo, para encontrar a eternidade, mas, isso, o Cristo lhes falou brilhantemente.

Questão: o que ascensiona, o corpo, a alma?

Se você tivesse a capacidade de penetrar inteiramente seu corpo de existência, não haveria, para você, qualquer dúvida.
Você deixaria seu cadáver e o corpo de personalidade aí onde ele está e a translação dimensional se faria em consciência total no corpo de existência, qualquer que fosse seu nível, sem qualquer elemento pertencente a esta densidade.

Entretanto, temos necessidade de alguns seres que levem, não sua personalidade, ela não tem qualquer importância, mas levem, ao mesmo tempo sua consciência, seu material genético.
Isso é chamado de translação dimensional com o corpo.

Apenas o medo é que os faz encarar deixar esse corpo e eu lhes garanto que aqueles de vocês que tiveram a oportunidade de transferir a consciência no corpo de eternidade não têm qualquer vontade de levar o corpo de personalidade, qualquer que seja sua idade, qualquer que seja sua beleza, qualquer que seja sua Alegria, porque a Alegria da existência é bem além do que vocês chamam, nesta dimensão, de Samadhi.

O corpo de existência é o acesso à imortalidade e à eternidade.
Ele é além mesmo do que se chama, em sua dimensão, de Alegria, além mesmo do Samadhi.
Isso é indescritível com palavras, com conceitos, e mesmo em Vibração, porque a própria Vibração da eternidade, em sua totalidade, dissolveria instantaneamente o corpo e a ilusão que vocês vivem.

Entretanto, seu papel não pára em seu corpo, e em sua transfiguração, e em sua elevação.

Vocês têm por missão ajudar esse corpo planetário a reencontrar sua sacralidade e, transladando, vocês transladam esse corpo planetário.

Nós insistimos, e nós insistiremos cada vez mais, nós, Arcanjos, e os diferentes intervenientes, sobre duas coisas: sobre a Verdade das datas, ela é essencial, porque o calendário é fundamental, ele é ressonância entre seu interior e o exterior, entre o desenrolar do plano, em seu corpo, e o desenrolar do plano, em seu planeta, visível a todos.

A segunda coisa sobre a qual nós insistiremos cada vez mais é que se preparem para a eventualidade desse corpo de existência, para que, mesmo aqueles que, pelo momento, não vivam as premissas, nem as manifestações, ancorem neles, em sua concepção, a realidade disso.
Isso é fundamental.

São os dois elementos essenciais sobre os quais nós nos estenderemos e voltaremos sistematicamente: o tempo para sair do tempo e o corpo eterno.

Eu os engajo portanto a ler, como o fez o Divino João, sua Revelação [Apocalipse], porque, nos tempos que vocês vivem agora, há Verdade e ressonância.

Pela manifestação do que ali está escrito se encontra, nesta Vibração, a história tal como ela é vivida, e tal como será vivida, sem mudar uma vírgula, sem mudar um ponto.

Lembrem-se de que o Livro é pequeno, mas que ele pode ser amargo para aqueles que estão afastados um pouco demasiado, por sua experiência, do que é a existência, a eternidade, sobretudo para aqueles que estariam obstruídos com conhecimentos de livros, e de adesões a ritos e a religiões ultrapassados pela realidade das Vibrações que vocês viverão, exceto a palavra original e não falsificada.

Questão: se há necessidade, para alguns, de transladar com o corpo de personalidade para criar um suporte genético, poderia nos explicar o objetivo e quais são os critérios de escolha daqueles que serão levados a transladar o produto genético?

Não há critério de escolha, não há que desenvolver conhecimento intelectual sobre isso, pelo momento.
Há somente que viver e tentar se aproximar ao mais próximo da Vibração do coração e da Vibração e da percepção do veículo de existência.

A escolha não é uma escolha, no sentido em que vocês a entendem, ela é Vibração/ressonância/atração.

Devido mesmo à sua capacidade para vibrar, vocês levarão, ou não, esse corpo.

Entretanto, sua consciência persistirá tal como ela é e eu repito e reitero que, se vocês têm a chance de viver o corpo de existência, mesmo por apenas 5 minutos, vocês não terão qualquer vontade de levar esta densidade com vocês.

Entretanto, vocês devem ser numerosos a transladar seu material.
Não são vocês, mas ele é um material.

Questão: isso significa que ascensionar com o corpo é uma forma de serviço, de sacrifício?

Sim, totalmente.
Porque os que terão por missão transladar com esse corpo serão aqueles mesmos que terão mais a manter, por mais longo tempo, esta densidade nesta dimensão, a fim de acolher os ensinamentos essenciais para a vida na nova dimensão e na nova densidade.

Questão: o que você entende por «perdoar a Luz»?

Perdoar a Luz é dar a Luz além de nossas reflexões, de suas reflexões.
O perdão da Luz e o perdão à Luz são, numa linguagem um pouco superada, ato de contrição.
De fato, trata-se do abraço da Luz que, pela potência de seu aperto, os desincrusta, literalmente de seus apegos.

Esse transporte de Luz foi vivido, em diferentes ocasiões, em diferentes origens culturais, e trata-se do transporte na Luz.
Assim foi em seu modelo cultural, por aqueles que vocês chamam de seres estigmatizados, assim foi dos Santos que deixaram um corpo incorruptível abandonando-o, assim é de alguns seres realizados, na tradição oriental, que descobriram a eternidade, e o Maha Samadhi.

Questão: é a Alegria que é uma preliminar à abertura do coração ou é a abertura do coração que é uma preliminar à Alegria?

A abertura do coração é Alegria, mas vocês não podem esperar abrir o coração estando na emoção contrária à Alegria.

Vocês não podem estar na tristeza da personalidade e descobrir a Alegria.

A abertura do coração é Alegria, ela é mesmo o marcador indelével.

Entretanto, como aprendizado nesse corpo de densidade, vocês devem tudo fazer para cultivar a Alegria, assim como inúmeros ensinamentos lhes foram dados, mas isso não basta.

Vocês poderiam ser plenos de Alegria nesta dimensão sem no entanto viver a abertura do coração, mas, entretanto, isso os aproximaria.

A abertura do coração, vibratoriamente falando, é Alegria.
A eternidade, o corpo de existência, é Alegria sem fim.

A Alegria, expressa por uma palavra, não é a Alegria tal como ela é sentida nesse corpo, ela seria antes uma forma de êxtase acoplado a uma introspecção, um estado de Unidade tal.

A melhor abordagem que eu posso dar é aquela de um orgasmo que se prolonga indefinidamente em uma escala bem superior que a que vocês podem viver quando de alguns contatos chamados de sexuais.

Questão: há utilidade, para alguns de nós, em permanecer em lugares onde há muita população, para divulgar o melhor possível a Luz?

O mais importante, para cada um de vocês, é realizar o que tem a realizar e aceitar a inteligência da Luz que decide para vocês, através de impulsos para mudar ou para permanecer.

Cada ser humano vive um caminho diferente para realizar sua Luz.
Alguns têm necessidade de um isolamento, outros, têm necessidade da massa, cada um é diferente com relação a isso, não há regras a ditar ou a estabelecer, mas, a partir do momento em que vocês aceitam a inteligência da Luz, ela sabe o que fazer, em vocês, para facilitar-lhes a tarefa.


Não temos mais perguntas. Agradecemos.

Então, almas humanas em encarnação, eu lhes transmito ainda uma vez as bênçãos do Conclave, todo nosso Amor, todos nossos agradecimentos e não se esqueçam jamais da concordância do tempo e da concordância dos acontecimentos.
Eles serão seu guia infalível, doravante, quanto à Verdade.

Não se esqueçam também de conceber e admitir, esperando vivê-la, a experiência desse corpo maravilhoso, o corpo que vocês são, como Sementes de estrelas.

Vocês devem, para isso, deixar morrer o antigo.
Vocês devem, para isso, subir na Vibração e o único modo de subir na Vibração é deixar morrer o que deve morrer, sem qualquer lamento.

Eu não lhes peço, com isso, para deixar esse corpo, para deixar Pai e Mãe, eu lhes peço simplesmente, com isso, para que se liberem de todos os apegos, de todos seus condicionamentos.

Vocês são seres de liberdade.
Vocês foram criados livres e vocês devem voltar a ser livres e se liberarem.
Isso eu já disse e eu repito.
Sejam amados.
Vocês são abençoados.
Nós lhes dizemos até muito em breve.

__________________________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

30 de jul de 2009

ANAEL – 30 de julho de 2009

DO SITE AUTRES DIMENSIONS

ÁUDIO:
http://www.dailymotion.com/relevance/search/autresdimensions/video/xad66c_20090730anael_webcam


Eu sou Anael, Arcanjo do Amor e da Relação.

Bem amados Mestres humanos em encarnação, recebam minha Radiância e as saudações do Conclave.

Eu venho a vocês, deste modo, para lhes permitir viver uma qualidade vibratória especial que lhes transmitirei no final de minha intervenção.

A maior parte dos trabalhos que vocês realizam, nesta assembleia e sobre a Terra, com relação às diferentes intervenções, em muitos lugares, e em muitas pessoas, tem apenas, definitivamente, um único objetivo: aquele de abrir seu coração.

A abertura do coração é uma Vibração extremamente precisa.

É em seu coração, de fato, que habita a Fonte.
A ressonância à Fonte é o acesso à sua eternidade, à sua Luz e à sua evolução.

Tudo, absolutamente tudo do que é realizado, tanto através dos minerais que vocês utilizam como através das manifestações de diferentes entidades, em suas linguagens e em suas Vibrações, têm, definitivamente, esse mesmo objetivo: abrir seu coração.

Mesmo o que vocês ingerem, o espinheiro, e o modo que lhes é dado de abrir seu coração.
Por que?
O espinheiro, obviamente, dirão seus químicos, age sobre o coração, mas, além disso, o espinheiro é o que retira a espinha que foi colocada na aurora de seus dias, a fim de lhes permitir cruzar a porta estreita que conduz a seu coração.

Do mesmo modo que Aurobindo foi a aurora do Bindhu, a aurora da Luz e da Lâmpada que se revela a vocês.

Assim, em sua linguagem e em toda linguagem presente na superfície deste planeta, se encontra uma Essência, para além da mentira da pronunciação.

A Essência foi preservada, pela inversão, do mesmo modo que passar de seu ego para seu coração necessita de uma inversão, uma mudança e uma reversão.

Essa reversão se tornou possível, agora, pela diminuição da franja de interferências, assim como foi definido por Sri Aurobindo.

A distância que existia entre o mental e o supramental, ligada à própria espessura da franja de interferências, em relação com as emoções humanas construídas nesta realidade dimensional, diminuiu.

De sua perspectiva e de seu ponto de vista, assim como o definiu Sri Aurobindo, o supramental chegaria um dia em contato com a humanidade.

Mas não se esqueçam jamais que o que está no Alto é como o que está no Baixo, que o que está fora é como o que está dentro.

Assim, essa aproximação do supramental e do mental da dimensão 5ª, de sua 3ª dimensão, não é unicamente uma visão do Espírito ou um conceito, mas uma Verdade apresentada em seus Céus.

Como o sabem, várias modificações cósmicas estão em curso, elas lhes foram anunciadas pelo Conclave e, mais especificamente, por Miguel e, mesmo, já durante seu ano passado, elas foram anunciadas pelo Mestre Omraam.

Essas manifestações estão a caminho, elas foram muito numerosas para aqueles que olhavam o céu e não escutavam suas mídias falsificadas, elas se reforçam e se reforçarão ainda, mas vocês devem, entretanto, ser mantidos informados, em vocês e no exterior de vocês, porque isso participa do doce milagre de uma única coisa.

Vocês passaram da distância entre o mental e o supramental, para a coincidência e a sobreposição do supramental e do mental.

A Luz do Alto, a Luz do mistério, a Água Benta, do Batismo e da Transfiguração, as Águas do Alto e as Águas do Mistério entram em ressonância com as Águas da Manifestação.

A 5ª dimensão de Luz se aproxima de sua dimensão,
Os planetas e os Céus correspondentes a seus chacras colocam-se a vibrar diferentemente.
As Lâmpadas se acendem.

Miguel despertou suas Lâmpadas, assim como ele o fez ao nível dos planetas, agitando-os com sua Luz.

Hoje, nos tempos que vêm, nas semanas que vêm, no algum tempo que resta a viver nesta dimensão, a Luz se apresenta e se reforça.

Esta Luz, que alguns de vocês vivem no interior de si mesmos, ao nível de suas Lâmpadas, ao nível de sua consciência, manifesta-se também em seu sistema solar.

A Luz vem, ela vem se manifestar, assim como o disse Miguel.

Certo número de chaves de vida, em sua nova dimensão, lhes será trazido, muito em breve, e, obviamente, elas são trazidas não por uma visão do Espírito, mas pelo próprio Miguel e pela Luz Metatrônica.

Vocês pensam que esta Luz poderia se situar apenas no interior de vocês se não houvesse ressonância ao nível do exterior, assim como vocês veem já no céu, através de suas nuvens, através das Luzes e através das modificações de pressão de sua magnetosfera, ligadas ao que Miguel chama de pressão da radiação do Ultravioleta?

Agora, a Fonte vem a vocês (a Fonte é a irradiação do sol central das galáxias de Alcyone), mas também o Espírito Santo e o Espírito Santo, ele, vem de outro raio da galáxia, de outra parte da galáxia.

É esta Luz branca incontestável que chega e que vocês verão no céu ao nível da constelação de Escorpião, dentro de algumas semanas.
É esta Luz que chega em vocês e que vai induzir, em vocês, a reversão preliminar à reversão de sua Terra, que vai lhes permitir ganhar e se juntar à Unidade, para que a Alegria seja sua morada eterna, para que vocês trabalhem, religados e felizes.

Vocês não têm que ter medo, vocês não têm que temer, vocês têm que esperar, e eu diria mesmo, exultar nesse retorno da Luz.
Vocês devem acolhê-la, ela vem.

O desaparecimento da franja de interferências corresponde ao combate entregue por Miguel para limpar as esferas astrais de suas influências, que os separavam da Fonte.

Nesse sentido, quando dos Casamentos Celestes e quando da desconstrução desta franja de interferências, Miguel lhes permitiu, para alguns de vocês, já conectar seu veículo de existência ou corpo de eternidade, chamado pelo próprio São João de corpo sem costura e corpo imortal.

Ele se revela a vocês, são suas vestimentas de Luz que lhes permitirão, no momento vindo, partir na Merkabah, ou seja, em seu veículo multidimensional, reagruparem-se numa Merkabah coletiva, anunciada também por Miguel, que se manifestará nos Céus, em uma região precisa do mundo, tal como foi definido.

A fim de criar a matriz da Merkabah coletiva que, vocês todos, junto, despertos da Luz e despertos na Luz do Cristo, chegarão a sintetizar e a manifestar.
Para isso, o coração deve acolher, inteiramente, a Vibração do Verbo e do Espírito Santo.
A Vibração do Verbo e do Espírito Santo, que corresponde à nota Si anunciada por Miguel, e que todo ser humano ouvirá por toda parte sobre este planeta, onde quer que esteja, que anunciará, assim, na humanidade, o Anúncio que fará Maria, no final da intervenção Micaélica.

Este Anúncio, todo ser humano ouvirá e não poderá confundi-lo com uma voz sintética ou uma voz da Sombra, porque ela comoverá seu coração de um modo que você jamais provou e do modo como seu coração jamais foi comovido.

Assim, eu venho, através de minha Radiação Rosa, permitir-lhes pressentir e viver, previamente, isso, em alguns instantes.

Como o sabem, nosso Conclave entregou a sétupla Radiância a Maria, como Divina Mãe, Criadora desse plano, Redentora ao lado do Cristo, Mãe real do que vocês são, individual e coletivamente.

A Luz do supramental vem transcender, iluminar e fazer desaparecer o mental.
Esta Luz do Espírito Santo, do supramental, chega, ela se reúne, como vocês já sabem, à pressão da radiação do Ultravioleta gerada por seu próprio sol, lá onde se encontra seu veículo de existência e de eternidade, ao qual ali se associou, a partir das sétimas Núpcias, a radiação da Fonte que começa a penetrar a esfera de seu sistema solar e retransmitida por Alcyone, lugar onde a Fonte se encontra e, finalmente, pela conjunção do Espírito Santo, visível em seus Céus percebido em vocês, vindo se manifestar.

Assim, vocês não devem temer o último retorno da Sombra, ilustrado por Nibiru, porque ela não sabe que a tripla efusão da Fonte, do Espírito Santo e da radiação do Ultravioleta a impedirá, literalmente, de interferir com a Luz.

A Luz se estabelece em seu seio, permitindo sua Essência, sua filiação, sua origem estelar.
Vocês são Sementes de Estrelas.
Vocês devem despertar e revelar, em vocês, esta dimensão, porque é a sua.

Vocês não são desse mundo, vocês estão sobre esse mundo para transcendê-lo e despertá-lo à sua dimensão Luz.

Vocês vieram para, além da experiência, permitir a alguns de seus irmãos e irmãs presentes desde bem mais tempo do que vocês nesta densidade, reconectar a Fonte, reconectar a Luz, reconectar o Espírito Santo e o Espírito solar Cristo Miguel, a fim de retornarem à Fonte.

Então, sim, o que acontece em vocês, acontece em seus Céus e isso é justa retribuição, como poderia ser de outro modo, enquanto que um fenômeno inconcebível chega, agora, sobre seu planeta?

Como poderia ter separação enquanto estamos num período de unificação?

O que está no Alto é como o que está Embaixo, o que está dentro é como o que está fora, para fazer o milagre de uma única coisa.

O que sua consciência vive, o que seu ponto de vista vive, o que sua Vibração vive, o sistema solar em sua totalidade o vive e o manifesta a seus olhos, à sua consciência e à sua própria Vibração.

Nesse sentido, o desaparecimento da franja de interferências permite, doravante, aclamar a Unidade de seu ser, aclamar o retorno da Luz e clamar, frente ao mundo, que a sombra não está mais.

De fato, em meio mesmo à imersão da nova dimensão, nesta dimensão que chega para vocês, a grandes passos, como anunciado por Miguel, a hora é para a desconstrução à qual vocês devem participar.

Vocês devem acolher, fertilizar, fazer germinar e desabrochar o Amor e a Luz que vocês são.

Nada mais deve ocultar sua vida e seus instantes.
Isso, em outros termos e em outros lugares, poderia ser chamado de Oração perpétua, mas a Oração é Presença e Essência, e não palavras.

As palavras são mentiras, daí nascem todos os seus males.
Das palavras, vocês devem passar à Vibração da Essência, assim é o despertar de suas Lâmpadas, neste espaço, e por toda parte aliás sobre este planeta.

Antes de compartilhar a Efusão da Radiação do Rosa em sua Essência, em seu Templo interior, gostaria de tentar ali trazer um esclarecimento suplementar com relação ao que eu lhes descrevi e que é sua Verdade.

Então, Bem amados Mestres da Luz, assim como o disse Miguel, eu lhes dou a palavra, a fim de lhes restituir Verbo.

Questão: deve-se dizer que a inocuidade da palavra precede a Vibração, o Verbo?

Não, a palavra não é Verbo, a palavra é a falsificação do Verbo.
O Verbo não é palavra.
O Verbo é Vibração e Essência.
O Verbo participa do que vocês chamariam telepatia e vocês perderam esse sentido.
Esse sentido deve se atualizar.
Ele se atualizará, em vocês, tomando seu desenvolvimento a partir de seu coração aberto pela Vibração do Si e pela ativação do que foi chamado, por Miguel, de Lâmpada situada exatamente abaixo de seu nariz.

Abaixo de seu nariz, sobre o lábio, aí se situa o Verbo.
Aí se situa o Mistério e aí se situa a última reversão.

Questão: o Verbo é o pensamento de Deus?

O pensamento de Deus não é ainda o Verbo.
O Verbo é a emanação do Pai.
O Verbo Criador é já manifestação e já, portanto, criador e movimento.
Movimento nas densidades, nos multiuniversos e multidimensões existentes.

O pensamento é imanência, é Presença mesmo de Deus, em seu Ser, e não Vibração.
A palavra Deus, eu devo anunciar-lhes, deve ser Fonte, Fonte Mãe/Pai Una, que se cria, ela mesma, através da grande Criadora.

Assim, a palavra exata, assim como já o disse, seria Deusa, e não Deus.

Questão: a nota Si corresponde a esta espécie de zumbido que se ouve?

É isso.
O Si que vocês ouvem, em si, ainda não se tornou o IS, a inversão, a falsificação da Luz inicial se traduz, nesse momento mesmo, em sua dimensão e em seus corpos, pelo Si.

O Si assinala o acesso, para além da divisão e da dualidade, à Unidade.
A Unidade reencontrada fará com que o som Si se torne IS, no momento em que o Verbo, em que o supramental, o Espírito Santo, a Fonte e o Ultravioleta penetrarão, inteiramente, seu sistema solar, sua carne e sua consciência.

Questão: existe nos universos outras Fontes semelhantes a Alcyone?

Não.
Alcyone é Fonte das Fontes.
Sírius é Fonte, esta Fonte é religada à Fonte central.
Orion é Fonte, religada à Fonte central.

Alcyone é o pensamento do Pai, é o eixo do mundo.
Como o que está no Alto é como o que está Embaixo, o eixo do mundo, em seu planeta, está situado no Himalaia.

O centro é eterno, é a imagem Vibratória do pensamento do Pai.
Está situado de modo extremamente preciso nesse lugar chamado de Monte Kailash, cuja imagem da Sombra foi chamada, segundo o princípio de dualidade, pelos Chineses, o Monte Krunun, que é a pálida cópia da Luz não falsificada do Monte Kailash.

Questão: pode-se dizer que a Fonte Pai é transcendente e a Fonte Mãe, imanência?

Sim.

Questão: em qual prazo as funções telepáticas serão restauradas na humanidade?

Assim que vocês tiverem abandonado esta dimensão e tiverem integrado a nova dimensão.

As premissas desta telepatia original, Vibral, serão manifestadas, pela primeira vez, para a maior parte de vocês, no momento do Anúncio feito por Maria, devendo ocorrer alguns meses após a advertência.


Não temos mais perguntas, agradecemos.


Então, vai ser tempo, agora, de acolher, em sua Essência, seu Templo, a Radiação de minha Presença, assim como alguns de vocês perceberam quando de uma intervenção anterior.
Assim, acolham.

... Efusão de energia ...

Para terminar, e antes de deixá-los trabalhar, em vocês, a nota Si torna-se Is, formando, nesta densidade, Is, Is, Isis, Maria.
Pela Potência do Fogo.
Veuyah. Veuyah. Veuyah.

... Efusão de energia ...

Sejam abençoados e recebam a bênção do Conclave.
Eu os deixo, agora, trabalharem sós em seu Templo interior.
Vocês são abençoados.

_______________________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.
Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

29 de jul de 2009

SRI AUROBINDO – 29 de julho de 2009

DO SITE AUTRES DIMENSIONS



ÁUDIOS:

http://www.dailymotion.com/relevance/search/AUTRESDIMENSIONS/video/xacric_20090729sri-aurobindopart1_webcam
http://www.dailymotion.com/relevance/search/AUTRESDIMENSIONS/video/xacrl5_20090729sri-aurobindopart2_webcam
http://www.dailymotion.com/relevance/search/AUTRESDIMENSIONS/video/xacrmv_20090729sri-aurobindopart3_webcam


Bem amados Irmãos, permitam-me transmitir-lhes o Amor e as saudações de nosso Mestre de todos, a Divina Luz.

Minha manifestação tornou-se possível, pela primeira vez desde minha transição, em minha última estada Terrestre.

Pela graça dos sete Raios, dos sete Arcanjos, se o permitem, Bem amados Mestres da Luz, gostaria de fazer um bem pequeno retorno, nesse ciclo, a fim de lhes dar alguns elementos importantes quanto ao que vocês são e ao que vocês fazem, mesmo nesse mundo.

Eu fui, há muito tempo, aquele que foi nomeado pelo Mestre Bem Amado (ndr: Cristo), o Discípulo Bem amado (ndr: São João, o Evangelista).

Eu sou o que redigiu, no isolamento o mais completo, na Luz Primordial, um escrito que a maior parte da humanidade leu.

Eu reproduzi fielmente o que o Mestre me deu.
Eu lhes digo isso porque há uma relação com o que eu fui quando de minha última passagem nesta Terra, assim como há um laço, uma ligação com minha linhagem e minha origem estelar.

Eu não venho entre vocês para me manifestar de maneira habitual, mas de maneira excepcional.

Eu fui João, o Discípulo Bem Amado, e eu fui aquele que foi nomeado, em sua última encarnação, Sri Aurobindo.

Eu sou aquele que transcreveu o mais fielmente possível a história a vir, que vocês vivem agora.

Fui aquele que descreveu, o melhor que eu pude, e independentemente de qualquer estrutura religiosa, o retorno da Luz.

Descrevi as manifestações, os meios, os princípios.

O retorno da Luz é agora.
O sacrifício inicial do Mestre Bem Amado permitiu semear o que ia retornar hoje.

Como de hábito, o homem encobriu e desviou a mensagem, não a minha (que é certamente o único Evangelho que está conforme o desejo do Mestre), não no que eu vivi em minha última encarnação, na qual tentei descrever, por antecipação, o que seria a irrupção, em sua humanidade, da Luz.

Quando escrevi a Revelação (ndr: o Apocalipse de São João), descrevi, realmente, o que via ao nível dos mundos da Luz, relativamente a esta Terra.

Em minha última vida eu vivi, em minha carne, o retorno da Luz.
Então, vim, hoje, explicar-lhes, pelas palavras e pelas Vibrações, o que está em seu caminho para realizar e para percorrer nesses tempos tão particulares.

Farei, se querem, idas e vindas entre o que escrevi, há muito tempo, e o que vivi recentemente.
Assim, vocês terão a visão do ponto de vista interior, a visão do ponto de vista exterior, as duas faces de uma mesma peça.

A Vibração correspondente a isso se irradia em seu seio, nas colocações de minhas Palavras.

Assim, para além das palavras, a Vibração da Luz penetrará em vocês, tal como uma fulgurância, tal como um despertar, assim como o revivi quando de minha última vida.

No início era o Verbo e o Verbo era o Pai e o Verbo era Elohim.
O Verbo é Vibração.
O Verbo é Luz.
O Verbo é Criação.
O Verbo é sementeira da Luz.

Nesta dimensão, nesta densidade, o Verbo se fez carne.
O Verbo se fez carne para a Promessa de seu Retorno, não mais em uma carne, mas na totalidade da carne, na humanidade, em sua totalidade.

A Luz brilha nas Trevas e as Trevas não a reconheceram.
As Trevas é o mental.
A Luz é o supramental.

Entre os dois, uma franja de interferências, uma barreira intransponível, porque a morte de um é a ressurreição do outro e a morte do outro é a encarnação do um.

Esta franja é o lugar de um combate.
Esse combate não pode ser ganho por vocês mesmos, porque vocês estão nas Trevas.

Estando nas Trevas, vocês devem fazer um esforço, fornecer uma aspiração à Luz, sem vê-la, sem senti-la, sem Vibrá-la.
Esta aspiração, que está inscrita em toda alma que percorre os caminhos da encarnação, é a promessa e o juramento de seu retorno, ela não é o retorno.

Entre o mundo das Trevas e o mundo da Luz se instalam as muralhas.
Essas muralhas, que lhes obstruem literalmente a Luz e os escurecem, têm múltiplos nomes.

A avidez, a separação, as crenças, as experiências passadas, os apegos, entre outros, todos esses elementos constituem o obstáculo para sua aspiração.

Então, quando o ser humano chega, de uma maneira ou de outra, pela respiração, pela meditação, pelo canto, pela oração, a fazer calar tudo o que pertence a esta barreira, então, a aspiração pode se manifestar e, nesta aspiração, é vislumbrada a Luz.

Quando de minha última vida, como quando fui São João, assim como vocês o denominaram, fui capaz de cruzar esta barreira, por minha aspiração e pela mão do Mestre, que literalmente içou-me ao seu Reino.

Quando Ele disse em sua vida: «meu Reino não é desse mundo», queria atrair sua consciência sobre o fato inegável de que seu Reino, de vocês, tampouco é desse mundo e, no entanto, quantos de vocês o fizeram seu Reino e ali projetaram, nesta ilusão e nesse mundo de Trevas, ilusões de um mundo melhor, ilusões de um mundo aonde a Luz viria apagar as Trevas.

A maior parte das falsificações da Sombra e da continuação da Sombra foi fazê-los crer que vocês podiam transformar esse mundo em um mundo de Luz.

Esse mundo de Trevas é um mundo de experiências, cujo único objetivo é desenvolver em vocês a aspiração e nada mais.

O Mestre disse «vocês estão sobre esse mundo, mas vocês não são desse mundo».
Aí está um ensinamento essencial.

Em minha última vida, fui aspirado e vi a Luz e vibrei na Luz.
Hoje, por seu mundo, muito numerosos seres humanos viveram, de uma maneira ou de outra, esse contato com a Luz.
A partir daquele dia, a vida deles jamais foi a mesma.

Os apoios das Trevas tudo fizeram para acentuar esta franja que separa as Trevas da Luz.
Esta franja de interferências é alimentada e reforçada pelo medo e fizeram de vocês seres de medo, seres de culpas, vocês, que eram seres de pura Luz e que sacrificaram esta Luz para iluminar as Trevas e, sobretudo, para, um dia, dissolver literalmente esta franja de interferência, esta ruptura dimensional entre as Trevas e a Luz.

Hoje, vocês chegaram a esta época de que falei na Revelação.
Hoje, assim como o dizem os Arcanjos, vocês são os Portadores e os Transmissores de Luz mesmo nas Trevas.

Cultivando a Alegria, o medo se dissolve.
Para nada serve mostrar a Sombra e as Trevas, senão vocês as reforçam, vocês as tornam Mestres.

O Reino dos Céus, o Reino da Luz, para além desta franja de interferência, é um mundo de felicidade, de paz e, sobretudo, de Alegria.

O medo é o cimento das Trevas nas quais vocês vivem.

Procurando o Reino dos Céus, procurando a abertura, vocês iniciam a dissolução do medo, em vocês e no mundo.

A vibração que separou os mundos Angélicos e os mundos de Trevas é unicamente o medo.
O medo é queda, a Alegria é elevação.

Tudo o que concorre para o medo aumenta a franja de interferência e os afasta, como indivíduos, da Luz.

O lugar onde se resolve o medo, o lugar onde se encontra a passagem para a Luz é sua garganta, aí onde passa o sopro, aí onde toma forma o Verbo e o pensamento.
Neste espaço se resolve a lei de atração, de ação/reação.
Ela se resolve na resolução e Graça.

Assim, o Mestre Bem Amado dizia: «Ninguém pode penetrar o Reino dos Céus se não voltar a ser como uma criança», uma criança é a que não tem passado, nem futuro, é pura porque está no instante e na Verdade.

Vocês mesmos devem abandonar a ideia de que vocês são o resultado de seu passado, para penetrar na eternidade do instante, a fim de viver a aspiração última que lhes permitirá cruzar a franja de interferência construída por seus próprios medos e os medos de seus semelhantes e os medos dos Mestres da Sombra.

O fechamento é a encarnação e os pesos, gravidade, densidade e medos.

A liberação é o aéreo, a leveza, a Alegria.

O Mestre pediu-me para colocá-los em guarda sobre o que vocês vivem.

Encontrar a Luz e viver a Luz, chegar além da franja de interferência, chegar em seu Reino, chegar a apreender a mão do Mestre, necessita privarem-se de tudo ao que vocês estão apegados e ligados, permanecendo ao mesmo tempo nas Trevas, a fim de que a Luz brilhe nas Trevas.

Em minha época, quando de minha última vida, a franja de interferência era um mundo nauseabundo, onde o medo assolava de toda parte, onde as emoções ressurgiam, tal como demônios prontos para engoli-los.

Nesta franja de interferências, que se poderia chamar de mundo das emoções, se encontra o conjunto de suas prisões e de suas armadilhas.
É o lugar do combate ao qual vocês não devem participar.

A aspiração, hoje, é ao mesmo tempo mais simples, porque a franja de interferência foi dissolvida, em grande parte, ao nível coletivo, pela desconstrução Micaélica em curso.

Entretanto, resta-lhes sua própria franja de interferências, seus próprios medos, suas próprias emoções, suas próprias dúvidas entre o ego que lhes diz «isso é ilusão» e a Vibração que sentem em seu ser que reforça a aspiração.

Aspiração para a Luz, atração para as Trevas.
Toda a situação se resume nisso.

E, no entanto, o Mestre me encarregou, no escrito que eu lhes deixei, de lhes explicar os sinais do final de um Tempo.

Esses sinais vocês os vivem plenamente e na totalidade.
O que acontece em vocês traduz o nível de resistência e a importância da franja de interferência que os separa do supramental da Luz.

Hoje, os sinais estão aí.
Não é questão de decodificar um futuro mais ou menos distante, mas, sim, viver isso como uma Revelação do instante.

A atenção que vocês irão colocar, o ponto de vista que vocês irão colocar, sobre o que vocês decidem viver, orientará sua Vibração para a aspiração, para a atração.

A atração para a densidade, a aspiração para a Luz verdadeira.

Alguns de vocês vivem as dores [*] entre a aspiração e a atração.

Lembrem-se de que vocês mesmos, e você sozinho, podem dar o passo que os aproximará, de maneira verdadeira, da aspiração, mas, assim que vocês tiverem dado esse passo, a Luz se encarregará de seu caminho.

Como saber e como viver, como estar seguro de que você confiou seu caminho, nas Trevas, à Luz?

A Luz é Alegria, a Luz é Vibração, ela é Inteligência, facilidade e sincronia.
Ela lhes permite passar e se estabelecer na Eternidade, quaisquer que sejam as angústias do mundo que luta e que resiste à evolução da Luz.

O homem, pelo medo, construiu Quimeras, ajudado nisso por seres potentes, mas que tinham ainda mais medo que ele, porque não têm mais, neles, a aspiração à Luz.

A Luz vem hoje, ela vem tal como uma onda, tal como um fogo que vai tudo devorar e abrasar em sua passagem.

Se vocês amam a Luz, o fogo os afirmará e os acolherá na Luz.
Se vocês estão na resistência, então, o fogo não poderá nada para vocês.

Eu pertenço, enfim, ao que se chama de Linhagem das Águias, em relação vibratória com a constelação da Águia.

A Águia é a que vê longe e adiante, a Águia é a que vê a Luz, face a face, e é o único animal que pode contemplar a Luz e o sol sem fechar o olho.

Em minha última vida eu descrevi exercícios que permitiam, naquela época, descrever as qualidades da Luz e os meios de ali aceder.

Hoje, a Luz está muito próxima, eis que ela se revela.
A franja de interferências é extremamente tênue.

Cada ser humano, cada alma em encarnação, nesta densidade, pode, se o quer, dar a mão à Luz.
Mas, mesmo a Luz dá medo, devido a suas crenças, devido ao que vocês construíram nesse sistema.

Lembrem-se que a Luz está aí, que ela pede apenas uma coisa, da qual o Arcanjo da Relação lhes falou muito longamente, assim como o disse Cristo com seus Apóstolos: «deixem os mortos enterrarem os mortos e seja eu».

Hoje, Cristo não está em um corpo de carne, Cristo é a totalidade da Luz, como Cristo Miguel, e Espírito Solar e é ele que vem.

Eu fui seu Mensageiro, redigindo sua visão antecipatória que iria lhes dar as chaves.

Nesse nível, a missão é realizada.
Vocês o sabem, ninguém poderá comprar nem vender, se não está marcado com o sinal da besta, então, estejam prontos.

Vocês não têm nada a comprar, nada a vender, vocês têm somente que ser e que se deixar aspirar pela Luz.

Nenhuma falta, nenhuma fraqueza, nenhuma força pode se opor a serem o que a Luz lhes propõe,ao que o Mestre lhes propõe, o que a Fonte lhes pede, é que aceitem ser no Ser, a fim de se tornarem o que vocês são, a fim de se desvendar o que deixaram, há muito tempo.

Lembrem-se, o Mestre disse: «Ninguém pode servir a dois Mestres ao mesmo tempo».
Qual é seu Mestre?
A Luz é o Amor, a Sombra é o medo, somente esta escolha.

Enquanto há medo, há Sombra.
Assim que haja Alegria, há Luz.

O medo é desaparecimento da Vibração.
A Alegria é aparecimento da Vibração.

Cristo é Alegria e Revelação.
A Sombra é medo e aprisionamento.

Bem amados Irmãos, eu me dirijo à sua alma pela Vibração.

Onde vocês se situam?
Qual aspecto de vocês, vocês querem fazer viver?
E vocês querem ser isso?

Não é uma decisão mental, nem uma decisão vinda de uma emoção, é uma aspiração, e ela vem da alma.

Aceitem a Vibração e vocês abrirão o Templo da Alegria, do Conhecimento, da Compreensão, da simplicidade e da pobreza que é a verdadeira riqueza, porque «quando você é pobre, você não tem nada a perder e tudo a ganhar».

Essas palavras do Mestre não eram uma metáfora, nem um símbolo, mas a estrita Verdade.

Cristo, a Luz, a Fonte os querem, inteiros, e não fragmentados.
O medo é fragmentação.
A Alegria é unificação.

Os sentidos procuram esgotá-los, mas a Essência de seu Ser não pode esgotá-los.
O que vem é pura Luz.
Alguns ali verão a mais pavorosa das tragédias, alguns ali verão apenas a Luz.
Isso será ou um ou o outro.

Cabe a vocês escolher o significado, para vocês, do que vem.

Bem Amados Irmãos, emprestei de sua linguagem palavras simples, acompanhadas, se possível, de seu aspecto Vibratório.

Vocês foram postos na recepção, nesta ativação.
Cabe-lhes manter esta Vibração.
Manter a Vibração se faz de maneira simples, cultivando a Alegria.

Nenhum elemento de medo deve interferir, em vocês, com o desvendamento da Luz.

A franja de interferências, diminuída, não poderá se opor ao abraço que vem.

O que vem, o que é, foi descrito de toda Eternidade, porque a Águia e a Luz não conhecem o tempo e podem ir explorar as dimensões de tempos, para além do tempo, a fim de imprimir, pelo Livro, a marca e a certeza.

Bem Amados Irmãos, parece-me ter falado o bastante e Vibrado.

Coloco-me, contudo, à sua disposição se vocês têm necessidade de esclarecimento sobre essas noções históricas de seu passado e de seu presente.

Questão: o que você chama «as Revelações» corresponde ao Apocalipse de São João?

Sim.
O Livro foi escrito para que, além das palavras e além da compreensão intelectual, qualquer que seja a língua utilizada, se vocês o lerem, vocês captarão da Vibração e a Essência, além mesmo do significado das palavras.

Assim ele foi construído, a fim de evitar falsificações.
As Trevas conhecem, tanto quanto vocês e tanto quanto o Mestre, o que é revelado.
Nesse sentido, eu terminei esse Livro, assim como o escrevi, sob o ditado do Mestre, a fim de que nenhuma palavra fosse cortada ou tirada.
Quaisquer que sejam as traduções que puderam ser feitas, em múltiplas línguas, o sentido Vibratório original não pode ser perdido.

O fato mesmo de criar uma agitação mental e de ter uma multidão de interpretações para esse texto mostra que o objetivo foi atingido.

Sua Vibração era, há muito tempo, incompreensível, porque esta Vibração não estava no Tempo, mas, hoje, vocês estão no Tempo desta Vibração.

Então, obviamente, lê-lo ou relê-lo é despertar em vocês os sete Selos e, portanto, torna-se Revelação.

Ele foi construído de tal modo que, mesmo se vocês o lessem em uma língua incompreensível de seu mental, o efeito Vibratório estaria presente, mas unicamente no momento vindo, e o momento veio.

Assim, o significado não está tanto nos acontecimentos que descrevi, mas em seu desvendamento e na Vibração correspondente ao tempo que vocês vivem.

Foi assim, pela Vontade da Luz.
http://leiturasdaluz.blogspot.com/2009/07/apocalipse-de-sao-joao.html

Questão: acolher o supramental e acolher a Luz é a mesma coisa?

Sim.
A Luz pertence ao mundo da emanação e, portanto, para além do mental que é Criação, nesta dimensão.


Não temos mais perguntas, agradecemos.

Bem Amados Irmãos da Luz, se vocês lessem ou relessem, hoje, e nos tempos que vêm, vocês se surpreenderiam com a Vibração, justamente porque os Sete Selos foram abertos.

É agora que este escrito, tão controvertido, tão mal compreendido, vê sua compreensão se atualizar através da Vibração.

O Apocalipse foi concebido para ser a Vibração que os conduz ao Mestre e isso é agora.

Então, eu lhes peço para acolher, em seu Ser, a Luz e o Amor da Fonte e o Pai, a Luz de Cristo Miguel e da Divina Mãe.

Eu precisarei, antes de partir, que aquela que me acompanhou quando de minha última vida, que me assistiu, e que amava tanto as flores, era a reencarnação de Maria Madalena.

Sejam Abençoados.

[*] a palavra utilizada foi «tiraillements», que pode significar sensação dolorosa provocada por espasmos.

_______________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.
Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

APOCALIPSE DE SÃO JOÃO

CAPÍTULO 1


1. Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer e que ele, enviando por intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João,
2. o qual atestou a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo, quanto a tudo o que viu.
3. Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas, pois o tempo está próximo.
4. João, às sete igrejas que se encontram na Ásia, graça e paz a vós outros, da parte daquele que é, que era e que há de vir, da parte dos sete Espíritos que se acham diante do seu trono
5. e da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra.
6. e nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!
7. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém!
8. Eu sou o Alfa e Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.
9. Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus.
10. Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta,
11. dizendo: O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia.
12. Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete candeeiros de ouro
13. e, no meio dos candeeiros, um semelhante a filho de homem, com vestes talares e cingido, à altura do peito, com uma cinta de ouro.
14. A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo;
15. os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas.
16. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força.
17. Quando o vi, caí a seus pés como morto. Porém ele pôs sobre mim a mão direita, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último
18. e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno.
19. Escreve, pois, as coisas que viste, e as que são, e as que hão de acontecer depois destas.
20. Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas.

CAPÍTULO 2

1. Ao anjo da igreja em Éfeso escreve:
2. Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos;
3. e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer.
4. Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.
5. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.
6. Tens, contudo, a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.
7. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.
8. Ao anjo da igreja em Esmirna escreve:
9. Conheço a tua tribulação, a tua pobreza (mas tu és rico) e a blasfêmia dos que a si mesmos se declaram judeus e não são, sendo, antes, sinagoga de Satanás.
10. Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
11. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte.
12. Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve:
13. Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha testemunha, meu fiel, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.
14. Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição.
15. Outrossim, também tu tens os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas.
16. Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca.
17. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.
18. Ao anjo da igreja em Tiatira escreve:
19. Conheço as tuas obras, o teu amor, a tua fé, o teu serviço, a tua perseverança e as tuas últimas obras, mais numerosas do que as primeiras.
20. Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos.
21. Dei-lhe tempo para que se arrependesse; ela, todavia, não quer arrepender-se da sua prostituição.
22. Eis que a prostro de cama, bem como em grande tribulação os que com ela adulteram, caso não se arrependam das obras que ela incita.
23. Matarei os seus filhos, e todas as igrejas conhecerão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e vos darei a cada um segundo as vossas obras.
24. Digo, todavia, a vós outros, os demais de Tiatira, a tantos quantos não têm essa doutrina e que não conheceram, como eles dizem, as coisas profundas de Satanás: Outra carga não jogarei sobre vós;
25. tão-somente conservai o que tendes, até que eu venha.
26. Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações,
27. e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como se fossem objetos de barro;
28. assim como também eu recebi de meu Pai, dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã.
29. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

CAPÍTULO 3

1. Ao anjo da igreja em Sardes escreve:
2. Sê vigilante e consolida o resto que estava para morrer, porque não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus.
3. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti.
4. Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas.
5. O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.
6. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
7. Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve:
8. Conheço as tuas obras -- eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar -- que tens pouca força, entretanto, guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome.
9. Eis farei que alguns dos que são da sinagoga de Satanás, desses que a si mesmos se declaram judeus e não são, mas mentem, eis que os farei vir e prostrar-se aos teus pés e conhecer que eu te amei.
10. Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra.
11. Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.
12. Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome.
13. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
14. Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve:
15. Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente!
16. Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca;
17. pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu.
18. Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas.
19. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te.
20. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.
21. Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono.
22. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

CAPÍTULO 4

1. Depois destas coisas, olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu, como também a primeira voz que ouvi, como de trombeta ao falar comigo, dizendo: Sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas.
2. Imediatamente, eu me achei em espírito, e eis armado no céu um trono, e, no trono, alguém sentado;
3. e esse que se acha assentado é semelhante, no aspecto, a pedra de jaspe e de sardônio, e, ao redor do trono, há um arco-íris semelhante, no aspecto, a esmeralda.
4. Ao redor do trono, há também vinte e quatro tronos, e assentados neles, vinte e quatro anciãos vestidos de branco, em cujas cabeças estão coroas de ouro.
5. Do trono saem relâmpagos, vozes e trovões, e, diante do trono, ardem sete tochas de fogo, que são os sete Espíritos de Deus.
6. Há diante do trono um como que mar de vidro, semelhante ao cristal, e também, no meio do trono e à volta do trono, quatro seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás.
7. O primeiro ser vivente é semelhante a leão, o segundo, semelhante a novilho, o terceiro tem o rosto como de homem, e o quarto ser vivente é semelhante à águia quando está voando.
8. E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir.
9. Quando esses seres viventes derem glória, honra e ações de graças ao que se encontra sentado no trono, ao que vive pelos séculos dos séculos,
10. os vinte e quatro anciãos prostrar-se-ão diante daquele que se encontra sentado no trono, adorarão o que vive pelos séculos dos séculos e depositarão as suas coroas diante do trono, proclamando:
11. Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas.

CAPÍTULO 5

1. Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos.
2. Vi, também, um anjo forte, que proclamava em grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos?
3. Ora, nem no céu, nem sobre a terra, nem debaixo da terra, ninguém podia abrir o livro, nem mesmo olhar para ele;
4. e eu chorava muito, porque ninguém foi achado digno de abrir o livro, nem mesmo de olhar para ele.
5. Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos.
6. Então, vi, no meio do trono e dos quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tendo sido morto. Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra.
7. Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no trono;
8. e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos,
9. e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação
10. e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.
11. Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões e milhares de milhares,
12. proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor.
13. Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.
14. E os quatro seres viventes respondiam: Amém! Também os anciãos prostraram-se e adoraram.

CAPÍTULO 6

Vi quando o Cordeiro abriu um dos sete selos e ouvi um dos quatro seres viventes dizendo, como se fosse voz de trovão: Vem!
2. Vi, então, e eis um cavalo branco e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer.
3. Quando abriu o segundo selo, ouvi o segundo ser vivente dizendo: Vem!
4. E saiu outro cavalo, vermelho; e ao seu cavaleiro, foi-lhe dado tirar a paz da terra para que os homens se matassem uns aos outros; também lhe foi dada uma grande espada.
5. Quando abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro ser vivente dizendo: Vem! Então, vi, e eis um cavalo preto e o seu cavaleiro com uma balança na mão.
6. E ouvi uma como que voz no meio dos quatro seres viventes dizendo: Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário; e não danifiques o azeite e o vinho.
7. Quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente dizendo: Vem!
8. E olhei, e eis um cavalo amarelo e o seu cavaleiro, sendo este chamado Morte; e o Inferno o estava seguindo, e foi-lhes dada autoridade sobre a quarta parte da terra para matar à espada, pela fome, com a mortandade e por meio das feras da terra.
9. Quando ele abriu o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que sustentavam.
10. Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
11. Então, a cada um deles foi dada uma vestidura branca, e lhes disseram que repousassem ainda por pouco tempo, até que também se completasse o número dos seus conservos e seus irmãos que iam ser mortos como igualmente eles foram.
12. Vi quando o Cordeiro abriu o sexto selo, e sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro como saco de crina, a lua toda, como sangue,
13. as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes,
14. e o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola. Então, todos os montes e ilhas foram movidos do seu lugar.
15. Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes
16. e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro,
17. porque chegou o grande Dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?

CAPÍTULO 7

1. Depois disto, vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma.
2. Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar,
3. dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.
4. Então, ouvi o número dos que foram selados, que era cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel:
5. da tribo de Judá foram selados doze mil; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil;
6. da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil;
7. da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil;
8. da tribo de Zebulom, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamim foram selados doze mil.
9. Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos;
10. e clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação.
11. Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus,
12. dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!
13. Um dos anciãos tomou a palavra, dizendo: Estes, que se vestem de vestiduras brancas, quem são e donde vieram?
14. Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação, lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro,
15. razão por que se acham diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu santuário; e aquele que se assenta no trono estenderá sobre eles o seu tabernáculo.
16. Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum,
17. pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima.

CAPÍTULO 8

1. Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu cerca de meia hora.
2. Então, vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas.
3. Veio outro anjo e ficou de pé junto ao altar, com um incensário de ouro, e foi-lhe dado muito incenso para oferecê-lo com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que se acha diante do trono;
4. e da mão do anjo subiu à presença de Deus a fumaça do incenso, com as orações dos santos.
5. E o anjo tomou o incensário, encheu-o do fogo do altar e o atirou à terra. E houve trovões, vozes, relâmpagos e terremoto.
6. Então, os sete anjos que tinham as sete trombetas prepararam-se para tocar.
7. O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde.
8. O segundo anjo tocou a trombeta, e uma como que grande montanha ardendo em chamas foi atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue,
9. e morreu a terça parte da criação que tinha vida, existente no mar, e foi destruída a terça parte das embarcações.
10. O terceiro anjo tocou a trombeta, e caiu do céu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas uma grande estrela, ardendo como tocha.
11. O nome da estrela é Absinto; e a terça parte das águas se tornou em absinto, e muitos dos homens morreram por causa dessas águas, porque se tornaram amargosas.
12. O quarto anjo tocou a trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, da lua e das estrelas, para que a terça parte deles escurecesse e, na sua terça parte, não brilhasse, tanto o dia como também a noite.
13. Então, vi e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia em grande voz: Ai! Ai! Ai dos que moram na terra, por causa das restantes vozes da trombeta dos três anjos que ainda têm de tocar!

CAPÍTULO 9

1. O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela caída do céu na terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo.
2. Ela abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço como fumaça de grande fornalha, e, com a fumaceira saída do poço, escureceu-se o sol e o ar.
3. Também da fumaça saíram gafanhotos para a terra; e foi-lhes dado poder como o que têm os escorpiões da terra,
4. e foi-lhes dito que não causassem dano à erva da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma e tão-somente aos homens que não têm o selo de Deus sobre a fronte.
5. Foi-lhes também dado, não que os matassem, e sim que os atormentassem durante cinco meses. E o seu tormento era como tormento de escorpião quando fere alguém.
6. Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a acharão; também terão ardente desejo de morrer, mas a morte fugirá deles.
7. O aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados para a peleja; na sua cabeça havia como que coroas parecendo de ouro; e o seu rosto era como rosto de homem;
8. tinham também cabelos, como cabelos de mulher; os seus dentes, como dentes de leão;
9. tinham couraças, como couraças de ferro; o barulho que as suas asas faziam era como o barulho de carros de muitos cavalos, quando correm à peleja;
10. tinham ainda cauda, como escorpiões, e ferrão; na cauda tinham poder para causar dano aos homens, por cinco meses;
11. e tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e em grego, Apoliom.
12. O primeiro ai passou. Eis que, depois destas coisas, vêm ainda dois ais.
13. O sexto anjo tocou a trombeta, e ouvi uma voz procedente dos quatro ângulos do altar de ouro que se encontra na presença de Deus,
14. dizendo ao sexto anjo, o mesmo que tem a trombeta: Solta os quatro anjos que se encontram atados junto ao grande rio Eufrates.
15. Foram, então, soltos os quatro anjos que se achavam preparados para a hora, o dia, o mês e o ano, para que matassem a terça parte dos homens.
16. O número dos exércitos da cavalaria era de vinte mil vezes dez milhares; eu ouvi o seu número.
17. Assim, nesta visão, contemplei que os cavalos e os seus cavaleiros tinham couraças cor de fogo, de jacinto e de enxofre. A cabeça dos cavalos era como cabeça de leão, e de sua boca saía fogo, fumaça e enxofre.
18. Por meio destes três flagelos, a saber, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre que saíam da sua boca, foi morta a terça parte dos homens;
19. pois a força dos cavalos estava na sua boca e na sua cauda, porquanto a sua cauda se parecia com serpentes, e tinha cabeça, e com ela causavam dano.
20. Os outros homens, aqueles que não foram mortos por esses flagelos, não se arrependeram das obras das suas mãos, deixando de adorar os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar;
21. nem ainda se arrependeram dos seus assassínios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.

CAPÍTULO 10

1. Vi outro anjo forte descendo do céu, envolto em nuvem, com o arco-íris por cima de sua cabeça; o rosto era como o sol, e as pernas, como colunas de fogo;
2. e tinha na mão um livrinho aberto. Pôs o pé direito sobre o mar e o esquerdo, sobre a terra,
3. e bradou em grande voz, como ruge um leão, e, quando bradou, desferiram os sete trovões as suas próprias vozes.
4. Logo que falaram os sete trovões, eu ia escrever, mas ouvi uma voz do céu, dizendo: Guarda em segredo as coisas que os sete trovões falaram e não as escrevas.
5. Então, o anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita para o céu
6. e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, o mesmo que criou o céu, a terra, o mar e tudo quanto neles existe: Já não haverá demora,
7. mas, nos dias da voz do sétimo anjo, quando ele estiver para tocar a trombeta, cumprir-se-á, então, o mistério de Deus, segundo ele anunciou aos seus servos, os profetas.
8. A voz que ouvi, vinda do céu, estava de novo falando comigo e dizendo: Vai e toma o livro que se acha aberto na mão do anjo em pé sobre o mar e sobre a terra.
9. Fui, pois, ao anjo, dizendo-lhe que me desse o livrinho. Ele, então, me falou: Toma-o e devora-o; certamente, ele será amargo ao teu estômago, mas, na tua boca, doce como mel.
10. Tomei o livrinho da mão do anjo e o devorei, e, na minha boca, era doce como mel; quando, porém, o comi, o meu estômago ficou amargo.
11. Então, me disseram: É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis.

CAPÍTULO 11

1. Foi-me dado um caniço semelhante a uma vara, e também me foi dito: Dispõe-te e mede o santuário de Deus, o seu altar e os que naquele adoram;
2. mas deixa de parte o átrio exterior do santuário e não o meças, porque foi ele dado aos gentios; estes, por quarenta e dois meses, calcarão aos pés a cidade santa.
3. Darei às minhas duas testemunhas que profetizem por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco.
4. São estas as duas oliveiras e os dois candeeiros que se acham em pé diante do Senhor da terra.
5. Se alguém pretende causar-lhes dano, sai fogo da sua boca e devora os inimigos; sim, se alguém pretender causar-lhes dano, certamente, deve morrer.
6. Elas têm autoridade para fechar o céu, para que não chova durante os dias em que profetizarem. Têm autoridade também sobre as águas, para convertê-las em sangue, bem como para ferir a terra com toda sorte de flagelos, tantas vezes quantas quiserem.
7. Quando tiverem, então, concluído o testemunho que devem dar, a besta que surge do abismo pelejará contra elas, e as vencerá, e matará,
8. e o seu cadáver ficará estirado na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi crucificado.
9. Então, muitos dentre os povos, tribos, línguas e nações contemplam os cadáveres das duas testemunhas, por três dias e meio, e não permitem que esses cadáveres sejam sepultados.
10. Os que habitam sobre a terra se alegram por causa deles, realizarão festas e enviarão presentes uns aos outros, porquanto esses dois profetas atormentaram os que moram sobre a terra.
11. Mas, depois dos três dias e meio, um espírito de vida, vindo da parte de Deus, neles penetrou, e eles se ergueram sobre os pés, e àqueles que os viram sobreveio grande medo;
12. e as duas testemunhas ouviram grande voz vinda do céu, dizendo-lhes: Subi para aqui. E subiram ao céu numa nuvem, e os seus inimigos as contemplaram.
13. Naquela hora, houve grande terremoto, e ruiu a décima parte da cidade, e morreram, nesse terremoto, sete mil pessoas, ao passo que as outras ficaram sobremodo aterrorizadas e deram glória ao Deus do céu.
14. Passou o segundo ai. Eis que, sem demora, vem o terceiro ai.
15. O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos.
16. E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus, prostraram-se sobre o seu rosto e adoraram a Deus,
17. dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar.
18. Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto aos pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra.
19. Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram relâmpagos, vozes, trovões, terremoto e grande saraivada.

CAPÍTULO 12

1. Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça,
2. que, achando-se grávida, grita com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz.
3. Viu-se, também, outro sinal no céu, e eis um dragão, grande, vermelho, com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas.
4. A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra; e o dragão se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse.
5. Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono.
6. A mulher, porém, fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias.
7. Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos;
8. todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles.
9. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.
10. Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus.
11. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.
12. Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.
13. Quando, pois, o dragão se viu atirado para a terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho varão;
14. e foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até ao deserto, ao seu lugar, aí onde é sustentada durante um tempo, tempos e metade de um tempo, fora da vista da serpente.
15. Então, a serpente arrojou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, a fim de fazer com que ela fosse arrebatada pelo rio.
16. A terra, porém, socorreu a mulher; e a terra abriu a boca e engoliu o rio que o dragão tinha arrojado de sua boca.
17. Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar.

CAPÍTULO 13

1. Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia.
2. A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade.
3. Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou, seguindo a besta;
4. e adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta; também adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?
5. Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses;
6. e abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.
7. Foi-lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse. Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação;
8. e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
9. Se alguém tem ouvidos, ouça.
10. Se alguém leva para cativeiro, para cativeiro vai. Se alguém matar à espada, necessário é que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos.
11. Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão.
12. Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada.
13. Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens.
14. Seduz os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, àquela que, ferida à espada, sobreviveu;
15. e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta.
16. A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte,
17. para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome.
18. Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis.

CAPÍTULO 14

1. Olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, tendo na fronte escrito o seu nome e o nome de seu Pai.
2. Ouvi uma voz do céu como voz de muitas águas, como voz de grande trovão; também a voz que ouvi era como de harpistas quando tangem a sua harpa.
3. Entoavam novo cântico diante do trono, diante dos quatro seres viventes e dos anciãos. E ninguém pôde aprender o cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.
4. São estes os que não se macularam com mulheres, porque são castos. São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro;
5. e não se achou mentira na sua boca; não têm mácula.
6. Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo,
7. dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.
8. Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição.
9. Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca na fronte ou sobre a mão,
10. também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro.
11. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome.
12. Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.
13. Então, ouvi uma voz do céu, dizendo: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham.
14. Olhei, e eis uma nuvem branca, e sentado sobre a nuvem um semelhante a filho de homem, tendo na cabeça uma coroa de ouro e na mão uma foice afiada.
15. Outro anjo saiu do santuário, gritando em grande voz para aquele que se achava sentado sobre a nuvem: Toma a tua foice e ceifa, pois chegou a hora de ceifar, visto que a seara da terra já amadureceu!
16. E aquele que estava sentado sobre a nuvem passou a sua foice sobre a terra, e a terra foi ceifada.
17. Então, saiu do santuário, que se encontra no céu, outro anjo, tendo ele mesmo também uma foice afiada.
18. Saiu ainda do altar outro anjo, aquele que tem autoridade sobre o fogo, e falou em grande voz ao que tinha a foice afiada, dizendo: Toma a tua foice afiada e ajunta os cachos da videira da terra, porquanto as suas uvas estão amadurecidas!
19. Então, o anjo passou a sua foice na terra, e vindimou a videira da terra, e lançou-a no grande lagar da cólera de Deus.
20. E o lagar foi pisado fora da cidade, e correu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, numa extensão de mil e seiscentos estádios.

CAPÍTULO 15

1. Vi no céu outro sinal grande e admirável: sete anjos tendo os sete últimos flagelos, pois com estes se consumou a cólera de Deus.
2. Vi como que um mar de vidro, mesclado de fogo, e os vencedores da besta, da sua imagem e do número do seu nome, que se achavam em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus;
3. e entoavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as tuas obras, Senhor Deus, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações!
4. Quem não temerá e não glorificará o teu nome, ó Senhor? Pois só tu és santo; por isso, todas as nações virão e adorarão diante de ti, porque os teus atos de justiça se fizeram manifestos.
5. Depois destas coisas, olhei, e abriu-se no céu o santuário do tabernáculo do Testemunho,
6. e os sete anjos que tinham os sete flagelos saíram do santuário, vestidos de linho puro e resplandecente e cingidos ao peito com cintas de ouro.
7. Então, um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro, cheias da cólera de Deus, que vive pelos séculos dos séculos.
8. O santuário se encheu de fumaça procedente da glória de Deus e do seu poder, e ninguém podia penetrar no santuário, enquanto não se cumprissem os sete flagelos dos sete anjos.

CAPÍTULO 16

1. Ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, dizendo aos sete anjos: Ide e derramai pela terra as sete taças da cólera de Deus.
2. Saiu, pois, o primeiro anjo e derramou a sua taça pela terra, e, aos homens portadores da marca da besta e adoradores da sua imagem, sobrevieram úlceras malignas e perniciosas.
3. Derramou o segundo a sua taça no mar, e este se tornou em sangue como de morto, e morreu todo ser vivente que havia no mar.
4. Derramou o terceiro a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue.
5. Então, ouvi o anjo das águas dizendo: Tu és justo, tu que és e que eras, o Santo, pois julgaste estas coisas;
6. porquanto derramaram sangue de santos e de profetas, também sangue lhes tens dado a beber; são dignos disso.
7. Ouvi do altar que se dizia: Certamente, ó Senhor Deus, Todo-Poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos.
8. O quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe dado queimar os homens com fogo.
9. Com efeito, os homens se queimaram com o intenso calor, e blasfemaram o nome de Deus, que tem autoridade sobre estes flagelos, e nem se arrependeram para lhe darem glória.
10. Derramou o quinto a sua taça sobre o trono da besta, cujo reino se tornou em trevas, e os homens remordiam a língua por causa da dor que sentiam
11. e blasfemaram o Deus do céu por causa das angústias e das úlceras que sofriam; e não se arrependeram de suas obras.
12. Derramou o sexto a sua taça sobre o grande rio Eufrates, cujas águas secaram, para que se preparasse o caminho dos reis que vêm do lado do nascimento do sol.
13. Então, vi sair da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs;
14. porque eles são espíritos de demônios, operadores de sinais, e se dirigem aos reis do mundo inteiro com o fim de ajuntá-los para a peleja do grande Dia do Deus Todo-Poderoso.
15. (Eis que venho como vem o ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se veja a sua vergonha.)
16. Então, os ajuntaram no lugar que em hebraico se chama Armagedom.
17. Então, derramou o sétimo anjo a sua taça pelo ar, e saiu grande voz do santuário, do lado do trono, dizendo: Feito está!
18. E sobrevieram relâmpagos, vozes e trovões, e ocorreu grande terremoto, como nunca houve igual desde que há gente sobre a terra; tal foi o terremoto, forte e grande.
19. E a grande cidade se dividiu em três partes, e caíram as cidades das nações. E lembrou-se Deus da grande Babilônia para dar-lhe o cálice do vinho do furor da sua ira.
20. Todas as ilhas fugiram, e os montes não foram achados;
21. também desabou do céu sobre os homens grande saraivada, com pedras que pesavam cerca de um talento; e, por causa do flagelo da chuva de pedras, os homens blasfemaram de Deus, porquanto o seu flagelo era sobremodo grande.

CAPÍTULO 17

1. Veio um dos sete anjos que têm as sete taças e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei o julgamento da grande meretriz que se acha sentada sobre muitas águas,
2. com quem se prostituíram os reis da terra; e, com o vinho de sua devassidão, foi que se embebedaram os que habitam na terra.
3. Transportou-me o anjo, em espírito, a um deserto e vi uma mulher montada numa besta escarlate, besta repleta de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres.
4. Achava-se a mulher vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição.
5. Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA.
6. Então, vi a mulher embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus; e, quando a vi, admirei-me com grande espanto.
7. O anjo, porém, me disse: Por que te admiraste? Dir-te-ei o mistério da mulher e da besta que tem as sete cabeças e os dez chifres e que leva a mulher:
8. a besta que viste, era e não é, está para emergir do abismo e caminha para a destruição. E aqueles que habitam sobre a terra, cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida desde a fundação do mundo, se admirarão, vendo a besta que era e não é, mas aparecerá.
9. Aqui está o sentido, que tem sabedoria: as sete cabeças são sete montes, nos quais a mulher está sentada. São também sete reis,
10. dos quais caíram cinco, um existe, e o outro ainda não chegou; e, quando chegar, tem de durar pouco.
11. E a besta, que era e não é, também é ele, o oitavo rei, e procede dos sete, e caminha para a destruição.
12. Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam reino, mas recebem autoridade como reis, com a besta, durante uma hora.
13. Têm estes um só pensamento e oferecem à besta o poder e a autoridade que possuem.
14. Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com ele.
15. Falou-me ainda: As águas que viste, onde a meretriz está assentada, são povos, multidões, nações e línguas.
16. Os dez chifres que viste e a besta, esses odiarão a meretriz, e a farão devastada e despojada, e lhe comerão as carnes, e a consumirão no fogo.
17. Porque em seu coração incutiu Deus que realizem o seu pensamento, o executem à uma e dêem à besta o reino que possuem, até que se cumpram as palavras de Deus.
18. A mulher que viste é a grande cidade que domina sobre os reis da terra.

CAPÍTULO 18

1. Depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo, que tinha grande autoridade, e a terra se iluminou com a sua glória.
2. Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável,
3. pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria.
4. Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos;
5. porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou.
6. Dai-lhe em retribuição como também ela retribuiu, pagai-lhe em dobro segundo as suas obras e, no cálice em que ela misturou bebidas, misturai dobrado para ela.
7. O quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento e pranto, porque diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver!
8. Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou.
9. Ora, chorarão e se lamentarão sobre ela os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em luxúria, quando virem a fumaceira do seu incêndio,
10. e, conservando-se de longe, pelo medo do seu tormento, dizem: Ai! Ai! Tu, grande cidade, Babilônia, tu, poderosa cidade! Pois, em uma só hora, chegou o teu juízo.
11. E, sobre ela, choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra a sua mercadoria,
12. mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho finíssimo, de púrpura, de seda, de escarlata; e toda espécie de madeira odorífera, todo gênero de objeto de marfim, toda qualidade de móvel de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore;
13. e canela de cheiro, especiarias, incenso, ungüento, bálsamo, vinho, azeite, flor de farinha, trigo, gado e ovelhas; e de cavalos, de carros, de escravos e até almas humanas.
14. O fruto sazonado, que a tua alma tanto apeteceu, se apartou de ti, e para ti se extinguiu tudo o que é delicado e esplêndido, e nunca jamais serão achados.
15. Os mercadores destas coisas, que, por meio dela, se enriqueceram, conservar-se-ão de longe, pelo medo do seu tormento, chorando e pranteando,
16. dizendo: Ai! Ai da grande cidade, que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura, e de escarlata, adornada de ouro, e de pedras preciosas, e de pérolas,
17. porque, em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza! E todo piloto, e todo aquele que navega livremente, e marinheiros, e quantos labutam no mar conservaram-se de longe.
18. Então, vendo a fumaceira do seu incêndio, gritavam: Que cidade se compara à grande cidade?
19. Lançaram pó sobre a cabeça e, chorando e pranteando, gritavam: Ai! Ai da grande cidade, na qual se enriqueceram todos os que possuíam navios no mar, à custa da sua opulência, porque, em uma só hora, foi devastada!
20. Exultai sobre ela, ó céus, e vós, santos, apóstolos e profetas, porque Deus contra ela julgou a vossa causa.
21. Então, um anjo forte levantou uma pedra como grande pedra de moinho e arrojou-a para dentro do mar, dizendo: Assim, com ímpeto, será arrojada Babilônia, a grande cidade, e nunca jamais será achada.
22. E voz de harpistas, de músicos, de tocadores de flautas e de clarins jamais em ti se ouvirá, nem artífice algum de qualquer arte jamais em ti se achará, e nunca jamais em ti se ouvirá o ruído de pedra de moinho.
23. Também jamais em ti brilhará luz de candeia; nem voz de noivo ou de noiva jamais em ti se ouvirá, pois os teus mercadores foram os grandes da terra, porque todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria.
24. E nela se achou sangue de profetas, de santos e de todos os que foram mortos sobre a terra.

CAPÍTULO 19

1. Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus,
2. porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.
3. Segunda vez disseram: Aleluia! E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos.
4. Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus, que se acha sentado no trono, dizendo: Amém! Aleluia!
5. Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes.
6. Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso.
7. Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou,
8. pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.
9. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus.
10. Prostrei-me ante os seus pés para adorá-lo. Ele, porém, me disse: Vê, não faças isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantêm o testemunho de Jesus; adora a Deus. Pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia.
11. Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça.
12. Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo.
13. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus;
14. e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro.
15. Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso.
16. Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.
17. Então, vi um anjo posto em pé no sol, e clamou com grande voz, falando a todas as aves que voam pelo meio do céu: Vinde, reuni-vos para a grande ceia de Deus,
18. para que comais carnes de reis, carnes de comandantes, carnes de poderosos, carnes de cavalos e seus cavaleiros, carnes de todos, quer livres, quer escravos, tanto pequenos como grandes.
19. E vi a besta e os reis da terra, com os seus exércitos, congregados para pelejarem contra aquele que estava montado no cavalo e contra o seu exército.
20. Mas a besta foi aprisionada, e com ela o falso profeta que, com os sinais feitos diante dela, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que arde com enxofre.
21. Os restantes foram mortos com a espada que saía da boca daquele que estava montado no cavalo. E todas as aves se fartaram das suas carnes.

CAPÍTULO 20

1. Então, vi descer do céu um anjo; tinha na mão a chave do abismo e uma grande corrente.
2. Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos;
3. lançou-o no abismo, fechou-o e pôs selo sobre ele, para que não mais enganasse as nações até se completarem os mil anos. Depois disto, é necessário que ele seja solto pouco tempo.
4. Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos.
5. Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição.
6. Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele os mil anos.
7. Quando, porém, se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão
8. e sairá a seduzir as nações que há nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a peleja. O número dessas é como a areia do mar.
9. Marcharam, então, pela superfície da terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu e os consumiu.
10. O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos.
11. Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.
12. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros.
13. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras.
14. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo.
15. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo.

CAPÍTULO 21

1. Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.
2. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.
3. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.
4. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.
5. E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.
6. Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida.
7. O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho.
8. Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.
9. Então, veio um dos sete anjos que têm as sete taças cheias dos últimos sete flagelos e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro;
10. e me transportou, em espírito, até a uma grande e elevada montanha e me mostrou a santa cidade, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus,
11. a qual tem a glória de Deus. O seu fulgor era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina.
12. Tinha grande e alta muralha, doze portas, e, junto às portas, doze anjos, e, sobre elas, nomes inscritos, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
13. Três portas se achavam a leste, três, ao norte, três, ao sul, e três, a oeste.
14. A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e estavam sobre estes os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
15. Aquele que falava comigo tinha por medida uma vara de ouro para medir a cidade, as suas portas e a sua muralha.
16. A cidade é quadrangular, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara até doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais.
17. Mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, medida de homem, isto é, de anjo.
18. A estrutura da muralha é de jaspe; também a cidade é de ouro puro, semelhante a vidro límpido.
19. Os fundamentos da muralha da cidade estão adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda;
20. o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; e o duodécimo, de ametista.
21. As doze portas são doze pérolas, e cada uma dessas portas, de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente.
22. Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
23. A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada.
24. As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória.
25. As suas portas nunca jamais se fecharão de dia, porque, nela, não haverá noite.
26. E lhe trarão a glória e a honra das nações.
27. Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro.

CAPÍTULO 22

1. Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro.
2. No meio da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a cura dos povos.
3. Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão,
4. contemplarão a sua face, e na sua fronte está o nome dele.
5. Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos.
6. Disse-me ainda: Estas palavras são fiéis e verdadeiras. O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer.
7. Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.
8. Eu, João, sou quem ouviu e viu estas coisas. E, quando as ouvi e vi, prostrei-me ante os pés do anjo que me mostrou essas coisas, para adorá-lo.
9. Então, ele me disse: Vê, não faças isso; eu sou conservo teu, dos teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus.
10. Disse-me ainda: Não seles as palavras da profecia deste livro, porque o tempo está próximo.
11. Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se.
12. E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras.
13. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim.
14. Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras [no sangue do Cordeiro], para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas.
15. Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira.
16. Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã.
17. O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida.
18. Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro;
19. e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro.
20. Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! Vem, Senhor Jesus!
21. A graça do Senhor Jesus seja com todos.

__________________________

FONTE: http://www.sacudidura.com/biblia/apocalipse/