Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

17 de out de 2013

A FONTE (Babaji) – 17 de outubro de 2013



Meu Amigo, meu Amado, neste dia e neste instante, que transcende e atravessa os tempos, desde o Alfa até o Ômega, em seu coração do coração, eu venho chamá-lo ao Éter de sua Eternidade, meu Amigo, meu Amado, nesses tempos de seu tempo, que vem instalar o que está fora de todo efêmero e de toda ilusão, que o convida a juntar-se, pela Dança e o Silêncio, o espaço em que você está inteiro, e no qual você sempre esteve.
Que vem revivificá-lo pelo Éter de Amor, Fogo de Amor, que vem marcá-lo com o ferro em brasa da Liberdade, com o Fogo do Amor, do abrasamento e do abraço, que é o que vem bater à sua Porta, fazer sua Morada em sua Morada, Eternidade que revela a Eternidade.

De mim para você e de você para mim, nada mais há que não a tela dos sofrimentos e a tela da ilusão que você, valentemente, camada após camada, colocou a nu, iluminou e transmutou.
Tudo o que vive seu corpo, tudo o que vive sua Consciência é preparação para esses Casamentos, que lhe permitem, enfim, estar na Integridade de sua Totalidade.
Estando Aqui, estando Agora, nesses espaços de nosso Sagrado, de nossos Reencontros eternos, nos quais não há mais lugar para a mínima tela e para a mínima alteração.

O que você vive, nesses instantes de seu tempo, o que você experimenta e sente está aí para fortalecê-lo na realidade de seu Ser, na Verdade de sua Essência.
Porque você É isso: Fonte.
De Fonte a Fonte, eu posso dizê-lo, de Fonte a Fonte, eu posso enunciá-lo e cantá-lo: não há outros mundos que não aquele da Eternidade.
Há uma infinidade de Moradas, mas todas essas Moradas são destinadas a ser a Eternidade.

Para além das telas que possam, ainda, interferir com sua Eternidade, contente-se de escutar o Canto e a Dança do Silêncio, contente-se de ser esse Silêncio, aquele do Acolhimento pleno e total desse momento de majestade.
Por muito tempo e, eu diria, mesmo, de todos os tempos de seu tempo, foi feita referência, de diferentes modos, de diferentes maneiras, do Reino da Eternidade, aquele do Contentamento, aquele em que nada mais é escondido nem separado.
O que você descobre, em seu foro íntimo, em seu coração do Coração, ao centro de seu peito, por manifestações diversas e variadas, toma o conjunto de seus Corpos, para transportá-lo, sem obstáculos, na Ascensão da matéria, na espiritualização dessa matéria bruta, deformada e confinada.

Cada sopro de sua vida, aqui nesse mundo, aproxima-o da Vida Eterna, não mais nesse mundo, mas em todo Mundo.
Os sinais inumeráveis que foram dados a ver e a viver, a sentir, para além de qualquer imaginação e qualquer expectativa, encontram-se, hoje, armazenados no interior de seu ser, e vêm eclodir na superfície desse mundo.
Os sinais no céu e na Terra são os sinais de seu Céu e de sua Terra.
Em seu Templo você reproduz, hoje, os sinais e as premissas Daquele que vem lavar, no Fogo do Amor, suas Vestes de Eternidade, restituindo-as à sua Infinita Pureza, à sua Infinita Transparência e à sua Eternidade.
Momento de Graça que vem, no qual o conjunto de basculamentos de tudo o que é visível e invisível aos seus olhos, como ao seu Coração, de momento, não deixa lugar para qualquer dúvida, a não ser nas partes de sua tela que resistem, chamadas de personalidade, construções, crenças e elaborações que vêm tentar dar-se conta da vida confinada.
Mas essa vida não oferece mais o suporte para o mínimo estudo, mas, efetivamente, para a vivência e o estabelecimento no que não pode ser ensinado em outro lugar que não no coração do Coração, aí, onde se tem o núcleo da Alegria, o núcleo da Eternidade, o núcleo imutável de sua Felicidade.

Então, o que eu enunciei, como Juramento e Promessa, vê, nesses dias, sua atualização e sua resolução, o que leva você, cada vez mais, assim como o constata, a estabelecer-se onde se encontra a única Paz, aquela que não depende de qualquer circunstância, onde se encontra a única Alegria, que não depende de qualquer aquisição desse mundo, mas de seus Reencontros com sua própria Eternidade.
Isso se desvenda, e desvenda-se a cada respiração desse mundo, que se aproxima de seu Céu e de sua Terra, em que os sinais inumeráveis serão a evidência para cada um e para todos.
Mesmo aqueles que não querem vê-lo serão obrigados a ver a Verdade, nesse Face a face, no qual nada pode interferir, porque a Transparência é total.
Essa simples lembrança, esse simples basculamento assinala, para muitos de vocês ainda confinados nas armadilhas da evolução. Nas armadilhas das crenças, nas armadilhas dos caminhos, inumeráveis e variadas na superfície desta Terra, que fazem apenas traduzir o extravio e a dispersão.

Tudo isso acabou, porque o que foi erigido a mestre pelo mental, a razão e o intelecto choca-se, doravante, ao Muro do Ilimitado, ao Muro do Amor, ao Muro da Transcendência – que, para eles, é bem real.
Os limites caem, uns após os outros, tanto em seu seio como na humanidade, como tudo o que foi construído sobre os ventos e as areias movediças do mental e das crenças.

A Luz é Liberdade, isso você sabe, e experimentou, dela, alguns dos efeitos e algumas das implicações.
Hoje, você não tem mais necessidade nem de explicar, nem de mostrar e, ainda menos, de demonstrar.
Apenas manter-se aí, ao centro da Ronda e da Dança, no Canto e no Silêncio da Eternidade você encontrará, em si, as reservas e os recursos necessários a essa Eternidade.
Nada mais do que eram crenças, nada mais do que foi elaborado, a partir do ponto de vista de onde se encontra a prisão poderá mais, jamais, existir.
A Vida desdobra-se em sua impetuosidade, em sua Liberdade, em seu Amor e sua Luz, que nada pode vir alterar nem contrariar.
Você vê isso?
Você sente isso?
E você apreende isso?
Não, você não está sonhando.
Eu diria, mesmo, mais, enfim, você desperta ao que você É, para além de toda convenção social, moral e espiritual, porque o Amor é Liberdade e não obedece a outra convenção que não ser, ela mesma, essa Liberdade.

É claro, nesse corpo denso parece, por vezes, ir de um ao outro, do limite ao ilimitado, o que pode, por vezes, desencadear atritos ou ressonâncias, Atração ou Repulsão.
Mas, em breve, esse último jogo, aquele das últimas veleidades do que o encerrou nas garras da ilusão, nas garras do esquecimento, vai soltar o aperto, porque o abraço e o abrasamento do Amor não têm outro limite que não o de ser o Infinito e o Indefinido, de todos os Tempos e de todo o Espaço, de toda Dimensão como de todo Multiverso.

É em você que se encontra a última resolução.
É em você que convém experimentar se a Liberdade e o Amor são a verdade, e a única Verdade ou, então, se as construções de seu próprio mental e de sua própria pessoa vão reforçá-lo na vontade de pôr uma tela entre você e a verdade que você É.

Eu o convido, portanto, a despojar-se de tudo a que você pode, ainda, crer, de tudo o que você pode, ainda, esperar, porque assim que há espera, assim que você veste o manto da ignorância e o peso do confinamento ou da culpa da personalidade, então, você cria uma distância que não tem mais lugar de ser.
Porque, como você sabe, através de seus voos, como através de suas tentativas e erros, você percorre o campo dos possíveis de suas Eternidades, você percorre o campo da Dança e vem inserir-se no que é a Vida.
Não nos limites e nas contingências desse mundo, mas na vida que não conhece qualquer limite, nem início, nem fim, que se inscreve entre o Alfa e o Ômega, que realiza, pela verticalidade, pela Lemniscata Sagrada, com a ajuda de Maria, com Aquele que vem lavar suas Vestes e anunciar-Se em seus Céus, com o conjunto de seus Irmãos e Irmãs que reencontram a Unidade, que reencontram a Coletividade, na Liberdade, no Amor e, sobretudo, na Paz.

Tudo o que é paz reforça a Paz, tudo o que é alegria reforça a Alegria, tudo o que é serenidade reforça a Paz Suprema.
É o que você É, essa Morada de Paz Suprema.
Você se redescobre, nu e sem fardo, sem iluminação ilusória da personalidade, mas na Humildade reencontrada de sua Eternidade, na qual você é nutrido, sem recorrer a esse mundo, sem recorrer à matéria desse mundo, ao mesmo tempo ali estando, ainda, em sua superfície, para acolher Aquele que vem, para acolher Aquela que vem, das profundezas da Terra, e Aquele que vem, da profundeza dos Céus, reunir-se em seu Templo, lembrá-lo da Androginia Primordial, seja a Fusão com Duplo encarnado, Estelar ou Solar.
Você volta a tornar-se Um, pela Graça da Tri-Unidade.
Cristo é o agente disso, é a Estrela, aquela da cabeça, que vem e que é Anunciada para os Tempos que foram descritos, que são os tempos que se abrem a partir deste instante, na superfície desse mundo, que põe e ilumina, violentamente, a nudez do ego, que nada tem a ver com a Eternidade.

Seu corpo é um Veículo, seu corpo é um suporte, mas ele não é o que você É.
Ele é o lugar que permitiu o aparecimento de um corpo, limitado e separado, pelas leis pertencentes a esse mundo próprio, que não são as Leis de sua Eternidade.
Cabe a você saber e dizer se quer permanecer na ação e na reação inexorável dessa dualidade ou se quer, enfim, percorrer os Caminhos da Graça, que não implicam qualquer via, qualquer caminho, mas apenas Ser, a cada sopro, tanto aqui como Alhures, a Eternidade em presença, em manifestação, em evidência.

Vigie-se para permanecer Humilde e Simples, porque o Amor e a Luz, porque o abrasamento do Amor, o abraço do Amor é, ao mesmo tempo, Liberdade e, também, Simplicidade e Humildade.

Não há lugar, para esse espaço e nesse espaço, para a razão, para o intelecto, para os laços e os apegos.
Tornar-se a Liberdade, encarnar a Liberdade da Luz, da Verdade e do Amor não pode acompanhar-se de qualquer elemento que o ligue ao confinamento ou que o ligue às crenças, que o ligue às ilusões.

Escute, em você, esse Juramento e essa Promessa, porque eles se vivem a partir desse basculamento e a partir desse instante, em um Tempo que não lhe cabe, ainda, conhecer, mas que, na escala de seu tempo terrestre, parece bem curto, doravante.
Nós os temos alertado, nós os temos efusionado, retransmitido por diferentes círculos – aqueles dos Arcanjos, aqueles dos Anciões, aqueles das Estrelas.
Inúmeros profetas percorreram o solo desta Terra; eles os advertiram, não de uma catástrofe, mas de uma grande Alegria, que é a Liberação do Espírito, submetido à vontade da alma, à vontade da matéria, que era sua própria continuação, para evitar a ela reconhecer-se, a si mesma, na Luz.

Mas tudo isso não tem mais curso.
Tudo isso, como você talvez viu, apaga-se de seu campo de percepção, de seu campo de consciência, de seu campo memorial, porque o presente nada tem a ver com tudo o que não é presente, tudo o que não é Doação, tudo o que não é Graça.

Você não pode ser a Graça e a ação/reação.
Você não pode ser uma pessoa e Ser a Totalidade.
Você não pode ser inscrito entre o nascimento e a morte desse corpo ou em uma sucessão de nascimentos e de mortes e ser inscrito, ao mesmo tempo, no Céu.

Lembre-se de que há apenas que abrir, apenas acolher.
E hoje, nesse basculamento, mais do que nunca, a Graça não é uma submissão, mas uma capitulação.
É o lugar em que se rendem as armas, as armas da divisão, as armas da posse, as armas tanto do sofrimento como dos prazeres efêmeros, para instalar-se no que é Alegria, Contentamento, Eternidade, Multidimensionalidade, o que permite lembrar-se onde está a Fonte de sua Fonte, para lembrar-se do que você É, do que você sempre Foi, e do que sempre Será.
O parêntese desse mundo está inscrito apenas entre um início e um fim, observável em diferentes calendários, aqueles da Terra bem mais do que o calendário dos homens e, é claro, nos calendários das constelações, de onde vem a Estrela que anuncia a Estrela.

Então, tenha limpa sua Casa, tenha limpas suas ideias, tenha limpos seus pensamentos – eles devem ser os mais límpidos e, eu diria, mesmo, os mais ausentes, para deixar-se preencher pela Graça em Ação, pela Graça em Evidência que vem, pelo Céu e a Terra, lembrá-lo, por seu Som, por seu Canto, de sua Eternidade.

Deixe para trás de si sofrimento e culpa, deixe para trás de si tudo o que não pertence ao instante.
E isso não é definido pela presença de seu corpo em um espaço ou outro, mas, bem mais, pela localização de sua consciência, que acolhe a Graça, que volta a tornar-se a Graça.

Nada mais há a fazer do que estar aí.
Nada mais há a fazer do que estar na benevolência, na escuta, na Humildade, na Unidade.
Sua Presença é um farol, você, que Ancorou a Luz, você, que Revela a Luz.

Olhe, porque a Luz cresce e espalha-se, cada vez mais.
As convulsões de seu mundo são ligadas apenas às resistências a essa Luz.
Elas não podem ser nem duradouras, nem perdurar além Daquele que vem no Céu.
Então, lembre-se de que todos os recursos, de que tudo o que poderia, nesse mundo, tornar-se como uma falta ou uma ferida, não pode persistir, porque há, em você, o bálsamo, aquele do Amor, esse Fogo do Amor, aquele que você sente em sua carne e em sua consciência, e que vem consumir e abrasar.

Fique aí, escute.
Esteja no acolhimento, porque a Graça é o bálsamo eterno, que põe fim ao que você considera como sendo sua vida, ao que você considera como sendo suas memórias, mas que nada mais são do que os ornamentos da ilusão, que visam seduzi-lo, que visam desviá-lo de seu coração do Coração.
Mas a intensidade da Luz, a intensidade das Estrelas, a intensidade de seus céus e a própria intensidade dessa Terra Liberada convida-o a sempre mais Graça e Leveza nessa densidade, enquanto ela não se oponha, não resista ao que está aí.

Filho da Lei de Um, inscrito no Coletivo do Um, que vê, através das separações, a Unidade subjacente de todas as coisas e a Unidade da Graça, põe em ação essa Graça.
Coloque-se, tanto quanto sua vida permita-o, nesses Espaços de Vida Eterna.
Porque é nesses Espaços de Vida Eterna que a vida limitada apaga-se e desaparece.
Aquele que andou na superfície desse mundo, quer esteja desperto ou adormecido vai, doravante, despertar, definitivamente.
Porque sim, do mesmo modo que você se levanta pela manhã e evoca seus sonhos da noite, no dia em que você emergir, completamente, dessa fase de sono que essa vida nesse mundo, se isso já não foi feito, você não a renegará, mas sua Consciência não estará mais no mesmo lugar.
Ela não estará mais confinada.
Ela constatará, por si mesma, que é cada vez mais fácil, para você, deslocar-se – porque não é um deslocamento – de uma consciência limitada para uma Consciência mais ampla, até o ponto de ruptura, no qual esse basculamento demonstra-lhe que você É, mesmo sem o suporte da Consciência.

Tudo isso meus Mensageiros, que são, também, os seus, disseram, explicaram, fizeram-no experimentar e viver.
O Caminho desse Retorno foi-lhe grandemente aberto; a Porta da Reversão foi atravessada.
Resta a você, agora, bascular, cada vez mais profundamente, na simplicidade do que você É.

A Vida e a Luz chamam-no, portanto, cada um segundo seu ritmo, mas um ritmo, eu diria, cada vez mais premente, cada vez mais em turbilhão, cada vez mais invasivo para que, no momento vindo, que está aí, dê-lhe cada vez mais facilidade para viver no instante, para afastar-se do que é sofrimento, para afastar-se do que tem apenas um tempo, inscrito entre o nascimento e a morte nesse mundo.
Mas você jamais nasceu, assim como não morrerá, jamais.
Só o que é limitado experimenta o nascimento e a morte.
Mas, a partir do instante em que você se situa no coração de seu Coração, nos Espaços ilimitados da Paz e do Contentamento, então, nada mais pode ser como antes.

O Céu, também, vem dizer-lhe isso.
Não, unicamente, para você, não, unicamente, para o Coletivo do Um, mas para o conjunto de todas as consciências presentes na superfície desse mundo.

Nós somos inumeráveis.
O Manto Azul da Graça, o Canal Mariano permitiu-lhes experimentar esses reencontros com seus Irmãos e suas Irmãs além do além, como com seus Irmãos e suas Irmãs encarnados nesse mundo, mas abertos para o Ilimitado.
Tudo isso são provas, que vão bem além de simples experiências e do simples prazer, porque tudo acontece assim, nas Esferas eternas de Verdade e de Beleza, em que nada é separado, em que nada é dividido.

Não procurem mais compreender, mas procurem, bem mais, viver o mais intensamente a Graça que se derrama.
O basculamento está em vocês, o basculamento está a caminho e em curso.
Ele não está em outro lugar que não no coração do Coração, onde se encontra, como eu disse, o conjunto de seus recursos, porque os recursos da vida exterior secam, não como uma privação, mas como um elemento essencial para seu basculamento e para viver, em perfeita inteligibilidade, o Juramento e a Promessa.

Meu Amigo, meu Amado, aí estão as algumas palavras que eu tinha a dizer, enquanto imprime-se, em você, a expressão da Graça, do Amor e da Vida em seu Templo Interior, no Templo de cada um.

Meu Amigo, meu Amado, você responde, e responderá, em cada sopro de sua vida, à Graça, à Verdade, à Eternidade?

Venha, porque eu venho.
Vá, porque eu vou.
Fique aí, porque eu estou aí.
Abra-se e acolha.
Faça o lugar.
Remova e retire de si tudo o que não é Eterno, tudo o que não é Felicidade.
Não por um ato do ego, mas, simplesmente, por um acolhimento, uma rendição sem condição à Graça e ao Amor, que é nossa natureza, nossa Verdade, que nenhuma tela e nenhum véu poderá, jamais, manchar.

Assim se marca o fim do que foi nomeado o Sistema de Controle do Mental Humano.
As camadas isolantes, que prevalecem, ainda, nesse corpo limitado e nessa consciência limitada, como você constata, estão cada vez mais alteradas, deixando passar, cada vez mais abertamente, a Luz, mesmo se isso se traduza, para você, por mecanismos de resistência e de atritos, não se preocupe com isso.
Busque o Reino dos Céus, que está dentro de si, nada mais pode ter o mínimo significado e a mínima importância em relação a isso.

Meu Amigo, meu Amado, escute, escute o Silêncio.
Torne-se, eternamente, o que você É, em toda a Eternidade.
Aí se encontra a única decisão possível, a única Ancoragem possível.
Torne-se o Canto, torne-se a Dança e torne-se o Silêncio.
Torne-se a expressão desse núcleo íntimo.
Torne-se a Ancoragem, em seu Coração e na Verdade Eterna.
Demonstre, pelo que você É, que você não deixa mais lugar ao que quer que seja do efêmero.
Mantenha a Graça, porque a Graça é a nutrição, e nenhum elemento desse mundo, como você o vive e sente, pode mais satisfazer essa sede insaciável de Verdade, essa sede insaciável da Graça do Amor.
E você bem sabe que ela está sempre mais presente, sempre mais ao mais próximo de seu coração do Coração.
Você tem podido fazer, à vontade ou por flashes, a experiência disso.
É-lhe fácil, portanto, posicionar-se onde está a Felicidade.

E, para aqueles de seus Irmãos e Irmãs da Terra que continuam a dormir, fechados no que resta de crenças e de ilusão, não se preocupe com eles, simplesmente, seja o que você É: cada vez mais, a Graça em Ação, daquele que está em Silêncio e deixa-se dançar, pela Dança da Vida da Onda de vida.
Por aquele que se deixa dançar, pelas Comunhões, as Fusões e as Dissoluções, pelos efeitos do Sol, do Sol Central da Fonte, pela Radiação do Ultravioleta, por tudo o que se desenrola no efêmero desse mundo, encontra-se a Graça.
Só o olhar dividido, aquele da dualidade inexorável desse mundo, pode apenas redizer, vendo apenas resistências e sofrimentos.
Aquele cujo Olhar é aquele do Coração vê apenas Liberação e Alegria.
E, no entanto, trata-se, efetivamente, dos mesmos eventos, das mesmas sequências.
Mas, de onde você Está, isso faz toda a diferença – para você, mas, também, para seus Irmãos e Irmãs que, de momento, estão, ainda, sob o jogo da Atração e da Repulsão, nomeados o bem e o mal.
O Amor não é nem bem nem mal, ele É o que você É, de toda a Eternidade.

Então, eu venho convidá-lo para esse acolhimento, Daquele que vem anunciar-Se.
E para o que Maria o prevenirá, como sempre foi enunciado, por esta voz ou por outras vozes.
Mas prepare-se.

Essa preparação, como você sabe, é toda interior.
Explore, cada vez mais, o que você É.
Instale-se em si, instale-se nessa Eternidade repleta de majestade, de evidência, de Simplicidade.
Você encontrará, aí, toda a nutrição, nesses Tempos de basculamento.

E lembre-se de que tudo sempre foi perfeito, de que aquele que olha, unicamente, com o olho da razão, e que ainda não tem o Coração pleno dessa Graça, apenas pode ali ver discórdia e engano.
Nada mais há que não a Liberdade; nada mais há que não a Graça em Ação; nada mais há que não o Amor.
Você se reconhecerá nesse Amor, que é o que você vê.
Você se reconhecerá na Eternidade que É, sem, jamais, ser submetida a uma forma, qualquer que seja.
Porque sua Consciência, como sua a-consciência, está fora de todos os limites, e o limite não pode subsistir quando você descobre isso, inteiramente.

Aí está o Abandono à Luz.
Aí está o Instante Presente.
Aí está a Felicidade, ela não pode depender de qualquer causa ou circunstância, nomeada exterior.
Ela depende apenas de sua faculdade para deixar fluir o Amor, a Dança e a Liberdade, no Silêncio e no Canto.
Porque você É tudo isso.
Você É o que eu Sou, como eu Sou o que você É.
Você é a Terra, você é o Sol, você é o Éter.
Você É a Graça e você É o Mundo – não no sentido de uma apropriação, não, tampouco, no sentido de uma experiência ou de um objetivo a atingir, mas, efetivamente, no sentido de uma Evidência.

Meu Amigo, meu amado, eu lhe agradeço por ter vindo acolher a minha Presença em sua Presença.
Seja o que você É, porque você o É.
Não lute, não resista, torne-se esse Coração Vibrante e palpitante.
Aí está a chave desse basculamento.
Aí está a chave de sua Eternidade.

O caminho de seus dias sobre esta Terra, quaisquer que sejam as circunstâncias, permitirá a você experimentar o que eu lhe disse, de maneira cada vez mais evidente, de maneira cada vez mais clara.
Nada há a reivindicar que já não seja, há apenas que reconhecê-lo, meu Amigo, meu Amado.

Não complique, simplifique, porque tudo é Simples.
Não construa, contente-se em olhar o que se desconstrói.
Porque o que desconstrói é, tanto para você como para todos, apenas os muros da ignorância e os muros da prisão e do confinamento.

Então, não tenha qualquer tristeza, nem qualquer expectativa, porque isso não lhe concerne.
Para isso, coloque-se onde está a Paz, coloque-se onde está a Morada de Paz Suprema.
E você será nutrido, e estará em uma Alegria que será bem mais ampla do que o que suas experiências conduziram-no a viver.
Seja o Contentamento, seja a Morada de Paz Suprema, sejam as próprias satisfações desse mundo em que você está, tudo isso lhe parecerá muito insípido em relação ao que você É.
Mas para nada serve crer nisso, para nada serve projetá-lo.
Então, eu lhe digo, simplesmente: é o que você É, a Graça, o Amor e a Verdade.

Cabe apenas a você reconhecer-se a si mesmo, reconhecer-me.
Acolher-nos, um e o outro, seja eu, você, Maria, Cristo ou qualquer outra Consciência liberada do confinamento.
Porque nós somos Um, e isso não é nem um slogan nem uma declamação, mas a única Verdade.
E, para isso, saia do efêmero, saia da distância inscrita em sua forma, penetre no sem forma para apreender que você É isso, onde o Tempo e o Espaço, quaisquer que sejam, tanto desse mundo como Alhures, não têm mais qualquer incidência e repercussão.

Meu Amigo, meu Amado, eu o Amo.
Como poderia ser de outro modo que não Amar o que eu Sou, que é o que você É, meu Amigo, meu Amado?
Aí, no Espaço sagrado de nosso Reencontro.

Meu Amigo, meu Amado, você está em casa, aí, onde a Graça toma sua Fonte.
Fonte que não seca, jamais, na qual nenhuma tela pode interpor-se.
Tudo decorre daí, porque tudo procede daí.

Meu Amigo, meu Amado, eu o restituo ao Silêncio de sua Dança, eu o restituo a si mesmo.

Meu Amigo, meu Amado, eu o convido a dançar, no Éter, no Fogo do Amor, na Água do Conhecimento, no Ar da Liberdade e na Terra sagrada de suas origens.
E eu lhe digo, de Coração a Coração, de Fonte a Fonte, que a Alegria, a Paz e a Luz permanecem, para sempre.

Meu Amigo, meu Amado, eu rendo Graças à nossa Comunhão, eu rendo Graças à Verdade e à Eternidade.

Meu Amigo, meu Amado, seja vigilante para manter o fluxo da Graça e o Fluxo da Graça através de seu corpo, através de sua Consciência e através desse mundo.
Porque tudo, ali, é solução.

Meu Amigo, meu amado, nessas palavras, eu lhe transmito a Alegria da Graça de nosso Reencontro.

Meu Amigo, meu Amado, eu permaneço em você, porque eu Sou você, como você É eu.

Meu Amigo, meu Amado, nós Estamos em você, e Somos você.
Um por um, um a um, no mesmo Um.

Até breve.

---------------
Transmitido por: Coletivo do Um.
Transcrição do texto em francês: Marc Mellinger

Fonte: http://lestransformations.wordpress.com/2013/10/18/la-source-babaji-17-octobre-2013/

4 comentários:

  1. Mesmo aqueles que não querem vê-lo serão obrigados a ver a Verdade, nesse Face a face, no qual nada pode interferir, porque a Transparência é total.

    Os limites caem, uns após os outros, tanto em seu seio como na humanidade, como tudo o que foi construído sobre os ventos e as areias movediças do mental e das crenças.

    Hoje, você não tem mais necessidade nem de explicar, nem de mostrar e, ainda menos, de demonstrar.

    Nada mais do que eram crenças, nada mais do que foi elaborado, a partir do ponto de vista de onde se encontra a prisão poderá mais, jamais, existir.

    Escute, em você, esse Juramento e essa Promessa, porque eles se vivem a partir desse basculamento e a partir desse instante, em um Tempo que não lhe cabe, ainda, conhecer, mas que, na escala de seu tempo terrestre, parece bem curto, doravante.

    Não construa, contente-se em olhar o que se desconstrói. Porque o que desconstrói é, tanto para você como para todos, apenas os muros da ignorância e os muros da prisão e do confinamento.

    ResponderExcluir
  2. Na medida que vou lendo dentro de mim, vai ressoando: Amém ... Graças ... "Desse momento de majestade"

    - "Cada sopro de sua vida, aqui nesse mundo, aproxima-o da Vida Eterna, não mais nesse mundo, mas em todo Mundo.

    -Em seu Templo você reproduz, hoje, os sinais e as premissas Daquele que vem lavar, no Fogo do Amor, suas Vestes de Eternidade, restituindo-as à sua Infinita Pureza, à sua Infinita Transparência e à sua Eternidade.

    - Mesmo aqueles que não querem vê-lo serão obrigados a ver a Verdade, nesse Face a face, no qual nada pode interferir, porque a Transparência é total."

    Estou sem folego... De Alegria e tanta Verdade ...

    - "Tudo isso acabou, porque o que foi erigido a mestre pelo mental, a razão e o intelecto choca-se, doravante, ao Muro ...

    - ...Vai soltar o aperto, porque o abraço e o abrasamento do Amor não têm outro limite que não o de ser o Infinito e o Indefinido, ...

    - Você se redescobre, nu e sem fardo ..."

    Bem na verdade, a vontade é de recolocar toda a Mensagem novamente neste espaço, porque cada parágrafo cai, profundamente dentro de nós vibrando e confirmando ... O que mais fazer? Ela é tão ... Tão ... Tão Rica, Magnífica, Divina ...
    Amém!

    ResponderExcluir
  3. "O Caminho desse Retorno foi-lhe grandemente aberto; a Porta da Reversão foi atravessada. Resta a você, agora, Bascular, cada vez mais profundamente, na Simplicidade do que você É.

    "E hoje, nesse Basculamento, mais do que nunca, a Graça não é uma submissão, mas uma Capitulação. ... Enfim, percorrer os Caminhos da Graça, que não implicam qualquer via, qualquer caminho, mas apenas Ser, a cada sopro, tanto aqui como Alhures, a Eternidade em Presença, em Manifestação, em Evidência.

    "Aquele cujo Olhar é aquele do Coração vê apenas Liberação e Alegria.
    "Nada mais há que não a Liberdade; nada mais há que não a Graça em Ação; nada mais há que não o Amor. Você se Reconhecerá nesse Amor, que é o que você vê. Você se Reconhecerá na Eternidade que É.
    "Aí está o Abandono à Luz.
    Aí está o Instante Presente.
    Aí está a Felicidade.

    "Meu Amigo, meu Amado, eu o restituo ao Silêncio de sua Dança, eu o restituo a si mesmo.
    "O que você vive, nesses instantes de seu tempo, o que você experimenta e sente está aí para fortalecê-lo na Realidade de seu Ser, na Verdade de sua Essência. Porque você é isso: Fonte.

    "De Fonte a Fonte, eu posso dizê-lo, de Fonte a Fonte, eu posso enunciá-lo e cantá-lo: não há outros mundos que não aquele da Eternidade.
    "Meu Amigo , meu Amado, eu permaneço em você, porque eu Sou você, como você É eu.
    "Um por um, um a um, no mesmo Um.
    "Enfim, você Desperta ao que você É."

    ResponderExcluir
  4. Só posso afirmar: "Um por um, um a um, no mesmo Um"
    E assim É!

    Na Graça
    Helena

    ResponderExcluir