Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

21 de ago de 2016

ERILIM – Dragão da Terra – Julho de 2016


IMPESSOAL E POVOS DA NATUREZA


Eu sou Erilim, dragão da Terra.
Permitam-me abençoá-los no sopro que eu sou.

… Silêncio…

Eu já tive a ocasião de exprimir-me entre vocês, e eu me regozijo de vir voltar a falar com vocês.
Além de algumas coisas que eu tenho a dizer-lhes e que serão breves, é-me permitido, hoje, deixar-lhes, em seguida, a palavra, para questionar, não sobre vocês, mas sobre nós.

Há algum tempo, eu lhes exprimi qual era nossa função nesses tempos da Terra, em relação ao aspecto puramente físico do manto da Terra, para permitir, de algum modo, a essa Terra, no momento vindo, realizar-se em sua dimensão nova, sem desordens outras que não aquelas da Inteligência da Luz.

Inúmeros de vocês, aqui, vieram ao nosso reencontro, e eu lhes agradeço, em nosso espaço, no qual nós vivemos.
Nossa comunidade de dragões é constituída, como eu o disse, de um número limitado de dragões.
Nossa comunidade chama-se a comunidade de Hermio.
Existem numerosas comunidades de dragões, não tão disseminadas como os elfos, não tão alastradas como as ondinas ou como os habitantes da floresta e da Terra.

Nosso sopro, independentemente de sua capacidade para reencontrar-nos nesse lugar, é destinado, vocês compreenderam, sobretudo, a agir na Terra, e de maneira indireta, em sua terra, ou seja, sua carne.
Não direta e individualmente, mas ao agir, diretamente, no manto terrestre, nós preparamos, de algum modo e, isso, de maneira coletiva e não individual, sua carne dessa Terra para esse reencontro, tão esperado ou tão temido, com o que vocês são.

Em nossa comunidade, como em toda comunidade de dragões, nós recebemos e percebemos as codificações vibratórias de Luz.
Elas, para nós, não são palavras nem discursos, mas, sim, impulsos para certo tipo de ações, em alguns lugares da Terra.
Eu não voltarei à nossa ação sobre o manto terrestre, eu falei disso, longamente, mas, dadas suas capacidades novas para reencontrar-nos, de diversas maneiras, é, talvez, importante, dar-lhes referências, não sobre nossa vida, mas sobre nossos próprios reencontros, sobre nossa constituição e sobre tudo o que pode interrogá-los, questioná-los sobre nós.

Nós estamos entre as consciências as mais antigas, aqui como por toda a parte nos mundos, em todas as dimensões.
Nosso papel não é uma função de administração de territórios da consciência, mas, bem mais, de vigiar pela harmonia desses códigos de Luz presentes em toda dimensão, quanto à liberdade da expressão da consciência.
Antes de tudo, nós respeitamos toda forma, em qualquer dimensão que ela esteja.
Nossa única função, se posso dizer, é de estar aí, vivos, e de defender o que há a defender para vigiar, aqui como por toda a parte, para que os códigos de Luz sejam transmitidos de maneira uniforme e regular, conformando-nos, devido à nossa natureza, sem qualquer vontade de nossa parte, a esses códigos de Luz e, portanto, à Inteligência da Luz.

Nós trabalhamos, obviamente, no Elemento Fogo, mas, também, no Elemento Terra, em qualquer terra que seja, o Elemento Terra está presente, de maneira, certamente, mais sutil, em toda dimensão, e permite a expressão e a manifestação da consciência, tanto nas terras situadas alhures como nos céus situados alhures.

Nós não podemos comparar nosso funcionamento e o seu, mas há, em vocês, mesmo aqui, como por toda a parte na Terra, como em nós, a mesma chama.
Simplesmente, nossa chama é orientada diferentemente da sua.
Ela não pode, jamais, apagar-se, de qualquer forma, nem, mesmo, ser diminuída.

Como vocês sabem, eu sou o mais jovem da comunidade de Hermio.
Nós não somos dependentes de um corpo ou de uma forma, mesmo se preferimos manifestar-nos na forma que vocês nomeiam dragão.
Aliás, esse nome é específico da Terra e não é a vibração que nós portamos em outros lugares, mas a estrutura, em qualquer dimensão que seja, é idêntica.
Nosso corpo de Existência ou corpo de manifestação, a forma que suas representações nos têm dado na Terra, do tempo em que nós éramos cortados uns dos outros, qualquer que seja nossa filiação.

Hoje, e de maneira cada vez mais extensiva, nós estamos, doravante, autorizados a visitá-los, nós também, a acompanhá-los algum tempo, a penetrar em suas auras e a permanecer ao lado de vocês.
Por nossa presença, amorosa, simplesmente, nós mudamos seu olhar a partir do instante em que vocês nos abrem a porta para que nós os acompanhemos algum tempo.

Assim, desse modo, inúmeros de vocês que vieram ver-nos nesses lugares, em nossa comunidade, são divididos com alguns de nós.
Isso não deve colocar-lhes problema algum, porque nós somos... não limitados por uma única forma, isso já lhes foi explicado pelos Anciões, parece-me.
Nós somos uma forma, como podemos ser a mesma consciência em múltiplas formas.
Nós não somos, portanto, tributários de uma forma precisa ou de um envelope preciso, mas nós recriamos essa forma à saciedade, quando a necessidade faz-se sentir para nossos irmãos humanos reencontrados.

Quando vocês têm a chance de reencontrar-nos, ou quando têm a chance de levar-nos, se posso dizer, com vocês, nós lhes transmitimos nosso Fogo original.
Esse Fogo vibral é, certamente, o mais próximo, em seus efeitos, do que foi nomeado o Fogo Ígneo.
Nós insuflamos, em vocês, a quintessência do Elemento Fogo, que lhes dá, ao mesmo tempo, a queimar o que pode restar, em vocês, a consumir, concernente ao efêmero e ao que morre, bem como favorecer, assistir à sua ressurreição, pelo Fogo do Coração no Fogo do Espírito.
Nós acompanhamos, portanto, de algum modo, seu batismo no Espírito, quando é chegado, para vocês, viver isso.

É claro, não há obrigação.
Inúmeros de vocês já estão liberados, vocês não têm necessidade de nossa Presença nem de transportar-nos, se posso dizer.
Para alguns de vocês, é necessário ter o que eu qualificaria de um pequeno golpe de Fogo, para ajudá-los no desengajamento de si mesmos, em suas crenças, em suas certezas ligadas a esse mundo, o que permite às certezas da Eternidade preenchê-los, regá-los.

Nós participamos, portanto, à nossa maneira, da instalação do Fogo do Espírito, da limpeza de seu Templo, e nós favorecemos, nesse momento mesmo, a ativação do que vocês nomeiam as Portas inferiores de seu corpo, aí, onde está alojado o Fogo, aí, onde está alojado o próprio princípio da alquimia, da transmutação e da transformação da forma, como da consciência.

Eu lhes digo isso não, unicamente, para vocês, é claro, aqui, mas a todo lugar da Terra, se lhes acontece de constatar que vocês estão acompanhados por um dragão.
Obviamente, nós os acompanhamos e vocês nos transportam e, naquele momento, nós não podemos conservar o mesmo tamanho que aquele que temos quando voamos em seus céus.
Nós os acompanhamos sob uma forma reduzida de tamanho.
Aliás, alguns de vocês não compreendem como podemos passar de uma forma de várias dezenas de metros a algumas dezenas de centímetros sem qualquer dificuldade, a recriar à vontade, eu o repito, nossa forma, no tamanho que desejamos.

Nós os acompanhamos, o mais frequentemente, na altura de seu coração, lateralmente, do lado esquerdo.
Devido, mesmo, à ativação da parte terminal do que vocês chamam, eu creio, o Canal Mariano, nós nos mantemos em seu Canal Mariano, mas ao mais próximo de seu coração, não muito longe da Porta nomeada Unidade.
E dali nós agimos em vocês, quando isso é necessário, quando seus próprios códigos de Luz entram em ressonância, se posso dizer, com nossos próprios códigos de Luz e os códigos de Luz derramados sobre a Terra.
Alguns desses códigos de Luz são-lhes conhecidos, eles foram, aliás, nomeados as chaves Metatrônicas, mas existem outros, que lhes são totalmente impronunciáveis e não evocáveis, mas que estão, entretanto, bem presentes em vocês, sobretudo, no que concerne às Portas que estão situadas em sua pélvis e à frente de seu corpo, e atrás, ao redor do sacrum.

Pouco importa, vocês não têm necessidade de conhecer a pronúncia, difícil para vocês.
Mas se vocês constatam nossa Presença, quer seja ao ver-nos ou, o mais frequentemente, ao perceber a vibração da Porta Unidade e de uma das duas Portas conjuntas, Profundeza ou Precisão, isso quer dizer que nós estamos aí e que trabalhamos com esses códigos de Luz no refinamento – eu creio que é a palavra adaptada – de sua condição eterna.

Vocês têm, também, a possibilidade, como o disseram os elfos, de conectar-se a nós, onde quer que vocês estejam, nós os encontraremos, estejam certos, se isso é necessário para vocês.
Ainda uma vez eu esclareço, também, que nós não podemos fazer o trabalho em seu lugar – o sacrifício de si mesmos –, mas nós lhes damos os ingredientes, se posso dizer, para finalizar essa grande obra.
Não se trata mais de uma obra colorida, como havia sido explicado através das diferentes obras vividas durante esses anos para vocês, que foram nomeadas por cores, eu creio, nomeadas a Obra no Amarelo, a Obra no Negro, a Obra no Azul e a Obra no Branco.

Mas nós permitimos, simplesmente, a esses códigos de Luz, que lhes são, ainda, desconhecidos, estabilizar o que deve sê-lo, se isso lhes corresponde, antes do Apelo de Maria.
Eu quero dizer com isso que vocês não são obrigados a perceber nossa forma, mesmo reduzida, em seus campos de Luz ao redor de si, mas, simplesmente, saibam que, se vocês percebem uma vibração em uma das Portas seguintes: Profundeza ou Precisão, ou na Porta Unidade, isso quer dizer que nós estamos instalados, um de nós, é claro, instalado sob sua redução de forma, ao seu lado, não longe de seu coração, em seus campos áuricos, para permeabilizar, se posso dizer, o que pode sê-lo e o que deve sê-lo.
Nós somos, eu diria, os trabalhadores da última hora, que permitem regular tanto a Terra como sua carne – e não sua consciência – para que sua consciência eterna encontre-se, de algum modo, ajustada e confortável em suas estruturas.

Essa ação prosseguirá, para alguns de vocês, até o Apelo de Maria.
A comunicação conosco, mesmo se ela se faz ao ver-nos ou por palavras, não é a comunicação essencial.
O essencial é o que eu acabo de detalhar, concernente à nossa presença e nossa ação silenciosa, mesmo se ela seja visível, em suas Portas e, em especial, nessas Portas.
Nós agimos pelo sopro, nós agimos pela vibração, quer vocês percebam, aliás, para inúmeros de vocês, em suas Portas inferiores ou na Porta Unidade.
A partir do instante em que vocês percebem essa vibração em uma dessas três Portas, estejam certos de que um pequeno dragão está com vocês.
Não há que trocar em um modo verbal, eu diria, mesmo, que nosso aporte não seja, absolutamente, do mesmo tipo que o que pode produzir-se com os Anciões, com as Estrelas, com vocês mesmos e entre vocês, eu diria.
Essa forma de comunicação não lhes é conhecida.
Ela não passa, tampouco, pela linguagem vibral suméria original, mas ela passa, diretamente, pelo que eu nomearia, se vocês o quiserem, a Informação-Luz.

Essa Informação-Luz, como eu tive a oportunidade de dizê-lo, visa preparar sua carne – e não sua consciência, porque só vocês mesmos podem fazê-lo.
Mas a preparação da carne, qualquer que seja o futuro dessa carne, é importante, tanto para vocês como para a própria Terra, não mais como ancoradores ou semeadores de Luz ou, ainda, efusionadores de Luz, mas para permitir, também, a estabilidade da Terra e a estabilidade do que vocês nomeiam, eu creio, a consciência coletiva ou o inconsciente coletivo da Terra, para permitir o pleno cumprimento do plano da Ressurreição, em sua fase final, iniciado, como vocês sabem, pelo Apelo de Maria.
E até o planeta grelha nomeado terminal – não, perdão, final – tal como o Comandante falou-lhes, durante numerosos anos.

Não vejam, portanto, a comunicação conosco como uma troca de informações no sentido em que vocês o entendem e concebem, mas, verdadeiramente, como um aporte de códigos de Luz, mais finos, mais aguçados do que as chaves Metatrônicas ligadas, por exemplo, aos seus novos corpos, e ligadas ao silabário Gina Abdul OD-ER-IM-IS-AL.
Não há, aliás, frequências sonoras audíveis, mas, simplesmente, essa vibração, intensa por vezes, que vibra no lugar e que não circula, em uma das três Portas que eu nomeei, ou, mesmo, duas ou três delas.

Isso quer dizer, simplesmente, que existe um meio muito simples de saber se vocês estão acompanhados, neste período preliminar ao Apelo de Maria: se vocês percebem a vibração em uma dessas Portas, vocês estão acompanhados por um dragão, que se aloja sob uma forma reduzida, entre seu Canal Mariano, em sua parte terminal, e seu coração.

Nós não forramos o Canal Mariano, como o fazem algumas Estrelas, para favorecer a comunicação com essas Estrelas, assim como nossa presença, e essa codificação que nós depositamos, não é destinada a estabelecer uma comunicação conosco.
Esse não é o objetivo, mesmo se ela se produza e mesmo se ela seja interessante, tanto para vocês como para nós.
O objetivo é, verdadeiramente, preparar seu corpo e permitir evacuar, também, o que pode resistir em vocês, não ao nível de sua consciência, eu o repito, mas, diretamente, em seu corpo.
Portanto, não fiquem perturbados se lhes acontece, neste período, de viver eventos ao nível corporal que possam ser, por vezes, um pouco desconcertantes, ou que os interrogam sobre a causalidade do que se desenrola em seu corpo.
Nada de nefasto pode decorrer daí, mesmo se isso possa parecer-lhes, em um primeiro tempo, contrário à ordem de seu corpo.

Nós fazemos apenas preparar a chegada total da Luz, não mais por ondas, como vocês as tiveram até agora, mas na totalidade, sobre a Terra, através do Sol e através das irradiações ditas cósmicas.

Por que eu lhes digo isso?
Não para satisfazer uma curiosidade e, sobretudo, bem mais, para evitar-lhes procurar uma causalidade ou uma explicação para o que vive seu corpo, mesmo se sua consciência esteja perfeitamente liberada, ela mesma, desse corpo.
Nada de grave, simplesmente, no máximo, dores e eventos que sobrevêm de modo abrupto em seu corpo que, eu os lembro, não são de nossa responsabilidade, mas, justamente, da adaptação, cada vez mais fina, à sua eternidade, o que permite expulsar, eliminar tudo o que pode estar engramado, ainda, em seu corpo de carne, sem estar, contudo, em sua consciência que, eu os lembro, torna-se cada vez mais livre em relação a esse corpo de carne.

Mas esse corpo de carne, qualquer que seja o estado dele, que é o seu, deve apresentar certo número de características, importantes para alguns, não para todos de vocês, para acolher Cristo, o Apelo de Maria e a Liberação consecutiva, anterior aos cento e trinta e dois dias, para permitir-lhes viver sua atribuição vibral e seu destino em toda tranquilidade.
Quer vocês conservem esse corpo de carne ou não, não faz qualquer diferença, tanto para nós como para vocês.

Não há necessidade de nomear-me ou de nomear outro dragão que vocês tenham encontrado, porque nossa conexão, uns aos outros, não tem necessidade, por exemplo, como os elfos, de mensageiros, uma vez que nós somos, todos, inteiramente livres em sua dimensão, agora, para irmos onde bom nos pareça e onde seja necessário, sem passar, como os elfos, por circuitos específicos ou estados da consciência específicos ao nível da consciência de Gaia.
Nós não temos, portanto, necessidade de retransmissão ou de vórtices para tornar-nos, em vocês, o vórtice de Fogo que vai trabalhar, de algum modo, para refinar sua carne, para viver o que ela tem a viver no momento do Apelo de Maria.

Isso permitirá, é claro, à sua consciência dar-se conta, para aqueles que nos portam e transportam-nos durante algum tempo com eles, nós interviremos, diretamente, nas estruturas corporais.
Nós não temos a intenção de trocar com vocês, como o fazem, por exemplo, os elfos ou outros povos elementares.
Nossa função, eu lhes disse, é coletiva na Terra e individual, para alguns de vocês, mas não passa por discursos nem por aspectos visuais, mas, sim, diretamente, por esse aspecto vibratório nas Portas que eu nomeei.

Vocês não têm a necessidade, tampouco, de conhecer nossos nomes, vocês não têm necessidade de reconhecer-nos na forma que adotamos quando entramos em seus campos de Luz, mas, simplesmente, identificar-nos através da vibração de uma dessas três Portas.
Naquele momento, se vocês perceberam isso ou se o percebem, em um futuro mais ou menos próximo, saibam que vocês nada têm de específico a fazer, se não é deixar desenrolar-se a vibração que se revela ao nível dessas Portas.
O trabalho faz-se automaticamente, ao nível de sua carne.

Aí estão os alguns elementos, muito densos, que eu tinha a transmitir-lhes.
Se existem, em relação a esse processo ou, eventualmente, em relação ao nosso funcionamento comunitário, se posso dizer, questionamentos, então, eu os escuto com grande prazer, o que me permite, agora e já, para vocês aqui presentes como para aqueles que escutarão ou lerão o que eu transmiti, transportar-me com vocês, ou um dos membros de nossa comunidade, daqui ou de alhures, pouco importa.

Então, eu escuto seus questionamentos.

Questão: eu senti dores ao nível do sacrum o inverno todo e, desde que estou aqui, essas dores praticamente desapareceram.
Isso é devido à sua presença ou a uma ação de sua parte?

Cara irmã humana, se a ação é de nossa responsabilidade, mesmo se você não tenha percebido, você deve sentir uma das três Portas, tal como eu o descrevi.
Se é o caso, então, sim.
Portanto, a resposta está em você agora.

Existe um equilíbrio.
Eu a lembro de que, a determinado momento de sua transformação, há uma Porta que se abriu, que é a Porta KI-RIS-TI.
Houve um trabalho que se fez entre a parte de trás de seu corpo de carne e a frente de seu corpo de carne, que permite o nascimento do Embrião Crístico e de Cristo em você, e Daquele que vem.

Do mesmo modo, ao nível de sua pélvis, existe uma frente e um atrás, parece-me.
O trabalho atrás já começou há muito tempo, para aqueles de vocês que viveram a Liberação do núcleo cristalino da Terra através da Onda do Éter ou da Onda de Vida, eu creio, vocês nomeiam isso assim.

Hoje, se você constata a ativação e a vibração de uma dessas três Portas de que eu falei, é evidente que a ligação, a relação, a comunicação entre a parte de trás, ao nível do sacrum, e a parte da frente, ao nível dos órgãos genitais e das dobras da virilha é feita.
Se isso se faz, você pode constatar, efetivamente, um desaparecimento dos incômodos, das dores que vocês foram muito numerosos a sentir, ao nível do conjunto das costas ou de um segmento de suas costas, preferencialmente a partir do que vocês nomeiam o inverno anterior até hoje.
Isso pode ser de nossa responsabilidade, isso pode ser, também, de responsabilidade da Inteligência da Luz, mas, também, de um dos membros da Confederação Intergaláctica, tal como vocês podem vivê-lo no ajuste vibral.
A diferença perceptível é, simplesmente, como eu lhes disse, nós agimos em sua carne.

Para aqueles de vocês que nos reencontram diferentemente do que no Canal Mariano, em sua parte terminal, que nos viram, portanto, e perceberam, vocês devem sentir ou sentiram um Amor amplo, muito amplo, que é apenas muito pouco conhecido do humano e que não se apoia na emanação do Amor, ou seja, o que vocês nomeiam o Absoluto, mas em sua consciência, ampliada, se posso dizer, ou expandida.

O principal de nosso trabalho, eu repito, não é, para alguns de vocês, trocar ou fazê-los viver um processo de consciência, mas, doravante, bem mais, agir em sua carne no objetivo que eu defini.
Há, portanto, apenas você que pode saber se um dragão veio desde que você está aí, mas isso é muito possível devido, eu diria, à nossa proximidade, mesmo se essa proximidade não seja determinante, uma vez que nós os vemos, onde quer que vocês estejam, sem qualquer dificuldade.
Eu esclareço que nós não vemos, realmente, sua forma e seus limites, nós vemos seu corpo de Existência e vemos aquilo de que ele tem necessidade, quando isso é necessário, em relação ao nosso Fogo de que eu falei também.

Vocês podem continuar.

Questão: eu desejo visitá-lo na quinta-feira.
Se eu não o percebo, posso pedir-lhe para acompanhar-me?

Eu repito o que eu disse: nós apenas acompanhamos sua carne se isso for necessário, não contem, todos, em transportar-nos em suas questões ou em seu Canal Mariano.
Eu lhes disse que nós não respondemos aos seus desejos, mas ao desejo de seu corpo.

Questão: vocês vivem em família, como os humanos?

A comunidade dos dragões, em seu conjunto, é uma única família, não há outra família, não há família, no sentido em que vocês o entendem.
A noção de família é um atributo específico da terceira dimensão dissociada.
Ela não existe, absolutamente, fora dos mundos dissociados.
Vocês não têm necessidade de família quando são livres.
Mesmo na 3D unificada, vocês deixam um corpo, vocês ressintetizam outro corpo ou criam outro.
Vocês não têm necessidade de pai nem de mãe, nem de filho.
Como dragões, o que poderia aproximar-se mais do que vocês chamam família, é o conjunto da comunidade dos dragões.
Nós somos, como dizer, transparentes, uns vis-à-vis dos outros, e nós vivemos, inteiramente, o fato de que cada um de nós é cada um dos outros dragões, sem qualquer dificuldade, o que é o apanágio da multidimensionalidade.

Nós não somos congelados em uma forma, mesmo se preferimos tal forma ao invés de tal outra forma, mas isso não somos nós que decidimos, é a Inteligência da Luz.
Nossa consciência não é limitada a uma forma, mesmo aquela do dragão que nós somos, mas nós somos todos os dragões.
Isso lhes é incompreensível com seu cérebro, seu cérebro não é feito para isso, nem mesmo seu coração atual.
Não há atribuição de forma para qualquer dragão que seja, uma vez que nós podemos sintetizá-lo à vontade, tanto quanto quisermos, e apresentar a mesma consciência em todos os corpos sintetizados, sem qualquer limite.

Isso, também, é-lhes incompreensível, é claro.

Questão: no entanto, você evocou o fato de que havia um dragão que era o mais jovem...

Sou eu.

Questão: … que era o responsável pela comunidade...

Perfeitamente.

Questão … enquanto você disse que estava ai há muito tempo, antes da chegada da vida sobre a Terra.

Perfeitamente.

Questão: como isso é possível?

Porque eu prefiro um corpo jovem a um corpo velho.

Questão: você apenas mudou de corpo, é tudo?

Eu mudo de corpo à vontade.
Eu sou Erilim, mas posso ser não importa qual dragão dessa comunidade ou qualquer outro dragão.
Não há fixidez da consciência junto aos dragões.
Vocês têm tanto o hábito de funcionar no interior de um único corpo e de um só corpo que a coisa que se aproximaria disso, se eu procuro em suas referências aceitáveis, seria o processo que havia sido nomeado, parece-me, de «walk-in consciente bidirecional», como foi o caso com os povos intraterrestres e os Delfinoides.
Simplesmente, para nós, a troca de corpo acontece sem qualquer dificuldade – e a criação de corpo também.
Esse é o apanágio, verdadeiramente, dos dragões.
Portanto, efetivamente, eu sou o mais jovem da comunidade, mas sou, também, todos os mais antigos.
Minha consciência é tão presente aqui, com vocês, como em cada um dos dragões da Terra.

Questão: e o que é da cor?

A cor traduz algumas funções.
Como vocês sabem, lá em cima, nós somos de diferentes cores.
A cor é, simplesmente, o destaque de uma codificação vibratória de Luz e, portanto, de uma função, talvez, um pouquinho diferente, mas nós podemos, igualmente, mudar de cor.
Mas a cor que eu porto é a mais adaptada para nosso reencontro aqui.

Questão: no ano passado, eu fui vê-lo e recebi um tratamento.
Pode-se pedir para receber um tratamento ou são vocês que percebem a necessidade de um tratamento?

Se você chama isso de tratamento, do ponto de vista da pessoa, você se engana, uma vez que nós podemos quebrar um osso, se isso é necessário.
Portanto, não considere os cuidados como reparação de seu corpo de carne.
Eu falei de ajuste de sua carne à Eternidade, é tudo.

Nós não somos como os elfos, por exemplo, interessados, se posso dizer, pelo que vocês chamam a doença ou a cura; nós não conhecemos isso.
Nós não conhecemos nem nascimento nem morte, nem fixidez na forma na qual estou, por exemplo, agora.

Portanto, nós não somos, verdadeiramente, adaptados aos tratamentos, tais como vocês o entendem, nós somos adaptados, se isso é necessário para vocês, a tudo o que eu exprimi na preliminar às suas questões.

Eu penso que seria mesmo, como dizer, perigoso e aleatório considerar um cuidado outro que não aquele do ajuste à sua Eternidade, e eu duvido que vocês chamem isso um tratamento ao nível de seu corpo de carne.
O caso é diferente se existe, em vocês, algumas linhagens que nos permitam entrar em contato com vocês, não mais pelo Canal Mariano, mas, eu diria, os olhos nos olhos.
Aí é diferente, porque isso corresponde à sua origem estelar ou a uma de suas linhagens.
Mas, de uma maneira geral, nós tratamos, de maneira preventiva, se posso dizer, a Terra.
Ora, aqueles que vivem ao lado desses buracos não podem dizer, necessariamente, que se tratou a Terra, sobretudo se isso toca a casa deles.

Questão: após tê-lo visitado essa manhã, ao sair da clareira, eu vi, diante de mim, uma espécie de névoa.
Eu percebo, frequentemente, essa névoa no interior de minha casa.
Você me garantiu que eu teria um sinal exterior da presença de um dragão junto a mim.
Essa névoa é esse sinal?

Então, eu lhe responderei, simplesmente, que não foi o dragão que deu esse sinal, mas a Inteligência da Luz.
Os únicos sinais que nós damos, independentemente, é claro, daqueles que nos reencontram, eu diria, os olhos nos olhos, situam-se, exclusivamente, por sinais interiores de vibração nas Portas que eu enunciei.
Mesmo se, é claro, quando de nossos reencontros e, em especial, quando nós nos deslocamos ou vocês se deslocam fisicamente, pode-se dizer, em nossas comunidades, onde tudo é possível.
Mas o sinal o mais importante está no interior de si, através da vibração real de uma das três Portas que eu nomeei.

Questão: desde que eu fui vê-lo, eu sinto uma forte percepção ao nível do sacrum e, por vezes, das Portas Profundeza e Precisão, assim como a Estrela OD, que trabalha, também, muito...

A Estrela OD é ligada ao Elemento Terra.
Ela é o ponto cardinal do Elemento Terra.
Há, portanto, efetivamente, uma ressonância com ela.
São, também, codificações de Luz, de ajuste de sua carne à sua consciência e à Eternidade.

Aliás, ao escutar-me, ao ler-me, ou aqui mesmo, alguns de vocês sentem a Porta Precisão ou Profundeza.

Questão: foi dito que, ao nível da Porta Unidade, havia uma fuga que correspondia ao fim próximo desse corpo.
Há uma relação entre essa fuga e sua ação no ponto Unidade?

Sim, nós cavamos buracos.
A ação na carne da Terra, ou seja, o manto terrestre, por ressonância em vocês, é claro, onde quer que vocês estejam, mesmo se não transportem dragão, traduz-se, também, nesse nível.
Nós agimos coletivamente, de maneira global, na Terra, mas eu lhes disse que seu corpo era feito da carne da Terra, não é?

Questão: você poderia iluminar-me mais sobre a codificação?

É preciso, de qualquer forma, diferenciar a noção de codificação, tal como alguns de vocês a praticam, por diversas técnicas, e a codificação ligada à nossa presença ou à nossa ação no manto terrestre.
Essa codificação é de realizar uma sobreposição e uma fusão direta, em alguns lugares, do Eterno e do efêmero.
Como vocês talvez saibam, porque isso foi enunciado pelo Comandante, já há muito numerosos anos, a codificação que nós realizamos é, portanto, de maneira visível para vocês, os buracos que vocês veem na superfície da Terra e que constatam, para aqueles que se interessam, como sendo cada vez mais numerosos e cada vez maiores.
Nós podemos, mesmo, evacuar, se posso dizer, toda a quantidade de água que desejarmos em um determinado lugar, sem que essa água evacue-se pelos buracos que fazemos.
Há, portanto, um desaparecimento material da água, pura e simplesmente, por intermédio de nosso sopro.
Isso, ainda uma vez, é destinado a favorecer o momento final.

A codificação que nós realizamos não tem necessidade, como dizer..., de técnicas.
Ela se faz por si mesma, em todo caso, quando vocês são concernidos em sua carne, de maneira direta, por nossa presença, simplesmente.
Nossa presença, como a presença de outros elementais, como vocês puderam reencontrá-los, tem efeitos.
Ao nível dos elfos, há os vórtices ditos de quinta dimensão, que são cada vez mais ativos, e isso lhes foi, eu creio, desenvolvido.
Nós, nós entramos em vocês, não em sua consciência, mas em seus campos de Luz, em uma região precisa, que está a meia distância, se posso dizer, entre a Porta Unidade e o centro do coração, ou seja, em um dos lados do que foi nomeado, pelo Arcanjo Miguel, o Triângulo da Nova Eucaristia.

Essa codificação faz-se, espontaneamente, por nossa presença, nós nada temos a fazer se não é estar aí.
Nós em nada trabalhamos, no sentido em que vocês poderiam entender, ao nível técnico.
A partir do instante em que nós penetramos um de seus campos de Luz, o trabalho faz-se sozinho, nas Portas que eu enunciei.
Portanto, eu não posso dar-lhe técnica ou protocolo a seguir, ou etapa a seguir em relação a isso.
É, simplesmente, nosso reencontro, entre sua carne efêmera e nosso corpo eterno e múltiplo que permite à ressonância da Luz criar o que há a criar, e restituir o que há a restituir.
Porque, em nossa constituição, nós somos portadores, espontaneamente, desses códigos de Luz ligados à nossa Existência, sob a forma de dragões.
Portanto, eu não posso dizer muito mais disso, pelas palavras, em todo caso.

Questão: você pode falar-nos de seu Fogo, em comparação ao Fogo Ígneo?

Nosso sopro ou nosso Fogo, uma vez que há conjunção, o mais frequentemente – como vocês sabem, é preciso o ar para ter o fogo, em todo caso, nesse mundo.
Para ter o Fogo vibral ou o Fogo Ígneo não é preciso o ar, é preciso o Éter, são necessárias as partículas adamantinas.
Nós agenciamos, sem o querer, porque isso é natural para nós, as partículas adamantinas em conjuntos que não são mais a partícula adamantina original, mas nós juntamos, devido à nossa presença, essas partículas adamantinas por quatro.
É essa montagem de partículas adamantinas que, eu o lembro, são constituídas de seis partículas de prana cada uma, que cria uma estrutura geodésica que vai ser reconhecida como codificação de Luz por seu corpo de carne.

E isso se realiza, simplesmente, por nosso sopro e nossa presença, como eu o disse, em um lugar preciso de seus campos de Luz, entre o Canal Mariano, em sua parte terminal, e o coração.

Será que isso responde à sua questão?

Questão: isso desencadeia ou aumenta o Fogo Ígneo?

Em um primeiro tempo, isso pode amplificar, consideravelmente, o Fogo vibral, o que lhes dá o que vocês todos conhecem, não desaparecimentos, mas um sentimento de lassidão no corpo, por vezes, acompanhado, efetivamente, de desaparecimento.
Quando vocês se levantam com um corpo pesado, ou quando, de repente, vocês sentem certo peso, isso corresponde à adição, em suas estruturas, pela Inteligência da Luz ou por nossas presenças, desses códigos de Luz, sob a forma geodésica.
E, obviamente, há novo equilíbrio e, como todo novo equilíbrio no efêmero, há um tempo de adaptação.
Mas, efetivamente, independentemente de algumas desordens de seu corpo, como eu o disse, isso pode ser, simplesmente, esse sentimento de peso que os toma, de maneira incisiva, ou que se manifesta pela manhã, ao acordar, ou em suas tardes, ou algumas manhãs.

Mas lembrem-se de que nem tudo é ligado à nossa ação, a Inteligência da Luz é, de qualquer forma, preponderante em relação à nossa presença.
Nós intervimos apenas quando é necessário para sua carne.
E, de todo modo, a ação que nós realizamos no manto terrestre realiza-se, da mesma maneira, em cada um de vocês.

Há, portanto, ainda uma vez eu o repito, nenhuma obrigação, mas há irmãos e irmãs humanos para os quais esse ataque rápido e audacioso é necessário ao nível do corpo.
Eu diria, mesmo, uma arranhada.

Questão: foi-nos proposto portar em nós uma septaria, para facilitar o contato com vocês.
Como vocês percebem o fato de que alguém porta essa pedra?

É muito simples.
As septarias, como vocês as nomeiam, são uma união de diferentes minerais que se juntaram sob a ação de nosso sopro, em tempos imemoriais, mas que nada têm a ver com a gênese habitual dos cristais; informem-se.
O simples fato de portar essas pedras em vocês realiza um contato, mesmo se nós não tenhamos que intervir em suas Portas, tais como eu as nomeei, ou em sua estrutura cardíaca, ao lado de seu coração.
Contudo, a septaria torna-os permeáveis ao nosso contato, mesmo se não seja necessário, simplesmente, se isso é interessante, qualquer que seja a curiosidade, estabelecer um contato conosco, assim como vocês podem estabelecer contatos com os elfos ou todos os povos da natureza.

Portanto, a septaria vai fazer ressoar, em vocês, algumas estruturas corporais que permitem estabelecer uma relação, se posso dizer, mais fluida e mais fácil.
A septaria não tem – se você tomou essa pedra – propriedade específica sobre sua consciência, como outros cristais, ela é apenas uma forma de chave, se posso dizer, que permite entrar em comunicação.

Questão: qualquer que seja o lugar no qual nos encontramos?

Perfeitamente.
Se o contato com os dragões, a comunicação com os dragões é útil para vocês, necessária para seu corpo, ou útil para sua consciência em relação às suas linhagens ou sua origem estelar.

Questão: há dois meses eu senti uma dor, durante vários dias e várias vezes por dia, entre o ponto Unidade e o nono corpo.
Isso é devido à sua ação?

Isso pode ser devido à nossa ação como à ação da Inteligência da Luz, assim como eu o estipulei.
Lembre-se de que, qualquer que seja o trabalho, há uma afinidade entre o trabalho que nós realizamos na carne da Terra e sua carne.
De outro lado, se nós estabelecemos uma comunicação devido à sua origem ou suas linhagens, ou de uma utilidade outra que não a que eu defini como ação hoje, então, naquele momento, você nos perceberá.
Lembre-se, também, de que quaisquer modificações do manto terrestre repercutem, de maneira muito lógica, em toda carne da Terra.
Portanto, eu não posso dizer-lhe se são os dragões que o fizeram ou se é, simplesmente, o que nós realizamos na Terra que o fez, o que, estritamente, dá no mesmo.

Questão: pode-se dizer que vocês favorecem o Fogo Crístico no interior de nosso corpo?

Sim, perfeitamente.
Nossa ação, como eu o repito ainda uma vez, porque é importante, diretamente em sua carne ou indiretamente, pela ação que nós realizamos na carne da Terra.

Questão: o fato de sentir uma grande afinidade com o Elemento Fogo significa que temos uma ligação específica com vocês?

Uma ligação e uma ressonância, certamente.
Agora, mais do que isso, é muito variável, mas a ressonância e a afinidade, sim.
Tudo o que toca ao Fogo é de nossa competência, mas não unicamente.
Nós não somos os únicos, eu quero dizer com isso.

Questão: eu tenho vontade de dizer-lhe que eu o amo.
Eu não sei porquê, mas é importante, para mim, dizê-lo a você.
E eu lhe agradeço.

Eu virei visitá-lo esta noite.

Todo mundo vai dizer-lhe que o ama.

Oh, alguns entre vocês, aqui, eu já os conheço bem.
E, aliás, não apenas aqui.
Lembrem-se de que nossa consciência, sem, totalmente, ser ela, poderia ser assimilada a uma consciência coletiva, de qualquer forma.
Não um espírito de colmeia, porque nós somos totalmente independentes, autônomos e livres, mas porque nós temos a possibilidade de conectar-nos uns aos outros e de agir em sinergia, onde quer que estejamos na superfície dessa Terra.
Nesse momento mesmo, aliás, alguns de vocês começam a entrar em vibração ao nível da Porta Unidade, aqui e alhures.

Questão: há outras comunidades que vivem próximas de suas comunidades de dragões ou cada comunidade vive de maneira independente, em lugares particulares e específicos?

Há, é claro, outros habitantes da natureza próximos de nossos lugares.
Não há qualquer antipatia ou oposição com os elfos, as fadas, as sílfides, as salamandras e tudo o que vocês podem reencontrar como povos da natureza.
Simplesmente, nós amamos, de qualquer forma, os espaços, como dizer..., arejados.
Nós não temos necessidade de esconder-nos, como o fazem, por exemplo, as ondinas.
Nós nada tememos de vocês, o inverso nem sempre é verdadeiro.

Questão: alguns irão celebrar a Liberação da Terra nos círculos de Fogo.
Você estará ali?

Nós os deixaremos com a Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres e os Arcanjos, nós teremos outros trabalhos a levar a efeito sobre a Terra.

Questão: uma vez esses trabalhos terminados, como vocês celebram a Liberação final?

Nós nada temos a celebrar, uma vez que nós já somos liberados.
Nós prosseguimos, incansavelmente, sem ter esse objetivo de finalizar alguma coisa, em toda liberdade, na Terra de nova dimensão.
Eu disse, efetivamente: «na Terra».

Questão: há uma ligação ou uma ressonância entre os dragões e o pássaro de fogo nomeado a fênix?

Pela qualidade do Fogo, sim, mas uma fênix não é um dragão, mesmo se possamos trocar, sem qualquer dificuldade, também, com as fênix.
A fênix é, como dizer..., mais exótica na Terra, como os unicórnios.
As comunidades de elfos, de dragões, de gnomos, de ondinas são as mais importantes.

Questão: você tem uma relação com a constelação do Dragão?

Como eu o disse, nós estamos em comunhão e em comunicação com todas as constelações.
Como vocês sabem, cada corpo de eternidade, qualquer que seja a forma empregada, humanoide ou não, e, a fortiori, também, dos dragões, não é tributário, eu diria, da constelação do Dragão.
Nós não temos DNA como vocês.
Em contrapartida, nós somos constituídos dos mesmos conjuntos elementares, através de nosso corpo de Existência e dos triângulos elementares.
Portanto, é claro, a quantidade e os códigos de Luz presentes nesses Elementos são responsáveis, em parte, por nossa forma.

Não se esqueçam de que a forma de dragão é um corpo de manifestação da consciência, mas que nós nos consideramos, igualmente, como dragões ou como qualquer forma de vida, uma vez que o Fogo está presente em toda vida e em toda dimensão.
Mas nós não somos os agentes criadores do Fogo nem, mesmo, os guardiões do Fogo.

Questão: cada comunidade de seres está aí para estar no serviço à Terra, para as Liberações, ou elas estão aí, livremente, em todo tempo?

Nós estamos aí, livremente, desde a noite dos tempos.
Mas, sendo seres de serviço e de Amor, como vocês todos, nós trabalhamos em função das circunstâncias – e essas circunstâncias, vocês sabem, são específicas.
O trabalho, por exemplo, de cavar a Terra poderia, perfeitamente, ser efetuado por alguns de seus irmãos, por exemplo, Arcturianos, mas é muito mais fácil a realizar para nós, devido à nossa invisibilidade e devido à potência de nosso sopro.

Questão: há comunidades de dragões em outras terras a liberar?

Nós somos onipresentes, portanto, é claro, nós temos, também – e nós estamos em contato com eles, muito facilmente – outras comunidades de dragões.
Eu lhes disse que nós éramos religados por toda a parte, um pouco à imagem do que vocês nomeiam internet, eu creio.
Há uma malha, mas essa malha não está na escala de um planeta, ela está na escala de todos os universos.
Portanto, nós estamos, também, presentes em dimensões, se posso dizer, que estão no limite do antropomorfismo, como em mundos ainda confinados ou que foram liberados há algum tempo.

Questão: os buracos que vocês fazem na terra correspondem a uma malha específica?

Não, trata-se de fazer esses buracos nas zonas que eu qualificaria de tensão ao nível do manto terrestre, e permitir, quando o momento tiver chegado, que o reequilíbrio do manto da Terra faça-se segundo uma ordem preestabelecida pela Luz.
Os elfos, parece-me, falaram-lhes de novas linhas de Luz; nós lhes falamos de buracos.
Mas esses buracos, de nosso ponto de vista, não são buracos; eles são buracos no manto terrestre, mas eles são perfeitamente outra coisa na dimensão em que nós evoluímos.
Nós facilitamos, como eu o disse, a sobreposição da Terra de nova dimensão com aquela de sua antiga dimensão.

Questão: isso quer dizer que esses buracos são portadores de uma vibração específica no interior?

Eu não lhes aconselho penetrar no interior desse buraco, vocês arriscariam jamais sair dele.
Portanto, não se pode, verdadeiramente, dizer que são vórtices, não se pode, verdadeiramente, dizer que, aos seus olhos ou à sua percepção, seja a vibração de um vórtice, absolutamente.
Nós realizamos, de algum modo, linhas pontilhadas que permitirão rasgar o manto sob a influência da efusão final da Luz, de modo mais conforme, é tudo.
O problema é que nós somos obrigados a realizar esses buracos, qualquer que seja o ambiente, há, portanto, por vezes, habitantes humanos não muito longe, ou acima, mas nós nada podemos ali.

Questão: os humanos que estão sobre esses buracos e que caem no buraco são liberados imediatamente?

Eles são liberados.

Questão: quais são os serviços que prestam as ondinas ou os gnomos em relação aos seus?

Então, isso, vocês verão com eles.
Nós não temos a pretensão nem o interesse de invadir, em certa medida, a ação deles.
Obviamente, nós sabemos, perfeitamente, o que eles realizam, mas nós os deixaremos, eles mesmos, exprimir-se sobre esse assunto.

Questão: o que se torna a água que você sopra?

Ela era a água de baixo, ela se torna a Água do alto.
Vocês poderiam dizer que ela é vaporizada, de algum modo, mas ela é, sobretudo, transmutada, ela retorna à Água do alto.

Questão: e a terra que você sopra?

Ela se tornou o Éter.

Questão: o que é que passa por seus olhos?

O Amor.
E uma forma de determinação, vocês poderiam chamá-la assim.

Questão: desde há pouco, um dragão olha-me nos olhos e eu não consigo mais deixar os olhos.

É, efetivamente, assim que isso se produz.
Nosso coração a coração e com vocês, é um olho no olho.
O Fogo do Espírito, o Fogo vibral e o Fogo Ígneo passam por nossos olhos, independentemente de nosso sopro.
É melhor, aliás, que eu não sopre sobre você.

Questão: eu estou pronta para ser consumida...

Cada coisa está em seu lugar e cada coisa em seu tempo.

Questão: você pode falar-nos do Absoluto, de sua perspectiva e com sua linguagem?

Parece-me que um interveniente muito ruidoso disse-lhes que não se podia falar do Absoluto.
Eu não vejo o que eu poderia acrescentar ali, exceto olhá-los nos olhos.

… Silêncio…

A única frase que poderia aproximar-se de um discurso sobre o Absoluto seria: «Tudo é Um».

Questão: você está nesse ponto de facilitadores de amor que transborda, literalmente, de sua presença?

Tal é o Fogo de amor do olhar de brasa do dragão.

Questão: já que você vai visitar, esta noite, Maria Madalena, meu quarto está bem ao lado, eu o convido, também, a visitar-me, se o desejar.

Nós veremos se podemos fazer uma visita de grupo.

Questão: você evocou seu sopro de fogo, seu olhar de brasa e suas garras, há uma ligação com o sinal de Silo, que foi proposto, no peito?

Perfeitamente.

Questão: você evocou sua ação na superfície da Terra, o que há no interior da Terra?
Ela é oca?

A Terra é oca, mas não na totalidade da Terra, em alguns lugares, aí onde viviam as comunidades, por exemplo, dos Delfinoides do Intraterra ou, ainda, sob alguns países.
Mas essa terra oca não é circular, ela não pode estar por toda a parte ao mesmo tempo, embora existam, como nomear isso..., corredores de comunicação.

Qual era a questão em relação a isso?

Questão: você falou do que acontece na superfície, há coisas específicas que acontecem, atualmente, no interior da Terra?

Sim.
Eu lhes falei dos buracos que nós cavamos, para facilitar a ruptura do manto, no momento vindo.
Há, também, a partir da Liberação da Terra para vocês, uma capacidade maior para nós, para fazer nascer o que eu nomearia de pilares de Luz que, aí, ao contrário, não são destinados a favorecer a ruptura do manto terrestre quando da Ascensão da Terra, mas, bem mais, desta vez, para estabilizar alguns lugares.
Caso em que criamos, com nosso sopro, uma espécie de cinza de dragão, se posso dizer, mas que conecta o núcleo cristalino, precisamente, a esse lugar.
Essa combustão e esses pilares de Luz, em contrapartida, não têm a mesma envergadura, se posso dizer, o mesmo diâmetro, perdão, que os buracos da Terra.
São lugares nos quais nós cristalizamos a rocha, de algum modo, para torná-la mais rígida nesses alguns lugares precisos.

Questão: há uma relação com os grandes pilares de Luz que observamos em alguns lugares da Terra?

Não, eu não creio.
O mais frequentemente, esses pilares de Luz são ligados a construções de superfície ou profundas, que, por sua forma, são destinadas a acolher ou reenviar a Luz conforme o caso.
Do mesmo modo que os Círculos de Fogo são estruturas que drenam a Luz até o núcleo cristalino – missão concluída, no que concerne a isso –, do mesmo modo, outras construções de superfície ou na profundeza são destinadas a trocas de codificações de Luz.
Mas isso não é ligado a nós, nós nada construímos como estruturas arquitetônicas.

… Silêncio…

Não temos mais questões, nós lhes agradecemos.

Permitam-me permanecer ainda alguns minutos, eu preparo essa noite.

O conjunto de dragões da comunidade de Hermio e da Terra saúda-os, irmãos e irmãs humanos reencontrados.

Permitam-me, por minha vez, abençoá-los no Fogo de meu olhar.

Eu lhes agradeço por sua escuta e por sua presença.

------

Publicado por: Blog Les Transformations 

2 comentários:

  1. Se fosse possível destacar um acontecimento como sendo o mais relevante, nisto que se possa esperar de mais grandioso para estes tempos finais, fica difícil não apontar o Apelo de Maria. Isto, principalmente, se for levado em conta que é neste evento que a consciência será mais prestigiada, até para suportar devidamente as implicações dos demais eventos a lhe sucederem, tais como os três dias e os 132 dias.

    Bem, o fato é que, para mim, basta uma destas mensagens mencionar o Apelo de Maria, tamanha relevância que isto representa, que já me sinto absolutamente presenteado; não deixando de reconhecer a integralidade da mensagem, como pura preciosidade, é claro.

    Em consonância com o exposto acima, eis as citações do Apelo de Maria, na presente MSG:

    - Mas nós permitimos, simplesmente, a esses códigos de Luz, que lhes são, ainda, desconhecidos, estabilizar o que deve sê-lo, se isso lhes corresponde, antes do Apelo de Maria.

    - Nós somos, eu diria, os trabalhadores da última hora, que permitem regular tanto a Terra como sua carne – e não sua consciência – para que sua consciência eterna encontre-se, de algum modo, ajustada e confortável em suas estruturas. Essa ação prosseguirá, para alguns de vocês, até o Apelo de Maria.

    - Mas a preparação da carne, qualquer que seja o futuro dessa carne, é importante, tanto para vocês como para a própria Terra, não mais como ancoradores ou semeadores de Luz ou, ainda, efusionadores de Luz, mas para permitir, também, a estabilidade da Terra e a estabilidade do que vocês nomeiam, eu creio, a consciência coletiva ou o inconsciente coletivo da Terra, para permitir o pleno cumprimento do plano da Ressurreição, em sua fase final, iniciado, como vocês sabem, pelo Apelo de Maria.

    - Isso quer dizer, simplesmente, que existe um meio muito simples de saber se vocês estão acompanhados, neste período preliminar ao Apelo de Maria: se vocês percebem a vibração em uma dessas Portas, vocês estão acompanhados por um dragão, que se aloja sob uma forma reduzida, entre seu Canal Mariano, em sua parte terminal, e seu coração.

    - Mas esse corpo de carne, qualquer que seja o estado dele, que é o seu, deve apresentar certo número de características, importantes para alguns, não para todos de vocês, para acolher Cristo, o Apelo de Maria e a Liberação consecutiva, anterior aos cento e trinta e dois dias, para permitir-lhes viver sua atribuição vibral e seu destino em toda tranquilidade.

    - Nós não temos, portanto, necessidade de retransmissão ou de vórtices para tornar-nos, em vocês, o vórtice de Fogo que vai trabalhar, de algum modo, para refinar sua carne, para viver o que ela tem a viver no momento do Apelo de Maria.

    Outros destaques, de acréscimo :

    - Eu lhes disse que nós não respondemos aos seus desejos, mas ao desejo de seu corpo.

    - Portanto, não considere os cuidados como reparação de seu corpo de carne. Eu falei de ajuste de sua carne à Eternidade, é tudo.

    - A única frase que poderia aproximar-se de um discurso sobre o Absoluto seria: «Tudo é Um».

    ResponderExcluir
  2. “Para alguns de vocês, é necessário ter o que eu qualificaria de um pequeno golpe de Fogo, para ajudá-los no desengajamento de si mesmos, em suas crenças, em suas certezas ligadas a esse mundo, o que permite às certezas da Eternidade preenchê-los, regá-los.”

    “Ainda uma vez eu esclareço, também, que nós não podemos fazer o trabalho em seu lugar – o sacrifício de si mesmos –, mas nós lhes damos os ingredientes, se posso dizer, para finalizar essa grande obra.”

    «Tudo é Um».

    Uma Belezura, esse Dragão Amorável, e nos dando suporte também...
    Para honra-lo, acolha o nosso ‘Sopro Quente’!!!!

    ResponderExcluir