Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

10 de ago de 2010

ANAEL 1/2 - 10 de agosto de 2010

Mensagem publicada pelo site AUTRES DIMENSIONS em 16 de agosto de 2010.

Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui


Eu sou Anael, Arcanjo.
Bem amados Filhos da Luz e Sementes de Estrelas, que a Paz, o Amor e a Luz os acompanhem em nossa Presença.

Gostaria, inicialmente, de expressar certo número de elementos relativos à Verdade e o que é chamado de história.

Tenho primeiro que precisar certo número de coisas relativas, de um lado, à Verdade e, de outro lado, à história, antes de ir mais adiante nas ligações e nas discrepâncias existentes entre Verdade e história.

A Verdade, em primeiro lugar.

Assim como o sabem e, como tive a oportunidade de expressar em várias vezes, na matriz apenas existem verdades relativas, dependendo essencialmente de seu ponto de vista.

A Verdade absoluta só pode ser acessível na Vibração do Coração e no Ser.

Assim, o conjunto de dados que vocês aceitam como verídicos, para vocês, são unicamente ligados ao seu ponto de vista e a um concurso de circunstâncias, estabelecendo-os na verdade relativa que vocês vivem.

Assim, por exemplo, dizer: «sou casada com tal pessoa» é incontestavelmente uma verdade relativa inscrita num determinado tempo, limitado, ao máximo, à sua idade adulta e sua morte na matriz.
Essa é, no entanto, uma verdade no momento em que vocês a vivem.

Assim, o Ser inscreve seu caminho dentro e no interior de certo número de verdades, para a alma e para a personalidade, permitindo definir o que eu chamaria de quadro de referência e um quadro de vida, permitindo não se perder na matriz.

Essas verdades são boas apenas um tempo.
Elas lhes concernem, em função de seu ponto de vista.

A Verdade absoluta está fora de propósito, fora de qualquer tempo, porque ela escapa ao tempo, assim como ela escapa à personalidade e situa-se, incontestavelmente, fora da matriz.

Vocês devem fazer a distinção formal existente entre a verdade do instante individual e a verdade do instante coletivo.
Assim, certo número de elementos, tidos como verídicos, são aqueles que permitem definir os quadros morais, sociais, científicos de sua vida na matriz.
Em outros termos, as verdades relativas, hoje, não são as verdades relativas de ontem.

As verdades são portanto um processo adaptável e transformável, em função da linha e do caminho que segue a humanidade num plano coletivo.

Assim, cada ser humano, na matriz, pode se atribuir a verdade a seu modo, e segundo seu modo de percepção.

O que é verdadeiro para um, não é verdadeiro para o outro.

Essa é a característica essencial de sua individualização, de seu isolamento na matriz, no que é chamado de ego.

O que vocês vêem, e a verdade que vocês percebem ou estabelecem, não é aquela que percebe ou estabelece o outro.

Um e outro vivem, portanto, no mesmo espaço, verdades que podem ser profundamente opostas e diferentes.

Certo número de elementos, que são constitutivos mesmo da matriz, tendem a inscrevê-los dentro de uma verdade que eu qualificaria de pré- estabelecida, não verificável por vocês mesmos, mas unicamente instalada, pelo hábito ou pela autoridade exterior a vocês, em sua própria vida.

Assim, portanto, a maior parte dos seres humanos adota verdades, não por tê-las experimentado, mas, simplesmente, porque elas estão inscritas numa verdade coletiva do instante.

Assim, o fato de aderir a uma verdade coletiva do instante os afasta de sua própria verdade relativa de seu próprio instante.

Isso não é por acaso, mas decorre diretamente, como eu disse, da vontade daqueles que controlam a matriz, de controlá-la totalmente, quanto a sua evolução, dentro mesmo do que é chamado de verdade.

Tudo isso sabendo, pertinentemente, que esta verdade relativa não é a Verdade absoluta, que a verdade do instante não é a verdade do instante seguinte ou anterior, vocês fazem, entretanto, bem involuntariamente, um dogma, uma verdade, que apresenta um peso, uma densidade, cujo objetivo é sempre (e guardem bem isso) provocá-los para baixo e para a densidade, com ainda mais intensidade, mais peso e, portanto, menos liberdade.

A verdade, tal como lhes é ensinada, a verdade, tal como vocês a adotam, é certamente o elemento o mais condicionante existente na matriz.

A Verdade absoluta não se importa com uma verdade herdada do instante passado.
A Verdade absoluta não se importa com a verdade coletiva, porque ela é estabelecimento no Ser.
Ela se opõe portanto ao condicionamento, à dependência, à tomada de pesos.
Ela é portanto leveza e liberação.

Vocês compreendem então, e apreendem, para além das palavras, que a noção mesmo de verdade os provoca para certo número de ilusões, consideradas como verdadeiras, e os provoca a adotar uma linha de direção, a título individual e, sobretudo, a título coletivo, provocando-os inexoravelmente para seguir as linhas diretivas traçadas, para vocês, por aqueles que não os querem no bem.

Assim, portanto, o ser humano vai seguir o que eu chamaria de linhas de menor resistência coletivas, que são, no entanto, linhas de sobrecarga [de peso] a título individual.

Mas, efetivamente, a Energia seguindo o pensamento, a Consciência Ilimitada seguindo a Energia, torna-se então extremamente fácil provocá-los nas linhas de menor resistência ou linhas de facilidade e de evidência às quais a verdade coletiva virá progressivamente substituir sua verdade do instante, mesmo ilusória.

É por esse procedimento de verdade coletiva, aplicado ao instante seguinte, daqueles que conhecem perfeitamente o instante seguinte, que lhes são insufladas linhas diretivas que os conduzem para sempre mais de dependência, para sempre menos de espiritualidade.

E, mesmo ao nível espiritual, eu diria que existem, aí também, linhas chamadas verdades, que lhes são inculcadas para fazê-los ir para onde esses mesmos personagens querem fazê-los ir.

Sob o disfarce de palavras, sob o disfarce de associações, sob disfarce, frequentemente, de uma aparência de Luz, frequentemente aqueles que estão no controle do instante seguinte os instalam, no instante presente, numa verdade coletiva que serve necessariamente à verdade deles e ao ponto de vista deles.
E, não mais, seu ponto de vista para você, como indivíduo.

Isso se explica pelas crenças, em particular nos sistemas religiosos, quaisquer que tenham sido, quaisquer que sejam ainda.

Isso se explica também no conjunto de corpos de conhecimentos que foram emitidos à humanidade, em particular em sua história chamada de século XX.

O conjunto dessas verdades lhes foi inculcada e essas verdades relativas dizem, efetivamente, uma Verdade absoluta.
A única diferença é que a linha onde isso os conduz nada tem a ver com o estabelecimento, justamente, do que é chamada sua Verdade, sua Verdade absoluta, ou seja, indefinidamente essas verdades reveladas, que vocês adotam, os afastam de seu próprio Ser e de sua própria Verdade Absoluta.

O condicionamento que decorre modifica as linhas de força de evolução existentes em sua Consciência Ilimitada, fazendo tudo para afastá-los da Verdade final e da Verdade absoluta que é, eu os lembro, sua Existência e a Vibração de sua Coroa Radiante do Coração.

Esses ensinamentos, essas escolas de pensamento, essas escolas espirituais vão, obviamente, se servir de dois elementos essenciais, chamados Amor e Energia.

Assim, portanto, disfarçando o ensinamento e fazendo-os aderir, mais precisamente, ao que é chamada vontade do bem, instalação de uma nova era, instalação de uma nova verdade, instalação de palavras fortes – como a palavra Amor, como a palavra Vontade de bem, como a palavra Compartilhar, como a palavra Fraternidade – vocês são ludibriados, literalmente, nas linhas diretivas que não lhes pertence.

O ensinamento é justo, segundo os critérios da Verdade absoluta.
A finalidade é injusta, porque ela os afasta, justamente, de seu acesso a esta Verdade absoluta.

E, no entanto, a Energia, a Consciência da Energia limitada está muito presente nesses ensinamentos.
Ela os guia, ela os conduz para irem para uma escravidão total de sua vontade ao que é chamada de vontade coletiva de bem, vindo travestir, inteiramente, o ensinamento da Verdade absoluta e atemporal do que foi deixado pelo Cristo.

Não na verdade histórica, tal como ela lhes foi apresentada e que não é, absolutamente, a Verdade absoluta, mas sim, aí também, uma falsificação da Verdade, permitindo, aí também, fazer ir sobre linhas diretivas que estritamente nada têm a ver com a realização do que vocês são para além da matriz, mas visam sim fazê-los estabelecer, de maneira durável, ou definitiva, na referida matriz.

Torna-se portanto extremamente complicado, para o que eles chamam, eles mesmos, de um aspirante espiritual, ir para a liberação, mesmo crendo para ali ir.

De fato, servindo-se mesmo dos princípios da Verdade absoluta relativos à regulação das Energias nos Mundos Unificados e aplicando a falsificação habitual, eu diria, desses seres, que desviam a circulação da Energia para seu próprio proveito, para sua própria vantagem, às expensas de vocês mesmos.

Coisa que nós tentamos, obviamente, bloquear, através da revelação do que vocês são, através das efusões de Energia que os tornam livres e evitando instalarem-se e se religarem, literalmente, às linhas de conduta desejadas para vocês e não por vocês.
A diferença está nesse nível.

E nós compreendemos muito bem que, desde muito tempo, inúmeros seres tenham podido ser enganados por esta verdade relativa, que os leva a seguir essas linhas que não conduzem a vocês mesmos, mas, através de palavras que foram maquiadas, a dar sua Energia, sua Consciência a qualquer um que se serve do que vocês são, para manter o controle sobre vocês mesmos.

Aí está a maior falsificação que existe na história da humanidade, que se revela pouco a pouco no instante presente que vocês vivem.

Ela se revela, não porque eu lhes digo (porque isso não teria qualquer sentido), ela se revela, justamente, pela Vibração da Coroa Radiante do Coração, que lhes permitirá escapar aos condicionamentos, às linhas diretivas e, sobretudo, pela ação conduzida pelo Arcanjo Miguel no período dos Casamentos Celestes, que suprimiram a escravidão ou, em todo caso, a possibilidade de escravidão que era, até o presente, a regra, em meio daqueles que se autodenominam, eles mesmos, de Mestres, mas que têm de Mestre apenas a ilusão da matriz.

São esses seres que os guiaram, nos mundos espirituais, para irem onde eles queriam que vocês fossem e não para onde vocês deviam ir, para encontrar o que vocês são.
A falsificação foi terrível.

Agora, como o sabem, as franjas de interferências astrais tendo sido desagregadas, torna-se cada vez mais fácil, para um ser no caminho, encontrar sua própria Verdade absoluta e não mais ser condicionado por qualquer verdade exterior.

A crença, assim como já disse, se substitui pela experiência.
E a experiência é Verdade.
A crença é ilusão.
Ela se torna verdade para aqueles que querem conduzi-los para onde vocês não deveriam de modo algum ir para encontrar o que vocês são.

Assim, sou levado, agora, a definir uma palavra, outra palavra, que é história.

Compreendam que, nesse nível, também, que vários ensinamentos lhes disseram que o tempo não existia, que a linearidade do tempo (passado-presente-futuro), nos mundos Unificados, tem apenas existência ao nível de uma crença.

De fato, o tempo não se desenrola segundo um sentido, sempre conhecido, de passado, presente, para o futuro, mas ele se desenrola nos dois sentidos.

Alguns seres, visando escravizar sempre mais a humanidade, como é o caso desde 320.000 anos, estabelecidos no que é chamada de 2ª e 4ª Dimensão, conhecem perfeitamente a matriz temporal e a trama matricial temporal existentes no mundo em que vocês estão prisioneiros.

Bastava portanto modificar a história para que, instantaneamente, seu presente e seu futuro fossem mudados, a fim de fazê-los, aí também, ir sobre as linhas diretivas onde eles queriam poder ir e não para onde a liberdade podia conduzir vocês.

Assim, portanto, a palavra história, em si mesma, se encontra em sua linguagem popular.
Quando um ser humano diz a outro ser humano: “você me conta histórias”, isso significa, obviamente, que ele mente.

Agora, eu volto, de maneira pontual, ao significado mesmo da palavra história, visto não em sua pronunciação e em sua aceitação, mas mais segundo a origem silábica da língua original.

IS é a primeira sílaba de Isis.
IS é Verdade.
IS e TORIA significa «transversalmente na Verdade».

Assim, portanto, a história é o que vem fazer obstáculo à Verdade, obrigando-os a adotar posições, comportamentos e consciências colocando-se sobre, aí também, as linhas de menor resistência.

Nesse sentido, nós lhes repetimos, sem parar, que não há Verdade que não seja a sua, que não há experiência a não ser a sua.

Isso não é feito para fechá-los no ego, mas para fazê-los descobrir que vocês deveriam Vibrar por vocês mesmos, pensar por vocês mesmos, elaborar por vocês mesmos e não mais serem submissos a qualquer condicionamento.

Os primeiros condicionamentos não são sociais, mas históricos.
Eles decorrem diretamente da aplicação, em sua Dimensão, de dados falsificados da história.

Não está em meu propósito dizer-lhes o que é justo ou falso porque, aí também, ainda uma vez, isso seria demonstrar dualidade.

O importante não é saber se a história é verdadeira ou falsa, o importante é saber que a história que lhes contaram os leva para onde querem que vocês vão e não para vocês mesmos.

Há, portanto, uma diferença essencial entre a adoção de uma verdade histórica, em sua Presença a si mesmo, com relação a uma história que lhes foi condicionante e escrita do zero, para fazê-los ir para onde vocês devem ir.

Eu os lembro que, mesmo na matriz, frequentemente foi dito por alguns humanos que a história pertencia e é escrita por aqueles que ganham.
Isso é completamente verdadeiro e era completamente verdadeiro até o presente.
Porque, aqueles que escreveram a história são aqueles que vocês não vêem, que conhecem o escoamento linear do tempo (passado-presente-futuro), situando-se, ao mesmo tempo, nos três tempos e cuja única finalidade é mantê-los, pelas linhas diretivas de menor resistência, nas verdades falsas e numa história que não é, nem verídica, nem mesmo autêntica, mas, sim, escrita e reescrita para fazê-los ir para onde eles queriam que vocês fossem, ou seja, ao mais longe de vocês mesmos.

É exatamente o que vocês vêem nesse mundo chamado de materialista (neste período de final de era, como dizem os orientais, de Kali Yuga), em que não há mais qualquer esperança, mesmo da existência do Ser, para além da materialidade.
A tal ponto que, mesmo em algumas escolas espirituais, vêm-se querer melhorar a dualidade, a fim de fazer o que é chamado de paraíso sobre a Terra, esquecendo, assim, as palavras de Cristo: “vocês não são desse mundo” , querendo, a todo custo, equilibrar, pelo bem, o mal existente devido a alguns desejos, que são, de fato, os mesmos indivíduos que aqueles que lhes propõem o bem.

E assim é mantido, de maneira inexorável, pela alternância bem/mal, o estabelecimento da dualidade e a infinidade de encarnações que vocês têm que tomar nesse mundo, prometendo-lhes que, num dia próximo, vocês sairão, na condição de fazer suficientemente o bem.

E a armadilha é fechada novamente.

Assim, portanto, a verdade da cabeça (porque é disso que se trata) não será jamais a Verdade do Coração.

A Verdade do Coração é Vibração.

Ela não é nem suposição, nem projeção, nem antecipação, nem mesmo resultante de qualquer passado.

É nesse sentido que os alguns seres que encontraram a dimensão da autenticidade e da Verdade absoluta lhes disseram que foram capazes de suspender o tempo.

É nesse sentido, também, que lhes cabe, agora e, com a ajuda da Luz Vibral em seu triplo componente permanente, tal como se efusiona sobre a Terra, encontrar sua própria Verdade.

E sua própria Verdade não poderá jamais estar numa crença qualquer, mas, bem mais, no estabelecimento da simplicidade do Coração, da humildade do Coração e da Vibração.
E, fora disso, eu diria que não há salvação.

A única porta é, e continuará sempre, o Coração.
E o Coração não se importa com o que vocês foram.
O Coração não se importa com o que vocês serão.
O Coração não se importa com qualquer prevenção ou previsão de qualquer futuro, que esse futuro se refira a amanhã ou ao próprio final desse Tempo que é anunciado, programado e decidido.

É nesses tempos reduzidos que vocês devem escapar da história.
E quando eu digo escapar da história, é portanto escapar da verdade falsificada, que ela seja sua história ou que seja mesmo a história do mundo, porque vocês não podem encontrar qualquer Verdade, deslocando seu sistema para o passado.
Porque vocês não podem, do mesmo modo, encontrar qualquer Verdade deslocando-se para o futuro.

Realmente, apenas na parada do tempo que vocês escapam do plano matricial temporal e espacial da matriz.
Esta parada do tempo necessita, como lhes foi dito e repetido, a parada do conjunto de funções correspondentes à referida matriz e, em particular, o que é chamado de emoções, o mental, permitindo então, ao nível da Energia e da Consciência que a segue, reajustar-se, no instante presente, que eu prefiro, de minha parte, chamar de Tempo Zero, ou seja, ao tempo em que vocês não estão mais submissos a essa linha matricial que os impulsionou do exterior, a fim de conduzi-los para sempre mais de ilusão, e para mais de sofrimento.

Apenas nessa parada do tempo que se encontra a Alegria Interior.
Apenas nesse Tempo Zero que a ignição da Coroa Radiante do Coração pode ir a seu termo.

Obviamente, basta encontrar esse Tempo Zero uma única vez, para que a trama do tempo, a sua, como a do universo, na matriz falsificada, não se torne mais eficaz para vocês, a título individual.

Mas, obviamente, nesse nível, existe um fenômeno de massa, de limiar limite, que faz com que uma egrégora de Luz se crie e permita sair da história falsificada para entrar em sua própria história, privada de passado e de futuro na matriz, mas inscrevendo seu programa na Verdade a vir, ou seja, em sua Eternidade.

O que lhes digo é importante, não tanto ao nível da significação das palavras, enquanto vocês mesmos não tenham Vibrado e vivido em vocês.

Olhem como o conjunto do sistema os têm habituado e condicionado a definir sua Presença no instante presente em função do que vocês herdaram de seu passado e em função do que vocês desejariam herdar em seu futuro.

Ora, apenas na condição expressa de descondicionar esse passado, e de desprogramar esse futuro, é que vocês chegarão a parar o tempo e que vocês se extrairão do que eu chamei de plano matricial tempo-espacial.

É o único modo de sair deste universo matricial.
Não há outro.

Vocês devem, portanto, rever o conjunto de crenças, o conjunto de condicionamentos existentes em seus pensamentos, como nas programações de consciência e energéticas que os extraiu de seu Coração, ou seja, de sua própria Presença a vocês mesmos, para estabelecê-los na cabeça.

O paradoxo é que vocês devem ir da cabeça para o Coração.
Aqueles que permanecerem na cabeça não poderão aceder ao Coração.

Convém, portanto, encontrar o Coração, o mais rapidamente possível.

E, quando dizemos, uns e outros, o mais rapidamente possível, vocês o sabem, o tempo é descontado.
Ele é realmente descontado.

A única solução real, verídica, ao nível absoluto, é tocar essa parada do tempo, a fim de se extraírem, literalmente, de maneira definitiva, desta linha matricial que lhes é imposta desde tempos imemoráveis.

A Vibração, a Luz Vibral, é o meio.
É a única maneira.

Por intermédio das partículas de Luz chamadas de Adamantinas, lhes é possível e permissível extraírem-se desta matriz, penetrar o Corpo de Existência.

De fato, o único obstáculo, desde 17 de julho de seu ano, ao acesso à Existência, é apenas seu próprio condicionamento.
Não há outro obstáculo, doravante, ao nível dos sistemas, quaisquer que sejam, exceto vocês mesmos.

Assim, isso pode ser dito deste modo, vocês são vocês mesmos um obstáculo para seu próprio acesso à Existência e à sua Vibração.
Não há inimigo, não há mais inimigo exterior.

Há simplesmente linhas de programação, ainda eficientes, mantendo-os na ilusão.

Quando a Luz Adamantina penetrar esse mundo, ela destruirá, de maneira definitiva, essas linhas matriciais.
Essas linhas matriciais, recolocadas em conexão com a Fonte, continuarão a existir, por um determinado tempo, permitindo, através de dados em ressonância com o estabelecimento da Verdade absoluta, restabelecer esta Verdade absoluta, mesmo no plano matricial, que terá, literalmente, mudado para outro lugar.

Resta-lhe, portanto, efetivamente, um tempo limitado para desconstruir, em você mesmo, o que o impede, você mesmo, de aceder à sua Existência.

Não se esqueça que a Existência não deve ser uma crença a mais, substituindo outra crença.

Que a Vibração do Coração e o estado de Alegria não devem ser uma crença substituindo outra crença, mas deve ser uma Vibração vivida que é a chave de acesso para outra coisa que a verdade que você vive, que apenas tem tempo limitado, doravante, para viver e para experimentar.

É neste espaço que você vai, se o deseja, vai para sua liberação total, que necessita sair de todos os condicionamentos, sem exceção.

Não há qualquer regra exterior a você mesmo que tenha diante da Verdade do que você é.

Simplesmente, não basta crer.
É preciso ainda manifestá-la, em Unidade e em Verdade.

Se a evolução da Consciência, a transformação, mais precisamente, da Consciência, não tivesse sido desejada pela Onda Galáctica – assim como isso se reproduz todos os 52.000 anos – vocês não teriam jamais podido escapar desse condicionamento.

Assim, portanto, a vida, mesmo na matriz, não é nem experiência, nem evolução.
Ela é unicamente programação e condicionamento.

O mais belo dos subterfúgios era fazê-los crer, pelos Arcontes, que vocês evoluíam nesse mundo e que vocês passavam sua vida a se purificar e a irem para sua liberação.
Enquanto que, olhando na Verdade absoluta da Unidade como evolui esse mundo desde mais de 50.000 anos, nós diríamos que, ao inverso do que vocês crêem, ele se afunda cada vez mais na escravidão.

Hoje, nos tempos que vocês vão viver, a experiência da Verdade absoluta deve se instalar no Coração dos seres.
Esta é a última etapa, a última porta.

Aquela que convém passar, no sentido coletivo, a fim de ir para esta liberação que lhes é anunciada.
Esta liberação que lhes é anunciada virá e está programada.

Somente a Fonte conhece a data.
Mas ela está inscrita na Verdade absoluta que vocês têm a viver.

O que nós sempre esperamos, se é que se possa falar de esperança, é que o reino da Luz Vibral autêntica se estabeleça para um máximo de consciências fechadas.

Enquanto vocês não tocarem e Vibrarem na Coroa Radiante do Coração, vocês não têm qualquer meio de se fazer uma ideia, por vocês mesmos, e de viver a Verdade absoluta.

Convém, portanto, o mais breve possível, instalar-se nesta Vibração.
A adição das últimas Chaves Metatrônicas, que permite viver a Roda na Roda, tal como foi chamada, permitirá, de maneira ressonante, colocar-se na Vibração na Coroa Radiante do Coração.

Não restará mais, então, que um ato de abandono (não mais à Luz, mas de abandono do ego) para acender o Triângulo Sagrado inferior, permitindo-lhes reunificar a Tripla Lareira.

Somente a partir daquele momento é que vocês serão totalmente livres.

Cabe a vocês, portanto, determinar, em sua vida, em sua Consciência Ilimitada, o futuro que vocês visualizam.

Sabendo que o futuro será estabelecido não por seus desejos – que se exprimem unicamente na personalidade – mas unicamente pela Vibração.

Apenas a Vibração os conduzirá, por intermédio da Consciência, para onde vocês devem ir.
Em nenhum caso as projeções de desejo de Luz, em nenhum caso os desejos de liberação, mas o estabelecimento, real e autêntico, de sua própria liberação na Luz Vibral.

Não há outro mecanismo, não há outra possibilidade para aceder ao que se chama de Existência, a seu corpo de Eternidade.

Isso necessita, efetivamente, a supressão do conjunto de sinais chamados de emocionais, chamados de mentais, de crenças chamadas de projeções, de condicionamentos, que são os freios essenciais para o estabelecimento de sua Existência.

Lembrem-se que certo número de condicionamentos limitantes, procedentes desse mundo, lhes aparecem doravante claramente.
Os últimos condicionamentos são procedentes de seu próprio ego, mesmo se ele não tem mais a superioridade – para aqueles que tiveram êxito em Vibrar na Coroa Radiante do Coração – que procurará, de todas as maneiras, se impor.
Porque ele sabe pertinentemente que um acesso à Existência assinala a morte definitiva deste ego e, portanto, de seu mecanismo de funcionamento.

Há, através disso, um processo de desidentificação a realizar: não para fazer morrer o ego, não para rejeitá-lo enquanto ilusão, mas transcendê-lo pela Luz Vibral.

O abandono do ego é efetivamente a última etapa, após o abandono à Luz, permitindo-lhes, após a revelação das últimas Chaves Metatrônicas, acederem à sua Existência.

Aí está, bem amados Filhos da Luz, o que tinha vontade de Vibrar com vocês, dentro do que é chamado de história e dentro do que é chamado de verdade, a fim de ajudá-los pelas palavras, pela Vibração, a irem sempre ao mais próximo de sua Verdade.

Não aquela que queremos impor-lhes, mas aquela que desejamos ver Vibrar em seu Coração, em seu Amor, pela Vibração do Coração que é o único Amor verdadeiro.

Recebam todo meu Amor.

_______________________
Compartilhamos essas informações em toda transparência. Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente o texto e citando a fonte: www.autresdimensions.com.
Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

Um comentário: