Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

25 de ago de 2011

PHILIPPE DE LYON – 25 de agosto de 2011

Mensagem publicada em 26 de agosto, pelo site AUTRES DIMENSIONS.









Minhas Irmãs e meus Irmãos encarnados, eu sou Mestre PHILIPPE DE LYON.
Que a Paz do CRISTO esteja em vocês.

Eu venho, a pedido dos Anciões, e continuando, assim, minhas intervenções precedentes sobre a Humildade e a Simplicidade, prosseguir e falar-lhes do jogo das atrações.
Então, se efetivamente quiserem, começarei minha exposição dizendo-lhes que vou, primeiramente, falar do jogo das atrações, tal como existiu desde sempre.
E eu lhes falarei, em seguida, da Lei de Atração que entra em manifestação, progressivamente, agora.

O jogo das atrações – e isso lhes foi desenvolvido de modo muito mais afiado do que o meu, eu diria, por IRMÃO K – consiste na ação das forças Ahrimanianas e Luciferianas nesse mundo.
Vou, se efetivamente quiserem, encarar isso sob outro ângulo.

O jogo das atrações é, de fato, diretamente procedente do que foi chamado o sistema de controle do mental humano.
De fato, um ser humano, quando chega desse lado do Véu, sobre esse mundo, é, de imediato, submetido, eu diria, a um banho histórico, um banho cultural, um banho social, um banho familiar que vão, muito amplamente, contribuir para aderir e forjar suas próprias crenças (dessa alma em encarnação), diretamente em ressonância com as atrações presentes e que ele encontra, de maneira geralmente inconsciente, em seu meio, ali onde ele está.

De fato, vocês devem compreender, imediatamente: jamais se viu um índio (que vive, por exemplo, na Amazônia) referir-se a um Reencontro com o CRISTO ou a qualquer crença em relação com o CRISTO.
É claro, hoje, no século XXI existem crenças diferentes, em função do que diversos povos, abertos aos outros povos, encontraram, fazendo com que seres, por exemplo, nesses países, possam tornar-se budistas, possam tornar-se islamitas, possam tornar-se protestantes, possam tornar-se, de fato, o que eles têm vontade, em função de sua íntima convicção, como se diz, ou de suas experiências pessoais.
Mas, se excluído o que sobrevém na idade adulta, em geral, após reflexão, após experiência, um ser humano que se apresenta num país, quando de seu nascimento e, sobretudo antes do século XX, estará, de algum modo, dependente de atrações, de tradições e vai aderir, muito naturalmente, ao que está presente em seu ambiente.

Assim agiu o sistema de crenças do mental humano que é, de algum modo, um reservatório de egrégoras de forças (que existiram para além do astral e, portanto, ao nível do mental) que subsistem ainda hoje porque, eu os lembro, é a esfera astral coletiva que tem tendência a ser dissolvida.
A esfera mental, quanto a ela, está ainda, em parte, intacta, porque religada, diretamente, a um dos envelopes isolantes, chamado ionosfera.

A magnetosfera foi, em parte, destruída desde já alguns anos (em todo caso, tornada permeável), o que explica o desaparecimento progressivo e o princípio da dissolução, evocado pelo Arcanjo MIGUEL, devido à radiação do Ultravioleta ou do Espírito Santo.

Os jogos da atração de um ser humano, em geral, vão desenrolar-se no conjunto desses setores de vida, condicionados, de maneira invisível, não por suas experiências, mas pelas crenças veiculadas, tanto pelos pais como pelo que ele vai descobrir por ele mesmo, quando de seu aprendizado de vida, que começa a partir do nascimento e prossegue, muito rapidamente, na escola.

Certo número de elementos – que compreendem tanto a linguagem como a história, como a matemática, como todo ensinamento e todos os jogos afetivos – vai contribuir e concorrer para fazer com que o humano seja, de algum modo, banhado, permanentemente, nesse sistema de crenças.
O conjunto da vida será, por exemplo, colorida, num primeiro tempo, por esse banho, efetivamente inconsciente, e do qual o ser humano – exceto experiência específica – tem apenas pouca chance de subtrair-se, ao menos na primeira parte de sua vida.

Qualquer que seja o que se chame de crise de adolescência, em geral, a estruturação do que é chamado o emocional, o mental, o etéreo, vai fazer-se sob a influência direta, também, desses fatores.
Em seguida, é claro, experiências específicas efetuadas e vividas por essa alma específica podem levar a mudanças de direção.
O jogo de atrações, tal como foi orientado, digamos, vai conduzir a alma, muito naturalmente, a desposar o que tem sob os olhos, que corresponde, por exemplo, ao que nós chamamos o casamento, a união, ter filhos, ter uma profissão, em resumo, tudo o que faz a vida, de uma maneira a mais habitual e trivial.

Então, é claro, conforme a herança pessoal e a herança dos pais, uma alma será mais focada em tal ou tal vertente de sua vida, mas vai, de qualquer modo, servir-se de banhos de ressonância e de atração existentes para construir sua personalidade e desempenhar, ela também, o papel das atrações, quer seja, eu repito, em relação direta com o meio familiar, com qualquer das esferas de vida, tudo vai desenrolar-se, inconscientemente, com um conjunto de crenças inculcadas, que vão, necessariamente, ter efeitos sobre a vida da pessoa.

O problema é que o ser humano é assim feito, de modo que ele adere, sem qualquer condição prévia (geralmente), a esquemas rotineiros, esquemas que se reproduzem e que vão segui-lo em toda a sua vida.
É claro, resulta dessa conduta (ao menos nos primeiros tempos, mas eu não lhes ensinarei nada), um sentimento de satisfação, um sentimento de estar em seu exato lugar.
Isso concerne tanto aos estudos efetuados como à escolha de uma profissão ou de um parceiro de vida.
Até uma época muito recente, podia-se observar que o ser humano, qualquer que fosse seu continente, de um extremo ao outro de sua vida, contentava-se com o que lhe era inculcado, do que lhe era perceptível.
Raras eram as almas que podiam sair, de alguma forma, dessa espécie de condicionamento, efetivamente involuntário, e experimentar, explorar outra coisa que o habitual.

É claro, as circunstâncias da vida (e, sobretudo, desde uma geração ou duas, poderão dizer) são profundamente diferentes, e isso, vocês o vivem, todos, em todos os países: o que era obtido (como um cônjuge ou um parceiro) encontra-se questionado: muda-se de parceiro, muda-se de trabalho, muda-se de região, muda-se de opinião, também.
Tudo isso é, em resumo, bastante recente, em relação à rigidez das crenças que podiam existir e condicionar a vida de um ser humano (eu poderia dizer globalmente) desde seu nascimento até sua morte.
E, após, o mundo dito moderno fez aparecer novas coisas.
Essas novas coisas são, para a maior parte, oriundas do que é chamada a técnica e a tecnologia ou a ciência, que teve por vocação facilitar – e isso IRMÃO K desenvolveu-lhes amplamente – de algum modo, a vida comum, torná-la menos premente, a fim de liberar tempo para outra coisa.
Essa outra coisa é, antes de tudo, destinada a criar novas necessidades, novos desejos e novas coisas a explorar.

Então, é claro, quer isso se chame as férias, quer isso se chame a televisão, quer isso se chame a informática, a música (tudo o que pode estar e sair, de algum modo, de uma caixa), o automóvel, tudo o que, finalmente, permite-lhes sair do âmbito habitual, tal como era concebido ainda há cem anos e que poucas coisas podiam, de algum modo, modificar, porque, simplesmente, não existiam.
Assim, o jogo das atrações revelou-se em algo de diferente.
Esse algo de diferente veio completar ou modificar o que era comum, eu diria, para todo ser humano sobre este planeta.

Como vocês sabem agora, desde aproximadamente uma geração, houve uma modificação da atmosfera Vibratória (vamos chamá-la assim) da Terra, que se fez progressivamente.
Pouco a pouco foram associadas à humanidade novas frequências que entraram, muito progressivamente, sobre esta Terra, desde uma geração.
Paralelamente a isso, certo número de elementos novos (e se vocês ali prestarem atenção), além da vida comum, familiar, profissional, afetiva, tudo que é ligado aos sentidos que são ligados à visão e à audição tornou-se cada vez mais importante na vida.
As cidades tornaram-se iluminadas, há luzes por toda a parte.
O barulho tornou-se uma constante: o barulho dos veículos, o barulho das ondas que passam pelas caixas como o rádio, a televisão, os motores.
Um conjunto de coisas novas apareceu, que veio cativar o homem e que deu a ele um sentimento de liberdade, novo e, sobretudo, que criou jogos de atração profundamente diferentes, chamados divertimentos, lazeres, férias, tudo o que podia, de algum modo, atrair pelo desejo, atrair por tudo o que era ligado à necessidade de possuir tal coisa ou tal coisa e de viver, aí também, tal coisa, ligada a essas novas tecnologias e a esses novos meios que estavam presentes no mundo moderno (e que começaram antes mesmo de uma geração, ou seja, desde o início do que era chamada a era industrial).

O ser humano evoluiu, apesar dessa novidade, sempre num mundo de desejos, num mundo de projeção de um ideal.
Obviamente, tudo isso cruzado (como desde sempre) por momentos de incerteza, momentos de crises, de guerras, mas, sempre, numa perspectiva de melhoria futura.

O ser humano, de uma maneira geral, acostumou-se, pouco a pouco, a novos sistemas de crenças, a novos impulsos de desejo.
Esses impulsos de desejo tornaram-se mais flagrantes.
Mais flagrantes, em todo caso, para aquele que olha do exterior, porque, aparentemente, hoje, o ser humano não é perturbado pelo fato de olhar imagens, não é, absolutamente, perturbado pelo fato de escutar algo que sai de uma caixa ou de deslocar-se de um extremo ao outro do planeta, de maneira, para alguns, completamente familiar.

De fato, o conjunto desses meios, novos, permitiu ao humano ampliar seu conhecimento exterior desse Mundo.
É claro, não é questão nem de negar nem de recusar os avanços significativos (presentes para a maior parte dos povos) trazidos por esses meios novos.
Mas além desses simples meios trazidos de facilitação, é necessário, de qualquer forma, colocar-se a questão de sua finalidade.
E a finalidade (como lhes exprimiu, com ração, IRMÃO K) é, certamente, sempre e sempre mais, prender o homem em atrações, afastando-o, de fato, do sentido do que ele É, afastando-o, sempre mais, do Espírito.

Paralelamente a isso, os modelos ditos religiosos ou tradicionais que estavam presentes (alguns, desde milênios) viram-se acrescentados de certo número de conhecimentos inéditos, em relação com a vida da alma, com o conhecimento da psicologia, de interações mais finas entre os seres.
Como se nessa sociedade que descobria os lazeres, o tempo livre tivesse necessidade de conhecer-se muito mais do que o que não podia ser transmitido pelas religiões, pelas tradições.

Assim, apareceram impulsos, bem reais, que visavam fazer conhecer a alma, provar conhecimentos novos, tudo isso dando, é claro, um sentimento de progresso, de avanço.
Aliás, é o nome que isso porta: avanços técnicos, tecnológicos, científicos, melhorias do quadro de vida.

As épocas gloriosas da química e dos conhecimentos científicos eram supostas de aportar, em seu início, todas as respostas para o ser humano, e foram trazidas repostas, mas que, infelizmente, encontraram-se, muito rapidamente, limitadas pelas consequências que vocês veem hoje.
Essas consequências já têm efeito sobre a Terra.
Essas consequências são, antes de tudo, uma degradação, sem qualquer medida comum com o que existiu anteriormente, do que eu chamo o Corpo Etéreo do humano, que faz aparecer doenças novas, perturbações novas, sem que, jamais, o homem coloque-se a questão da causalidade desses elementos novos.

É claro, hoje, nos elementos que são trazidos pelas buscas, percebe-se, muito rapidamente, que tudo o que é químico, tudo o que é físico possui inconvenientes que começam a ser revelados de maneira muito importante.
Mas, será, contudo, que o ser humano deu marcha a ré em relação a isso?
Não.
De fato, a atração e o jogo de atrações tornaram-se tal, que o ser humano deixou-se, ainda mais, possuir por todos esses meios de conhecimentos que lhe eram dados.
Além disso, como houve, efetivamente, uma libertação, uma liberação, concernente a crenças muito mais arcaicas (religiosas, morais ou mesmo numa família), houve uma forma de emancipação que apareceu, progressivamente, concernente, aí também, a todos os setores da vida.
Não é questão de julgar isso (por mim), mas, simplesmente, constatar essas coisas.

O jogo das atrações – em todo caso, para o ocidental – tornou-se o meio de criar projeções e desejos, cada vez mais importantes, diante do que era mostrado.
De fato, é muito mais fácil ter vontade, por exemplo, de transferir-se a um país, após ter visto um filme, do que após ter lido as considerações de um viajante que se teria transferido a esse país.
O efeito é muito mais imediato e rápido.

De fato, sempre houve escritores que relataram cadernos de viagem, mas esses cadernos de viagem, raramente, deram a vontade de transferir-se a esse lugar.
Em contrapartida, a imagem cumpre muito melhor esse propósito: a imagem de algo a comprar, a imagem do que quer que seja que vem, de algum modo, estimular o que é chamado um desejo.

Assim, exprimido diferentemente, faço apenas reconstituir o princípio da ATRAÇÃO e da VISÃO, ou seja, do eixo falsificado, que os leva para sempre mais materialidade, de maneira coletiva.

Paralelamente a isso, a vida da alma revelou-se.
A alma teve necessidade de emancipar-se dos modelos ditos tradicionais, religiosos e de descobrir as leis novas.
Isso corresponde a um verdadeiro impulso, mas, aí também, controlado por aqueles que já controlavam o conjunto dos outros sistemas.
Assim apareceram, pouco a pouco, modelos espirituais de compreensão da alma e psicológicos.
E, é claro, todo avanço, qualquer que seja (quer ele seja tecnológico, social ou espiritual), era suposto de levar uma liberação do homem, ou, em todo caso, uma satisfação maior de uma sede, legítima, de conhecimento.
Nisso, os jogos de cada um, as atrações de cada um podiam desembocar, obviamente, em conflitos de interesses, seja numa família, seja entre países (e tudo isso vocês conhecem).

Tudo isso é ligado (e isso também lhes foi exprimido) ao corpo de desejo, à personalidade, à necessidade de propriedade, de posse, que pareceriam perfeitamente lógicos, uma vez que o conjunto da humanidade assim se comportava.
E os povos primitivos, que diziam exatamente o inverso, foram amplamente amputados de sua liberdade (e isso vocês sabem também, ao nível histórico, quer concirna à América do Norte, quer concirna à America do Sul ou a outros povos nativos, presentes em outros lugares sobre esta Terra).

E, depois – há agora uma geração – a Luz do Ultravioleta, do Espírito Santo, começou a depositar, progressivamente, sobre esta Terra, impulsos novos.
Esses impulsos novos não foram captados, é claro, no início, por muitos seres humanos.
E, após, progressivamente, esses impulsos novos começaram a ser captados e a transformar, de maneira muito limitada, num primeiro tempo, a sede das almas, dos Espíritos e dos corpos que eram submetidos a essa Irradiação.
A abertura da alma, para esses seres, não bastava mais para explicar ou para satisfazer sua vida, aqui, na encarnação.

O primeiro dos impulsos (há agora quase trinta anos) foi o de interessar-se, ao nível da humanidade, ao que foi chamado o após vida.
É claro, havia um precedente, com inúmeras buscas que haviam sido efetuadas no espiritismo.
E, depois, progressivamente, meios novos vieram e apareceram e permitiram ao ser humano colocar-se a questão do após vida.

Testemunhos cada vez mais numerosos apareceram.
É claro, esses testemunhos eram profundamente diferentes, de acordo com o banho cultural desses humanos que viviam essas experiências do outro lado, antes de voltarem.
Como se houvesse, efetivamente, uma influência cultural, um banho cultural, um banho de crenças que existiam, também, do outro lado do Véu.

E depois, sobre isso, dados históricos, que haviam sido escondidos, começaram a aparecer.
Outras civilizações começaram a ser aproximadas, progressivamente, e liberaram segredos que, mesmo se foram escondidos, permitiram, para aqueles que por isso se interessavam, compreender que a civilização dita ocidental, tecnológica, foi precedida, não num plano tecnológico, mas num outro plano, por outras civilizações qualificadas de arcaicas.

Assim, a vida pôde desenvolver-se, exprimir-se, harmonizar-se, de acordo com princípios que nada têm a ver com os princípios da sociedade moderna ocidental.
Progressivamente, a chegada de tudo isso permitiu a alguns seres (e isso muito mais recente) não mais de maneira excepcional – como alguns Anciões ou algumas Estrelas – escapar, de algum modo, do condicionamento da alma, do condicionamento da personalidade e descobrir algo que não era, absolutamente, conhecido nem descrito, de maneira formal, mesmo pelos seres que viveram essas experiências de Unidade.
Isso, também, vocês sabem.

Onde eu quero chegar é, obviamente, vocês veem ao redor de vocês: uma grande maioria da humanidade está, ainda, muito amplamente, submetida aos jogos da ATRAÇÃO e da VISÃO, aos jogos da falsificação – seja espiritual ou na sociedade – nos quais existem, é claro, os princípios que vocês conhecem perfeitamente, por sofrê-los ou, então, por deles aproveitarem-se.
Tudo isso que é chamado: a predação, a competição, a emulação, a necessidade de sucesso.
E isso faz parte (quase evidente) de qualquer setor da sociedade, tanto aqui como em outros lugares.
Raros são os humanos que puderam escapar (ilesos, eu diria) dessa sociedade moderna, mesmo entre os povos ditos primitivos, que tinham, no entanto, um Espírito muito mais presente, eu diria, do que o ocidental.

Então, hoje – e, em especial desde pouco tempo, ou seja, desde dois anos – e, agora, desde o início do ano que vocês vivem, foi-lhes feita referência à Liberação da Terra, do Sol; Liberação do ser humano, que pode reconectar-se com o Espírito, com a FONTE, dar-se conta das diferentes alterações que puderam existir nesse mundo.

É claro, mesmo entre todos esses seres que têm vivido essas transformações, muitos não foram capazes, de momento, de afastar-se desse condicionamento para dele desembaraçar-se completamente.
Disso, nós estamos perfeitamente conscientes, porque nós o vemos.
O que eu quero dizer é que, agora, todos os jogos de atrações serão substituídos muito, muito rapidamente, pelo que foi chamada a Lei da Atração.

Ora, a Lei de Atração nada tem a ver com os jogos da atração.
A Lei da Atração da Luz é despachar, de algum modo, aquilo em que vocês creem, a que vocês aderiram e torná-lo visível (isso, também, foi explicado, muito longamente, por diferentes Anciões, por diferentes Estrelas, pelos Arcanjos, também).

A problemática é que aqueles que ainda têm ligações com esse sistema de crenças do mental humano, aqueles que ainda têm ligações (porque é o hábito, porque eles não têm, geralmente, consciência, ao mesmo tempo tendo vivido Reencontros com a Luz, bem reais) não se distanciaram nem se afastaram do que faz a vida comum.
E, é claro, era extremamente lógico, porque era necessário, efetivamente, ganhar sua vida, porque era necessário, efetivamente, ter seu papel numa família.
Havia, efetivamente, o que nós todos chamamos, em nossa vida, obrigações.
A Lei de Atração (que é ligada à precipitação da Luz Branca, de Partículas Adamantinas que muitos de vocês começam a perceber), virá, a partir de certo limiar (que está muito próximo, em termos de seu tempo humano), verdadeiramente, modificar, totalmente, as atrações e, de algum modo, despachá-las, realizando e cumprindo as palavras do CRISTO (que jamais foram cumpridas até o presente) porque, é claro, aqueles que aproveitavam desse sistema de controle do mental humano sabiam, pertinentemente, que nada teriam a pagar, nem nesse tempo, nem num futuro, contrariamente a alguns ensinamentos que falaram da Liberdade, do livre-arbítrio, da ação/reação e de que cada um iria pagar, numa outra vida, todo o Mal que ele havia podido fazer (com todas as noções, é claro, orientais, que se inserem ali), e, para espírito ocidental que se abre a esse orientalismo (qualquer que seja o modo pelo qual ali se abre), vem substituir o princípio de uma Vida futura Eterna, de uma Ressurreição da carne, substituída pela noção de Ressurreição e de Reencarnação.
A Luz vem Revelar – isso também vocês sabem – Ela vem mudar o jogo das atrações e substituir pela Lei da Atração e pela Lei da Graça.
Isso quer dizer, muito exatamente, o que vocês vão manifestar em sua vida (e alguns de vocês já o vivem) em relação à Transparência ou a não transparência que é sua vida.
Quer dizer que, a cada dia, doravante, vocês serão, não confrontados, mas colocados face a face com sua própria evolução, com suas próprias crenças e, também, com as crenças que vocês mantiveram.

A revelação da Luz, a chegada do CRISTO, da Luz Branca traduz-se, já – como lhes foi nomeado – na dissolução total de todas as ilusões.

Então, é claro, essa dissolução não é a mesma, de acordo com os países, porque as resistências não serão as mesmas, de acordo com os países, porque os humanos que compõem os povos, nos países, não têm as mesmas crenças, mesmo no sistema de controle do mental humano.

É claro, aqueles que criaram esse sistema de controle do mental humano tinham todo interesse – e esse é um velho adágio que vocês conhecem – para reinar: é necessário dividir.
E, quanto mais as coisas são divididas, mais é fácil reinar.
Isso foi perfeitamente colocado em ação por aqueles que controlavam o sistema de controle do mental humano, colocando, conforme os países, conforme os continentes, conforme as raças, crenças profundamente diferentes e totalmente adaptadas à evolução racial ou à evolução num país, permitindo melhor controlar, de algum modo, o ser humano.

A Lei de Atração que chega, agora, sobre a Terra, vai colocá-los, realmente, face a face.
E aqueles que tiverem, eles mesmos, tornado-se Transparentes, ou seja, que não terão mais deixado tomada ao que quer que seja no domínio de crenças próprias e íntimas, aqueles que tiverem se despojado de todas as crenças (e quaisquer que sejam as obrigações que foram mantidas por respeito, por sociabilidade, por afetividade) e que tiverem a lucidez de aquiescer à Luz, é claro, viverão a Lei de Atração da Luz, em sua plenitude, e não terão, é claro, absolutamente nada a pagar, nem a reembolsar, de algum modo, e viverão a Graça com uma evidência e uma facilidade.

Vocês sabem, não será, de modo algum, o mesmo para o conjunto de almas que aderiram e que reforçaram, elas mesmas, essas crenças na separação, essas crenças de alma em algo que as afastaram, sempre mais, do Espírito.
E vocês sabem que isso corresponde, inteiramente, a certo número de medos que, em definitivo, fazem apenas traduzir uma tomada de poder ligada ao medo.
Quer essa tomada de poder seja exprimida num casal, numa relação de irmãos, numa relação hierárquica (habitual e comum), quer seja nas sociedades de trabalho, quer seja nas sociedades ditas espirituais.
Tudo o que os arrasta a exercer qualquer poder (e, portanto, a entrar, plenamente, no jogo das atrações e da competição) vai, aí, dessa vez, pela revelação da Luz, realmente, colocar um problema.
Porque a Luz não conhece o poder.
Porque a Luz não conhece a posse.
Porque a Luz não conhece os jogos presentes nesse Mundo e que têm perdurado desde tão longo tempo.

Então, é claro, há um momento (e esse momento será anunciado e vivido) em que haverá necessidade, para todas as almas presentes sobre a Terra, de viver a Luz, ou seja, de compreender, sem qualquer dúvida possível, porque será uma evidência, que a Luz é a Verdade e que esse mundo não é a Verdade.
A partir daquele momento, a partir dessa Revelação, cada ser humano vai submeter-se à sua própria Liberdade, à Luz.
Ou desvia-se da Luz, por medo, pela vontade de manter um poder (qualquer que seja) e, portanto, vai querer continuar o jogo das atrações, ao invés de viver a Lei da Atração e da Graça.

É nesse sentido que nós sempre dissemos que lhes será feito, muito exatamente, segundo sua Vibração; que lhes será feito, muito exatamente, segundo o que vocês crêem, segundo aquilo a que vocês estão apegados.
Mas ninguém mais, a um momento dado, poderá dizer que não sabia.

Até o presente (como vocês sabem), há a justaposição da Luz e do Mundo da Sombra.
E isso está inscrito, também, do mesmo modo, tanto em vocês, como no que lhes é dado a ver sobre esse Mundo.
E cada um vive sua Luz, suas sombras, seus combates, se se pode dizê-lo, seus Abandonos.
Mas, de momento, isso não aconteceu, eu diria, de maneira coletiva.

A partir do instante em que isso for realizado, ao nível coletivo, nenhuma alma poderá dizer que não sabia, inteiramente, dos prós e contras.
Nós os temos encorajado (uns e outros) para irem ao desapego.
Não à indiferença, não a abandonar o que quer que seja em sua vida, mas, efetivamente, para viver diferentemente as coisas, para além de todo apego e para além de toda relação.

Desfazer-se de uma relação não quer dizer eliminar aquilo com o que vocês estão em relação.
Isso quer dizer, simplesmente, compreender e mudar de ponto de vista em relação ao que foi compreendido e visto.

O tempo da Luz chegou.
A revelação da Luz, a chegada do CRISTO, a Liberação do Sol, da Terra, a Fusão dos Éteres, tudo isso, a Reunificação na Merkabah interdimensional da Tri-Unidade e a Resolução dessa Tri-Unidade concluem-se agora.
Existem, é claro, processos Vibratórios que se manifestam por modificações da própria consciência, que estão em relação direta com as percepções Vibratórias.
Virá um momento em que ninguém poderá ignorar essas percepções Vibratórias, momento em que a Luz revelar-se-á, inteiramente.

Ainda uma vez, isso lhes foi dito, mesmo se foi chamado, à época, de modo específico, o Julgamento Final, não é um Julgamento, não é Final.
A não ser Final e Julgamento de tudo o que faz o desejo, o corpo da personalidade e o corpo do desejo.
Mas a Luz, lembrem-se, não pode, jamais, ser outra coisa que não Vibração e Amor.
Somente a resistência ao Amor induz ao sofrimento.
Somente a resistência à Luz induz à própria resistência e induz a ainda mais resistência.
Tudo isso, é claro, foi-lhes desenvolvido através de diferentes termos: Abandono à Luz, resistência à Luz, desapego.
De tudo isso, vocês estão perfeitamente a par.

O que é importante apreender é que, se eu insisti tão longo tempo sobre a Humildade, sobre a Simplicidade (tanto de minha vida como hoje, desde o plano em que estou) é porque, obviamente, a Simplicidade vai contra necessidades múltiplas e complexas desse Mundo, e porque a Humildade coloca-os, automaticamente, num sentimento, não de desvio da vida, de isolamento, mas, bem mais, cria em vocês um estado propício para, finalmente, uma tomada de distância em relação a tudo o que é artificial e a tudo o que provoca um aumento dos desejos.
A Humildade é isso.
E, também, a Humildade nas relações humanas, quaisquer que sejam, ou seja, enquanto há uma vontade qualquer de tomada de ascendência sobre alguém (seja num casal, seja numa família, seja numa relação pontual), se vocês não deixam o outro livre, vocês entram num jogo de poder.
E a Humildade é, certamente, o meio (considerando-se, realmente, como o que se é, aqui, sobre esta Terra: como muito pequeno em relação ao Espírito), o melhor modo de evitar dar uma tomada qualquer ao desejo e ao poder, quaisquer que sejam.
Os tempos estão realizados.
Isso, nosso Comandante (ndr: O.M. Aïvanhov) disse-lhes, desde o mês de março.
Tudo isso se desenrola sob seus olhos.

Em breve, mesmo o que lhes está escondido, ao nível da Terra, não poderá mais sê-lo por mais muito tempo, porque a amplitude importante que será tomada pelos elementos sobre a Terra fará com que ninguém mais possa desviar-se disso ou ignorá-lo.
Mesmo nos países que, até o presente (por razões muito precisas), de algum modo, haviam sido poupados pelos elementos e pelo que vocês poderiam chamar uma crise global.

Tudo isso terminou, porque a Luz revela-se, de maneira total, e vem iluminar mesmo o que resistia a Ela.

Cada um viverá, portanto, esse desafio, no período que precede, de algum modo, o face a face, que vem, por sua própria vida e pela Lei de Atração da Luz, mostrar-lhes, pelo que viverá seu corpo, pelo que vocês viverão em sua vida, aí onde vocês estão, realmente.
O que quer dizer – como foi dito – que a revelação da Luz total não poderá mais ser escondida de seus próprios olhos, ou seja, de sua própria Consciência.

O que lhes aparecia como totalmente justificado num dia, aparecer-lhes-á, no dia seguinte, como uma crise de ego importante e uma manifestação do ego, importante.
E são vocês mesmos que se julgarão.

As circunstâncias de sua vida, sem qualquer exceção, vão colocá-los em face do que vocês criaram e vocês vão tornar-se, realmente, o que vocês criaram em seu foro interior e não o que vocês esperaram ou buscaram no exterior de si mesmos.

Vocês viverão, de fato, inteiramente, o que foi chamada a Retribuição, mas não uma retribuição no sentido cármico, mas a Retribuição da Luz, porque será restituído, muito precisamente, a cada um, segundo suas obras.

Eu os lembro que o CRISTO havia dito (e essa frase é totalmente verdadeira): «Aquele a quem pouco foi pedido, receberá pouco, mas aquele a quem muito foi pedido, deverá dar muito, para receber muito».
O que isso quer dizer?
Isso se junta, inteiramente, a: «Os primeiros serão os últimos».

É necessário compreender, também, que a sede de compreensão (espiritual ou social), a sede de dominar um assunto é, sobretudo, um medo que se traduz por um poder.
E ele se traduz, também, por uma vontade.
Essa vontade de Bem, essa vontade de bem fazer esconde, frequentemente, no interior do ser, falhas que, até o presente, não davam os meios pela Luz (que não estava suficientemente encarnada) de constatar em si mesmo essas falhas.

Mas o retorno do CRISTO vem mudar, totalmente, o dado, porque ninguém poderá esconder-se na Luz, seja num governo, seja num casal em que um dos dois é um tirano, seja numa família, na qual existam elementos pesados que não foram afastados.
Eu repito: é necessário, efetivamente, compreender que ninguém os julgará, a não ser vocês mesmos.
Não existe um Deus vingador, um Deus que pune.
Existe apenas uma Consciência, aquela do Espírito que vem tentar colocar-se em adequação com a consciência chamada fragmentária, dissociada, parcelada.
E essa ressonância corresponde, inteiramente, à Lei de Atração, ao retorno da Luz Branca, à chegada total da revelação do Supramental e ao retorno do CRISTO.

É, portanto, a isso que sua Consciência vai chamá-los, de maneira cada vez mais premente, pelo próprio desenrolar de sua vida, pelo próprio desenrolar de seu corpo, de seus sintomas diversos e variados, da facilidade que vocês terão para manter-se na Alegria e para afastarem-se do corpo de desejo sem qualquer vontade, simplesmente por algo que se estabelece de maneira natural, pela Luz e não por sua vontade (de não mais comer, não mais trabalhar, não mais ter uma relação de tal natureza ou de tal outra natureza).
Não são vocês que decidem, mas é a Luz, em vocês.
E, se é a Luz que decide em vocês, que decide, as coisas acontecerão facilmente.

Em contrapartida, se a Luz encontra zonas de resistência, será muito mais difícil, mas, aí também, não vejam outra coisa que não uma Retribuição que permite, nesses tempos finais, de algum modo, reajustar-se na Verdade da Luz e não mais sua verdade pessoal.

Os tempos da Graça haviam sido abertos, a um dado momento, após os Casamentos Celestes.
De algum modo, pode-se dizer que os tempos que se abrem, agora, são os tempos da Retribuição e do que eu chamaria, talvez, os tempos da última chance de viver o CRISTO e o Espírito.

Então, estejam atentos ao que se desenrola em sua vida.
Estejam atentos ao que se desenrola em seu corpo.
Estejam atentos ao que se desenrola em suas interações sociais, tanto as mais próximas como as mais distantes, porque o que chega, já desde alguns dias, e que vai reforçar-se, de um modo verdadeiramente evidente (para todo o mundo sobre esta Terra), dentro de poucos dias, é diretamente ligado à revelação da Luz, à abertura da Porta posterior do CRISTO, que deve realizar-se em cada ser humano encarnado sobre o planeta.

É claro, isso é válido, quaisquer que sejam as crenças, em CRISTO ou não importa em quem mais.
Então, quer seja chamado Allah, quer seja chamado Deus, quer seja chamado Buda, são apenas representações que vão permitir-lhes compreender e viver, de algum modo, a Luz Vibral, inteiramente.
O período que vocês vivem (nesses tempos chamados, pelos Arcanjos, reduzidos ou ultra-reduzidos) é uma oportunidade, a nenhuma outra similar, de ver-se, realmente, na face, não tal como vocês crêem que são (nas crenças, nas adesões, mesmo a CRISTO), mas na realidade da Luz Branca, o que não é, de modo algum, a mesma coisa.

Lembrem-se do que eu disse: o que lhes aparecia como normal num dia, poderá aparecer-lhes como totalmente anormal e oposto à Luz, no dia seguinte.
Cabe a vocês saber o que vocês farão, naquele momento.
E daí, efetivamente, decorrerá o que fará sua Vibração, em vocês: Seres que reencontram a Unidade, que reencontram a Luz, inteiramente, ou Seres que escolheram prosseguir o jogo da atração, mas sem estarem submissos a qualquer sistema de controle exterior que não eles mesmos, estando conectados à FONTE, o que faz uma mudança essencial, mas que passa, efetivamente, para alguns, por uma experimentação, eu diria, um pouco mais longa, das leis da Matriz, mas, desta vez, não mais falsificada.

Tudo isso vai desenrolar-se em vocês, do mesmo modo que se desenrola, agora, sobre o Mundo e sobre esse Mundo, e vai, verdadeiramente, tornar-se cada vez mais global, cada vez mais coletivo, cada vez mais evidente.

Inúmeros sinais foram-lhe dados: o Som da Terra, o Som do Céu, as percepções, obviamente, Vibratórias, que vocês têm, em vocês mesmos, ligado as Lâmpadas (os chacras, como vocês os nomeiam).
Tudo isso será cada vez mais evidente e cada vez mais correlacionado.
Assim, o que quer que lhes acontecer, e o que quer que lhes aconteça, nada mais há a culpar e, sobretudo, não um próximo, sobretudo, não pelo acaso, sobretudo, não pelo carma, mas, unicamente, vocês, no instante presente.
Vocês não poderão mais fugir da responsabilidade que é sua, de Ser Autônomo e de Ser que vai para sua Liberdade.
Não há qualquer culpado exterior.
Apenas vocês, e vocês sozinhos.

A Lei de Retribuição, a Lei de Atração – e não mais os jogos de atração – vão permitir-lhes conscientizar-se disso, sem qualquer erro possível.
Vocês verão claramente em sua personalidade.
Vocês verão claramente no que vocês são.
É claro, alguns resistirão ainda, até o extremo limite, mas virá um momento em que mais ninguém poderá resistir, porque a Luz será estabelecida, inteiramente, e o que restará a correr como tempo, depois, serão apenas os meios de implementação da evolução de cada um.

Aí estão os elementos que eu tinha a dar-lhes sobre a revelação da Luz e as consequências diretas sobre o sistema de controle do mental humano, sobre sua consciência, mesmo da personalidade, sobre os prós e os contras das situações familiares, profissionais, afetivas, sobre os prós e os contras e os resultados de seus próprios desejos, ainda presentes, e a distinção evidente entre o Mundo do Espírito e o mundo da carne (em todo caso, segundo as regras que prevaleceram sobre esse Mundo, desde extremamente muito tempo).

Lembrem-se de que o melhor modo de viver isso será, sempre, a Humildade e a Simplicidade, mais do que nunca.
Tornem-se humildes, tornem-se muito pequenos e vocês encontrarão o Espírito.
Isso quer dizer, também, aceitar ver-se na face.
Lembrem-se de que não há que julgar-se, isso lhes foi dito.
Que não há que condenar-se.
Que não há que culpar-se e, ainda menos, que julgar, culpar ou condenar o que é exterior a vocês.
Há apenas que alinhar-se consigo mesmos, no Espírito ou, então, afastar-se do Espírito.
Mas isso se realizará pelo que é chamada a Co-criação consciente, ou seja, ser-lhes-á feito, muito exatamente, segundo sua Vibração.

Aí está o que os Anciões pediram-me, como Melquisedeque da Terra, para transmitir-lhes, porque a Terra vive sua transformação final (vocês sabem disso, mesmo se ainda não o aceitem, conscientemente).

Os elementos, os sinais, tudo o que acontece na superfície da Terra e nos sistemas sociais, quaisquer que sejam os países, são apenas a prefiguração – desde o início deste ano – do que se engrena, agora, a toda velocidade, para vocês e ao redor de vocês.

Então, que vocês desejam, se não é a Humildade, a Simplicidade e estabelecerem-se no CRISTO?
Porque, no CRISTO, vocês jamais terão mais sede e o CRISTO – ou a Luz Branca – tem todas as respostas que o Espírito espera e, obviamente, que o corpo de desejo não quer, porque o corpo de desejo pode viver apenas através do desejo.
Se não há desejo, ele, simplesmente, não existe mais.

O CRISTO vem revelar-lhes isso, de maneira evidente, para cada um.
E lembrem-se de que se corpo, sua consciência é a sede desse último face a face entre o corpo de desejo e o Corpo de Ressurreição ou Corpo de Existência.

Aí está, agora, o que resta a realizar e que se realiza, pela Inteligência da Luz, sem qualquer intervenção de sua parte e, isso, sem que qualquer alma, sem que qualquer Irmão ou Irmã possa escapar disso.

Foi-lhes feita referência de algo de inevitável, de inexorável.
Isso é completamente verdadeiro, mesmo se alguns, sobre esta Terra, tenham tudo feito do que eram seus meios para esconder-lhes isso.
Então, eu posso apenas dizer uma coisa, e todo o meu Amor acompanha-os nisso: Regozijem-se, porque a ora da Luz chegou.
Regozijem-se, porque o tempo é para a Liberdade e para a Autonomia, como diria IRMÃO K.
Regozijem-se, porque a hora do Coração chegou.
Resta-lhes percebê-lo, inteiramente.

Permitam-me, antes de retirar-me, viver, com vocês, um momento de Comunhão, no Amor, e também no elemento que é o meu, para além desta Terra e que é chamado, contudo, a Terra.

Eu lhes digo até breve, com todo o meu Amor.

... Efusão Vibratória...
___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

2 comentários:

  1. As atrações do mundo sempre foram determinantes na vida de todo mundo, salvo raríssimas exceções. Nos tempos modernos as atrações se multiplicaram e com isso as pessoas ficaram ainda mais imersas e influenciadas por toda esta gama de atrativos. Em outras palavras: ou se é maior que o mundo, ou se sucumbe a ele. A MSG discorre com mestria sobre o que tem sido a marca do jogo de atrações, no controle da vida humana; mas, que agora, será substituída pela Lei de Atração da Luz, que é a própria Ação da Graça. Foi dito, por exemplo, que o que virá não é nenhum final como se imagina, senão um Final e um Julgamento de tudo o que faz o desejo da personalidade. Também realçou a importância de Simplicidade e Humildade, por ser estado que propicia certa distância em relação a tudo o que é artificial e a tudo o que provoca um aumento dos desejos. Agora, duas expressões fantásticas contidas na MSG, e que valem como autêntico brinde: "Não são vocês que decidem, mas é a Luz, em vocês. E, se é a Luz que decide em vocês, as coisas acontecerão facilmente <> Foi-lhes feita referência de algo de inevitável, de inexorável. Isso é completamente verdadeiro, mesmo se alguns, sobre esta Terra, tenham tudo feito do que eram seus meios para esconder-lhes isso".

    ResponderExcluir
  2. " Regozijem-se, porque a ora da Luz chegou." E pronto. Então não há mais espaço para querer, gostar. Fim das atrações. Fim dos jogos,dos controles,das ilusões.
    Hora da Liberdade,da Luz, do Encontro com Cristo. Enfim, a Unidade.
    Noemia

    ResponderExcluir