Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

30 de set de 2012

ANAEL – 30 de setembro de 2012


Mensagem publicada em 1 de outubro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.



Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui



(GRAVAÇÃO REALIZADA A PARTIR DO TEXTO ORIGINAL FRANCÊS, SUJEITA, PORTANTO, A CORREÇÕES QUANDO DA TRANSCRIÇÃO).



Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui

Eu sou ANAEL, Arcanjo.

Bem amadas Sementes de Estrelas, eu saúdo, em vocês, a Eternidade.
Eu estou com vocês, e durante esse tempo que vou fracionar em três tempos.
Um tempo de Comunhão, livre, sem que qualquer linha de predação possa interferir.
Um segundo tempo no qual eu exprimirei algumas palavras para tentar fazê-los penetrar a essência da transição em curso.
E um terceiro tempo no qual eu responderei aos seus eventuais questionamentos concernentes ao que eu vou desenvolver.

Instalemo-nos, primeiramente, em um espaço de Comunhão e de Ressonância.

... Partilhar da Doação da Graça...

Segundo tempo, prosseguindo nossa Comunhão.

Vou exprimir o que, para vocês, representam ideias, mas portadas pela Vibração de nossa Comunhão, e que terá uma ação, diretamente, nos mecanismos da Ascensão.
Para isso, vamos ver como definir, do ponto de vista humano e de nosso ponto de vista, o que pode, efetivamente, significar Estar na Vida.

Seja de meu lado ou de seu lado, vocês definem a vida porque, efetivamente, vocês vivem, percebem e sentem: tudo o que escapa do que pode ser apreendido (pelos sentidos, pelo intelecto e pela experiência) representa, na melhor das hipóteses, nada, e na pior, o neant.

Estar na Vida é, portanto, de algum modo, definido segundo o que é perceptível, segundo o que é experimentado, e segundo o que pode ser, de uma maneira ou de outra, provado, conscientizado e memorizado.

Estar na Vida.
Alguns humanos viveram (de modo acidental ou inesperado) mecanismos que os conduzem a viver fora dessa forma, em outro corpo e em outra forma.
Qualquer que seja a experiência, a irrupção da consciência humana, para além do limiar do visível e do perceptível, traduz-se (de maneira majoritária e importante) pela descoberta de um espaço, de um corpo e de um tempo que, estritamente, nada tem a ver com o que era visível anteriormente.
 
Quaisquer que sejam os qualificativos, todas essas experiências, quando são vividas de maneira positiva (o que é o mais corrente), fazem dizer a esses seres humanos que é nesse corpo de carne que eles estão mortos ou não em vida ou, em todo caso, em uma vida limitada.
A experiência provou a eles, não unicamente a sobrevida, mas, além disso, a existência de um espaço e de um tempo de outro funcionamento, no qual o Amor e a Luz são onipresentes.
A Vida, naquele momento, não pode mais ser descrita do mesmo modo, devido à irrupção de uma nova realidade no campo da Consciência.

Este vislumbre do além, do limite visível, para vocês, humanos, é uma irrupção nos mundos suprassensíveis, tão confinados como o seu, nomeados mundo astral ou mundo dos desencarnados.
Alguns humanos não param nesse estágio, vão mais longe, tentam, por sua vez, nessa Liberdade nova, encontrar um limite.
Este limite é vivido como tal pela Luz de Amor (que não queima), visível ao longe.

Alguns humanos, que desafiam todas as proibições colocadas por sua crença anterior, pelos seres reencontrados, vão ousar ir além dessa Luz, ali fundir-se e sair no outro além no qual a Luz não pode mais ser distinguida como distância ou localização.

O humano que jamais viveu esse tipo de experiência pode apenas a isso aderir, pela crença, pela história, ou pela fé.
Aquele que acede ao mundo astral e não vai além, considera que não pode existir além, após a Luz percebida a uma distância e a uma localização.

O humano que cruza a Luz descobre ainda outra coisa.
Aquele que chega nesse estágio de experiência considerará, inevitavelmente, que o mundo físico e o mundo astral são apenas ilusões.
E ele considera estar unicamente na Vida a partir daquele momento.

Existem limiares de percepção.
Esses limiares de percepção impedem-nos, de onde vocês estão (exceto pela ação e a saída na Existência, exceto quando de estados vividos pela Onda de Vida ou o Fogo do Coração, ou ainda de despertar do Kundalini), de viver e de experimentar além do limiar de percepção.

Não existe um limiar de percepção, mas dois limiares de percepção.
O intermediário, mesmo, que parece mais leve, mais vasto, e de um Amor mais intenso que o que é possível experimentar abaixo do primeiro limiar de percepção.
Esses limiares de percepção foram chamados há algum tempo, pelo Ancião IRMÃO K, os Véus do conhecimento e da ignorância.

É-lhes assim possível (através desse exemplo e através da Vibração) imaginar que o ponto de vista daquele que está sob o primeiro limiar de percepção não pode, em caso algum, corresponder àquele que se situa além do segundo limiar de percepção.
 
O que Vive não é o que está abaixo do primeiro limiar de percepção.
O que Vive não é o que está além do primeiro limiar de percepção.
O que Vive não é, tampouco, unicamente, o que está além do segundo limiar de percepção.
Qualquer que seja a experiência, sua intensidade, o que Vive é o que são os três, ao mesmo tempo, no que lhes concerne.
No que nos concerne, a nós, Arcanjos, nosso limiar de percepção inferior para no que vocês nomeiam a 3ª Dimensão Unificada.

O que é seu território não nos é perceptível, no sentido em que eu acabo de mostrá-lo.
Apenas sinais indiretos, que mostram, simplesmente, as zonas de Luz e as zonas sem Luz, podem ser interpretáveis.
Esta interpretação que nada tem a ver com seus meios de interpretação.
 
Estar na Vida é passar, sucessivamente, os dois limiares de percepção: é ter, de algum modo, percorrido três espaços, três tempos, três lógicas diferentes.
Cada uma que engloba, à sua maneira, a precedente, mas que não a exclui, em caso algum, exceto nas franjas as mais densas, situadas abaixo do primeiro limiar de percepção: seu mundo físico.

Estar na Vida, assim, aparecer-lhes-á proximamente, é não mais estar confinado por qualquer limiar de percepção, é não mais ser tributário nem de um espaço, nem de um tempo, nem de uma forma, nem de uma mudança.
E, no entanto, é Ser tudo isso ao mesmo tempo.

As experiências, fora daquelas que eu acabo de descrever que concernem à sua vivência (quaisquer que sejam as manifestações), reproduzem e reproduziram, durante um ano, as experiências (múltiplas, possíveis) de Comunhão, de Fusão e de Dissolução.
Cada uma dessas possibilidades, separada da outra por um limiar de percepção, o reencontro de Duplos, instaurou em seu mundo, o que eu chamaria de Linhas sagradas que reproduzem uma forma de plano matricial Liberado.

O estabelecimento da Merkabah interdimensional coletiva e das Linhas sagradas, entre as quais conta-se o Antakarana coletivo, permitiu (com seu concurso, aquele da Terra e aquele do conjunto de Representantes da Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres), neste dia, o apagamento total das Linhas de predação, que os restitui à sua Eternidade, à sua autonomia, como Filhos Ardentes do Sol.

Os efeitos materiais esperados, nesse mundo no qual vocês estão, vão atualizar-se e tornar-se mais intensos, mais perceptíveis, mais sensíveis, o que se traduz, paralelamente, pela imersão, em sua realidade a mais densa, de mecanismos que vocês já experimentaram, de nossos Mundos em seu mundo.
Esse Reencontro, individual e coletivo, realizado em vocês como no exterior de vocês, reunifica a Vida, dando conta e testemunho da sua Ascensão e Transição.

De nossos Reencontros, de seus Reencontros, crescerão a Alegria e a Translação da sua própria consciência, para além de todo limiar de percepção, com, a posteriori, o que lhes parecerá extremamente simples e fácil: do mesmo modo que, em seu mundo, vocês passam do sono ao acordar, ou do acordar ao sono.

A estabilidade e a tranquilidade de sua consciência, aqui e agora, onde vocês estão, permitirá a vocês verificar o que é Estar na Vida, o que os conduz a redefinir, reposicionar o conjunto de percepções, o conjunto do que vocês nomeiam “mundo”.
Esse processo realizar-se-á o mais naturalmente possível, a partir do instante em que vocês apreenderem e viverem o fato de que essa Translação da consciência, essa Transição e essa Ascensão não dependem, de modo algum, de uma ação de sua pessoa, evitando assim todo mecanismo de resistência (na falta, de predação).

Estar na Vida começa além de suas experiências, além dos estados de Última Presença, e além do estado que está além de todo estado: Absoluto com forma.
Vocês descobrirão o que significa Estar na Vida, para além de seu mundo.

Aí estão, portanto, as palavras e as Vibrações que eu tinha a transmitir-lhes.
Se, em relação aos elementos que eu nomeei e descrevi, existem, em vocês, questionamentos, então, eu os escuto.

Questão: uma experiência de Amor indizível entra no quadro de limiares de percepção que você definiu?

O Amor pode ser indizível, qualquer que seja o limiar de percepção, mesmo aí onde vocês estão.
É muito possível que vocês sejam muito numerosos a ter vivido esse Amor indizível.

Quaisquer que sejam as experiências, elas continuarão apenas experiências, uma vez que em definitivo, vocês voltam, sempre, a esse mundo.

Só o Absoluto elimina de imediato, todo questionamento, por ele mesmo.
Aquilo de eu falo não é mais, unicamente, uma experiência, nem mesmo uma memória, mas é uma realidade que escapa de seu tempo.

Assim, portanto, as experiências (como esta ou como outras) serão substituídas por um estado que, de fato, muda, radicalmente, o Estar na Vida.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Eu terminarei com essas palavras: o que se produziu, nesse dia, permite a reinstalação desse mundo em sua sacralidade.

Eu evoquei as Linhas sagradas que existem sobre a Terra, em sua Dimensão nova.

O fim da predação autoriza, e permite, e conclui, a Fusão do Coração com a Merkabah interdimensional, que junta o coração do Coração ao centro do Centro.

A Ascensão está consumada e concluída.

Pela Vibração de nossa Comunhão, eu rendo Graças à Luz, em seu acompanhamento à nossa Comunhão, isenta de Linha alterada.

Eu sou ANAEL, Arcanjo.
Eu lhes digo até breve.
______________________________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

3 comentários:

  1. Limiares de percepção. Como é estar na Vida. O Amor é sempre indizível. A ascensão está consumada e concluída.

    ResponderExcluir
  2. "Estar na Vida". 'Ascensão Consumada e Concluída".

    Ir além, muito além, do 'Plano Astral'. Sair de Verdade do Confinamento.
    Assim Seja.
    Noemia

    ResponderExcluir
  3. "De nossos Reencontros, de seus Reencontros, crescerão a Alegria e a Translação da sua própria consciência, para além de todo limiar de percepção.

    "A estabilidade e a tranquilidade de sua consciência, aqui e agora, onde vocês estão, permitirá a vocês verificar o que é Estar na Vida.

    "Esse processo realizar-se-á o mais naturalmente possível, a partir do instante em que vocês apreenderem e viverem o fato de que essa Translação da consciência, essa Transição e essa Ascensão não dependem, de modo algum, de uma ação de sua pessoa, evitando assim todo mecanismo de resistência.

    "O que se produziu, nesse dia, permite a reinstalação desse mundo em sua SACRALIDADE.

    "Eu evoquei as Linhas sagradas que existem sobre a Terra, em sua Dimensão Nova.

    "O fim da predação autoriza, permite, e conclui,
    a Fusão do Coração com a Merkabah interdimensional,
    que junta, o coração do Coração ao centro do Centro.

    "A Ascensão está consumada e concluída."

    ResponderExcluir