Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

10 de nov de 2012

O.M. AÏVANHOV – 10 de novembro de 2012


Mensagem publicada em 11 de novembro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui


Bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.
Eu apresento todas as minhas saudações.
Então, eu os escuto e, agora e já, eu lhes agradeço por suas questões.

Questão: qual é a diferença entre os Cavaleiros e os Elementos?
 
Então, aí, caro amigo, você recorre a uma expressão que foi empregada – se minhas lembranças são boas – por uma das Estrelas, não é?, que falou dos Cavaleiros em referência, segundo a cultura dela, ao que vai rapidamente (ndr: ver as intervenções de SNOW, de 19 de julho, 19 de agosto, 1 de setembro, 18 de outubro e 1 de novembro de 2012).

O cavalo, o cavaleiro é algo que se desloca, de maneira mais rápida do que alguém que esteja a pé.
O cavaleiro, também, dá manifestações importantes, mais rápidas e mais móveis.
Então, não há diferença: simplesmente, os Elementos – o que nós chamamos os Elementos, quando estamos encarnados – são, é claro, os quatro Elementos que vocês conhecem.
Mas, como vocês sabem, houve – como vocês chamam isso? – uma amputação, eu diria, da qualidade essencial desses Elementos em relação à Luz.

O retorno da Luz, a Liberação da Terra, do Sol, a Fusão dos Éteres, tudo o que se desenrola no Sistema Solar permitiu, há alguns meses agora, uma movimentação dos Elementos, muito mais intensa.
Esses Elementos, muito mais intensos, foram nomeados Cavaleiros, pelas características dos cavaleiros, mas eu penso, também, em relação à referência de SRI AUROBINDO, perdão, do «Bem Amado João», quando ele foi aquele que recebeu o Apocalipse, não é?, quando ele fez referência à ação dos Cavaleiros: «o Cavaleiro esverdeado», «o Cavaleiro preto», «o Cavaleiro sombrio» etc. (ndr: referência feita ao Apocalipse de SÃO JOÃO, precedente encarnação de SRI AUROBINDO).
Cada um desses Cavaleiros porta uma dinâmica Vibratória, mas, também, uma dinâmica que vai pôr fim aos últimos Véus do isolamento da Terra.

SNOW havia dito que cada um dos Elementos ou cada um dos Cavaleiros – uma vez que é a mesma coisa, mas em outra fase – agia do mesmo modo em vocês – nessa estrutura física, mas, também, no Corpo de Eternidade que vocês São – como sobre a Terra, de modo sincrônico.

O Cavaleiro é, portanto, o Elemento que é restituído à Dimensão original e à capacidade, é claro, de Revelação.
Então, o que se chama de Elementos – eu os nomeio Hayoth Ha Kodesh – ou Cavaleiros, é a mesma dinâmica e o mesmo tipo de ação, é claro.

Questão: é normal ter sensações mais desagradáveis desde 1 de novembro, intervenção de URIEL, enquanto, quando da intervenção de MIGUEL, nos quinze dias anteriores, a vivência era de uma ordem mais agradável?
(ndr: ver as intervenções de MIGUEL, de 17 de outubro, e de URIEL, de 30 de outubro de 2012). 

O que você interpreta como «desagradável» concerne a você.
Isso depende, é claro, de afinidades, aí também, eu repito, com seus próprios Elementos constitutivos e, também, as afinidades de suas quatro Linhagens.

Vocês sabem: há quatro Linhagens, quatro Orientes, quatro Elementos (mais o Quinto, é claro), quatro Cavaleiros.
Tudo isso é um quadro dinâmico, extremamente preciso.
Portanto, o que é desagradável, para você, será, talvez, muito mais agradável para outro Irmão ou Irmã.
Isso depende, simplesmente, de afinidades Vibratórias de suas quatro partes constituintes.

Eu o lembro de que há, sempre, quatro Linhagens, em cada um de nós, seja nessa Dimensão como nas Outras Dimensões, que são as partes relativas que constituem, ao mesmo tempo, o Corpo de Existência como a própria Consciência.
E que é quando da resolução final desses quatro Elementos, pela Fusão no Éter, que se reencontra, de algum modo, o que as Estrelas – nós também, aliás – chamaram a Infinita Presença, a Última Presença ou o Samadhi o mais elevado, Vibratoriamente, que, de algum modo, prefigura o que está exatamente antes – mesmo que não seja antes – o que se chama Absoluto (que BIDI chamava o Parabrahman, não é?).

Portanto, de acordo com a característica própria de cada um de seus Elementos, é claro, isso vai acontecer mais ou menos bem.
Eu lembro que MIGUEL é o Fogo e que URIEL está em relação com o AR, com o Verbo, com o chacra da garganta, com a Passagem da Última Reversão, que está em ressonância com o décimo primeiro Corpo, que está situado ao nível do lábio superior (ndr: para a localização desse Corpo, ver «protocolos a praticar / Yoga Celeste: Reunificação dos cinco novos Corpos»).

Portanto, talvez que, em você, o Elemento Ar não seja vivido como algo de muito agradável.
Portanto, isso remete, é claro, a todas as correspondências e a todas as ressonâncias que são ligadas ao Elemento Ar.

Questão: sentir Vibrações sob os pés é ligado com o Núcleo da Terra? 

Inteiramente, porque a Onda de Vida – que nasceu no mês de fevereiro – é ligada à Liberação do Núcleo Cristalino da Terra.
Para aqueles que vivem essas Vibrações sob os pés, isso foi, primeiro, uma zona precisa, no início de fevereiro, que era na parte anterior do pé.
Pouco a pouco, essa alimentação Vibratória fez com que alguns de vocês vivessem a subida da Onda de Vida, de maneira incompleta, ou de maneira total, pouco importa (não é aí onde eu quero chegar).
Simplesmente, para aqueles que sentem essas Vibrações sob os pés, vocês observaram que isso faz uma zona cada vez mais ampla, cada vez mais estendida e que ultrapassa, amplamente, a zona do pé.

Então, eu sei que o Arcanjo ANAEL havia dito que, quando vocês cruzam os tornozelos, amplificam a Onda de Vida (ndr: sua intervenção de 8 de junho de 2012), ou seja, vocês fazem fusionar as duas polaridades da Onda de Vida, porque há uma polaridade do lado esquerdo e uma polaridade do lado direito.
Quando essas duas energias fusionam-se, é claro, e a Onda de Vida subiu (ou seja, ela cruzou a barreira dos dois primeiros chacras), vocês vão sentir coisas novas sob os pés.
Podem ser queimaduras, pode ser sentir um chacra, mas muito maior do que o pé, com uma zona nova, se querem, que está exatamente à frente do calcanhar e que corresponde, efetivamente, a um segundo ponto da ancoragem da Onda de Vida e da ancoragem das raízes Intraterrestres, que se faz pelo ponto anterior e pelo ponto posterior.

Isso dá, efetivamente, Vibrações que são, agora, mais, se querem, aspectos Vibrais puros e não mais uma energia que circula e que sobe.
É perfeitamente normal, para aqueles que o vivem, é claro.
Portanto, isso dá sensações que não desencadeiam, sistematicamente, essa onda de Amor e de Êxtase que havia anteriormente, mas há, efetivamente, outra qualidade Vibratória que passa por esse lugar, que é ligada à Fusão, se querem, do Supramental, da Onda de Vida e, também, eu diria, a outra oitava de Vibração da Terra, que se traduz, é claro, pelo número sempre maior de sismos, de vulcões, de ventos, de furacões, todas as manifestações dos Cavaleiros sobre a Terra, que estão em fase de majoração extrema.

Mas, se querem, lembrem-se de que é como o princípio da rã, que se faz esquentar na água, no fogo que sobe, de grau em grau, muito, muito lentamente.
Se vocês estão imersos no processo Vibratório desde o início, vocês vivem, efetivamente, algo que se acelera, assim como a Terra, também, mas vocês não têm, sempre, a Consciência, porque estão habituados ao processo Vibratório.
E, apesar disso, é claro, há, cada vez mais numerosos, entre vocês, que sentem, por exemplo, os tremores do peito, os tremores do corpo, as Vibrações nos Novos Corpos.

Há, portanto, uma majoração, sem precedente, que é ligada às condições cósmicas das quais tanto SERETI como ORIONIS e MIGUEL falaram, e que correspondem a essa última guinada que é tomada, agora, desde algumas semanas, e que os leva à linha de chegada (ndr: ver as intervenções de SERETI, de 30 de setembro, de ORIONIS, de 30 de outubro, e de MIGUEL, de 17 de outubro e de 2 de novembro de 2012).

Questão: quando já se foi chamado por MARIA, seremos chamados novamente?

Uma vez que você tenha sido chamado uma vez, não há necessidade de chamá-lo duas vezes.
Quando você ouviu – em um sonho, em uma noite, na meditação – seu nome, o que isso quer dizer?
Isso quer dizer que o Canal Mariano – que é, eu o lembro, independentemente do Anúncio de MARIA, ligado ao Canal Mariano da Terra – está em ressonância direta com a Merkabah, ou seja, com seu veículo ascensional.

Se querem, o Apelo de MARIA, ao nível de sua Consciência, se vocês a ouviram (seja há seis meses e, para alguns, há ainda mais tempo, tanto melhor para vocês), isso quer dizer, simplesmente, que suas estruturas ascensionais – Corpo de Existência, Consciência, Linhagens, instalação nos quatro Elementos – estão totalmente prontas para viver o que há a viver: vocês ligaram o motor, mas esperam que o sinal celeste, cósmico – uma vez que não depende mais da Terra – produza-se, para Liberar o que há a Liberar.
Isso quer dizer, simplesmente, que há circunstâncias, para alguns de vocês, nas quais vocês vão ouvir várias vezes esse Apelo.
Mas uma vez basta, é claro.

Questão: quando vários Elementos agem ao mesmo tempo, como localizar o alimento a favorecer, de acordo com o que nos disse HILDEGARDE DE BINGEM, em 3 de outubro de 2012?

Então, isso não é, tanto, de minha alçada, mas é uma questão de lógica simples.
O que é ligado ao AR, eu creio que SNOW havia dito, e HILDEGARDE também, são os Elementos que crescem no ar, ou seja, não são raízes, é o que se encontra longe do solo, que é agitado pelo vento.
São, por exemplo, os frutos que crescem nas árvores.
Não há legumes nas árvores, a priori.

Há raízes sob a Terra: aí, é o Elemento Terra.
O Elemento Fogo pode ser assimilado aos sabores, por exemplo, ardentes, picantes: a cor vermelha, a cor do Fogo etc. etc.
Mas é preciso ponderar isso porque, se vocês têm, em vocês, a ação simultânea de vários Elementos, vão constatar algo de específico: vão ter cada vez mais problemas se absorvem alimentos.
Porque o alimento, se querem, provoca um desvio da energia.

Então, muito bem, é necessária a energia para digerir, mas eu os lembro de que sua energia – que vocês chamam a energia vital, o prana – que circula nos meridianos, em suas estruturas sutis, foi majorada, amplificada, da restituição ao Éter original.
O que isso quer dizer?
Que as energias que os percorrem, atualmente, não são mais, unicamente, energias ditas ligadas ao prana (a energia vital), mas são a Luz Vibral.

Ora, a Luz Vibral acomoda-se muito, muito mal com o que vocês colocam no ventre, ou seja, quanto mais os Elementos ou os Cavaleiros estiverem ativos em vocês, menos vocês têm necessidade de absorver o alimento.
E vocês vão constatar que, se absorvem o alimento, nesse caso – por hábito, por gulodice, por apetite – vão sentir um esforço Vibratório que se faz, com um calor intenso nos chacras do baço e do fígado – ou seja, o Eixo ATRAÇÃO-VISÃO – que vai, de algum modo, atrair a Luz para essa digestão.
E vocês terão, naquele momento, digestões que serão cada vez mais penosas, cada vez mais difíceis, não porque vocês se tornaram intolerantes, alérgicos ou outros, aos alimentos, mas, simplesmente, lembrem-se: a Luz Vibral nutre-os, e é uma Verdade.

Há testemunhos que são abundantes, hoje, sobre seres que não comem mais e que vivem muito, muito bem, aliás, sem perder peso.
Portanto, é a vocês que cabe ajustar-se, ao invés de procurar qual alimento é preciso privilegiar em relação ao Cavaleiro que está ativo.
Mas, bem mais, modificar esses hábitos de alimento para viver.

Muitos de vocês observaram isso e, é claro, vocês continuam a comer, porque acham que não é normal.
Portanto, os hábitos de reflexão é dizer-se: «se eu não digiro, se tenho arrotos, se fico pesado após comer, é que há uma anomalia nos órgãos da digestão, no estômago ou não importa em qual outro».
Isso não é verdade: é, diretamente, ligado ao fato de que vocês tenham a Onda de Vida ou não.

Eu os lembro de que o Éter da Terra, aí, onde vocês tomam seus alimentos Etéreos – que era ligado, ele também, à alteração da Terra, em sua Luz, em sua capacidade de Vibração – encontra-se, hoje, Liberado, há certo número de meses, com efeitos cumulativos.
Em relação a isso, isso quer dizer, simplesmente, que as necessidades, reais, concretas, de alimento, não existem mais.

Vocês vão, mesmo, constatar que os alimentos que lhes faziam bem, anteriormente, não passam mais, de modo algum.
Então, se vocês são, ainda, «uma bicicleta em atividade», vão colocar-se a questão de alergias, de anomalias, de patologias e tudo isso.
É claro que isso existe.
Mas, se vocês estão ligados ao Supramental, se têm uma das Coroas ativas, vão sentir que a digestão põe em pressão os chacras do baço e do fígado, e desvia a Luz do objetivo dela, que é o de fazer mudar, completamente, eu os lembro, o Corpo Etéreo, o Duplo, o novo Duplo que vocês São, em sua estrutura de Eternidade.
Portanto, cabe a vocês ajustar-se: vocês vão aperceber-se disso, eu diria, quanto mais os dias passam, de maneira cada vez mais flagrante.

Questão: qual é o papel do planeta Hercolubus, hoje?
 
Mudança de magnetismo Terrestre, inversão dos polos e despertar da Consciência, exatamente antes da chegada da Onda Galáctica.

Eu os lembro de que os deslocamentos de Hercolubus (ou Hercobulus) faziam-se, em função de sua progressão, em função do grau de Despertar da Terra, em função de seu ajuste em relação à Consciência Crística coletiva, ou Solar, coletiva.
E é a interação, se querem, de diferentes tipos de irradiação, que permitiu ajustar tudo isso.

Eu os lembro de que, durante o verão de 2008 e 2009, Hercobulus havia sido citado por ORIONIS, e disseram que ele seria visível no Céu (ndr: sua intervenção de 8 de agosto de 2008).
Mas eu já havia dito, à época, que, quanto mais esse tempo fosse deslocado no tempo, melhor seria.
O fato de ver Hercobulus são sinais que foram, aliás, dados pelos povos ditos primitivos (como os índios da América ou, ainda, em profecias de alguns profetas) como esse segundo Sol, como essa segunda Estrela.

Como dizia Bença Deunov (quando ele era, como ele lhes disse e revelou, Nostradamus, Michel de Nostredame): «por sete dias, a Estrela queimará no Céu».
Mas esse sete dias podiam sobrevir não importa quando, a partir de 1984 até agora.
E eu sempre disse que, quanto mais isso fosse mais tarde, melhor seria, porque a latência com a visibilidade comum, com o olho, sem os instrumentos tecnológicos, permitiria, se querem, um último ajuste, antes de certo número de eventos cósmicos que, eles, são totalmente independentes, mas sincrônicos com Hercolubus, doravante.

É sempre possível, com as matemáticas, com as ferramentas de ótica, com tecnologias que vocês têm, observar, já, é claro, isso.
Mas nós falamos não da observação da crença com a tecnologia, ou através de cálculos matemáticos, mas, diretamente, com o olho, ou seja, a visão da retina.
É isso que desencadeia o sinal.
Simplesmente, como vocês sabem, há prazos astronômicos extremamente precisos, que se inscrevem no curso desse tempo que vocês vivem agora.

Portanto, Hercolubus é o impulso final, eu diria, quando de sua visibilidade, não para o planeta grelha, mas para o ajuste magnético final que, doravante, portanto, precederá o que eu havia chamado, à época, o planeta grelha, ou seja, o retorno total da Luz.

Questão: sentir a ponta do nariz e a ponta dos pés moverem-se, simultaneamente, releva da ação dos Cavaleiros do Fogo e da Terra, ao mesmo tempo?

Sim.
Eu creio que foi UM AMIGO que falou (ndr: sua intervenção de 2 de novembro de 2012), se querem, de um processo da consciência, no qual era necessário portar a consciência nos pontos, nos quatro Pontos Cardinais da Cruz Fixa da Cabeça, ao mesmo tempo, sob os pés (ndr: «protocolos / Expansão da consciência até a Infinita Presença»).
Há, é claro, uma junção que foi realizada entre sua cabeça e seus pés.
Ou, se preferem, entre a Luz Vibral e a matéria.
E a ação conjunta do Fogo e da Terra, efetivamente, desencadeia esse gênero de Vibrações.

Quando as Vibrações retomam, ao mesmo tempo, o décimo segundo Corpo ou os Pontos Cardinais da Cabeça, mais os pés e as Vibrações do peito, seu veículo ascensional está, obviamente, em perfeita ordem.
Mas ele espera, eu diria, o último sinal, para escapar.
Não escapar: Liberar-se.

Eu emprego, indiferentemente, a palavra Fogo, Terra, Elemento, Cavaleiro ou Hayoth Ha Kodesh: é a mesma coisa, os mesmos alvos e os mesmos pontos de ação.
Alguns de vocês já superaram isso e sentem, sobretudo, o Quinto Elemento, ou seja, o ponto ER da cabeça, com a Vibração do peito ou o tremor do peito.

Questão: a que corresponde como que uma espécie de cometa verde, que desce no céu?

Primeiro, não são cometas, porque são asteroides.
Os asteroides, como disse MIGUEL, há deles, cada vez mais.
Então, vocês vão tê-los de diferentes cores.
Eu creio que a cor visível, para vocês, de um cometa, é ligada à proporção de gás e de gelo presentes no corpo meteorito (saber se há metal ou não, também).
A zona de atrito com o que resta de atmosfera e de magnetosfera vai colorir, também.

Pode ser um «belo azul», um «bonito verde», um «belo laranja», um «belo branco».
Isso não tem outra tradução que não a composição química, eu diria, e, por vezes, também – dizem-me – de acordo com o ângulo de penetração de um meteorito, a cor é diferente.
Mas os corpos meteoritos confirmam-lhes, evidentemente, que tudo isso são manifestações que são cada vez mais importantes e cada vez mais intensas.

É a ação de MIGUEL na ionosfera e, agora, diretamente na atmosfera e no núcleo, não cristalino da Terra, mas na camada de magma que gira ao redor da Terra que é, eu os lembro, responsável pelo magnetismo.
Eu falei, efetivamente, de forças gravitacionais e do magnetismo que mudaria, a toda velocidade, sobre a Terra, doravante.
O que explica que alguns de vocês tenham Vibrações extremamente intensas e, por vezes, a impressão de ter bebido um pouco demais de champagne, mas sem nada ter bebido.
É completamente lógico.

Há, verdadeiramente, uma modificação enorme do campo magnético terrestre que está em curso, doravante, e que corresponde a tudo o que eu havia dito, já, há anos, concernente aos vulcões do cinturão de fogo do Pacífico, à expansão física da Terra e à Ascensão Espiritual da Terra.

Quando o eixo magnético da Terra muda, seu eixo magnético muda, também.
Vocês se lembram de que a falsificação da Luz – que era ligada às camadas isolantes da Terra – era ligada, também, a uma recepção da Luz que não está – como dizer... – alinhada.
E há, portanto, um realinhamento, com o eixo Vibral autêntico, que corresponde à inclinação da Terra.
Tudo isso está em curso e, é claro, isso se traduz, também, em vocês.

Então há, por vezes, uma latência entre a Consciência que se situa, eu diria, ao nível do corpo físico – vamos empregar «a antiga consciência», se preferem – com a Nova Consciência Multidimensional, que dá, por vezes, oscilações com dificuldades de ajuste que podem desencadear vertigens.
É claro, isso pode, também, desencadear outros problemas, problemas reais que são função, ou não, de suas resistências.

E o que vai produzir-se, naquele momento, faz apenas traduzir a possibilidade – através de algo que vocês vivem, na consciência comum, como penoso – de reajustar-se, ao mais próximo, com o que vocês São.
O que quer que seja necessário para isso, lembrem-se de que tudo o que se produz, nesse momento – talvez, ainda mais do que antes – é diretamente ligado a essa nova busca de equilíbrio, que é ligada ao seu Veículo ascensional, e que esse Veículo ascensional não se importa com esse corpo físico.

Então, portanto, pode haver, efetivamente, o aparecimento – é, em geral, durante este período – de problemas que lhes caem em cima, de um dia para o outro: na véspera, vocês estavam em tal circunstância de vida, no dia seguinte, há outras circunstâncias de vida (quer concirna ao seu corpo físico, ao seu ambiente, ao seu polo afetivo, ao seu polo social, pouco importa).
Mas tudo o que se produz, nesse momento, é um ajuste, e convida-os a ajustar-se, a reorientar-se no eixo da Luz.
Não vejam nisso nem carma, nem punição, mas, eu os lembro de que a modificação brutal de seu equilíbrio Interior é apenas a expressão de um reajuste de sua consciência com o eixo real da Luz, para fazê-los encontrar o Centro: o que foi nomeado, eu creio, o coração do Coração ou o centro do Centro, ou seja, o Ponto ER, que é o Coração do Coração, ou seja, o Ponto de Irradiação da Luz, que se encontra, também, em imagem, ao centro dos Cavaleiros ou dos Quatro Elementos ou das quatro Estrelas fixas da cabeça (ndr: ver esquema abaixo).

Esse reajuste, por vezes, pode tomar uma aparência, a priori, catastrófica para o olhar da personalidade.
Mas é o único meio que a Luz encontrou para reajustá-los.
Do ponto de vista da consciência limitada, da personalidade, nós temos, sempre, a impressão de que esse corpo deve ir, deve manifestar a harmonia e a boa saúde (em relação ao nosso ponto de vista da personalidade, quando estamos encarnados).

É completamente diferente quando temos o ponto de vista da Existência.
E, ainda pior, ou ainda melhor – isso depende do olhar que vocês portam – com aquele que é Absoluto.
Porque aquele que é Absoluto, quer esse corpo esteja aí, quer esse corpo sofra, quer esse corpo seja feliz, ou quer ele seja reduzido a um cozido, nada muda ao que ele É.
Porque há um distanciamento total: a consciência não está mais confinada e limitada a esse corpo.
Ela é Multidimensional, realmente.
E essa Multidimensionalidade, neste período – mas isso começou, já, desde o início deste ano, mas isso se torna cada vez mais evidente para aqueles a quem isso acontece – é o golpe de martelo atrás da cabeça, para dizer-lhes, aí, agora: «basta de jogar com a personalidade, o que você É, nada é de tudo isso».

Então, é claro, aquele que está na personalidade vai dizer: «sim, mas a Luz, ela machuca».
Aquele que está na Luz aceita isso, sem qualquer noção de dor ou de perda do que quer que seja.
O modo pelo qual vocês reagem ou não a um evento que sobrevém, hoje, mostra-lhes sua capacidade para ser flexível, ou seja, aceitar a mudança ou não.
O que quer dizer que, se os reflexos de sobrevida – que são inscritos nos dois primeiros chacras, ou seja, o apego à personalidade – são extremamente fortes, vocês vão lutar.
Vocês vão dizer: «mas é preciso que eu viva, é preciso que eu continue, é preciso que eu lute, é preciso que eu me oponha ao que acontece».
Enquanto aquele que já está na Eternidade deixa fazer o que se produz, sem ser, de modo algum, afetado pelo que se produz.

E o modo pelo qual vocês reagem, através do que acontece ao seu próprio corpo, é, efetivamente, muito significativo de sua capacidade de estarem apegados ou não a esse corpo.
Se vocês a ele estão apegados, sofrerão.
Se a ele vocês não estão apegados, isso não tem qualquer espécie de importância.
Eu repito: isso não é uma negação do que quer que seja, é, simplesmente, a localização na qual vocês estão, em sua Consciência.

Tudo isso faz parte do trabalho de Liberação da Terra, da Onda de Vida, mas, também, do Supramental.
São os apegos da personalidade a ela mesma (ndr: ver protocolo Apego arquetípico da personalidade a ela mesma).
E, se vocês estão apegados à sua personalidade, o que é que vão constatar?
É que a movimentação do Coração Ascensional (quer seja espontânea ou através de protocolos de cristais ou de gestos, como vocês quiserem, pouco importa), se a Vibração da caixa torácica faz-se, isso quer dizer que a personalidade não resiste (ndr: ver protocolo «Revelação do Coração Ascensional»).

Em contrapartida, se a personalidade resiste, estando apegada a ela mesma, à sua própria sobrevida (que não existe, é claro, porque a personalidade desaparece, como vocês sabem, quase totalmente, no momento em que o corpo não existe mais), portanto, se vocês estão apegados à sua pequena pessoa, vocês vão sofrer com isso, é claro, de diferentes modos.
Mas, se vocês não estão mais apegados à sua pequena pessoa, isso quer dizer, simplesmente, que sua consciência já passou à sua Eternidade.
Então, naquele momento, o que quer que aconteça a esse corpo, vocês não serão afetados, como o que quer que aconteça a esse mundo.

E eu creio que SNOW falou disso, também, sobre a ação dos Cavaleiros e dos Elementos em vocês, no momento em que eles se apresentam a vocês: vocês resistem ou não, vocês se opõem ou não.
Mas, por vezes, a oposição, lembrem-se, pode tomar aspectos extremamente viciosos, ou seja, de dizer-lhe: «ah sim, mas se eu sou Luz, esse corpo deve ser Luz. Por que é que ele sofre?».
E a personalidade vai procurar uma causalidade.
Mas a causalidade do que vai acontecer-lhes, durante este período, é, sempre, ligada ao que existe na consciência, nos dois primeiros chacras, ou seja, a maneira pela qual vocês são tributários do que creem ser, através desse corpo.

É muito simples: a Luz ilumina e ela ilumina violentamente, agora, cada vez mais violentamente.
E, se vocês não estão Transparentes, no plano espiritual, consigo mesmos, se não deixam atravessar a Luz, o que faz a Luz?
Ela vai encontrar uma zona de resistência, e essa zona de resistência vai induzir, por vezes, transtornos.
E esses transtornos podem ser terríveis, mas os transtornos concernirão apenas ao corpo e à personalidade, certamente não ao que vocês São.

Portanto, se vocês sofrem, é que estão apegados a esse corpo e a essa pessoa.
Aquele que não está apegado nem a esse corpo, nem a essa pessoa, cuja Onda de Vida subiu até o alto, não tem qualquer razão de sofrer, mesmo com o desaparecimento desse corpo.
Mesmo a dor é profundamente diferente, de acordo com o lugar no qual vocês se colocam, e isso vai aparecer-lhes cada vez mais claramente.

Não é, eu repito, uma punição do que quer que seja: é, simplesmente, a ação da Luz, que vai mostrar as últimas trincheiras da personalidade a estarem apegadas aos hábitos, ao corpo, aos hábitos alimentares, aos modos de funcionamento.
Tudo isso representa, em relação à Liberdade que está aí, obstáculos importantes.

Questão: poderia desenvolver sobre o tema Linhagem ou Linhagem Estelar?

Oh, esse foi o objeto de muito numerosas comunicações (ndr: ver as intervenções de RAM, de 23 de outubro de 2008, de ANAEL, de 16 de agosto de 2009, de 1 de outubro de 2009, de 17 de março de 2010 e de 15 de maio de 2010, de UM AMIGO, de 18 de setembro de 2010, de O.M. AÏVANHOV, de 2 de setembro de 2012).

E nós dissemos o que era necessário conhecer, tanto mais hoje, serve ainda menos do que antes conhecer as Linhagens, no plano intelectual ou mental.
É uma revelação que se faz de maneira Interior.
Isso foi dito, eu penso, tanto pelos Anciões como pelas Estrelas: suas Linhagens revelam-se a vocês e revelam-se, efetivamente, sob a forma de sonhos, ou de visões de alguns tipos de animais que são suas Linhagens Estelares.

Suas Linhagens Estelares são em número de quatro.
A Origem Estelar, há apenas uma.
Mas as quatro Linhagens são ligadas, é claro, na proporção relativa dos quatro Elementos que os constituem, em sua Eternidade, como nesse corpo, também.

Portanto, aí está o que eu posso dizer.
Mas, agora, enumerar-lhes as Linhagens faria apenas nutrir o mental.
Lembrem-se (e isso sempre foi dito, mesmo desde o momento em que o Arcanjo ANAEL, em 2008 e 2009, sobretudo, havia falado dessas Linhagens): elas se revelam a vocês de maneira natural.
Se vocês as procuram, vocês não as encontrarão: elas se revelam.
O importante não é conhecê-las, o importante é viver o impacto Vibratório, por exemplo, da Linhagem de Sírius ou, ainda, de Arcturus ou, ainda, das Plêiades.
Porque, quando uma Linhagem revela-se a vocês, a ação do Elemento correspondente está, ao máximo, em vocês.
Portanto, a única coisa a observar é, simplesmente, ver, em seus sonhos, em seus Alinhamentos, mas é muito claro: se vocês se põem a ver uma águia, o rosto da águia, o olho da águia, o vôo da águia, qualquer que seja o componente, vocês têm uma Linhagem que é ligada, é claro, ao Ar.
E que vem de onde?
De Altair.

Se vocês veem o golfinho, há uma Linhagem da Água.
Que vem de onde?
De Sírius.
Mas, o importante, não é ter esse conhecimento intelectual, é viver o efeito, em vocês, desse animal (que não é um animal, vocês sabem disso).

Afastem-se, ao máximo, durante este período, de tudo o que quer sugerir-lhes o intelecto.
Aquele que viveu, sejam momentos de Graça, ao nível do Coração, com a Onda de Vida, com os Êxtases ou com a Vibração que se propaga, agora, nos Novos Corpos, ou no conjunto do peito ou do corpo, é extremamente simples localizar os momentos em que é o mental que vai estimulá-los e tocá-los e os momentos em que é a experiência que os nutre, e não mais o mental.

A diferença é capital a ver, mas vocês deverão vê-lo, cada vez mais facilmente.
Basta, simplesmente, compreender que, quando vocês têm necessidade não de uma explicação, mas de ligar uma manifestação, ou de colocar uma questão sobre uma manifestação, aí, é o mental que intervém.
Em contrapartida, se vocês se fundem na manifestação e na experiência do que é vivido, vocês verão que não haverá qualquer necessidade de explicação ou de compreensão.

Naquele momento, vocês vivem, realmente, que a experiência Vibratória é, em si mesma, a explicação.
Vocês não têm necessidade de recorrer ao mental.
Depois, pode-se, sempre, como agora, evocar processos que vocês têm vivido há uma semana, há quinze dias, que vocês vivem nesse momento, e encontrar uma explicação.
Mas lembrem-se de que não é, jamais, a explicação que é importante.

Saber, por exemplo, que sonhar com um golfinho, ver um golfinho é ligado a Sírius e ao Elemento Água, é ótimo, mas, se vocês não o vivem, isso, estritamente, para nada serve.
Se vocês o vivem, sem mesmo compreender porque, aí, isso serve para alguma coisa.
E eu os lembro de que são, justamente, as palavras que foram empregadas pelos Arcanjos, há pouco tempo (ndr: ver as intervenções de MIGUEL e de SRI AUROBINDO, de 2 de novembro de 2012): esta espécie de sobreposição, como eles disseram, de justaposição de duas Consciências é, justamente, o que lhes permite tomar consciência, nesse sentido, de momentos nos quais vocês estão na Eternidade e momentos nos quais vocês estão no efêmero.

O efêmero colocar-se-á, sempre, questões.
Então, é claro, eu recorro ao seu mental, aqui, mas, justamente, se vocês leram a resposta, não terão mais a questão a colocar-se.
É, justamente, para isso, que eu lhes digo tudo isso.

Questão: com todas as transformações que vive o planeta neste momento, é judicioso ou prudente evitar as viagens de avião?

Então, aí, cara amiga, o que quer que você faça, isso não evitará, jamais, o fim.
É completamente estúpido privar-se de viagens ou do que quer que seja.
É claro, exceto se seja nefasto para a consciência e para o corpo, mas eu já falei disso com os alimentos.

Mas querer enterrar-se em um lugar porque acontecem eventos, estritamente, para nada serve.
O Elemento encontrá-la-á, e seu destino encontrá-la-á, quer você esteja no avião ou em um buraco sob a Terra, para proteger-se de não sei o quê.

É, sempre, a personalidade que pensa em preservar o corpo.
Tentem, de qualquer forma, ter presente no espírito que a personalidade, a consciência limitada tem a particularidade de crer-se eterna, imortal e infalível.
Obviamente, ela é exatamente o inverso, ou seja, ela é falível, ela é mortal, ela não será, jamais, eterna.
Porque, se uma personalidade fosse eterna, através, mesmo, do princípio da personalidade que é a reencarnação, não haveria qualquer obstáculo para que vocês se lembrassem de todas as personalidades.

Se isso não existe, independentemente da falsificação, é que a Eternidade nada tem a ver com uma sucessão de efêmeros.
Enquanto vocês são tributários disso, vocês estão presos às suas próprias ilusões: ilusão de Eternidade, no efêmero que não existe.
Eu os remeto, para isso, aos inumeráveis ensinamentos – porque é isso, mesmo se seja apresentado diferentemente – de BIDI, que, durante meses, comunicou-lhes certo número de elementos.

Agora, é a vocês que cabe ver se permanecem tributários de sua pequena vida, de sua pequena pessoa, fazendo disso uma finalidade eterna.
Então, é claro, aquele que não passou à Eternidade, que viveu apenas nesse corpo, os processos Vibratórios, que parou no Si, que parou no processo Vibral da Consciência, de algum modo, apreendeu-se de seus aspectos Vibrais, de suas experiências vividas na consciência.
Mas lembrem-se do que dizia BIDI: mesmo isso é para soltar.
E eu, antes dele, eu tinha uma expressão de que gostava muito.

Vocês sabem, vocês veem os amendoins em um frasco, vocês agarram os amendoins, mas, para tirar a mão, é preciso soltar os amendoins.
Se vocês não soltam aquilo a que vocês se seguram, vocês se perdem, a si mesmos, e isso, vocês não vão tardar a perceber, de maneira total.
Não como uma crença ou uma interrogação, mas como a Verdade do que há a viver.

Eu os lembro do que CRISTO havia dito: «Aqueles que quiserem salvar a vida, perdê-la-ão».
É, sempre, a personalidade que é responsável por um caminho ou por uma busca espiritual, sempre.
Porque, no momento em que vocês aceitam, em que vocês vivem sua própria Transcendência, mas a busca espiritual torna-se nula.

Nada há a procurar: tudo está aí, como diria BIDI.
Mas, enquanto vocês não o tenham vivido, isso lhes parece um absurdo total.
Vocês não podem viver sem procurar e sem buscar.
Aquele que vive o que ele É, não é porque ele procurou que ele encontrou.
Ele encontrou, justamente, porque parou de procurar.

Não confunda o Fazer e o Ser, porque o Fazer é, sempre, tributário de um ter, de um resultado.
O Ser não se importa com qualquer ação: ele É, de toda a Eternidade, para além do Si.

Então, é claro, a personalidade vai dizer-lhes que é preciso progredir, que é preciso procurar as Linhagens.
Não, nós sempre dissemos que são coisas que vinham a vocês, a partir do instante em que vocês parassem de querer fazer, de querer saber.
E, nestes tempos de mudança, é muito difícil, para aqueles que continuam, ainda, com vestígios de personalidade, ter que enfrentar essas mudanças brutais.
Porque a personalidade, como havia dito IRMÃO K, não há muito tempo (ndr: sua intervenção de 16 de outubro de 2012), é marcada pelo sentido do hábito.

O hábito, no ser humano, permite-lhe tranquilizar-se: comer a tal hora, fazer o trabalho, fazê-lo o melhor possível, ou fazê-lo rapidamente, se ele não lhes agrada (isso dá, exatamente, no mesmo).
Mas é, sempre, a personalidade que se aplica a bem fazer isso ou aquilo.
O efêmero e, como foi dito, a consciência da personalidade vai, sempre, procurar o meio de tranquilizar-se, e o melhor modo de defender-se é o hábito.

Ora, o hábito impede a Liberdade e impede a Autonomia.
E são armadilhas que não se vê frequentemente, que se tem pouca ocasião de ver-se, a si mesmo, nesse nível.
Mas isso vai tornar-se cada vez mais claro.
Essa Clareza, independentemente da Visão Etérea é, inequivocamente, uma visão da retina, que lhes dá a ver ou flashes de Luz no Céu ou, se vocês saem em plena noite, vão constatar, ao seu redor, uma espécie de forma branca, de nuvem branca.
É a Luz, e vocês vão fundir-se aí.

Questão: sentir os laços ao nível dos tornozelos é ligado à evolução da Luz?

Então, é diferente para cada um.
A Liberação da Onda de Vida, a Liberação da Terra, a Onda do Éter que subiu ao longo das pernas permitiu, para muitos de vocês, suprimir esses famosos braceletes nos tornozelos e nos pulsos.

O que é que vocês observam?
Alguns de vocês sentem, novamente, esses braceletes.
Não é um bloqueio, é, simplesmente, que os recolocam – quer vocês se recoloquem, vocês mesmos, pela interação da Luz – esses braceletes porque, se não houvesse esses braceletes, para alguns de vocês, vocês já teriam deixado, definitivamente, a consciência limitada e não estariam mais aí.

Ora, como nós temos dito, aqueles, justamente, que foram Liberados, são os Liberadores da Terra.
Tem-se necessidade de vocês, aqui, aí, onde vocês estão.
Portanto, os braceletes nos tornozelos ou nos pulsos não são mais bloqueios que eram ligados ao fato de não partir demasiado rapidamente à Existência, mas, verdadeiramente, agora, para alguns de vocês (mesmo que tenham vivido viagens na Existência ou esse Último estado que não é um estado, que é nomeado Absoluto), vocês têm reencontrado pequenos laços, para poder concluir o trabalho que há a fazer aqui.

Eu os lembro de que esse trabalho não é um Fazer: é deixar Ser o que É.
E, para isso, é preciso que a Luz não progrida demasiado rapidamente no Interior do coração do Coração, ou seja, que o Ponto ER da Cabeça e do Coração, através da Lemniscata Sagrada, não agravem a situação [ne mettent pas le Feu aux poudres] imediatamente.

Questão: os pequenos flashes brancos que se pode ver, igualmente, são ligados à Luz?

Sim, perfeitamente.
Quando há flash, fenômeno brutal, é o atrito entre a consciência limitada da Terra e a Consciência Ilimitada da Terra.
Quando vocês veem, em contrapartida, uma névoa branca que se desloca, muito lentamente, em seu nível ou no ar, aí, é, simplesmente, a Luz.
Não são os flashes que resultam do atrito.
Enquanto a Luz, em seu aspecto vaporoso e lento, é a Luz e não são zonas de atrito ou de resistência ou de confrontação.

Questão: sua encarnação anterior, como Merlin, teve um caráter preparatório em relação ao que nós vivemos?

Não, absolutamente.
Se querem, o que vocês vivem é inscrito há 320.000 anos.
Foi necessário certo número de ciclos que se reproduzem sob a égide dos grandes Melquisedeques da Terra, ou seja, ORIONIS, sob a égide dos Guias Azuis de Sírius, sob a égide dos Nephilim e dos Elohim (ou seja, os Gigantes e os Seres de Cristal), para preparar esse momento, por antecipação e por uma visão profundamente penetrante, eu diria, dos ciclos da Terra, sob o reino da falsificação.

Como Merlin, eu jamais dei elementos.
Houve um ou dois elementos do futuro que eu pude comunicar, naquela época.
Mas vejam a dificuldade: quer dizer que, quando caímos na encarnação, os Véus do esquecimento são extremamente potentes, mesmo no momento do Despertar ou da Liberação, no momento em que tenhamos vivido o processo da outra consciência.
Nós permanecemos tributários, é claro, para exprimir o que tínhamos a exprimir, da consciência comum.
E, portanto, nós éramos obrigados, de algum modo, como dizer..., a interpretar o que era dado a viver, para colocá-lo em uma perspectiva de linearidade do tempo.
E isso foi similar para Michel de Nostredame; isso foi similar para Bença Deunov (que é a mesma entidade); isso foi similar para mim ou como muitos outros que tiveram visões proféticas, digamos.

Então, a melhor visão profética, é claro, é extrair-se dessas próprias visões.
E é o que conseguiram, muito bem, as Estrelas, porque as Estrelas são muito menos tributárias, na polaridade feminina encarnada, dessa noção temporal.
A polaridade masculina da consciência limitada tem, sempre, necessidade de referir-se a tempos, a calendários etc.
O que é muito menos frequente nos processos místicos que tocam uma polaridade feminina.
O que explica que, por exemplo, Estrelas como MA ANANDA MOYI ou, ainda, GEMMA GALGANI, tenham exprimido a atemporalidade da Luz, mais do que processos de Visão.

E vocês não verão, jamais, e jamais viram, na vida dela, uma MA ANANDA MOYI falar da chegada da Luz, porque a Luz era, para ela, um processo vivido no instante presente, que não dependia de qualquer tempo.
É, simplesmente, a inscrição de sua consciência na linearidade do tempo que permitiu escrever, de algum modo, um desenrolar temporal.

Mas aquele que é Absoluto não se importa com a chegada de Hercobulus, com a chegada da Onda Galáctica: ele já está instalado aí.
Portanto, essa noção temporal é, verdadeiramente, inscrita na pessoa e, unicamente, na pessoa.
Àquele que é Absoluto, ou que vive a Infinita Presença, quer esse mundo termine em uma hora ou jamais, nada muda.
O que não é o caso, é claro, para a grande maioria da Humanidade encarnada, que é tributária do tempo.

Questão: as três Estrelas, ainda encarnadas, hoje, ignoram quem elas são?
 
É preferível que elas o ignorem.
Toda missão (não gosto muito dessa palavra), mas toda função encarnada na encarnação passa, obrigatoriamente, pelos mecanismos do esquecimento celeste.
Não o esquecimento das vidas passadas.

Por exemplo, quando eu era aquele, como eu me apresento hoje, Omraam, é claro que eu sabia que eu fui Merlin em minha vida, porque nós temos acesso a toda a memória de nossas vidas passadas, em um processo de Liberação ou, em todo caso, de Despertar.
Mas, jamais, do que é lá em cima, porque, isso, é algo que deve ser escondido, mesmo daquele que o porta porque, se isso lhe fosse revelado, haveria riscos de desgastes consideráveis.

Portanto, uma Estrela não sabe que ela é uma Estrela, aqui, sobre a Terra.
Um Ancião não sabe que ele é um Ancião, aqui, sobre a Terra.
Ele o sabe lá em cima.
Isso é muito importante.

Eu lhes transmito todas as minhas bênçãos, e terei a ocasião de vir vê-los a cada semana, durante essas audiências públicas.
Portanto, estarei com vocês todas as semanas.
E eu lhes digo, portanto, até muito em breve.
Fiquem bem.

_____________________________________________
NDR:

Eixo ATRAÇÃO-VISÃO


O ponto ER do peito


O ponto ER da cabeça
___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.


4 comentários:

  1. Adorei tudo o que foi dito, mas, em especial, o tópico sobre alimentação, já não tão necessária para aqueles já bastante ativados pela Luz Vibral. Quanto ao Hercolubus, 2º Sol, uma peça chave na transição em curso, os esclarecimentos foram ainda mais preciosos. Algumas frases, das mais agradáveis, desta MSG fabulosa: "1 - É o golpe de martelo atrás da cabeça, para dizer-lhes, aí, agora: «basta de jogar com a personalidade, pois o que você É, nada é de tudo isso». 2 - Se vocês sofrem, é que estão apegados a esse corpo e a essa pessoa. 3 - É, simplesmente, a ação da Luz, que vai mostrar as últimas trincheiras da personalidade a estarem apegadas aos hábitos, ao corpo, aos hábitos alimentares, aos modos de funcionamento. 4 - Se vocês se fundem na manifestação e na experiência do que é vivido, vocês verão que não haverá qualquer necessidade de explicação ou de compreensão". 5 - Aquele que vive o que ele É, não é porque ele procurou que ele encontrou. Ele encontrou, justamente, porque parou de procurar".

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Sra. CÉLIA,
    Esta postagem não terá áudio?
    Grato.
    Paulo Bomfim

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde, Sr. Paulo,
    Sim, farei o áudio sim, provavelmente até amanhã estará aqui.

    ResponderExcluir
  4. Ao concluir a leitura, percebo um estado de vazio, de deixar ir... Alguns termos, frases, pareciam 'uma pancada, para acordar', outros, já não causavam, tanto impacto, e percebia a 'Aceitação'. A Ilusão está diluindo e ainda luta para ficar. Petrificada, mas é perceptível, suas rachaduras, desmoronamentos, e até partes já empoeiradas. Flexibilidade, nos é, muito, muito pedido, este é o desafio. 'Reação ou Aceitação? E agora mais do que nunca, uma frase que sempre repeti: 'O que sofre não existe, o que Existe, não sofre'. Ah!...Totalmente transparente ... Efêmero ou Eternidade? Esse deve ser o nosso questionamento, diante do nosso dia a dia... Sair do hábito, agora, isso precisa mesmo ser zerado, que tragédia, que carregamos, que inutilidade, em nome, também de uma Grande Ilusão.

    Fim da peça, desmoronamento do teatro, fim do personagem. Agora, é o Presente da Realidade, do Absoluto.
    Amém.
    Noemia

    ResponderExcluir