Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

17 de nov de 2012

MARIA – 17 de novembro de 2012

Mensagem publicada em 18 de novembro, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui





Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui




Eu sou MARIA, Rainha dos Céus e da Terra.

Filhos bem amados, eu havia dito: eu voltarei vê-los, durante este período, para permitir-lhes, se vocês o desejam, ajustar-se, ao mais próximo, de sua Eternidade.

Eu venho, antes de tudo, dar-lhes um encontro.
Um encontro em que – todos juntos, através de sua consciência, através da Vibração, através de sua União, em Espírito – nos reencontramos, no primeiro dia de seu mês de dezembro, à mesma hora, para, durante uma hora, estarmos Unidos, em Espírito e em Verdade, para abrir o mês deste ano, que termina o ano (ndr: 1 de dezembro, de 14 às 15 horas – hora francesa).

É claro, inúmeros de vocês vivem o que eu vou tentar explicar-lhes.
Bem além de simples explicações concernentes aos Elementos, vou falar-lhes de vocês, durante este período preparatório para nosso encontro de 1 de dezembro.
Entre agora – e, talvez, já, há algum tempo – até essa data, muitas manifestações que estão presentes em vocês são chamadas a amplificar-se, a desenvolver-se e a revelar-se, o que lhes dá, cada vez mais, impressões e vivências que estão diretamente ligadas à Dimensão de Vida que se aproxima de vocês e que corresponde à sua Eternidade.

Neste período, é claro, ficar Tranquilo é essencial, mas vou tentar dar-lhes a ver – e eu lhes deixarei a palavra, em seguida – não tanto os sintomas que os habitam e que vocês vivem, assim como não tanto os sintomas e o que vive a Terra, mas, mais, o que corresponde a essa fase de transição, essa fase intermediária que vai levá-los a conceber a Verdade do Espírito e a instalar-se, cada vez mais serenamente, para além de todas as manifestações desse mundo e de seu corpo, no que vocês São, nessa Morada de Paz Suprema de que alguns de vocês se aproximaram ou viveram e que outros, ainda, entre vocês, já instalaram, de maneira definitiva.
Tudo isso resulta, ao mesmo tempo, da Fusão dos Elementos, do Reencontro com os Elementos celestes e Terrestres, a vir e que estão, agora e já, no plano do Éter, no plano etéreo e em um plano ainda sutil.

Esta fase é uma fase de transição.
É claro, há reajustes, em seus corpos, como sobre a Terra.
Algumas coisas antigas são chamadas a desaparecer, porque elas para nada mais servem.
Outras coisas aparecem, porque fazem parte da Eternidade.

Nesse espaço, vocês podem viver isso com mais ou menos conforto, mais ou menos reticência, mais ou menos dúvida, mais ou menos Paz.
Retenham que tudo depende, sempre, e cada vez mais, apenas de vocês, ou seja, do lugar no qual vocês Estão, aí, Presentes.
Presentes a si mesmos, ou presentes a uma data ou a um futuro.
Presentes a si mesmos ou presentes às interrogações desse mundo, nesta fase de transição.
O que quer que seja, vocês estão, todos, a viver elementos que lhes são próprios, mas que traduzem, para vocês, uma maneira, especial e específica e individual de instalar-se na Eternidade.

Então, este período demanda, de sua parte, uma grande quietude e, sobretudo, instalar, em vocês, modos não reacionais a tudo o que pode produzir-se, tanto em vocês como no exterior de vocês.
Esta fase, na qual os Elementos reencontram-se, fusionam-se para celebrar o Retorno do Éter e o Retorno da Unidade.
O Retorno a essa Eternidade acontece mais ou menos facilmente, mais ou menos simplesmente, segundo, justamente, sua capacidade para não dar peso ao que já é pesado: na condição de harmonizar-se com o que é cada vez mais leve, ou seja, o estado de sua consciência e não o estado de sua vida e, ainda menos, o estado do mundo.

As últimas zonas de resistência à Luz estão, de algum modo, condensando-se.
Através disso, pode-se dizer que a história terrestre repete-se, através do evento de circunstâncias que favorecem ou a violência ou a paz.

Então, é claro, há a guerra, há a paz e, em vocês, também, desenrola-se a mesma coisa.
O que é que ganha?
É a paz ou é a guerra?
Isso não depende, é claro, de seus desejos, ainda menos do que se desenrola em sua vida, mas, verdadeiramente, de sua atitude Interior.

Então, eu venho chamá-los a cada vez mais atitude Interior, benevolência, neutralidade e Paz.
É durante este período – que vai levar-nos até 1 de dezembro – que será extremamente fácil ou instalar-se na Paz ou instalar-se em outra coisa que não a Paz.
Vocês têm toda a liberdade para decidir isso.
São vocês que decidem, não reagindo, não se submetendo, mas colocando-se nessa benevolência daquele que observa o que se desenrola.
E o que se desenrola nada mais é do que uma transição, uma passagem de um plano a outro, de uma manifestação da vida a outra manifestação da Vida.
De uma vida em que tudo havia sido limitado, tudo tinha peso, para uma vida de leveza, independente de qualquer circunstância, mesmo, desse mundo.

Alguns de vocês já a vivem, através da modificação de sua fisiologia, mas tudo isso havia sido explicado por minhas Irmãs, como HILDEGARDE ou, também, SNOW (ndr: ver as intervenções de HILDEGARDE DE BINGEN, de 3 de outubro de 2012 e de SNOW, de 19 de agosto, 18 de outubro e 1 de novembro de 2012).
Hoje, mais do que nunca, vocês são convidados a abençoar-se, a abençoar-se na Paz, a encontrar-se na Paz e, também, a fazer a paz com tudo o que toca sua consciência: sejam suas próprias cóleras, sejam suas próprias dores, sejam suas próprias interações, próximas ou mais distantes, com Irmãos e Irmãs que participam de sua vida, de uma maneira ou de outra.

O tempo é para a Paz.
Eu diria, em outros termos, que o tempo é para a reconciliação.
Então, é claro, nós sabemos, pertinentemente, como vocês, que alguns Irmãos e algumas Irmãs não querem esse mundo novo, essa Dimensão nova e querem persistir em leis de evolução, leis de confinamento.
É liberdade deles.
Isso, nós temos avisado, para levá-los a viver, de modo o mais adequado, este período.

O tempo de grandes mudanças, enfim, chegou à sua porta.
É claro, eu virei bater à sua porta no momento adequado, e vocês sabem disso: eu lhes disse e repeti ao longo desses anos.
Tudo o que há a fazer é deixar vir o que vem.
Tudo o que há a fazer é Ser.
Ser, e não dar peso e importância ao que passa.
E eu os lembro de que, mesmo se vocês sejam afetados, nesse corpo, esse corpo passará.
Eu os lembro de que, se vocês são afetados, em algumas circunstâncias de suas vidas, essas circunstâncias, também, passarão, e muito mais rapidamente do que vocês podiam esperar por uma ação de sua pessoa.

Tudo o que se desenrola – mesmo se isso não lhes apareça, em um primeiro tempo – é oriundo da Luz.
É claro, não é a Luz que desencadeia as resistências, mas, por vezes, a Luz pode amplificar as resistências.
Então, apreendam isso, compreendam-no e aceitem que alguns Irmãos e Irmãs não têm, ainda, a possibilidade – quer eles estejam próximos de vocês como na outra extremidade da Terra – de dar-se conta ou de aceitar o que se desenrola, nesse momento mesmo.
Isso será profundamente diferente, dentro de poucos dias.

Então, nós os convidamos, durante este período de transição, a ficarem o mais Tranquilo possível.
Façam o que vocês têm a fazer, mas, ao nível de seu espírito, permaneçam nessa neutralidade, nessa benevolência, nessa observação.
Aproveitem de momentos nos quais nós os chamamos, seja uma de minhas Irmãs ou, ainda, um dos Anciões ou, ainda, no momento em que a Luz surge mais em vocês, para acolhê-la e vivê-la na maior das Pazes e das serenidades.

Se vocês não constataram, ainda, suficientemente, efeitos da Luz, em sua vida e no que vocês são, então, deixem entrar ainda mais Luz.
O que quer que se produza em seu corpo, o que quer que seu Coração tenha a viver, estejam certos – e seguros – de que o que se desenrola é apenas a penetração, sempre mais intensa, da Luz.
O efeito do Éter da Terra, ao nível coletivo, a Merkabah Interdimensional coletiva e o Canal Mariano, todos esses elementos estão no trabalho e no lugar, doravante.

Minha Irmã SNOW explicou-lhes essas Revelações finais da Luz (ndr: ver, em especial, a intervenção de SNOW, de 18 de outubro de 2012).
É, muito exatamente, o que se desenrola.
E, se se compara isso a um nascimento, nós, mulheres, nós sabemos, pertinentemente, que o momento do parto é aquele que sobrevém antes do nascimento, propriamente dito, e o momento, por vezes, em que o mais intenso é vivido, por vezes, como um momento doloroso.
Mas esse momento doloroso deixa, muito rapidamente, o lugar ao sentimento de plenitude, assim que o nascimento tenha ocorrido.
Lembrem-se disso.

Então, o que quer que a resistência à Luz manifeste, tanto em vocês como sobre o mundo, sejam pacientes e sejam Humildes.
Vocês não têm qualquer meio de agir nos Elementos, tanto em vocês como sobre o planeta.
Para nada serve querer imaginar proteger tal zona, tal região, porque o que deve acontecer a essa região está, também, inscrito no Plano da Luz, o que quer que aconteça.
Se vocês conseguem transcender e, de algum modo, superar a primeira impressão, as primeiras imagens, as primeiras emoções que possam manifestar-se e que se manifestarão a vocês, verão que, por trás de toda essa agitação, de toda essa aparência que vocês poderiam nomear desagradável ou caótica, encontra-se a Paz da Eternidade.

Nada mais há a fazer que não percebê-lo.
Nada mais há a fazer que não deixar Shantinilaya estabelecer-se, totalmente, em vocês.
É desse modo que vocês contribuirão para deixar estabelecer-se o Reino da Luz que, eu os lembro, já está realizado nas outras Dimensões.

A Terra se junta à sua Dimensão de Eternidade.
Vocês também.
Isso se desenrola nesse momento mesmo, e chama-os a viver este período na maior das serenidades.
Mesmo se sua personalidade manifeste-se e manifeste, a vocês, sentimentos, quaisquer que sejam, esses sentimentos passarão.
Eles não fazem parte do que vocês São, ou seja, a Morada de Paz Suprema.

Até certa fase, nós havíamos falado de escolha entre o medo e o Amor.
Agora, a escolha é mais entre Shantinilaya e a cólera.
São, não duas emoções – mesmo se a cólera seja uma emoção – mas dois estados: estado de resistência ou estado de Abandono, ou seja, que o Abandono do Si – se não foi conscientizado e realizado – realizar-se-á, eu diria, de algum modo, custe o que custar, o que quer que vocês pensem disso.

Está aí a maior das Liberdades.
Cabe a vocês determinar-se.
E essa determinação vai segui-los, agora, até meu Anúncio.
Quer isso seja na facilidade da Paz, da Morada de Paz Suprema ou seja na cólera e na resistência, porque vocês têm, em algum lugar, em vocês, um sentimento que surgiu de ali não ter chegado.

Mas eu lhes asseguro: não há qualquer lugar aonde chegar, há apenas que Ser, e isso não necessita – vocês se apercebem disso, por si mesmos – qualquer deslocamento, qualquer movimento.
Apenas estar aí – seja Presentes a si mesmos, seja estabelecidos nessa própria dissolução da consciência – para beneficiar-se disso.
Pouco a pouco – e bastante rapidamente, nesse intervalo de tempo – o que apareceu (e que apenas fazia aparecer) desaparecerá.
O que apareceu – e que se instalou – e que deve ser e tornar-se, de algum modo, sua Eternidade, instalar-se-á, o que quer que vocês façam.

Cabe a vocês saber onde vocês se colocam, porque as duas circunstâncias serão, durante este período, eu diria, concomitantes, elas também.
Vocês observarão uma grande diferença, sobre a Terra, entre os Irmãos e as Irmãs que escolheram e disseram «sim» à Luz, de maneira definitiva, e aqueles que, até o presente, pensavam em conciliar e acomodar a Luz ao modo de ver deles.

Mas lembrem-se de que é sua Liberdade.
Eu tenho, simplesmente, a dar-lhes essas informações.
Elas lhes chegarão, também, é claro, de múltiplos lugares: em sua consciência como, também, no que lhes será dado a observar e a ver, em vocês, fora de vocês, ao seu redor e por toda a parte sobre a Terra.

O tempo do Apelo está muito próximo.
Alguns de vocês, aliás, pressentiram-no e já o viveram, à sua maneira.
Quer seja o Apelo por uma Estrela, quer seja o Apelo por um Ancião, mas, também, por sua capacidade para extrair-se de si mesmo, não por um ato de vontade, mas, efetivamente, pela capacidade, do Amor, para estabelecer essa Paz.

Assim, portanto, Shantinilaya decorre, diretamente, de seu estado de Amor ou de seu estado de cólera (que os afasta disso).
São vocês que se ajustam, agora, eu diria, em tempo real, como se não houvesse mais latência entre sua consciência e os eventos (eventos Interiores como eventos exteriores).
Cabe a vocês ver, aí também.
E cabe a vocês situar-se no que se desenrola.

Este espaço de transição é muito especial porque há, efetivamente, a percepção clara – e que será cada vez mais clara, para muitos de vocês – de viver a cavalo sobre suas realidades, a cavalo sobre dois mundos.
Ou dois mundos que se interpenetram e dos quais um vai, de maneira extremamente natural, pôr fim ao outro, sem qualquer luta, sem qualquer dificuldade, exceto para aquele que decidiu colocar-se sob a ação da resistência e da cólera.

Vocês nada mais têm a fazer do que observar.
Vocês nada mais têm a fazer do que Amar, não como um ato da vontade, mas como vivendo, realmente, a própria natureza do que vocês São, que é Amor, Unidade, Felicidade e Morada de Paz Suprema.
Vocês estarão ou cada vez mais no Contentamento, ou cada vez mais na cólera.
Mas isso não requer correção, nem em um caso, nem no outro, mas, simplesmente, estar às claras com essas duas sensações, esses dois estados e essas duas consciências.
São vocês que se posicionam, vocês mesmos, de acordo com o que vocês São e de acordo com o que Serão.
Isso, agora, não poderá mais dar, muito rapidamente, mais qualquer dúvida para vocês.

As últimas dúvidas serão levantadas.
As últimas interrogações elevar-se-ão em vocês.
Então, vocês serão capazes de beneficiar-se da integralidade da Luz.
O que, anteriormente, eram, ainda, apenas experiências ou estados transitórios, tornar-se-á não mais uma experiência, mas, cada vez mais, um estado permanente.

Então, eu os convido a deixar a Luz agir, porque o que age, de fato, é sua Eternidade que vem competir, se se pode dizê-lo, com seu efêmero.
E isso não depende, de modo algum, de sua reação, mas, mais, de sua capacidade para situar-se no contentamento ou na cólera.
Isso vai aparecer-lhes cada vez mais lucidamente.

Os sinais – se vocês os têm vivido, ao nível de manifestações de seu corpo – podem amplificar-se, durante este período.
Mas estejam certos de que, ao fim deste período, há a Paz e essa Paz está além de tudo o que vocês puderam viver, até o presente, como experiência, mesmo de Existência, mesmo de Comunhão ou de Fusão com um Duplo porque, aí, vocês reencontram a integralidade, a totalidade de sua herança.

É durante este período que se realiza, é claro, o Choque da Humanidade.
Mas, também, tudo o que deve desaparecer deve ser queimado no Fogo do Amor e no Sopro do Amor.
E vocês, vocês estão aí: ou vocês portam esse Sopro e esse Fogo, ou resistem a esse Sopro e a esse Fogo.
Sua capacidade de Abandono será, portanto, colocada à frente e ela vai, portanto, ser-lhe mostrada.
Já, para alguns de vocês, a revelação de suas Linhagens – seja pelos sonhos ou por revelações espontâneas – tomou certa acuidade.

Então, é claro, vocês apreenderão, perfeitamente, que esses momentos estão além de qualquer análise, de qualquer interpretação ou de qualquer projeção.
Lembrem-se de que nessa fase de transição específica há apenas o Amor que ilumina, há apenas o Amor que põe na Paz.
E, para isso, nada mais há a fazer do que deixar o Amor Ser.
Deixar o Amor Ser é reencontrar o que vocês São.
Não deixar o Amor Ser é continuar a manter a Ilusão: a ilusão do sofrimento a ilusão da pessoa, a ilusão de um caminho ou de uma evolução.

Mas, eu repito, vocês são Livres: Livres para colocar-se de acordo com as leis ditas de evolução ou colocar-se de acordo com a Lei de Eternidade, que nada tem a ver com qualquer eternidade.
Isso lhes foi explicado de modo, por vezes, forte, eu diria, por esse interveniente que se manifestou, durante este ano, esse famoso BIDI (ndr: ver suas intervenções na rubrica «mensagens a ler»).
Mas eu os lembro de que vocês São todos, também, BIDI, que vocês São, todos, também, o que eu Sou.
Não se esqueçam disso.

Nos momentos em que pode apresentar-se uma dificuldade, lembrem-se de que não há que nadar contra a corrente.
O que quer que vocês tenham a viver é, muito precisamente, o que vocês têm a viver.
Se seu corpo deve desaparecer, durante esta fase, ele desaparecerá, mas vocês não desaparecerão.
Se seu corpo deve estar no estado de Contentamento, vinte e quatro horas por dia, então, ele estará porque, o que quer que vocês tenham a viver, individualmente, vocês participam do Reino da Luz, mesmo a ele se opondo.
É assim.

Lembrem-se de que, em definitivo, e ao fim deste período de Transição, quando meu Apelo tiver ocorrido, quando os mecanismos ligados à imobilidade da Terra e à sua tiverem ocorrido, de modo sincrônico, então, naquele momento, vocês serão, todos, Liberados.
E lembrem-se, ainda uma vez, de que, estritamente, nada há a fazer, de que, estritamente, nada há a procurar, de que, estritamente, nada há a projetar ou a esperar em qualquer data.
A não ser, simplesmente, essa data que eu lhes dei, que é um momento de Reunião Unitária, eu diria, não para nutrir uma egrégora qualquer, não para projetar um amor qualquer sobre tal região do planeta ou seu corpo, mas, efetivamente, para Viver o Amor (ndr: em 1 de dezembro, de 14 às 15 horas – hora francesa).

Se vocês vivem o Amor, naquele momento, se esse período de Transição termina no Amor, para vocês, então, verão, por si mesmos, que nada poderá fazê-los balançar, que nada poderá fazê-los sair de Shantinilaya, e que vocês estarão estabelecidos, com força e vigor, nessa Humildade e nessa nova Dimensão de vida, o que quer que se torne esse mundo durante este período.
Porque eu não lhes escondo que a aproximação da Irradiação da Fonte, assim como a aproximação do que deve chegar em seu céu tem, já, efeitos extremamente importantes, mesmo se isso não seja visível aos seus sentidos.
Só sentir, em si mesmo, sua própria consciência já está impregnada disso.

Eu os lembro de que as primeiras descidas do Espírito Santo sobre esta Terra ocorreram há agora quase trinta anos, em agosto de 1984.
Então, o conjunto de Portais galácticos foi aberto, o conjunto de Portas do Sol e da Terra foi Liberado de toda Predação.
E vocês vão constatar os efeitos disso, de maneira muito mais intensa do que o que foi observado até o presente, tanto em vocês como no conjunto do planeta.

O corpo da Terra vive a Ascensão dele.
Seu corpo, também, do mesmo modo.
Não se esqueçam de seguir, em vocês, como no que lhes pede esse corpo, as linhas de menor resistência, porque é aí que está a Fluidez, é aí que está a Graça e é aí que está, sobretudo, a Verdade Eterna.

Então, o que vocês escolhem, ainda uma vez: a Verdade Eterna que vocês São ou a verdade efêmera que muda sem parar e que se tornará cada vez mais resistência?
Quer isso se exprima em seu corpo, em sua consciência, ou exprima-se no Contentamento da Morada de Paz Suprema, isso será cada vez mais crucial, em vocês.
Observem, realmente, seus Irmãos e Irmãs, Abertos, que os cercam: vocês constatarão isso com cada vez mais evidência e facilidade.

O que quer que seja, nosso encontro de 1 de dezembro não é um encontro que eu lhes dou, pessoalmente – mesmo como aquela que coordena, de algum modo, o Advento do Retorno da Luz – mas, bem mais, a ação da própria Luz, em seus diferentes componentes, quer eles estejam ao nível do Núcleo da Terra, de Sírius que é despertado, quer ela esteja ao nível de sua atmosfera ou das diferentes camadas isolantes que terminam neste momento mesmo.

Todas as modificações Elementares da Terra, todas as modificações e Fusões dos Elementos do céu, sobre esta Terra são, muito exatamente, as provas que alguns de vocês esperavam.
Essas provas, Interiores, antes de tudo, mas, também, que serão em perfeita sincronia com o exterior.
Como lhes disse minha Irmã SNOW: a Revelação final do Coração Ascensional vem preencher o conjunto de seus campos energéticos e Vibratórios (ndr: ver a rubrica «protocolos a praticar / Revelação do Coração Ascensional»).

Suas auras, se preferem, vão continuar a expandir-se, durante este período.
O Amor também.
O Contentamento também.
Então, não há escolha.
A única escolha é expansão ou contração: dilatação e Alegria ou retração e cólera.
Isso é um elemento novo porque, até o presente, nós havíamos falado da incerteza ligada aos seus medos.
Não é mais o medo que está na obra, agora.

O Choque da Humanidade desenrola-se, em vocês, em sua carne, como na carne da Terra.
Isso se tornará, com extrema rapidez, de uma evidência total para o conjunto da humanidade.
É claro, muitos de seus Irmãos e de suas Irmãs, ao redor de vocês mesmos, vão colocar-se questões em relação a isso.
Lembrem-se de que não é nas palavras que vocês poderão satisfazer o que quer que seja de Eterno, mas na manifestação de sua própria Eternidade: aquela de um Coração Amoroso, Pacificado, que vive esse Contentamento e que o Irradia, sem nada projetar, porque é um estado natural.

Não se enganem com explicação para aqueles que virão a vocês.
Não se enganem com justificação.
A Luz É, e vocês têm apenas que Ser para, literalmente, nutrir seus Irmãos e suas Irmãs que se aproximarão de vocês, nesses momentos.
Sua Presença será, realmente, um bálsamo, tanto para vocês mesmos como para o conjunto de seus Irmãos e suas Irmãs, sobre todo o planeta, mas, também, sobretudo, em seus ambientes respectivos.

Aí está o que eu tinha a transmitir-lhes, hoje, e eu lhes atribuo, é claro, com prazer, se há necessidade, em vocês, de informações complementares em relação a este período ou ao nosso encontro.
Então, eu os escuto, com Amor.



Questão: Quando se imagina ferido ou traído, é melhor exprimi-lo – mesmo se isso releve da cólera – ou é melhor nada dizer?

Isso depende de onde você Está.
Se você Está no Amor, então, como dizia o Mestre PHILIPPE, há pouco tempo: estenda a outra face (ndr: intervenção de PHILIPPE DE LYON, de 10 de novembro de 2012).
Isso é, para você, a prova para mostrar onde está seu Abandono.
Porque o que é que pode ser ferido ou traído, se não é a personalidade?

Aquele que está estabelecido na Presença, aquele que vive Shantinilaya, o Êxtase ou o Contentamento, como, de qualquer maneira que seja, poderia sentir-se traído ou ferido?
É, sempre, apenas a personalidade efêmera que é traída ou ferida.
E, como dizia, aliás, um dos Anciões, há alguns anos: tente, simplesmente, não reagir no momento em que isso é vivido e percebido, e você verá, por si mesmo, que essa necessidade de reagir ou de exprimir uma justiça da personalidade, qualquer que seja, apagar-se-á, por si mesma, e você encontrará muito mais rapidamente a Paz que você É (ndr: ver as intervenções de UM AMIGO, de 20 e 27 de novembro de 2010).

Não é, jamais, reagindo a uma injustiça que você permitirá à Eternidade instalar-se.
Reagir à injustiça faz apena manter a própria existência da personalidade e da divisão.
Mas eu a lembro de que, jamais, o que você É pode desaparecer, nem ser ferido, nem ser traído.
E que, se você se sente traída e ferida, isso lhe mostra, a si mesma, onde você se situa e se você aceita sair do lugar no qual se situa para deixar Ser a Luz, então, você constatará, muito rapidamente, que nada pode reagir e que nada pode ser ferido.
Coisa, é claro, que não pode compreender a personalidade e o efêmero.

Eu os lembro de que esse mundo é construído, além da Ilusão, sobre o princípio de ação/reação.
Haverá, sempre, um Irmão ou uma Irmã que a trairá.
Haverá, sempre, um Irmão ou uma Irmã – ou uma circunstância – que virá desafiá-la em relação à sua Eternidade, até o momento em que você estará, você mesma, segura e certa – não em uma crença, mas em sua vivência – de que você É a Eternidade.
Naquele momento, nada mais poderá vir feri-la.

Questão: o que fazer quando se vive momentos de estase, mas que não se tem qualquer sentir, em especial ao nível do Canal Mariano?

Meu Filho, isso foi explicado há pouco tempo, aí também (ndr: intervenção de ANAEL, de 10 de novembro de 2012).
Então, eu volto a precisar as coisas.
Foi-lhes mostrado que existia, além da consciência e do aspecto Vibratório da consciência, um estado no qual não existe qualquer percepção e no qual, no entanto, como você diz, produz-se um estado de estase.
É, justamente, o que o conduz à Infinita Presença, quando param todas as suas percepções.

Nesses momentos, se você se Abandona, inteiramente, então, você transporá a Porta da Última Presença e entrará em sua própria Ressurreição.
É tão simples assim.

O que não era possível, anteriormente, torna-se possível.
A própria cessação de manifestações da consciência leva-os ao que BIDI nomeou a a-consciência, muito facilmente.

Questão: ouvir-se chamar por outro nome que não o nome de batismo pode corresponder a um Apelo de Maria?

Vocês têm, todos, um nome.
Esse nome é um nome de Eternidade.
Ele nada tem a ver com o nome de alma.
Ele é o nome que vocês portam para além de toda forma, a partir de seu aparecimento em uma forma, qualquer que seja.
É esse nome que, efetivamente, pode ser pronunciado.

Questão: ao mesmo tempo ouvindo esse nome, eu senti uma pena branca em minha mão.

Nossa Presença, nossa Infinita Presença está muito perto de sua Presença.
Nós temos dito que, no Canal Mariano, podíamos apresentar-nos a vocês.
Lembrem-se de que, além da necessidade de sentido, da necessidade de explicação, o mais importante será, sempre, o que é vivido, naquele momento, e que o que se coloca a questão será, sempre, o mental.

Nos outros Planos que vocês se preparam para viver, é evidente que, quando vocês têm uma manifestação, não há o cérebro que está aí para tentar discriminar o que é bem, o que é mal, o que é útil, o que é inútil ou qualquer outro aspecto de comparação, mas que o estabelecimento desses contatos, dessas relações, dessas Fusões, dessas Comunhões ou o Reencontro com um Duplo ou, ainda, com intervenientes de Planos Multidimensionais faz apenas reforçá-los em sua Multidimensionalidade.

É, justamente, todo esse aspecto transitório que deve fazê-los ter-se Tranquilos, ou seja, não procurar um sentido ou uma explicação, porque o sentido e a explicação virão por si só, depois, e sem qualquer utilidade da ferramenta mental.
A vivência Vibratória ou a vivência do Reencontro, em si mesmo, qualquer que seja esse Reencontro – quer você seja acariciada ao nível da face, quer você sinta um arrepio em sua cabeça, quer você sinta uma Presença em sua cama, quer você sinta um Ser ao seu lado ou que ouça seu nome – representa, unicamente, nossa aproximação e o que nós nomeamos – na falta de outro termo – a justaposição de Dimensões: essa era de transição, essa época de transição, muito curta, na qual vocês entram, de modo cada vez mais íntimo.

Portanto, não procure o sentido ou a explicação.
Do mesmo modo que, quando uma de suas Linhagens é-lhe revelada, o que é importante é o impacto na consciência, e isso instala os quatro Pilares do Coração, que permitem a Revelação do Coração Ascensional.
Não há que procurar sentido ou significado.

O interesse não é saber que você tem uma Linhagem em Sírius, mas, efetivamente, disso viver os efeitos e a consequência.
E, quanto mais você aceitar não procurar sentido ou significado, mais você estará instalada no tempo de sua vivência, no momento em que isso se produz, e mais você descobrirá o Amor, mais você descobrirá a Morada de Paz Suprema.

Jamais, qualquer explicação satisfará outra coisa que não seu próprio mental.
Como minhas Irmãs disseram e, também, muitos Anciões: nós teríamos podido desenvolver bem mais do que nós lhes temos dado, por exemplo, ao nível da anatomia sutil ou oculta – ou, em todo caso, multidimensional – do que vocês São.
Nós temos dado os elementos importantes – e isso foi explicado – mas há montes de elementos que vocês sentem, que vocês vivem, sobre os quais nós não temos ido mais longe nas explicações, porque temos não julgado, mas estimado – através do que percebemos – que não era útil dar-lhes o significado disso.

Lembre-se de que você anda, mas você não sabe quais são os músculos, os nomes dos músculos que lhe permitem andar: no entanto, eles funcionam.
É o mesmo para a multidimensionalidade.
A explicação e o sentido, o significado são, sempre, apenas ligados, em definitivo, ao seu modo de vida e de expressão nesse mundo da Dualidade, da ação/reação, do Bem e do Mal.
Para além desse mundo há outro mundo, no qual vocês penetram que nada mais tem a ver com tudo isso.

A Transcendência – ou, se preferem, o que foi chamada a espiritualização da matéria – é, justamente, isso: é deixar a Luz agir na matéria, é não se servir da matéria – e, portanto, do mental – para tentar compreender, explicar, apropriar-se ou possuir o que é Livre.

Questão: pessoas que vivem o mesmo nível Vibratório podem, igualmente, entrar em ressonância, de maneira espontânea, ou, também, chocar-se entre si?

Bem Amado, tudo depende do que se exprime, naquele momento.
Se há reação, a personalidade vai tomar a dianteira para coisas, por vezes, insignificantes.
É isso que é preciso ver no trabalho.
E, justamente, se há afinidade Vibratória – e eu não falo, mesmo, de Duplos, quaisquer que sejam – há possibilidade de viver a Comunhão e a Fusão, quer vocês estejam um em face do outro ou à distância.

Então, portanto, cabe a vocês ver o que vocês vivem.
Vocês não podem estar próximos, Vibratoriamente, e chocar-se entre si.
Isso não é possível.

Ou, então, vocês recaem, de imediato, nas máscaras, nas aparências, nos combates que nada têm a ver com a Luz e o Amor.
Portanto, se há Amor, se há Comunhão, se há Fusão ou, eventualmente, se há neutralidade, então, há Amor.
Em contrapartida, se há cólera, se há o que você nomeia chocar-se entre si, isso faz apenas traduzir que um dos dois ou ambos recaíram, de algum modo, ao nível da expressão da personalidade.
Esse não pode, jamais, ser o caso para aquele que vive Shantinilaya ou que vive o Êxtase do Contentamento.
É toda a diferença, também, entre o Abandono à Luz e o Abandono do Si.

O Abandono à Luz é ter deixado penetrar a Luz, ter visto e vivido o Si, mas disso servir-se para outra coisa que não o que vocês São.
E, é claro, naquele momento, pode haver antagonismo, atrito, resistência, cólera.
O que não é o caso para aquele que está instalado em Shantinilaya.

É claro, eu o lembro de que a personalidade encontrará, sempre, pretextos – como em uma das questões precedentes, por exemplo – para exprimir seu sentir e, portanto, para enganar (mesmo se essa confrontação não seja violenta, na aparência) a necessidade de existir, ou seja, de afirmar a pessoa, de afirmar uma ferida, de afirmar uma traição que não existe, em definitivo, eu o lembro, ao nível do que vocês São.
E o modo pelo qual você mesmo vê a cólera, o fato de chocar-se entre si, de viver isso ou de Estar na Paz a mais total: toda a diferença está aí.

Eu os lembro – mesmo se o exemplo não seja, talvez, completamente adequado – que Joana D’Arc cantou na fogueira.
Será que a personalidade pode cantar quando ela é submetida ao fogo real?
Eu não creio.

Aquele que está, realmente, instalado em Shantinilaya (isso não é uma visão do espírito ou um discurso) é totalmente independente do que acontece a esse corpo.
Ele o habita, inteiramente, mas a espiritualização da carne ocorreu.
Então, naquele momento, o que quer que se torne essa carne, isso não tem mais qualquer importância.
O corpo é o Templo, porque é nele que se realiza essa alquimia final.
Mas o objetivo, é claro, é o de não mais ser tributário desse corpo, porque esse corpo está espiritualizado.

Então, como um corpo que seria espiritualizado, ou em vias de sê-lo, poderia manifestar outra coisa que não o Amor?
Mas, é claro, nós concebemos, perfeitamente, que, para aquele que exprime, ainda, uma personalidade, não haja solução.
Mas a única solução não está, justamente, na personalidade.
Mas, para isso, é preciso vivê-lo, para realizá-lo.

Questão: se, hoje, uma doença grave aconteça ao nível do corpo, o que seria preciso fazer?

Eu não tenho resposta a dar-lhe, porque isso concerne apenas a você.
Se o medo está presente, o que você fará?
Você irá lançar-se nas mãos daqueles que podem curá-lo, curar esse corpo de acordo com as leis desse corpo.
E essa será a atitude exata.
Mas não conte, jamais, com ninguém para dizer-lhe o que fazer nesse gênero de problema, porque isso concerne apenas a você.

Então, é claro, poderia ser adotada a opinião da ciência, concernente a esse corpo e, então, adotar o que vocês nomeiam de ações terapêuticas, por vezes, muito duras.
Mas cabe a você decidir.
Cabe a você ver.

São vocês que sabem onde vocês estão.
Eu o lembro de que, se você É Absoluto ou, se você se confina na Infinita Presença, não há qualquer razão para que o que quer que seja que sobrevenha nesse mundo, como em sua carne, possa afetar o que quer que seja do que você É.
Não é o mesmo, é claro, se você está, ainda, sob a influência de sua própria personalidade.

As leis de seu mundo chamam a reação, seja indo ver o que vocês nomeiam um cirurgião, seja indo ver um médico, um curandeiro (ou pouco importa).
São vocês que são Livres, é seu corpo.
Se vocês não têm confiança, o que vai acontecer?
Então, vocês irão ver aqueles que vão operá-los e propor-lhes, justamente, explicações, quer essas explicações concirnam à fisiologia desse próprio corpo como explicações mais sutis, ao nível dos diferentes corpos sutis.
Mas, tanto uma como a outra são apenas verdades relativas, que concernem apenas ao efêmero, e tudo depende, aí também, da localização de sua consciência.

Em caso algum nós podemos chamá-los a ir para curas correntes ou para curas que vocês nomeiam energéticas ou alternativas ou, ainda, dizer-lhes para nada fazer.
São vocês que decidem o que é que os põe em um sentimento de segurança: segurança ilusória da explicação ou da ação/reação?
Segurança sutil da energética?
Ou segurança absoluta daquele que É Absoluto?

Não temos mais perguntas. Agradecemos.

Então, bem Amados Irmãos, Irmãs e Filhos (qualquer que seja o nome que vocês desejem que eu lhes dê), vivamos, se quiserem, um momento que prefigura, se querem, nosso próximo encontro.
Instalemo-nos, alguns minutos de seu tempo, para além, justamente, de seu tempo.
Eu lhes digo, portanto: até daqui a duas semanas.

... Partilhar da Doação da Graça...

Eu sou MARIA, Rainha dos Céus e da Terra, e eu lhes digo: até 1 de dezembro.
Até breve.
________________________________
NDR:

A intervenção de MARIA ocorrerá, portanto, em 1 de dezembro próximo, de 14 às 15 horas, hora francesa no relógio.
Nesse dia, uma jornada de canalizações públicas já está programada em Biarritz, essa intervenção far-se-á, portanto, em público, nesse âmbito (vocês encontrarão todos os detalhes na rubrica «canalizações públicas»).
Contudo, MARIA lembra que, além da presença física, a conexão, em Espírito, naquela hora, qualquer que seja o lugar no qual vocês se situem, permite viver os aspectos Vibratórios que serão, então, propostos.

___________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.


7 comentários:

  1. Confesso que me encontro, a nível do corpo físico, já, na chamada situação amplificada de manifestações. É certo que para cada um, uma situação específica. No meu caso, a coisa está, por vezes, sobretudo à noite e deitado, mais a lembrar as tais mil agulhadas, mencionadas tempos atrás. Esta fala de Maria foi o quê de mais perfeito e providencial na abordagem de tais possibilidades de tão incrível circunstância. Como conseguir neutralidade nisso, evitando reagir, só mesmo no apenas perceber, sem absolutamente nada mais, e nada menos. Os trechos abaixo, ilustram bastante o porque da possibilidade desta situação inimaginável (por vezes, aparentemente insuportável):

    Entre agora – e, talvez, já, há algum tempo – até essa data (1/dez), muitas manifestações que estão presentes em vocês são chamadas a amplificar-se, a desenvolver-se e a revelar-se, o que lhes dá, cada vez mais, impressões e vivências que estão diretamente ligadas à Dimensão de Vida que se aproxima de vocês e que corresponde à sua Eternidade.

    Tudo isso resulta, ao mesmo tempo, da Fusão dos Elementos, do Reencontro com os Elementos celestes e Terrestres, a vir e que estão, agora e já, no plano do Éter, no plano etéreo e em um plano ainda sutil.

    E o que se desenrola nada mais é do que uma transição, uma passagem de um plano a outro, de uma manifestação da vida a outra manifestação da Vida. De uma vida em que tudo havia sido limitado, tudo tinha peso, para uma vida de leveza, independente de qualquer circunstância, mesmo, desse mundo.

    Tudo o que se desenrola – mesmo se isso não lhes apareça, em um primeiro tempo – é oriundo da Luz. É claro, não é a Luz que desencadeia as resistências, mas, por vezes, a Luz pode amplificar as resistências. O que quer que se produza em seu corpo, o que quer que seu Coração tenha a viver, estejam certos – e seguros – de que o que se desenrola é apenas a penetração, sempre mais intensa, da Luz.

    ResponderExcluir
  2. SETAS, INÚMERAS SETAS, É A MENSAGEM DA AMADA MARIA.
    Caberá a nós escolhermos a Alegria ou a cólera, resistência. Para os optantes das SETAS DO AMOR, DA LUZ, DA ALEGRIA, eis algumas sinalizações para este aguardado período:
    - Determinação
    - Apenas Ser
    - Liberdade
    - Shantinilaya
    - Ficar o mais tranquilo possível
    - Determinação
    - Tempo do Apelo
    - Não há que nadar contra a corrente
    - Definitivo
    - Imobilidade da Terra
    - Viver o Amor (01/12/12)
    - Fluidez
    - Graça
    - Verdade Eterna
    - Expansão
    - Dilatação
    - Coração Amoroso, Pacificado, Contentamento

    Eis o Caminho, para a Nova Terra.
    Paz.Alegria,...
    Noemia

    ResponderExcluir
  3. Nada mais há a fazer que não deixar Shantinilaya estabelecer-se, totalmente, em vocês.
    É desse modo que vocês contribuirão para deixar estabelecer-se o Reino da Luz que, eu os lembro, já está realizado nas outras Dimensões.

    ResponderExcluir
  4. Saudações de Paz!
    Amigos 14 horas da França sera aqui então 11 horas da manha?
    Grato.
    Marcelo.

    ResponderExcluir
  5. Sim, Marcelo, como informado no topo do blog, a diferença de fuso atual é de três horas.

    ResponderExcluir
  6. "Nosso encontro de 1 de dezembro não é um encontro que eu lhes dou, pessoalmente - mesmo como aquela que coordena, de algum modo, o Advento do Retorno da Luz - mas, bem mais, a Ação da própria Luz.
    "É um momento de Reunião Unitária, eu diria, não para nutrir uma egrégora qualquer, não para projetar um amor qualquer sobre tal região do planeta ou seu corpo, mas, efetivamente, para VIVER o AMOR.

    "Lembrem-se de que nessa fase de transição específica há apenas o Amor que Ilumina, há apenas o Amor, que põe na Paz.
    "Fase de transição, essa fase intermediária que vai levá-los a Conceber a Verdade do Espírito e a Instalar-se, cada vez mais serenamente, para além de todas as manifestações desse mundo e de seu corpo, no que vocês São, nessa Morada de Paz Suprema.
    "E, para isso, nada mais há a fazer do que deixar o Amor Ser. Deixar o Amor Ser é Reencontrar o que vocês São.
    "Nada mais há a fazer que não deixar Shantinilaya estabelecer-se, totalmente, em vocês.

    "É durante este período que se realiza, é claro, o Choque da Humanidade.
    "A Luz É, e vocês têm apenas que Ser para, literalmente, nutrir seus Irmãos e suas Irmãs que se aproximarão de vocês, nesses momentos. Sua Presença será, realmente, um bálsamo,tanto para vocês mesmos como para o conjunto de seus Irmãos e suas Irmãs, sobre todo o planeta, mas, também, sobretudo, em seus ambientes respectivos.
    "Lembrem-se de que não é nas palavras que vocês poderão satisfazer o que quer que seja de Eterno, mas na manifestação de sua própria Eternidade."

    ResponderExcluir
  7. Nessa última pergunta feita a Maria, ela responde de forma semelhante a BIDI;
    então BIDI responderia: "não é o corpo que se liberta da doença, não é a personalidade que se liberta do sofrimento, mas é a própria consciência que se liberta tanto do corpo como da personalidade."
    Um abraço a todos os irmãos Filhos Ardentes do Sol - KI RIS TI.

    ResponderExcluir